Pergunte ao Médico
Como Funciona

Coração

Pontada no coração ao respirar. O que pode ser e o que fazer?

Sentir uma pontada no coração ao respirar pode ser sinal de irritação da pleura, uma membrana dupla de tecido conjuntivo que recobre os pulmões e a parte interna do tórax.

Dificilmente essa dor está relacionada com problemas cardíacos. A dor no peito causada pelo infarto tem características diferentes.

A dor na pleura (dor pleurítica) é súbita, em pontada ou punhalada, que surge ou piora ao respirar, tossir, espirrar ou bocejar. Além disso, a dor é bem localizada, daí o paciente dizer "no coração", pois é como se ele conseguisse localizar exatamente o local da dor.

Algumas doenças ou condições que podem afetar a pleura e causar uma dor torácica em pontada, que piora com a respiração:

  • Tuberculose;
  • Câncer de pulmão;
  • Pneumonia;
  • Derrame pleural (excesso de líquido no espaço pleural, ou seja, entre o pulmão e as costelas);
  • Pneumotórax (escape ou entrada de ar no espaço pleural que provoca um colapso total ou parcial do pulmão).

No entanto, existem várias outras doenças ou situações que provocam dor no peito ao respirar, embora nesses casos a dor nem sempre é em pontada ou agulhada. Alguns exemplos:

  • Embolia pulmonar;
  • Costela fraturada ("quebrada");
  • Costocondrite (inflamação da articulação de uma costela com o osso esterno, (localizado no centro do peito);
  • Pericardite (inflamação da membrana que reveste o coração).

Conforme foi dito no início, a dor no peito que ocorre durante o infarto não costuma ser em pontada e não piora com a respiração.

Veja também: Quais os sintomas de um ataque cardíaco?

Os pacientes geralmente referem uma dor ou desconforto no peito, que pode irradiar para a mandíbula e para o braço esquerdo. É uma dor intensa e prolongada, acompanhada por uma sensação de peso ou aperto no peito.

O que se deve fazer em caso de dor no peito é procurar um médico, de preferência um pneumologista, para que a origem da dor seja devidamente diagnosticada e tratada.

Palpitação no coração durante a gravidez é normal?

Sim. Essa palpitação acelerada no coração que a pessoa sente como se o coração tivesse "pulando para a boca" ou então de uma forma descompassada é frequente e aumentada durante a gravidez.

Por conta de todas as alterações fisiológicas que o organismo da mulher passa durante a gestação, essa espécie de arritmia pode ser mais frequente e, normalmente, não precisa de uma investigação maior quando são isoladas, sem associação com outros sintomas e em mulheres sem problemas no coração.

Para melhorar a palpitação, recomenda repouso, diminuição da ingestão de cafeína e cessação do tabagismo.

A mulher que apresenta história de doenças cardíacas precisa de um acompanhamento especializado para investigar as causas dessa palpitação.

As consultas de pré natal são importantes para a grávida relatar o que está acontecendo de diferente no seu organismo e conversar com o/a profissional de saúde sobre possíveis dúvidas.  

Sobre o resultado do exame do Holter, foi observada...

Essas alterações não são consideradas perigosas, claro que o resultado desse exame deve ser analisado em conjunto com outras informações a respeito de você.

Quando a pressão está alta os meus batimentos ficam...

Normal é não ter nada. Normal é uma palavra muito difícil para se usar quando se está falando do ser humano. O que existe são situações aceitáveis dentro de certos critérios considerados "normais". A sua resposta depende da causa desses aumentos de pressão.

Meu marido fez eletrocardiograma e o resultado... é grave?

Fibrose cardíaca significa lesão já cicatrizada do coração (infarto antigo); baixa voltagem pode ser decorrente de obesidade ou doença pulmonar.

Faz uns 2 dias que venho sentindo palpitações no coração...

Não sei qual sua idade e nenhuma informação sobre as coisas que são importantes na análise da possibilidade de risco para o coração (idade, cigarro, obesidade, sedentarismo, drogas, história familiar de eventos cardíacos...), então fica difícil dizer qualquer coisa. O importante é você saber que uma pessoa jovem (menos de 40 anos) sem fatores de risco, normalmente esses sintomas são decorrentes de problemas emocionais sendo o principal a ansiedade.

Porque o coração acelera quado fico nervosa ou levo susto?

Porque você está viva e isso faz parte do seu sistema de proteção defesa\ataque, a descarga de adrenalina em situações de risco faz seu coração acelerar para melhorar sua capacidade de resposta aos estímulos que lhe parecem ofensivos.

