Perguntar
Fechar

Diabetes

Quais são os sintomas do diabetes tipo 2?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A maioria das pessoas com diabetes tipo 2 não apresenta nenhum sintoma. Quando presentes, os sintomas podem incluir necessidade de urinar frequentemente, sede constante e borramento visual.

Com o passar do tempo, caso não haja tratamento adequado da doença, a pessoa poderá apresentar complicações diversas como insuficiência renal, problemas visuais e cegueira, infarto, dor ou perda de sensibilidade nas mãos e pés e ainda necessidade de amputação.

O aumento da frequência urinária e da sede são os principais sintomas para se suspeitar de diabetes tipo 2. A sede é muito frequente e mesmo depois de beber água ela não passa.

Pessoas com diabetes tipo 2 também sentem vontade de urinar constantemente. A urina costuma ser bem clara.

Os sintomas do diabetes tipo 2 estão relacionados com os níveis de glicose (açúcar) no sangue. Dessa forma, as manifestações podem estar associadas ao aumento da quantidade de glicose (hiperglicemia) ou à redução dos níveis de glicose sanguínea (hipoglicemia).

Sintomas de diabetes tipo 2 relacionados à hipoglicemia

Os principais sintomas da hipoglicemia incluem cansaço, tontura, visão turva e dificuldade de raciocínio.

A hipoglicemia é mais comum em pessoas com diabetes que utilizam medicamentos para controlar a doença. A hipoglicemia pode ser provocada por uso excessivo ou incorreto da medicação, jejum prolongado ou atividade física inadequada.

Os níveis de glicose no sangue não devem ficar abaixo de 70 mg/dl. Por isso, quando se utiliza medicamentos para controlar o diabetes tipo 2, é muito importante ter atenção com a medicação, para que os níveis de açúcar não fiquem muito baixos.

Sintomas de diabetes tipo 2 relacionados à hiperglicemia

Os sintomas do diabetes tipo 2 causados por hiperglicemia incluem visão turva, sensação de boca seca, aumento da transpiração e cansaço. A hiperglicemia pode ocorrer em pessoas com diabetes mal controlado ou quando ocorre uma grande ingestão de carboidratos (açúcar).

Em caso de sintomas de diabetes, consulte o/a médico/a de família, clínico/a geral ou endocrinologista para receber diagnóstico e tratamento adequados.

Minha filha tem 3 anos teve um aumento da glicemia...
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

É um caso bem peculiar e ao que tudo indica sua filha não deve ter nada, talvez o que ela teve foi só uma crise de hiperglicemia isolada naquele dia e agora parece que não há mais nada. Mas não sou eu que deve ter essa conclusão. Essa é uma análise limitada já que estou apenas analisando as informações que você escreveu, a repetição dos exames é prudente (eu faria o mesmo, para poder ter mais certeza do que dizer para vocês).

Minha glicose deu 95 e dois meses depois deu 106?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Não precisa repetir o exame ele está alterado e pronto, precisa ir ao médico fazer outros tipos de exame para que o médico possa situar a situação do seu "início de diabetes" e começar a tratar, provavelmente no seu caso uma dieta e prática regular de exercícios deve ser suficiente.

Meu esposo fez um exame de glicose...
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Tudo depende da política da empresa em relação a doenças pré-existentes, mas no caso do seu marido as chances do médico da empresa não aceitá-lo são grandes. Diabetes ou a glicemia elevada são fáceis e rápidos de baixar, talvez com um pouco de empenho e dedicação seu marido consegue reduzir o nível de glicemia e fazer um novo exame (geralmente o resultado sai no dia seguinte), só que teria que fazer uma dieta rígida no controle dos carboidratos (doces, pães, bolos, biscoito, massas, arroz, batata e todos os alimentos ricos em carboidratos).

Quais os sintomas do diabetes na gravidez?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Os sintomas do diabetes na gravidez podem ser difíceis de identificar por serem confundidos com as alterações da própria gestação, como fome e sede mais intensa e vontade de urinar com frequência

Quando os níveis de açúcar no sangue ficam muito elevados (hiperglicemia) pode ocorrer:

  • Perda de peso;
  • Boca seca;
  • Tonturas;
  • Infecções frequentes (infecção urinária, vulvovaginites).

É importante lembrar que grande parte das grávidas com diabetes gestacional não apresenta nenhum sintoma, daí ser fundamental a realização dos exames de rotina do pré-natal, principalmente o exame de sangue de glicemia de jejum ou o teste de tolerância de glicose.

O diagnóstico da diabetes gestacional é feito por meio de exames de sangue realizados entre a 24ª e a 28ª semana de gravidez, ou em qualquer momento da gestação se houver suspeita da doença.

O tratamento do diabetes na gravidez é feito através de dieta equilibrada, exercícios físicos e injeções de insulina, quando as outras medidas não são suficientes para controlar os níveis de açúcar no sangue.

O/a endocrinologista e o/a obstetra são os/as médicos/as indicados para realizar o diagnóstico e tratamento do diabetes gestacional.

Leia também:

Quais os riscos da diabetes gestacional e qual o tratamento?

Diabetes tipo 2 tem cura? Como é o tratamento?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Diabetes tipo 2 não tem cura, porém com a realização do tratamento adequado é possível viver bem e sem complicações.

O tratamento da Diabetes Tipo 2 inclui a mudança do estilo de vida, algumas medidas de cuidados pessoais e o uso de medicações.

O objetivo do tratamento é manter o nível de glicose no sangue dentro dos parâmetros normais além de prevenir complicações advindas da doença.

Como parte do tratamento, pode ser necessário:

  • Perda de peso;
  • Cessação do tabagismo;
  • Alimentação saudável;
  • Atividade física regular.

