Perguntar
Fechar
Com que idade criança pode comer chocolate?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

A criança pode comer chocolate preferencialmente após os dois anos de idade. O chocolate e outros alimentos com açúcar são desnecessários à alimentação da criança porque são muito calóricos e favorecem o ganho excessivo de peso. Deve-se dar preferência aos alimentos como legumes, verduras, frutas e cereais, ajudando a criança identificar e gostar de outros sabores antes de introduzir na sua dieta os sabores dos alimentos industrializados como doces e chocolates.

A nutricionista e o pediatra são os profissionais mais indicados para a orientar os pais a respeito da alimentação da criança.

Criança com dor na barriga todos os dias, que não passa e nada foi encontrado. O que devo fazer?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Precisa retornar ao pediatra e também procurar um nutricionista pediátrico para avaliação da criança, visto que as principais causas de dor na barriga constante, nesta faixa de idade, estão relacionadas a alimentação.

A dor abdominal é um sintoma muito inespecífico, pode acontecer em diversas situações, desde físicas até psicológicas. Por isso, não é incomum, levar um tempo para ser identificada.

Causas de dor na barriga que não passa. O que fazer?

Especialmente nessa faixa etária, as causas mais comuns de dor na barriga são:

1. Constipação (ou prisão de ventre)

Importante avaliar a alimentação da criança. A constipação causa dores intensas na barriga, formação de "bolo fecal", que nas crianças mais magrinhas pode ser facilmente palpado, e o tratamento será basicamente melhorar a sua hidratação e escolher alimentos para amolecem as fezes, facilitando a evacuação.

2. Gases

A Mais uma vez a alimentação pobre em fibras ou vitaminas, promove a formação de gases que causam dores constantes, tanto em adultos quanto em crianças. O consumo de bebidas gaseificadas e alimentos muito condimentados também provocam excesso de gases. Uma avaliação com nutricionista infantil pode identificar e resolver esse problema.

3. Intolerância a lactose

As alergias ou intolerância a certos alimentos, como intolerância à lactose é uma causa bastante comum de dor todos os dias em crianças, especialmente após se alimentar com produtos ricos em lactose, porém nem sempre é fácil de diagnosticar. Existe um exame de sangue que identifica a doença, e sendo diagnosticada pode iniciar uma dieta, com orientações, sem essa substância.

4. Verminoses

A infecção por vermes é comum na infância e uma infestação, por exemplo, por Ascaris lumbricoides (lombriga), pode formar uma "bola" do verme no intestino, causando dor, inchaço na barriga e dificuldade para evacuar. O tratamento é feito com remédios contra vermes, como o albendazol.

5. Gastrite

Gastrite, refluxo e outras doenças gastrointestinais podem causar dor na barriga e estômago de crianças, devido a imaturidade desse sistema. Embora seja mais comum em adultos, faz parte da investigação dessa queixa. A dor piora após se alimentar, pode ser referida como uma "queimação", dependendo da idade e maturidade da criança, e o tratamento se faz com alimentação orientada e remédios antiácidos.

6. Síndrome do intestino irritável

A síndrome do intestino irritável é caracterizada pela dor e desconforto na barriga, junto a diarreia e prisão de ventre que se intercalam, o difícil é manter-se com as fezes normais. Pouco comum na infância e sem causa definida, está relacionada a uma maior sensibilidade do intestino a certos alimentos, além de forte relação com a ansiedade e estresse. O tratamento se baseia na mudança alimentar, evitando alimentos de difícil digestão ou produtos com gás, além de medicamentos para alívio da dor e controle do humor, se observar essa relação.

A psicoterapia é outro pilar do tratamento, e mesmo que não haja sintomas de ansiedade ou estresse, deve ser adotada para melhor resultado.

Conheça mais sobre essa síndrome no artigo: O que é a síndrome do intestino irritável?

Portanto, existem diversas causas para uma dor abdominal, a maioria relacionada a alimentação, sendo assim, procure oferecer bastante água para a criança durante o dia e observe a alimentação habitual, para informar ao médico e ou nutricionista durante a consulta.

