Perguntar
Fechar

Anticoncepcional Injetável

Pílula do dia seguinte dose única pode falhar?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim. A pílula do dia seguinte apresenta uma probabilidade de falha em torno de 2 a 3%. A pílula do dia seguinte usada até no máximo 72 horas após uma relação sexual desprotegida é eficaz e se apresenta como uma boa opção contraceptiva de emergência.

Para aumentar a eficácia da pílula do dia seguinte, recomenda-se tomar o medicamento logo após a relação sexual desprotegida. Porém, mesmo usada em até 3 dias depois da relação, ela continua sendo eficaz para prevenir a gravidez.

Qual é a eficácia da pílula do dia seguinte?

Nas primeiras 24 horas, a eficácia da pílula do dia seguinte pode chegar a 98%. Depois de 48 horas, a eficácia diminui para cerca de 85%. Se a mulher tomar o medicamento em 72 horas, as chances de prevenir a gravidez caem para 58%.

Por isso, quanto mais cedo a pílula for tomada, maior é a sua eficácia. Para tomar a pílula do dia seguinte corretamente, a mulher deve seguir as orientações do fabricante.

Porém, como toda medicação, a pílula apresenta uma porcentagem de falha que pode ocorrer e, nesse caso, aparenta ser bem reduzida, variando de 2 a 3% dos casos.

A pílula do dia seguinte não é abortiva, ou seja, caso a fecundação (junção do óvulo com espermatozoide) já tenha ocorrido, ela não evitará a gravidez.

Como saber se a pílula do dia seguinte falhou?

Apesar de ter uma eficácia de até 98% se tomada nas 24 horas após a relação desprotegida, a pílula do dia seguinte pode falhar. Nesse caso, a única maneira de saber se o medicamento falhou é fazendo um teste de gravidez.

Por isso, espere pela menstruação. Se ela se atrasar por 8 a 15 dias, faça o teste. Os testes de gravidez de farmácia devem ser feitos preferencialmente com 8 a 15 dias de atraso menstrual. Isso porque só depois de 8 dias os níveis do hormônio Beta-hCG, produzido na gravidez, estão altos o suficiente para serem detectados no exame.

O uso da pílula do dia seguinte deve ser feito com precaução e não é recomendado o uso de rotina como método anticoncepcional de médio e longo prazo. Ela é uma medicação de emergência e deve ser usada no menor tempo possível após a relação sexual desprotegida.

Quando devo tomar a pílula do dia seguinte?

As situações de emergência que justificam tomar a pílula do dia seguinte incluem: rompimento do preservativo, esquecimento do diafragma, uso incorreto ou esquecimento da pílula anticoncepcional, esquecimento do anticoncepcional injetável ou ainda em casos de estupro e relações sexuais desprotegidas imprevistas.

Para maiores esclarecimentos sobre a pílula do dia seguinte, consulte o/a médico/a de família, clínico/a geral ou ginecologista.

Como fazer a troca de anticoncepcional (de injetável para pílula e de pílula para injetável)?
Dra. Ângela Cassol
Dra. Ângela Cassol
Médico

Se a mulher faz uso de anticoncepcional injetável e deseja trocar para a pílula de uso oral, deverá iniciar a cartela da pílula na data prevista para a próxima injeção. Adicionalmente, durante os primeiros sete dias do uso do anticoncepcional oral, deve ser utilizado também um método de barreira (camisinha), pois nesse período há o risco de gravidez.

Se a mulher faz uso da pílula e deseja mudar para o anticoncepcional injetável, deve seguir esta orientação: tomar até o último comprimido da cartela e aguardar a menstruação. O anticoncepcional injetável deverá ser aplicado nos primeiros três dias da menstruação ou entre o sétimo e o décimo dia do ciclo, a depender da composição da injeção (mensal ou trimestral). Adicionalmente, recomenda-se o uso do preservativo masculino (camisinha) nos dias compreendidos entre o término da cartela da pílula e durante o primeiro mês após a primeira injeção, pois há risco de gravidez.

Além disso, é importante sempre usar um método de barreira como a camisinha, pois os anticoncepcionais orais ou injetáveis não protegem contra transmissão de DSTs - Doenças Sexualmente Transmissíveis.

O médico ginecologista deverá orientá-la sobre os métodos contraceptivos e como trocar de método.  

Ao parar injeção anticoncepcional menstruação pode atrasar?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim, ao parar a injeção anticoncepcional a menstruação pode atrasar.

anticoncepcional injetável pode causar irregularidade menstrual e essa alteração pode se prolongar mesmo após parar o uso da medicação a depender do tipo de injeção que você tomava, mensal ou trimestral.

A Perlutan é uma injeção mensal que em geral apresenta uma readaptação mais ágil e uma volta à regularidade menstrual com maior rapidez.

