Perguntar
Fechar

Anticoncepcional Injetável

Anticoncepcional engorda?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Anticoncepcional geralmente não engorda.

Apesar das pílulas anticoncepcionais não provocarem um aumento do peso, elas podem causar acúmulo de líquidos e, essa retenção pode se manifestar na balança, fazendo com que a mulher sinta que engordou.

Esse efeito colateral dos anticoncepcionais pode ser observado em algumas mulheres e, normalmente, a eliminação dos líquidos retidos pode ser facilitada com atividade física regular e sem haver ganho de gordura.

A possibilidade desse efeito colateral pode ser maior nos anticoncepcionais com dosagem hormonal elevada e raramente ocorre nas pílulas de baixa dosagem

Com relação aos anticoncepcionais injetáveis, a situação pode ser um pouco diferente. A média do ganho de peso pode ser em torno de 2 a 4 kg a depender da mulher, da atividade física praticada e da alimentação.

Geralmente, o efeito benéfico contraceptivo sobrepassa o efeito colateral do aumento do peso. E isso deve ser ponderado no momento da escolha do anticoncepcional.

Os efeitos colaterais variam para cada mulher e nem todas ganham peso com o uso da pílula. Algumas podem até emagrecer, tomando o mesmo medicamento. Tudo depende do organismo e do estilo de vida de cada uma.​

Antes de começar um novo tipo de anticoncepcional é recomendado procurar o/a médico/a ginecologista, médico/a de família ou clínico/a geral para indicação do melhor método contraceptivo para você.

Leia também:

Não quero engordar, qual pílula anticoncepcional tomar?

Tomar anticoncepcional faz aumentar os seios?

Anticoncepcional injetável engorda?

Tomo anticoncepcional injetável (Mesigyna) e meu rosto...
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Pode ser efeito do anticoncepcional, se for realmente do anticoncepcional precisa parar de usar. O diagnóstico definitivo da causa das suas lesões de pele deve ser feito pelo seu médico, a suspensão ou troca do anticoncepcional (se for necessário) deve ser feita pelo seu médico.

Tive relação sexual no 1° dia menstruação, posso engravidar?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Durante a menstruação é muito raro a mulher engravidar, mas não podemos dar 100% de certeza. Isso porque, algumas vezes a mulher pode apresentar um pequeno sangramento, que chamamos de "escape", ao longo do ciclo, e confundir com menstruação.

Por isso dizemos que a única forma de prevenir uma gravidez indesejada, em quase 100% de eficácia, é com uso de contraceptivos, seja uso regular de anticoncepcional, método de barreira, como a camisinha, ou uso da pílula do dia seguinte.

A pílula só pode ser utilizada até 72h após a relação, e sua eficácia é maior, quanto antes for tomada. Contudo deve ser reservada realmente para essas situações de urgência, e com cuidado para que não seja frequente, pois, a concentração elevada de hormônios pode causar efeitos colaterais à mulher.

Tomar pílula do dia seguinte estando menstruada, posso engravidar?

Não. Se estiver menstruada você já praticamente não tem chances de engravidar, se ainda assim achar necessário tomar a pílula do dia seguinte, seja por não ter certeza da menstruação, ou outra questão, desde que seja dentro das 72 h após a relação, não há chances de engravidar.

Atenção ao uso excessivo ou desnecessário de medicação, pois pode ser prejudicial a sua saúde e equilíbrio hormonal.

Se observar a necessidade frequente do uso de contraceptivo de urgência, seja qual for a causa, orientamos a conversar com seu médico ou médica ginecologista, para avaliar um método contraceptivo mais eficaz, como dispositivo intrauterino (DIU), anticoncepcionais adesivos, injetáveis, trimestrais, entre outros. Atualmente existem muitas opções, o que facilita a melhor escolha para cada mulher.

Sempre vale ressaltar que, as relações sem proteção de barreira, além do risco de gravidez não planejada, oferecem risco de doenças sexualmente transmissíveis, como sífilis, AIDS, HPV, gonorreia, entre tantas outras. Por isso o mais recomendado é sempre fazer uso de proteção de barreira durante as relações sexuais.

Para mais esclarecimentos agende uma consulta com médico/a ginecologista.

Pode lhe interessar também:

É possível engravidar tendo relação sexual uma noite antes da menstruação?

Tive relação menstruada e ela parou. Posso estar grávida?

Posso mudar de anticoncepcional antes de terminar a cartela?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim. Você pode mudar de anticoncepcional antes de terminar a cartela

Quando a mudança ocorre de pílula para outra pílula, recomenda-se iniciar a nova medicação no dia seguinte ao último comprimido da cartela antiga. Dessa forma, você emenda as duas cartelas e não realiza intervalo entre elas.