Após a identificação da causa do problema, será possível planejar o tratamento mais adequado.

Saiba mais sobre as causas de dor na barriga em crianças nos artigos abaixo:

Hemorragia pelo nariz, garganta e olhos desde criança?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Essa resposta vale "1 milhão". Você tem sintomas muito estranhos e particulares. Pode ser algum problema da mucosa desses locais (atopia = alergia) ou algum problema de coagulação do sangue. Claro que o que você chama de hemorragia precisa ser melhor explicado e o restante dos seus sintomas precisam ser contados (devem haver outros).

Enurese Noturna (xixi na cama). O que não fazer?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

A família ocupa um lugar importante no tratamento da criança com enurese noturna. Um exemplo que pode ser observado é que, dentro da categoria da responsabilização da criança, as famílias consideram urinar na cama como uma questão de fraqueza ou “birra” do paciente, devido a características de sua própria personalidade. Nesses casos, as famílias qualificam a doença como preguiça, desobediência ou até uma provocação da criança. Assim, as crianças são freqüentemente castigadas e as interações positivas entre elas e seus pais ficam comprometidas.

A enurese além de causar problemas emocionais e uma série de limitações às crianças e adolescentes, também afeta, em igual escala, os pais ou responsáveis, ocasionando sentimento de culpa, vergonha, angústia e ansiedade. Apesar de a maioria dos pais encararem de forma positiva, boa parte deles tornam-se intolerantes à enurese noturna de seus filhos. São comuns os casos de violência contra estas crianças. Esse tipo de atitude além de não ajudar acaba piorando e dificultando o tratamento dessas crianças e adolescentes e devem ser evitados a todo custo. A enurese precisa ser encarada pela família como doença. Um pediatra deve ser procurado para iniciar o tratamento e orientar a família. Esperar que um dia pare sozinho, também é errado.

Link útil:

Qual o risco que uma criança de 6 anos ter toxoplasmose?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Uma criança saudável com toxoplasmose não há muitos riscos, normalmente a infecção passa sem deixar nenhuma sequela. A toxoplasmose só é perigosa em gestantes, pessoas com HIV ou algum outro tipo de imunodeficiência.

Enurese Noturna (xixi na cama). Quando devo procurar ajuda?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Acredita-se que por volta do 3º ano de vida a criança controle as micções diurnas e por volta do 4º ou 5º ano de vida a criança alcance também o controle da micção durante o horário do sono. É consenso entre os médicos que com 5 anos completos a criança não deve mais apresentar micções na cama e a partir desta época a enurese deve merecer uma atenção especial por parte dos familiares e profissionais de saúde. O pediatra pode orientar os pais para o tratamento correto.

O que é enurese noturna

A enurese é a perda involuntária de urina em uma idade em que a criança já deveria ter adquirido um controle miccional adequado.

A enurese noturna caracteriza-se basicamente por um urinar involuntário durante o período de sono da criança, há uma incapacidade da criança de controlar o seu esfíncter urinário de maneira satisfatória. A enurese noturna leva a um processo de desgaste emocional do paciente e de seus familiares, trazendo para a vida da criança repercussões sérias, como limitação das atividades, vergonha, embotamento da inteligência e punições por parte dos familiares, chegando à casos de agressão física.

Criança com febre: quando procurar um médico?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Uma criança ou bebê tem febre quando a sua temperatura corporal está igual ou superior a 38°C (medida no reto) ou 37,8°C (medida na axila). Porém, a temperatura entre 37,3 e 37,7º é considerada estado febril, situação que da mesma maneira exige uma maior atenção.

Uma febre em bebê recém-nascido superior a 38°C (retal) deve ser sempre informada ao médico pediatra.

Nos outros casos de febre infantil, uma criança com febre deve ser vista por um médico principalmente nos casos de: Prostração, a criança muito quietinha, não aceita a alimentação, sonolenta e ou chorosa, bem diferente do seu habitual. Ou quando apresenta sinais de desidratação, que se apresentam com a ausência de lágrimas quando está chorando, a língua seca, não urina ou urina muito pouco.