Os efeitos do anticoncepcional injetável trimestral demoram de 6 a 8 meses para desaparecer depois da última injeção. Em mulheres com excesso de peso esse desaparecimento é ainda mais lento.

Após parar de tomar a injeção ocorrerá uma adaptação hormonal capaz de reordenar os hormônios e recomeçar os novos ciclos menstruais. Essa readaptação pode demorar um pouco de tempo a depender de cada mulher.

Como você parou de usar a injeção de anticoncepcional, é importante fazer uso de algum outro método contraceptivo nesse período, como, por exemplo, o preservativo. 

Além disso, marcar uma consulta com o/a seu/sua médico/a ginecologista, médico/a de família ou clínico/a geral para reavaliarem o uso de um método mais adequado para você.

Tive relações sem camisinha depois de 3 dias de tomar anticoncepcional injetável. É possível engravidar?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Se você usa o anticoncepcional injetável regularmente e há alguns meses, a chance de engravidar é mínima tendo relações sexuais desprotegidas 3 dias após aplicar a injeção. O anticoncepcional injetável atua de forma contínua prevenindo a gestação.

Se você aplicou a primeira dose do anticoncepcional dessa vez, a chance aumenta a depender de que período do ciclo menstrual você se encontra. Estando no período fértil essa chance é bem grande.

De qualquer forma é recomendável aguardar a próxima menstruação e, durante esse período, usar a camisinha em todas as relações sexuais. Se houver atraso menstrual, convém realizar um teste de gravidez antes de continuar a próxima injeção.

O anticoncepcional injetável evita a gravidez mas não previne de doenças sexualmente transmissíveis. Por isso, mesmo usando esse tipo de anticoncepcional, é indicado o uso de preservativo (masculino ou feminino) em todas as relações sexuais.

Quanto tempo dura o efeito anticoncepcional da injeção mensal?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

O efeito anticoncepcional da injeção mensal dura 1 mês (30 dias). Sendo assim, para continuar o seu efeito contraceptivo, ela deve ser usada uma vez por mês, de preferência sempre no mesmo dia, como por exemplo, todo dia 20 de cada mês. 

Ao parar o uso da injeção mensal, a mulher retorna imediatamente a ter ciclos ovulatórios e, consequentemente, retorna a capacidade de engravidar. 

A dosagem de hormônios presente na injeção mensal é adequada para 1 mês de uso. Por isso, a mulher deve tomar uma nova injeção a cada mês para garantir o efeito contínuo da medicação. Quando a mulher fica 1 mês sem usar a injeção mensal e sem usar nenhum outro tipo de método anticoncepcional, ela corre o risco de engravidar.

O anticoncepcional mensal de injeção não previne doenças sexualmente transmissíveis que podem ser prevenidas com uso de preservativos durante a atividade sexual. 

Vou para a praia, o que faço para menstruação não descer?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Existem algumas formas de evitar que a menstruação aconteça, são elas:

  1. Uso ininterrupto do anticoncepcional oral combinado, ou seja, emendar a cartela do remédio, sem esperar os sete dias entre as cartelas;
  2. Optar por pílula de uso contínuo oral, adesivo ou injetável;
  3. Primosiston, medicamento com propriedades que impedem a menstruação descer;
  4. Dispositivo intrauterino (DIU) de progesterona, devido a liberação do hormônio constante, ele reduz ou mesmo acaba com o fluxo menstrual;

Entretanto é fundamental passar por uma avaliação médica quando optar por impedir a menstruação, porque existem contraindicações para o uso desses medicamentos.

Por exemplo, uma mulher com risco aumentado de tromboses, deve avaliar junto ao médico o risco benefício de usar anticoncepcionais, na sua maioria esta contraindicado.

Portanto, o/a médico/a saberá a melhor medicação ou opção para o se caso, sem que ofereça riscos para sua saúde.

Pode lhe interessar também: A pílula do dia seguinte pode atrasar minha menstruação?

Tomo anticoncepcional todo mês e a menstruação não veio. O que pode ser?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Em geral, a mulher que usa anticoncepcional apresenta o sangramento mensal reduzido ou mesmo ausência de menstruação. Isso é uma situação normal e não há necessidade de maiores preocupações se você faz uso adequado do anticoncepcional.

Essa ausência de menstruação ou redução do fluxo menstrual acontece pois o hormônio dos anticoncepcionais tenta imitar o ciclo menstrual da mulher, porém de uma maneira que não ocorra a ovulação e, por consequência, a gravidez. Dessa forma, a camada interna do útero (endométrio) fica constantemente fina e muitas vezes não há o que descamar e nesses casos não ocorre a menstruação.

Se você toma anticoncepcional corretamente e não houve nenhuma falha no método, como esquecimento de comprimido ou atraso para tomar a injeção, pode continuar com o anticoncepcional. Se houve alguma falha no uso nesse período, é importante aguardar algumas semanas e realizar um teste de gravidez.

