DIU

Tenho 47 anos ainda posso engravidar?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Se ainda menstrua pode engravidar, embora a chance de gravidez seja muito pequena nesse período pré-menopausa. Após a menopausa, ou seja, após a última menstruação que a mulher apresenta já não há risco de gravidez.

Durante o período da pré-menopausa é comum a mulher apresentar ciclos menstruais irregulares e alguns sintomas característico do climatério, como fogachos e sensação de secura vaginal. No entanto, a mulher pode ainda ter um ou outro ciclo fértil com liberação de óvulo, caso ela mantenha relação sexual desprotegida nesse período pode engravidar.

Vale lembrar que os óvulos de mulheres acima dos quarenta anos também apresentam menor qualidade, o que pode dificultar o curso saudável de uma gravidez, aumentando o risco de complicações como aborto ou mesmo parto prematuro, por isso, a gravidez nessa idade é considerada de risco e exige um acompanhamento médico mais atento.

Como evitar uma gravidez na pré-menopausa?

A mulher que está no período pré-menopausa e não deseja engravidar pode optar pela adoção de algum método contraceptivo como uso de preservativo, inserção de Diu, ou uso de anticoncepcionais hormonais. Vale ressaltar que o uso de contraceptivos hormonais contendo estrógeno não é indicado para mulheres nessa idade que apresentem problemas de saúde como hipertensão arterial, diabetes mellitus ou sejam tabagistas, devido ao risco de doença cardiovascular.

Como engravidar na pré-menopausa?

Caso a mulher nessa idade deseje engravidar deve procurar um médico para uma avaliação da sua fertilidade e da proximidade ou não da menopausa. Só assim é possível definir a melhor estratégia para lidar com a dificuldade de uma gravidez nesse período. Eventualmente, podem ser tentadas técnicas que estimulam a ovulação ou mesmo a fertilização in vitro.

Para mais informações consulte o seu médico de família ou ginecologista.

O que fazer para aumentar ou diminuir o fluxo menstrual?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O tratamento para aumentar ou diminuir o fluxo menstrual vai depender de cada caso.

É possível aumentar o fluxo menstrual através do uso do DIU (dispositivo intrauterino), por exemplo. Já para diminuir o fluxo menstrual intenso existem diversos tratamentos, que incluem desde o uso de medicamentos hormonais à histerectomia (remoção cirúrgica do útero).

Dentre os medicamentos usados para reduzir o fluxo menstrual estão:

- Injeção anticoncepcional progesterona, ou progesterona combinado a estrogênio

- Estrogênio oral

- Anticoncepcionais orais

- Medicamentos antifibrinolíticos

Os tratamentos não-medicamentosos para diminuir o fluxo menstrual incluem:

- Curetagem uterina: Através de uma raspagem ou sucção do útero, a curetagem acaba com sangramentos intensos sem prejudicar a fertilidade da mulher. No entanto, esse método cirúrgico não trata a causa da menstruação abundante e os fluxos vão continuar a ser intensos se outro tratamento, definitivo, não for iniciado.

- Tamponamento: Trata-se da introdução de um balão com líquido na cavidade uterina. Após 3 horas, cerca de metade desse líquido é retirado e, se não houver mais sangramento, o balão é retirado. Se o sangramento persistir ou for muito intenso, o balão pode ser mantido no útero por 12 horas.

- Histerectomia: A retirada do útero é a última opção de tratamento para fluxos menstruais abundantes, sendo indicada quando todos os outros métodos falham, e a mulher já possui idade mais avançada, família constituída e não desejar mais engravidar.

- Ablação endometrial: Acaba de vez com o fluxo menstrual intenso, pois destrói definitivamente o endométrio. Porém, não é recomendado para mulheres que ainda desejam engravidar.

É importante lembrar que antes de tentar aumentar ou reduzir o fluxo menstrual, é preciso saber o que está por trás da menstruação escassa ou abundante. Consulte um médico ginecologista para receber um diagnóstico adequado e o tratamento mais indicado de acordo com o caso.

Saiba mais em:

Dúvidas sobre menstruação, sangramentos, escapes

Como reduzir o fluxo menstrual?

Quem tem gastrite pode tomar anticoncepcional?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

Quem tem gastrite pode tomar anticoncepcional, mas deve ser usado com orientação médica, porque embora não haja contraindicações ao uso de anticoncepcionais nesse caso, eles podem causar indisposições gástricas, como enjoos e vômitos, em algumas pessoas que  podem piorar nos casos de gastrite, principalmente quando ela não estiver sendo tratada.

Em relação a sua ação, os anticoncepcionais podem ser usados ao mesmo tempo em que é feito o tratamento para a gastrite, porque os medicamentos geralmente usados para o seu tratamento não interferem na ação dos anticoncepcionais orais.Outras alternativas de métodos contraceptivos, que não incluem o uso de hormônios, são o dispositivo intrauterino (DIU) e o preservativo feminino.

O médico ginecologista é o especialista indicado para orientar o melhor medicamento a ser usado pela pessoa com gastrite.

Também pode lhe interessar: Quem tem gastrite pode tomar whey?

Fazer a endovaginal ou o ultrassom?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A endovaginal e o ultrassom são os mesmos exames, porém podem ser conhecidos com nomes diferentes.

O ultrassom pode ser um exame a ser realizado em diversos órgãos e partes do corpo humano. A endovaginal, é o ultrassom endovaginal, realizado pela via vaginal para ter acesso às estruturas pélvicas.

