Perguntar
Fechar

Cistos

Cistos de Blastocystis hominis, o que são?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

Os cistos de Blastocystis hominis são tipos de ovos desse micro-organismo que são encontrados nas fezes humanas. O Blastocystis hominis pode causar infecção no intestino, provocando diarreia líquida, coceira próxima ao ânus, perda de peso, gases e dores abdominais. Podem, também, estar presentes nas fezes das pessoas sem que elas apresentem qualquer sintoma.

A infecção ocorre quando a pessoa ingere alimentos ou água contaminados com o Blastocystis hominis. O seu diagnóstico é feito pelo do exame de fezes.

O clínico geral ou o gastroenterologista podem realizar o diagnóstico e o tratamento dos problemas causados por esses cistos.

Ultrassom transvaginal mostrou cistos nos ovários, é grave?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A presença de cistos nos ovários não é necessariamente uma condição grave de saúde.

Cistos nos ovários e uma situação frequente na maioria das mulheres.Esses cistos surgem porque o folículo que se desenvolve dentro do ovário não cresce o suficiente para se transformar em óvulo, ser expulso do ovário e desencadear a ovulação. Dessa forma, os folículos vão se acumulando no ovário na forma de cisto.

A presença de cistos nos ovários pode ser uma condição benigna que não apresenta riscos para a mulher. Isso dependerá de como o cisto se apresenta, se há ruptura ou torção e se, em consequência disso, há algum sintoma preocupante como dores em baixo ventre, sangramento vaginal intenso, febre, etc.

Quando os ovários com policistos são associados a um conjunto de outros sinais e sintomas, a mulher pode manifestar a Síndrome dos Ovários Policísticos. 

As mulheres com Síndrome dos Ovários Policísticos podem ter dificuldade de engravidar pois apresentam o ciclo menstrual irregular.

É fundamental que todo exame seja mostrado para o/a profissional de saúde que o solicitou para fazer uma análise completa do caso e correlacionar com os aspectos clínicos do/a paciente. 

Cistos nos ovários, tomei Diane 35 e menstruação não desceu?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Quem apresenta o diagnóstico de síndrome dos ovários policísticos, em geral, possui uma irregularidade menstrual.  

O uso da pílula anticoncepcional, como o Diane 35 r, pode regularizar o ciclo menstrual da mulher, fazendo com que ela menstrue a cada 21 dias. Quando a mulher está em uso deste anticoncepcional, é comum que a menstruação aconteça nos 7 dias de intervalo entre uma cartela e outra. Porém, devido à especificidade aqui apontada (ovários policísticos), pode ser que o organismo da mulher esteja em adaptação ao uso da pílula. 

A irregularidade na menstruação ocorre devido aos ciclos anovulatórios, ou seja, sem ovulação. Na ausência de ovulação e com o desequilíbrio hormonal, a camada interna do útero (endométrio) pode tornar-se muito espessa, provocando sangramentos excessivos em algumas menstruações. 

De qualquer maneira, a mulher com síndrome dos ovários policísticos deve fazer um acompanhamento médico regular, indo às consultas de rotina, tirando suas dúvidas e realizando o tratamento aconselhado.  

O que é polimicrocisto?

Polimicrocisto significa muitos (poli) cistos (espécie de saco arredondado com conteúdo líquido) pequenos (micro). No ovário, essa condição também é conhecida como ovário policístico.

Esses microcistos surgem quando o folículo que se desenvolve no interior do ovário não cresce o bastante para se tornar um óvulo, que é expelido do ovário durante a ovulação. Assim, esses folículos vão se acumulando no ovário sob a forma de cistos.

Contudo, a presença de polimicrocistos nos ovários não apresenta necessariamente riscos. Na maioria das vezes trata-se de uma situação benigna, que faz parte da fisiologia da mulher.

No caso da síndrome dos ovários policísticos, que pode até dificultar uma gravidez, a mulher pode apresentar sinais e sintomas como:

  • Alterações nos ciclos menstruais;
  • Ganho de peso;
  • Acne;
  • Aumento da oleosidade da pele;
  • Alterações de humor;
  • Crescimento de pelos no rosto, peito e abdômen.

O tratamento para a síndrome dos ovários policísticos inclui perda de peso e uso de anticoncepcionais hormonais.

A gravidez também é possível, através de medicamentos que estimulam a ovulação e regularizam a menstruação.

 O médico ginecologista é o responsável pelo tratamento do ovário com polimicrocistos.

Leia também:

Ovário policístico, tomei remédio. Posso engravidar?

Ovários policísticos têm cura? Qual o tratamento?

Tenho em minha vagina o que parecem cistos pequeninos?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Lesões desse tipo o diagnóstico é feito pela visualização da lesão, não dá para dizer o que é pela internet. o fato de você estar apreensiva é um motivo a mais para ir ao médico, ser examinada e ele vai dizer o que é e fazer o tratamento que precisa ser feito, mesmo que eu acerte (no chute) e diga exatamente o que você tem, mesmo assim você vai ter que ir ao médico para tratar.