Minha mãe, 84 anos, está com pernas e tornozelos inchados

Bom eu diria que o problema dela é o número de anos (84), só isso já bastaria para ter inchaço nas pernas, mas ela tem outras coisas que podem causar esse inchaço como a pressão alta, falta de movimentação e os problemas de coração. Aliás eu me surpreenderia se ela não tivesse esse inchaço (isso seria estranho).

O que é sopro no coração?

Sopro é um som anormal que o médico ouve ao examinar o coração. Ele é causado por alguma alteração que modifica o fluxo normal do sangue, o qual acaba vibrando e provocando o ruído.

Existem muitas condições que causam essa alteração de fluxo, desde problemas nas valvas e câmaras cardíacas até alterações dos vasos (veias e artérias).

Por exemplo, uma valva do coração que demore demais para se fechar ou que se feche antes da hora correta pode impedir a passagem normal do sangue, provocando o sopro.

Uma artéria que saia do coração e que tenha alguma tortuosidade no seu caminho também vai fazer o sangue passar com dificuldade, e provocará o ruído.

Sendo assim, a gravidade, os riscos e a necessidade de tratamento vão depender da causa do sopro.

Em muitos casos, a pessoa tem o chamado sopro funcional, que é aquele causado por alguma condição que não está prejudicando o funcionamento normal do coração, e não precisará ser tratado. A pessoa viverá normalmente com o sopro, e não terá problemas com ele. Esse tipo de sopro é muito comum em crianças.

Em outros, pode ser sinal de doenças graves, que podem exigir tratamentos medicamentosos ou cirúrgicos imediatos.

Em todos os casos, para se ter o diagnóstico exato e o tratamento mais adequado, é preciso consultar-se com um cardiologista, que provavelmente indicará a realização de um ecocardiograma, que é um exame de ultrassom do coração, capaz de enxergar as várias estruturas que compõem esse órgão, a fim de procurar defeitos que sejam perigosos.

Coração grande tem cura? Qual o tratamento?

Coração grande, também conhecido como cardiomegalia, não tem cura. Isso significa que o coração, que está grande, não volta ao seu tamanho normal. Porém, tudo o que estiver associado às causas e consequências do coração grande, tem cura.

Desde que o tratamento para a cardiomegalia seja feito corretamente, o paciente poderá ter uma vida normal, mas deverá sempre evitar esforços, pois o seu coração não voltará a ser como antes.

O tratamento para coração grande pode incluir:

  • Medicamentos diuréticos, pois aliviam a pressão sobre o coração;
  • Remédios para o coração;
  • Pace maker, nos casos mais graves;
  • Cirurgia para trocar a válvula cardíaca;
  • Transplante de coração, se os tratamentos anteriores não resultarem.

Leia também: O que é coração grande?

O cardiologista é o médico responsável pelo diagnóstico e tratamento do coração grande.

Quem tem problemas cardíacos pode tomar anestesia geral?

Sim, quem tem problemas cardíacos pode tomar anestesia geral, mas antes é preciso passar por uma avaliação pré-anestésica com o médico anestesista, que irá avaliar os riscos associados da anestesia geral aos problemas no coração do paciente.

A anestesia geral pode ser contraindicada para pessoas com hipertensão arterial (pressão alta) não tratada ou não controlada e doenças cardíacas graves.

Nesses casos, o paciente é encaminhado ao médico cardiologista, que irá prepará-lo para a cirurgia.

As contraindicações da anestesia geral dependem de diversos fatores, como o estado de saúde do paciente, os medicamentos que serão usados, o risco de choque anafilático, entre outros.

Dentre as principais contraindicações da anestesia geral estão situações em que há risco de broncoaspiração, dificuldade para respirar e pressão alta no momento da cirurgia.

A associação de doenças cardíacas com colesterol alto, tabagismo, sedentarismo, pneumopatia, diabetes, doenças renais, distúrbios do sangue, aumentam o risco da anestesia geral e da cirurgia.

Por isso, pacientes com problemas no coração ou outros fatores de risco devem ser preparados da melhor maneira possível antes das cirurgias que necessitam de anestesia geral.

Leia também: Quais os riscos da anestesia geral?

Quem tem problema no coração pode tomar anestesia geral?

Se for necessário sim. Para isso existe a avaliação pré-operatória que faz uma avaliação do risco de se realizar a anestesia e a cirurgia.