Leia também:

Tomo anticoncepcional e a menstruação não veio posso estar grávida?

Com injeção anticoncepcional a menstruação pode vir e ir?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

O anticoncepcional injetável pode causar irregularidade menstrual e é provavelmente por isso que sua menstruação vem por pouco tempo e vai embora.

Os anticoncepcionais injetáveis, principalmente os trimestrais (toma 1 injeção a cada 3 meses), causam sangramentos irregulares com mais frequência e isso muda o padrão da sua menstruação comparado com o período anterior em que usava a injeção.

Além disso, o anticoncepcional injetável trimestral provoca uma importante atrofia do endométrio (camada interna do útero), que pode causar ausência de menstruação (amenorreia), sendo esse o seu principal efeito colateral.

Todos essas alterações no padrão da menstruação são normais e esperados da injeção anticoncepcional. Mesmo com essas alterações o efeito anticoncepcional continua ativo e, por isso, você deve continuar o uso correto da medicação como indicado e no dia marcado.

Caso você queira, pode passar por uma consulta com o/a seu/sua médico/a ginecologista, médico/a de família ou clínico/a geral para uma avaliação de outras possíveis causas dessa alteração menstrual.

Leia também:

Dúvidas sobre anticoncepcional injetável

Tomei anticoncepcional injetável e continua descendo?

Vômito e diarreia Podem Cortar o Efeito do Anticoncepcional?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Sim, vômito e diarreia podem cortar o efeito da pílula anticoncepcional, se ocorrerem em até 4 horas após ter tomado o medicamento ou caso esses sintomas persistam por mais de 24 horas.

Já o anticoncepcional injetável ou adesivo não perdem o efeito nem tem a sua eficácia diminuída se a mulher vomitar ou tiver diarreia.

No caso da pílula, ela demora cerca de 3 a 4 horas para ser absorvida pelo corpo. Ter vômitos ou diarreia durante esse período pode eliminar os componentes do anticoncepcional que ainda não tiveram tempo de ser absorvidos pelo organismo.

Se o comprimido ainda estiver no estômago, ele sai com o vômito e é como não ter tomado a dose daquele dia. A diarreia irá expelir e diminuir a absorção da pílula, caso ela já tenha saído do estômago e estiver no intestino.

Quanto aos anticoncepcionais injetáveis, eles são aplicados no músculo e entram diretamente na corrente sanguínea, enquanto que os adesivos são absorvidos pela pele e através dela chegam a circulação. Como não passam pelo estômago nem pelo intestino, pois chegam diretamente ao sangue por outras vias, não perdem o efeito em caso de vômito ou diarreia.

O que fazer se vomitar ou tiver diarreia após tomar a pílula anticoncepcional?

Em caso de episódios de vômito ou diarreia até 4 horas da ingesta do comprimido, o ideal é tomar novamente a pílula. Deve-se ficar atento ao fato de que a cartela irá nesse caso acabar um dia mais cedo, portanto, após a pausa, a nova cartela também reiniciará um dia mais cedo. Há ainda outra possibilidade para não confundir-se que é comprar outra cartela, tomar o comprimido correspondente ao do dia, e seguir esta nova cartela até o fim.

Se vômito ou diarreia persistirem por mais de 24 horas, pode-se seguir tomando a pilula no horário habitual, mas neste caso é imprescindível o uso de outro método contraceptivo de barreira, como a camisinha, até a próxima menstruação. 

Se continuar com dúvidas, fale com o seu médico de família ou ginecologista para maiores orientações.

Leia também: 5 Coisas que Podem Cortar o Efeito do Anticoncepcional

Sou virgem e minha menstruação está atrasada. O que pode ser?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Se você é virgem, não está grávida e a sua menstruação está atrasada, o seu atraso menstrual pode ter as seguintes causas:

  • Ansiedade e estresse: Podem alterar o ciclo menstrual, fazendo com que a mulher não ovule, provocando ausência de menstruação num determinado mês;
  • Infecções: Gripes, viroses, cistites ou amigdalites já são suficientes para alterar o ciclo menstrual. Além disso, alguns remédios usados para tratar essas doenças podem desregular a menstruação;
  • Alterações rápidas de peso: Ganhar ou perder peso muito rápido pode provocar uma alteração hormonal e atrasar a menstruação. Isso porque as células de gordura armazenam estrogênio, hormônio responsável pelo amadurecimento dos óvulos. Alterações de peso podem mexer com os níveis de estrogênio e progesterona, interferindo na ovulação e na data da menstruação;
  • Problemas na tireoide: Hormônios tireoidianos alterados podem causar atraso da menstruação;
  • Síndrome dos ovários policísticos: Aumenta a produção de hormônios masculinos que provocam alterações no ciclo menstrual:
  • Atividade física intensa: Exercícios físicos intensos podem diminuir significativamente as células de gordura do corpo (depósitos de estrogênio), provocando atrasos menstruais;
  • Uso de anticoncepcional: Os hormônios presentes em anticoncepcionais orais ou em injeções deixam o ovários numa espécie de repouso. Com o passar do tempo, podem retardar o retorno das funções fisiológicas dos mesmos e a menstruação atrasa;
  • Problemas uterinos: Infecções no endométrio e procedimentos cirúrgicos, como a curetagem, retirada do endométrio e do útero, podem alterar o ciclo menstrual.

