Perguntar
Fechar

Convulsões

Eletroencefalograma: Atividade Irritativa, o que é?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

1 - O que significa atividade irritativa no eletroencefalograma?

É um achado de exame que pode ou não estar relacionado com alterações ou doenças neurológicas (pode ser encontrado em pessoas "normais"). A presença deste tipo de alteração está relacionado com a ocorrência de convulsões ou epilepsia. Seu significado é um aumento na atividade elétrica dos neurônios.

O que pode causar convulsão?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

As convulsões são contrações involuntárias da musculatura de alguma parte do corpo ou de todo o corpo, causadas por alterações na atividade elétrica cerebral. Podem ser desencadeadas por motivos diversos, desde hereditários, problemas durante o parto, doenças localizadas ou situações momentâneas, como falta de açúcar no sangue ou excesso de eletrólitos.

Podemos citar como causas possíveis de convulsão, as seguintes:

  • Febre alta (principalmente em crianças com menos de 4 anos);
  • Epilepsia, doença estabelecida;
  • Esquecimento da medicação (nos casos de portador de epilepsia);
  • Hipoglicemia (baixos níveis de açúcar no sangue);
  • Intoxicações por álcool, drogas, produtos químicos, entre outros;
  • Efeitos colaterais de medicamentos;
  • Infecções cerebrais, como casos de meningites ou encefalites;
  • Doenças infecciosas e ou infecto parasitárias como AIDS e toxoplasmose;
  • Traumatismo craniano;
  • Tumor cerebral ou metástase cerebral;
  • Hemorragia cerebral;
  • Falta de oxigenação cerebral durante o parto (em recém-nascidos);
  • Distúrbios metabólicos em geral (aumento da uréia, nos casos de insuficiência renal, insuficiência hepática, distúrbios hidroeletrolíticos).
O que fazer em caso de convulsão?

A primeira coisa a fazer é verificar se está respirando normalmente, caso não esteja deve chamar uma ambulância de urgência;

Se estiver respirando normalmente, você deve deitar a pessoa de lado, com a cabeça protegida, para não se ferir, além de evitar engasgos com a própria saliva;

Nunca coloque nada dentro da boca da pessoa (não existe o risco da língua "enrolar");

Afrouxe também as roupas e afaste da vítima quaisquer objetos que possam lhe provocar ferimentos. Também é importante remover acessórios, como anéis, relógio, óculos, pulseiras, colares, entre outros.

Peça ajuda para levar a um serviço de urgência ou chame uma ambulância.

Em caso de convulsão, o paciente deverá ser avaliado por um/a médico/a clínico/a geral ou neurologista para definição da causa e devido tratamento.

Pode lhe interessar também: O que fazer em caso de ataque epilético?

O que fazer quando uma pessoa tem convulsão?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Quando uma pessoa tem uma convulsão, você deve seguir os seguintes procedimentos de primeiros socorros:

1. Deite a vítima de barriga para cima e com a cabeça de lado, para evitar que ela se engasgue com a própria saliva;

2. Proteja o crânio colocando um pedaço de pano, uma blusa ou um casaco embaixo da cabeça, para que a vítima possa se movimentar livremente sem se machucar;

3. Afaste dela qualquer objeto que possa causar ferimentos e retire os seus objetos pessoais, como óculos, anéis, relógio, pulseiras, colares;

4. Coloque um pano entre os dentes para a pessoa não morder a língua;

5. Afrouxe as roupas e deixe a pessoa se debater livremente, até que os movimentos parem;

Se a crise convulsiva durar mais de 4 minutos, chame uma ambulância e permaneça ao lado da vítima.

O que fazer quando a convulsão passar?

1. Deixe a cabeça virada de lado para escorrer a saliva e evitar engasgos;

2. Limpe as secreções de saliva com um guardanapo, um pano ou uma toalha de papel;

3. Verifique se a vítima respira normalmente;

4. Se a pessoa dormir, vire-a de lado;

5. Não dê nenhum medicamento;

6. Chame uma ambulância ou leve a vítima para um serviço de urgência.

O que não fazer em caso de convulsão?
  • Segurar a pessoa para impedir que ela se movimente;
  • Dar tapas ou jogar água na cara da vítima;
  • Dar alguma coisa para a pessoa cheirar;
  • Tentar abrir a boca da vítima.
O que é convulsão?

Uma convulsão é uma contratura involuntária dos músculos do corpo que provoca movimentos descoordenados, normalmente acompanhada de perda da consciência. As convulsões são provocadas por alterações na atividade elétrica cerebral.

Quais são as causas de convulsão?

A convulsão pode ter várias causas, como fatores genéticos, problemas no momento do parto, doenças localizadas ou condições esporádicas e passageiras, como falta de açúcar no sangue ou excesso de sais.

Dentre as possíveis causas de convulsão estão:

  • Febre alta (sobretudo em crianças com menos de 4 anos de idade);
  • Epilepsia;
  • Não tomar o medicamento (no caso da pessoa ter epilepsia);
  • Hipoglicemia (baixos níveis de açúcar no sangue);
  • Intoxicações por álcool, drogas, produtos químicos, entre outros;
  • Efeitos colaterais de medicamentos;
  • Infecções que ocorrem no cérebro, como meningite ou encefalite;
  • Doenças infecciosas e ou infecto parasitárias como HIV/AIDS e toxoplasmose;
  • Traumatismo craniano;
  • Tumor cerebral ou metástase cerebral;
  • Hemorragia cerebral;
  • Falta de oxigenação cerebral durante o parto (em recém-nascidos);
  • Distúrbios metabólicos em geral (aumento da ureia, nos casos de insuficiência renal, insuficiência hepática, distúrbios hidroeletrolíticos).

Casos de convulsões devem ser avaliados nos serviços de urgência por médicos/as clínicos/as gerais.

Tomo anticoncepcional e comecei a tomar anticonvulsivante?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Acredito que não está grávida e a confusão deve ser por causa do uso concomitante do remédio e desse anticoncepcional, provavelmente terá que trocar.

Minha filha de 1 ano e 3 meses teve convulsão de febre...
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Independente do resultado do exame, que em casos de convulsão febril são geralmente normais, deve seguir a prescrição da médica e iniciar o remédio antes que sua filha tenha outra convulsão.