Nos bebês deve ser observado constantemente a fralda, a falta de urina por mais de 8h é um sinal importante de gravidade.

Além disso, deve-se procurar um médico ou levar a criança para um serviço de urgência nas seguintes situações:

  • Bebê com menos de 3 meses com febre igual ou superior a 38°C (temperatura retal);
  • Bebê com idade entre 3 e 12 meses com 39ºC de febre ou mais (temperatura retal);
  • Bebê com menos de 2 meses com febre que dura mais de 48 horas;
  • Febre superior a 40,0°C;
  • Febres que vão e vem durante uma semana ou mais, mesmo que não sejam muito altas ou incômodas à criança;
  • Presença de outros sinais e sintomas como dor de garganta, dor de ouvido, diarreia, náusea, vômito ou tosse;
  • A criança portadora de alguma doenças crônica, como problemas cardíacos, anemia falciforme, diabetes ou fibrose cística (em qualquer caso de febre deve ser levada para avaliação médica);
  • Vacinação recente.

Leve a criança com febre imediatamente para um serviço de urgência se ela apresentar algum dos seguintes sinais e sintomas:

  • Choro que não passa;
  • Dificuldade para acordar facilmente ou não acordar;
  • Confusão;
  • Dificuldade para andar, respirar ou movimentar um braço ou uma perna;
  • Língua, unhas ou lábios roxos;
  • Dor de cabeça intensa;
  • Rigidez de nuca (não consegue encostar o queixo no peito);
  • Convulsão;
  • Erupção cutânea ou hematomas.
Como tratar uma criança com febre em casa? Alimentação e hidratação

Uma criança com febre deve beber bastante líquido para prevenir a desidratação. Porém, não se deve dar suco de fruta em excesso para a criança ou para o bebê. O ideal é diluir a bebida com água (metade água e metade suco de fruta). Picolés e gelatinas também são boas opções, principalmente se a criança estiver vomitando.

As crianças podem comer quando estão com febre, mas não devem ser forçadas a se alimentar. Crianças com febre geralmente toleram melhor os alimentos macios. A alimentação deve ser leve, com alimentos moles, pouco condimentados e com pouca fibra.

Algumas opções de alimentos para uma criança com febre incluem pães, biscoitos e massas feitos com farinha branca refinada, além de cereais quentes refinados, como aveia ou creme de trigo.

Como baixar a febre da criança ou do bebê

Os analgésicos e anti-inflamatórios podem baixar a febre em crianças e bebês. O pediatra pode aconselhar qual a melhor opção frente a suspeita do problema e características da criança. Os medicamentos podem ser administrados a cada 4, 6 ou 8h, dependendo da classe prescrita pelo médico.

Contudo, não dê aspirina a uma criança com febre, exceto com indicação médica

Antes de dar qualquer medicamento para um bebê com menos de 3 meses de idade, ligue primeiro para o médico pediatra da criança.

Para ajudar a baixar a febre da criança ou do bebê, não use cobertores ou roupas extras, mesmo que a criança tenha calafrios. Isso pode impedir que a febre diminua ou ainda aumentar a febre por reter o calor. Vista a criança com uma camada de roupa leve e use um cobertor leve para dormir.

O quarto deve estar com uma temperatura confortável, nem muito quente nem muito fria, em média deve manter o ambiente a 21 ou 22º.

Um banho de água morna com esponja também pode ajudar a baixar a febre. Esses banhos são mais eficazes se a criança também tomar alguma medicação.

Nunca dê banhos frios, nem passe gelo ou álcool no corpo da criança, pois essas medidas retiram o calor do corpo e geralmente pioram a situação, causando tremores e mal-estar, além de não resolver o problema. logo a temperatura volta aumentar.

Para maiores informações sobre o que fazer se tiver uma criança com febre, consulte um médico de família ou um pediatra.