As opções medicamentosas para a Diabetes Tipo 2 são várias e a escolha será feita em conjunto com o/a médico/a que deverá levar em consideração o quadro clínico da pessoa bem como a evolução da doença. Essas medicações poderão ser comprimidos usados via oral ou insulina aplicada na forma de injeção no subcutâneo.

O sucesso do tratamento é acompanhado com exames regulares que irão indicar a evolução da doença e o controle adequado.

Quais são os riscos do diabetes na gravidez?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

O diabetes na gravidez pode ser um fator de risco para a mãe e para o bebê devido às alterações causadas pelo aumento do açúcar no sangue (hiperglicemia) da mulher. Para gestante há um maior risco para ocorrência de infecções urinárias frequentes, hipertensão e pré-eclâmpsia. Para o bebê, há um risco aumentado para o nascimento prematuro, nascer com baixos níveis de açúcar no sangue (hipoglicemia neonatal), nascer com icterícia (icterícia neonatal), crescimento e ganho de peso excessivo durante a gravidez (macrossomia), com maior risco de mortalidade intra-uterina, antes do parto.

Esses riscos podem ser reduzidos se houver um bom controle dos níveis de açúcar no sangue da gestante durante a gravidez e o parto. Dependendo das alterações e complicações surgidas durante a gravidez pode ser necessária a realização do parto por cesariana.

 O endocrinologista e o obstetra são os médicos responsáveis pelo tratamento e orientação da gestante com diabetes.

Quais os riscos da diabetes gestacional e qual o tratamento?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Alguns riscos da diabetes gestacional incluem:

  • Macrossomia fetal (aumento do tamanho do feto);
  • Aumento dos órgão fetais com hepatomegalia e cardiomegalia;
  • Aumento da mortalidade peri natal;
  • Problemas respiratórios no/a recém nascido/a;
  • Complicações metabólicas do/a recém nascido/a como hipoglicemia, hiperbilirrubinemia, hipocalcemia e anemia;
  • Traumas no momento do nascimento;
  • Aumento de indicação de cesariana;
  • Pré-eclâmpsia.

Esses riscos dependem do controle da diabetes gestacional, do diagnóstico precoce e do tratamento adequado.

O tratamento é realizado com dieta e em alguns casos com uso de injeções de insulina. A atividade física orientada e regular pode facilitar o controle dos níveis de glicose no sangue e colaborar com o tratamento.

A detecção da diabetes gestacional é feita com exames solicitados durante as consultas de pré-natal. Toda mulher gestante tem o direito ao acompanhamento pré-natal de qualidade e gratuito oferecido pelas Unidades de Saúde do Sistema Único de Saúde.

Quem tem diabetes gestacional pode ter parto normal?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim, quem tem diabetes gestacional pode ter parto normal. A diabetes gestacional não impede o parto normal e não é razão que justifique a realização de uma cesárea.

A diabetes gestacional pode levar a uma complicação conhecida como macrossomia fetal, ou seja, o bebê com peso superior ao habitual. A única ocasião em que realmente a cesárea é indicada é quando há diabetes gestacional na presença de feto com maior de 4,5Kg.

Fora dessa situação, a mulher com diabetes gestacional pode ter parto normal.

O momento do parto deve ser preparado ao longo do pré-natal, com o devido acompanhamento e monitoração da glicemia capilar.  

Para maiores esclarecimentos, a grávida deve falar com o/a médico/a que a acompanha no pré natal para ficar ciente das complicações e das condições reais em que se indica a cirurgia cesariana.

O que é diabetes?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Diabetes é uma doença que desregula a forma como o organismo utiliza a glicose (açúcar)

A insulina é o hormônio que regula a entrada da glicose nas células e é produzida pelo pâncreas. 

Há dois tipos diferentes de diabetes: tipo 1 e tipo 2. Na diabetes tipo 1, o pâncreas não produz insulina suficiente. Na diabetes tipo 2, o pâncreas pode não produzir insulina suficiente ou o organismo tornar-se resistente à insulina. Como consequência, haverá uma quantidade elevada de açúcar na corrente sanguínea e isso pode afetar diversos órgãos caso não tratado de forma adequada. 

A diabetes pode ser uma condição crônica que acompanhará a pessoa para toda a vida, sendo necessária monitorização frequente e tratamento adequado. Isso inclui mudança no estilo de vida, uso de algumas medicações, realização de exames periódicos e medidas de auto-cuidado.

Leia também: Diabetes tem cura?

O foco principal do tratamento da diabetes é manter o nível de glicose sanguínea estável e dentro da normalidade, além de reduzir os riscos de complicações advindas da doença. 

Meu pai tem diabetes precisou amputar menor dedo dos pés...
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Normalmente esse tipo de sintoma em uma ferida cirúrgica indica algum tipo de infecção, algo que é bem comum na situação do seu pai; com relação a medicação não posso dizer nada, porque você não escreveu nada, não sei o que seu pai toma de remédios.

Fiz exames e médico disse que sou diabética?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Tanto a diabetes como o hipotireoidismo, não devem ter seu diagnóstico firmado somente com um exame alterado, geralmente precisa de confirmação com a repetição dos exames e as vezes precisa até fazer outros exames além dos que já foram feitos, salvo situações especiais em que existe alguma outra condição ou os exames estão muito alterados, o que não parece ser o seu caso. O ideal nesses casos é voltar ao seu médico ou se preferir trocar de médico, a saúde é sua, o corpo é seu e é você quem tem a última palavra, cabe a nós médicos orientar você no sentido de que você possa tomar as melhores decisões.