Meu bebê esta entre dois cistos miomatosos. Quais são os riscos?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

Os riscos para a gravidez do bebê que esta entre dois cistos miomatosos ou miomas dependem do tamanho dos miomas, da sua localização e da posição no útero e em relação à placenta.

Os miomas na gravidez muitas vezes só são descobertos quando é realizado um exame de ultrassonografia, pois eles podem não apresentar nenhum sintoma e não representar maiores riscos para a gravidez. Por outro lado, existem situações em que o mioma pode causar transtornos à gravidez sendo necessário o tratamento com repouso, medicamentos e às vezes, cirurgia.

Alguns riscos da presença de mioma na gravidez são: aborto espontâneo, dor, crescimento atrasado do feto, trabalho de parto prematuro, descolamento de placenta, dificuldade de posicionamento do feto para nascer (distócia de apresentação), hemorragia pós-parto, risco de infecção generalizada pós-parto.

O acompanhamento da gravidez em presença de miomas é feito pelo obstetra por meio de ultrassonografias, avaliando o desenvolvimento do feto e do mioma, e orientando o tratamento adequado.

Cisto no rim pode virar câncer?

Os cistos renais são em sua maioria benignos, sem chances de "virar" câncer. Contudo, alguns cistos podem, sim, evoluir para câncer de rim.

Para determinar o risco de malignidade de um cisto no rim, criou-se uma classificação (Bosniak) que divide os cistos renais em simples ou complexos, conforme as características observadas nos exames de tomografia computadorizada ou ressonância magnética.

Os cistos dos tipos Bosniak I e II são definidos como cistos renais simples, enquanto que os dos tipos Bosniak IIF, III e IV são classificados como cistos renais complexos.

Os cistos renais simples são benignos, com paredes finas, regulares e sem septos (reentrâncias da parede no interior do cisto). Também não apresentam calcificações no seu interior, que é preenchido com líquido. Esses cistos não apresentam risco de evoluírem para câncer.

Já os cistos renais complexos (Bosniak III e IV) possuem características sugestivas de tumor e muitas vezes precisam ser removidos cirurgicamente. Suas paredes são grossas, irregulares, com septos e o seu interior possui calcificações ou conteúdo sólido.

Os cistos renais complexos tipo Bosniak IIF têm características difíceis de serem incluídas nas categorias II ou III. Possuem múltiplos septos e a sua parede ou os septos apresentam calcificações. Pode ou não evoluir para câncer, pelo que esses cistos devem ser acompanhados regularmente com exames de imagem.

Portanto, o risco de um cisto renal ser maligno está diretamente relacionado com a classificação de Bosniak. Quanto mais grossas forem as paredes do cisto, quanto mais septos ele apresentar e quanto mais calcificações houver no seu interior, maior é o seu número na classificação e maior é o risco de estar associado ao câncer.

Saiba mais em: 

Qual é o tratamento para cisto no rim?

Cisto no rim: O que é e quais são os sintomas?

Qual é o tratamento para cisto no rim?

O tratamento para cisto no rim depende dos sinais e sintomas que a pessoa apresenta. Em geral, cistos renais simples que não causam sintomas não precisam de tratamento, apenas acompanhamento. Cistos grandes ou que causam dor podem ser drenados através de cirurgia ou punção. Já os cistos renais complexos malignos precisam ser retirados cirurgicamente com urgência.

A maioria dos casos de cisto renal simples (Bosniak I e II) precisa apenas de um acompanhamento regular com exames de imagem. O tratamento só é indicado se houver sintomas ou surgir alguma complicação, como sangue na urina, cálculo renal ou infecção.

O tratamento pode ser feito através da drenagem do conteúdo do cisto por meio de uma agulha (punção), introduzida através da pele. Em alguns casos, o esvaziamento do cisto precisa ser feito através de cirurgia, geralmente por videolaparoscopia.

Se o cisto estiver infeccionado devido a bactérias, é necessário realizar um tratamento com antibióticos antes de fazer a drenagem cirúrgica do mesmo.

Cistos renais complexos do tipo Bosniak IIF devem ser investigados minuciosamente. Na maioria dos casos é feito um acompanhamento regular com exames de imagem. Contudo, em algumas situações, pode ser necessário remover o cisto cirurgicamente.

Já os cistos complexos dos tipos Bosniak III e IV normalmente precisam de tratamento cirúrgico. Nesses casos, é feita a remoção completa do cisto renal com uma margem de segurança, já que esses cistos podem apresentar células cancerígenas.

O especialista responsável pelo tratamento do cisto no rim é o médico nefrologista.

Saiba mais em:

Cisto no rim pode virar câncer?

Cisto no rim: O que é e quais são os sintomas?