Se a mulher está tomando a pílula e vai trocar para outro método como adesivo, implante, anticoncepcional injetável ou DIU, ela deve iniciar esse novo método antes de acabar a cartela. Esse tempo é variável de acordo com o método a se iniciar. Por isso, na transição de um método contraceptivo para outro, é importante uma consulta prévia com o/a médico/a para evitar possíveis falhas.

Se você já usa uma pílula anticoncepcional e irá mudar de medicação, pode tomar 1 comprimido por dia até o fim da cartela e iniciar a nova cartela da nova pílula no dia seguinte ao término da cartela antiga. Continue tomando 1 comprimido por dia da nova medicação normalmente sempre no mesmo horário. 

Leia também: 

Posso mudar a hora de tomar meu anticoncepcional?

Antibióticos cortam o efeito do anticoncepcional?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

O único antibiótico que de fato corta o efeito do anticoncepcional é a rifampicina utilizada no tratamento da tuberculose, hanseníase e meningite, seja o anticoncepcional injetável, em pílula ou adesivo.

Outros tipos de antibióticos, não demonstraram comprovação científica em limitar a eficácia do anticoncepcional.

Se a mulher precisar tomar qualquer tipo de antibiótico, ela deve informar ao/a médico/a de que usa anticoncepcional, para que o médico possa avaliar a associação de algum método de barreira com o anticoncepcional que ela já está tomando.​

Tomei injeção anticoncepcional, tive relação no outro dia...
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Sim, o risco de engravidar é pequeno, mas existe. Há um pouco de controvérsia sobre quando o anticoncepcional injetável começa a fazer efeito, alguns médicos referem que logo após a aplicação já existe proteção contra a gravidez, outros consideram que a proteção definitiva ocorre após 1 semana do começo do uso do anticoncepcional, semelhantemente ao que ocorre com a pílula em comprimido.

De maneira geral, existe a recomendação de usar um outro método de barreira, como a camisinha, pelo menos durante a primeira semana após a aplicação da injeção.

Leita também: Quantos dias depois de tomar o anticoncepcional injetável posso ter relação?

Caso tenha dúvida sobre gravidez é possível realizar um teste de gravidez ao se confirmar o atraso menstrual. Ao contrário do que comumente se pensa os anticoncepcionais não alteram o resultado. 

Consulte o seu médico ginecologista ou médico de família caso apresente mais dúvidas.

Pode também interessar:

Vantagens e desvantagens do anticoncepcional injetável

Dúvidas sobre anticoncepcional injetável

É a primeira vez que tomo Contracep...
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Contracep é uma injeção de anticoncepcional de uso trimestral (= 3 meses que é = a 90 dias), você deve tomar o Contracep a cada 90 dias, quando a mulher começa a tomar essa injeção a menstruação costuma alterar (ela pode vir mensal como deve ser o normal, assim como ela pode vir a qualquer momento e de forma irregular e com alguns meses de uso ela pode até mesmo não vir mais.

Trombose tem cura? Qual o tratamento?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Trombose tem cura e o tratamento é feito com medicamentos anticoagulantes, uso de meias elásticas e deambulação precoce. Na maioria dos casos, a pessoa retorna às suas atividades normais após 6 meses de tratamento.

O tratamento da trombose também pode incluir a destruição dos coágulos através de procedimentos cirúrgicos, o que garante uma cura rápida da trombose e previne sequelas graves. Porém, as cirurgias para tratar a trombose são raras, sendo indicadas apenas em quadros muito graves.

Sinais de trombose (lado esquerdo)

Os primeiros passos no tratamento da trombose são a indicação de repouso e a administração de anticoagulantes. Os principais objetivos são impedir que o coágulo de sangue (trombo) chegue ao pulmão e provoque uma embolia pulmonar, que pode ser fatal, e evitar a formação de novos coágulos.

No início do tratamento, os anticoagulantes são injetáveis, sendo depois substituídos por medicamentos administrados por via oral.

Nos casos em que o uso de anticoagulantes é contraindicado devido ao risco de hemorragias ou complicações de tratamentos cirúrgicos, a embolia pulmonar pode ser evitada através de um implante de filtro próximo ao pulmão.

Atualmente recomenda-se a deambulação precoce, ou seja, quanto mais rápido se começar a andar após o episódio de trombose, melhor a recuperação. Também está recomendada o uso de meia elástica que reduz o inchaço nas pernas e melhora a circulação sanguínea.