Leia também: Menstruação atrasada na adolescência é normal?

Se a sua menstruação está atrasada e você não está grávida, consulte o/a médico/a de família, clínico/a geral ou ginecologista para que a causa do atraso menstrual seja detectada.

O que é trombofilia e quais os seus sintomas?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Trombofilia é uma predisposição para desenvolver trombose, causada por defeitos na coagulação do sangue que favorecem a formação de coágulos (trombos).

A trombofilia pode ser hereditária ou adquirida. A trombofilia hereditária tem causas genéticas, enquanto que a adquirida é uma consequência de outras condições clínicas como:

  • Doenças (câncer, síndrome anticorpo antifosfolípide);
  • Imobilização prolongada;
  • Uso de medicamentos (terapia de reposição hormonal, anticoncepcional oral, heparina);
  • Gravidez;
  • Puerpério (período de 45 dias após o parto);
  • Obesidade.
Quais os sintomas da trombofilia?

A principal apresentação da trombofilia é através da trombose venosa profunda, que ocorre principalmente nos membros inferiores e provoca os seguintes sinais e sintomas:

  • Inchaço, geralmente em apenas uma perna;
  • Dor na perna ao caminhar, ficar em pé ou em repouso;
  • Aumento da temperatura no local;
  • Dilatação das veias superficiais;
  • Pele azulada ou pálida na área que está inchada e dolorida;
  • Dor e endurecimento no trajeto da veia suspeita de ter o coágulo.
Quais as complicações da trombofilia?

A trombofilia pode provocar:

  • Trombose venosa profunda e superficial;
  • Acidente vascular cerebral;
  • Embolia pulmonar, que pode ser fatal;
  • Complicações na gravidez (retardo do crescimento fetal, abortamento, perda do bebê, início precoce de pré-eclâmpsia - aumento da pressão arterial com complicações na gestação, descolamento prematuro da placenta).

Veja também: Quais os riscos da trombofilia na gravidez?

Qual é o tratamento para trombofilia?

O tratamento da trombofilia é feito com medicamentos anticoagulantes, que "afinam o sangue", de maneira a evitar a coagulação sanguínea e, consequentemente, prevenir a formação de trombos.

Os medicamentos mais utilizados são a heparina (via intravenosa), heparina de baixo peso molecular (injeções abaixo da pele) e warfarina (via oral).

No caso da trombofilia adquirida, o tratamento deve ser individualizado, e incidir sobre a causa do problema.

Durante o tratamento são realizados exames de sangue seriados para avaliar se os anticoagulantes estão atingindo o efeito desejado.

O diagnóstico e o tratamento da trombofilia são da responsabilidade do médico clinico geral, médico da família, angiologista ou hematologista.

Mulher sem trompas pode engravidar?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sim, a mulher sem trompas pode até engravidar naturalmente, mas é muito raro e vai depender do problema que ela apresente. A ausência completa de trompas, por exemplo uma malformação desde o nascimento, não tem como carrear o óvulo, portanto não poderia engravidar naturalmente, mas existem meios de implantar o óvulo no útero e desenvolver a gestação normalmente. Se for o caso de laqueadura, ou seja, a mulher se submeteu a "ligadura das trompas", apesar de raro pode sim acontecer, as trompas podem refazer o canal, se regenerar, e deixar que o óvulo passe, permitindo a gravidez.

Praticamente 100% das mulheres que fazem laqueadura ou que não tem trompas não engravidam mais. Os casos em que ocorre a recanalização das trompas seguida de gravidez são raríssimos.

Trata-se de um método anticoncepcional, como o preservativo, o DIU, o anticoncepcional oral ou o injetável.

Porém, a mulher que fez laqueadura e deseja engravidar pode recorrer às técnicas de reprodução assistida, como a fertilização in vitro ("bebê de proveta"). É o método mais indicado, pois a concepção do embrião é feita em laboratório para que depois ele seja transferido para o útero da mãe.

Se você não tem trompas ou fez uma laqueadura e deseja engravidar, fale com o seu médico ginecologista sobre as possibilidades da fertilização in vitro e tire as suas dúvidas.