Quais são os sintomas da trombose?

Os principais sinais e sintomas da trombose incluem inchaço, dor e rigidez no membro afetado, bem como rigidez no trajeto do vaso sanguíneo acometido. Casos de trombose pulmonar evoluem com aumento dos batimentos cardíacos, falta de ar, febre, dor no peito e ansiedade.

Veja também: O que é embolia pulmonar e quais os sintomas?

Vale ressaltar que aproximadamente 20% dos casos de trombose venosa profunda estão associados a algum tipo de câncer. Os tipos de câncer com maior incidência de trombose são o de pâncreas, rim, ovário, pulmão e estômago. Outra causa frequente de trombose são as cirurgias ortopédicas.

Como prevenir a trombose?

Para reduzir o risco de trombose, recomenda-se praticar exercícios físicos regularmente, principalmente aqueles que trabalham as panturrilhas, como caminhar, correr e pedalar. 

Em viagens e voos de longa duração, recomenda-se levantar e caminhar um pouco a cada duas horas. Se não for possível, os calcanhares devem ser movimentados, com movimentos de vai-e- vem, como se estivesse acelerando um carro.

Lembrando que os músculos da panturrilha são considerados o “segundo coração” do corpo, tamanha é a sua importância na circulação sanguínea, pois é um importante auxiliar do sangue no retorno ao coração.

Para prevenir a trombose, também recomenda-se o uso de meias elásticas prescritas por um médico, de preferência angiologista ou cirurgião vascular.

Também podem ser indicados medicamentos anticoagulantes para prevenir a formação de trombos.

O uso de pílula anticoncepcional é contraindicado para mulheres que já tiveram trombose, pois aumenta o risco de novos episódios. Essas mulheres também não devem fumar, pois o tabagismo aumenta as chances de trombose.

Quais as complicações da trombose?

Sem tratamento adequado, a trombose pode provocar complicações que podem ser fatais, como a embolia pulmonar. A complicação ocorre quando o coágulo se solta da parede do vaso sanguíneo e, através da circulação sanguínea, chega aos pulmões. 

Outra consequência da trombose são as varizes, sobretudo se o problema for crônico.

Saiba mais em: Varizes podem causar trombose?

O que é trombose?

A trombose caracteriza-se pela obstrução de um vaso sanguíneo por um coágulo. Ocorre sobretudo nos membros inferiores, sendo também uma causa frequente de acidente vascular cerebral (derrame).

O tratamento da trombose pode ser feito no hospital ou em casa, desde que o paciente siga as indicações dadas pelo médico angiologista ou cirurgião vascular. O médico irá orientar a melhor forma de tratamento.

Injeção anticoncepcional interrompe a gravidez?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Injeção anticoncepcional não é abortiva (até porque se fosse não seria vendida no Brasil, já que o aborto é proibido em nosso país).

Sangramento acompanhado com um mau cheiro terrível?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Sangramento ou corrimento com odor desagradável, geralmente, indica algum tipo de infecção ou inflamação vaginal, precisa procurar um médico para uma melhor avaliação e diagnóstico. Não é esperado que o uso do anticoncepcional injetável altere o odor da menstruação, portanto é importante investigar a causa desse odor.

O sangramento menstrual não costuma ter odor fétido, quando isso ocorre é importante avaliar qual o motivo do cheiro desagradável. Diversas situações podem ocasionar essa mudança no odor da menstruação, entre elas o sangramento excessivo e abundante e a presença de vulvovaginites como a vaginose bacteriana são as mais comuns.

A utilização de absorventes ou tampões por longos períodos também podem contribuir para a modificação do odor do sangue menstrual. Mais raramente a presença de tumores de colo uterino também podem ocasionar a presença de sangramento vaginal de odor pútrido.

O que é Vaginose bacteriana?

A vaginose bacteriana é uma vulvovaginite causa por uma bactéria, a Gardnerella vaginalis, essa bactéria causa um corrimento branco acinzentado com um forte odor de peixe estragado.

Quando a mulher está com essa vulvovaginite é esperado que a sua menstruação também apresente um odor desagradável devido a mistura entre o sangue e a secreção vaginal infectada, no entanto, o cheiro fétido permanece mesmo na ausência de menstruação.

O tratamento da vaginose bacteriana é muito simples e fácil de ser realizado, é feito através do uso de creme vaginal ou de medicamento antibiótico.

Na presença de odor fétido menstrual consulte um médico ginecologista ou médico de família para uma avaliação.

Posso tomar injeção 2 vezes ao mês já que desce 2 vezes ao mês?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Não. Deve tomar a injeção (Perlutan®) apenas uma vez ao mês, mantendo 28 a 30 dias de intervalo entre cada injeção.

O uso de contraceptivos, pode ter como efeito colateral, um sangramento no meio do ciclo, que não é considerado "normal", mas é comum. Esse sangramento não é uma nova menstruação, mas um sangramento de "escape", e ocorre por questões hormonais de adaptação ao medicamento. Inclusive se esse efeito for recorrente, acaba por ser uma indicação de troca de contraceptivo.

Se sua menstruação acontece duas vezes ao mês independente do uso do contraceptivo, deve ser avaliada por um/a médico/a ginecologista, antes de iniciar qualquer contraceptivo hormonal.

Indicações de Perlutan®

O medicamento é indicado como contraceptivo injetável mensal, ou ainda, para casos de irregularidade menstrual.

Como usar o Perlutan®?

O Perlutan® deve ser aplicado via intramuscular, por um profissional da saúde, apenas 1x ao mês de preferência no 8º dia do ciclo, podendo ser usado entre o 7º e 10º dia. O primeiro dia do ciclo é o primeiro dia da menstruação.

Recomenda-se ainda, não massagear o local após a aplicação e manter uma compressa limpa por um tempo, para evitar perda da medicação.

Outros efeitos colaterais do Perlutan®

Os efeitos mais comuns relatados pelo uso do medicamento são: cefaleia, dor abdominal, desconforto nas mamas, menstruação irregular.

Outros efeitos menos comuns, são a alterações de peso, distúrbios de humor, tontura, náusea e vômitos. Ainda menos frequente, porém relatados, são a doença cerebrovascular (AVC), comprometimento da visão, comprometimento da audição, tromboses, infarto do miocárdio, neoplasias, acne, coceiras, reação alérgica de pele, edema, ondas de calor, reações no local da injeção (como dor, sangramento, nódulo, coceira, secreção e/ou inchaço) e diminuição da libido.

Cuidados que deve ter com o anticoncepcional

Mulheres tabagistas, com sobrepeso, hipertensas e com história prévia ou familiar de trombose, tromboembolismo e doenças cerebrovasculares, devem evitar o uso de anticoncepcionais hormonais, seja oral ou injetável, a não ser sob avaliação e critério médico.

Leia também: Sangramento de escape pode ser considerado menstruação?

O que fazer para aumentar ou diminuir o fluxo menstrual?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O tratamento para aumentar ou diminuir o fluxo menstrual vai depender de cada caso.

É possível aumentar o fluxo menstrual através do uso do DIU (dispositivo intrauterino), por exemplo. Já para diminuir o fluxo menstrual intenso existem diversos tratamentos, que incluem desde o uso de medicamentos hormonais à histerectomia (remoção cirúrgica do útero).

Dentre os medicamentos usados para reduzir o fluxo menstrual estão:

- Injeção anticoncepcional progesterona, ou progesterona combinado a estrogênio

- Estrogênio oral

- Anticoncepcionais orais

- Medicamentos antifibrinolíticos

Os tratamentos não-medicamentosos para diminuir o fluxo menstrual incluem:

- Curetagem uterina: Através de uma raspagem ou sucção do útero, a curetagem acaba com sangramentos intensos sem prejudicar a fertilidade da mulher. No entanto, esse método cirúrgico não trata a causa da menstruação abundante e os fluxos vão continuar a ser intensos se outro tratamento, definitivo, não for iniciado.

- Tamponamento: Trata-se da introdução de um balão com líquido na cavidade uterina. Após 3 horas, cerca de metade desse líquido é retirado e, se não houver mais sangramento, o balão é retirado. Se o sangramento persistir ou for muito intenso, o balão pode ser mantido no útero por 12 horas.

- Histerectomia: A retirada do útero é a última opção de tratamento para fluxos menstruais abundantes, sendo indicada quando todos os outros métodos falham, e a mulher já possui idade mais avançada, família constituída e não desejar mais engravidar.

- Ablação endometrial: Acaba de vez com o fluxo menstrual intenso, pois destrói definitivamente o endométrio. Porém, não é recomendado para mulheres que ainda desejam engravidar.

É importante lembrar que antes de tentar aumentar ou reduzir o fluxo menstrual, é preciso saber o que está por trás da menstruação escassa ou abundante. Consulte um médico ginecologista para receber um diagnóstico adequado e o tratamento mais indicado de acordo com o caso.

Saiba mais em:

Dúvidas sobre menstruação, sangramentos, escapes

Como reduzir o fluxo menstrual?