A ultrassonografia endovaginal serve para avaliar órgãos e estruturas pélvicas da mulher como útero, endométrio, ovários, trompas uterinas, etc. É um exame de imagem em que, através de um aparelho, o/a médico/a visualiza de imediato normalidades ou possíveis alterações nessa região.

Examinando com maior proximidade e nitidez, estruturas e órgãos pélvicos como o útero, os ovários, o colo do útero e as trompas, o exame pode ser indicado para avaliar a espessura do endométriosangramento uterino; presença de massa pélvica (mioma, câncer); anomalias no útero; localização do DIU; avaliação da gravidez e auxiliar as técnicas de reprodução assistida.

Leia também:

Como é feito o exame transvaginal?

É possível engravidar tendo implante contraceptivo?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

É muito difícil engravidar tendo implante contraceptivo, uma vez que a eficácia desse método anticoncepcional é de 99,95%. Em cada 10.000 mulheres que usam o implante contraceptivo, apenas 5 terão alguma falha, o que faz dele um dos métodos anticoncepcionais mais seguros.

A eficácia do implante contraceptivo é superior a de todos os outros contraceptivos hormonais, como pílulas, sistema intrauterino, adesivo, injeções e anel vaginal.

Durante 3 anos, o implante contraceptivo libera diariamente na corrente sanguínea as doses de hormônio necessárias para inibir a ovulação, evitando assim a gravidez. Portanto, durante esse período, a mulher estará muito bem protegida contra uma gravidez indesejada. 

Os implantes contraceptivos são uma boa opção para mulheres que possuem contraindicações para usar métodos anticoncepcionais hormonais combinados.

Além disso, por não ser de utilização diária, ter grande eficácia e apresentar índices elevados de satisfação e continuidade de uso, o implante pode ser recomendado como a primeira opção de contraceptivo para mulheres em idade reprodutiva, sobretudo adolescentes.

De acordo com os estudos, os implantes contraceptivos estão entre os melhores métodos reversíveis para prevenir a gravidez, juntamente com o DIU.

Para maiores esclarecimentos sobre o implante contraceptivo, fale com o/a seu/sua médico/a ginecologista, clínico/a geral ou médico/a de família.

Não remover um DIU vencido faz mal? O que pode acontecer?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Não remover um DIU vencido pode ocasionar uma gravidez não planejada.

O DIU (Dispositivo Intra-Uterino) é um anticoncepcional que possui a duração em média de 7 a 10 anos a depender de qual tipo.

No Brasil, atualmente há disponível dois tipos de DIU:

  • Cobre;
  • Hormonal.

O DIU de Cobre é eficaz durante os 10 primeiros anos de uso e o DIU Hormonal tem a eficácia maior entre os primeiros 5 a 7 anos de uso.

Após esse período é recomendado a remoção do DIU e a inserção de um DIU novo.

Quando a remoção do DIU ocorre após esse período ("DIU vencido"), o método contraceptivo não será tão eficaz, podendo haver maior chances de ocorrer uma gravidez não planejada.

Em alguns casos de infecção inflamatória pélvica é necessária a retirada do DIU mesmo antes do vencimento. Isso será avaliado pelo/a médico/a ginecologista.

O DIU (Dispositivo Intra Uterino) é um método anticoncepcional de longa duração e de alta eficácia. A cada 100 mulheres, menos de 1 engravida utilizando esse método. Essa porcentagem é pequena, porém nenhum método anticoncepcional é 100% seguro e nem garante 100% de eficácia.

A introdução do DIU é um procedimento simples que é oferecido gratuitamente em algumas condições no Sistema Único de Saúde (SUS). Procure uma unidade de saúde para maiores informações.

Saiba mais em:

Como funciona o DIU?

O que é gravidez ectópica e quais os seus sintomas?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A gravidez ectópica acontece quando o óvulo é implantado fora da cavidade uterina e o feto se desenvolve fora do útero. Os principais sintomas são: dor abdominal, atraso da menstruação e perdas de sangue irregulares pela vagina.

Uma gravidez ectópica pode ocorrer nas trompas (gravidez tubária), no ovário (gravidez ovariana), no ligamento largo (gravidez intraligamentar), no colo do útero (gravidez cervical) ou peritônio (gravidez abdominal).

Numa gravidez normal, a fecundação (união do óvulo com o espermatozoide) ocorre nas trompas e depois o óvulo fecundado é transportado até o útero, onde ocorre a nidação (fixação do embrião na parede interna do útero).

Quando alguma alteração ocorre durante esse processo, o óvulo fecundado pode ser implantado noutro local que não o útero, principalmente na trompa.

A principal causa de gravidez tubária são a obstrução da trompa causada por infecções pélvicas e cirurgias ou diminuição da motilidade das trompas.

Uma vez que na gravidez ectópica o embrião se implanta num local que não está preparado para recebê-lo, a gravidez pode evoluir ou não.

Quando a gestação não evolui, a camada que reveste o útero internamente descama, causando sangramento vaginal. No caso da gravidez evoluir, há chances de haver ruptura e hemorragia, aumentando os riscos para a gestante, inclusive de morte.

Quais são os sintomas de gravidez ectópica?

Os sintomas normalmente aparecem entre 6 e 8 semanas após a última menstruação, podendo surgir mais tarde se a gravidez não estiver na trompa.

Também estão presentes os sintomas iniciais de uma gravidez comum, como aumento da sensibilidade das mamas, náuseas eaumento do número de micções.

A gravidez ectópica ocorre em até 2% das gestações, sendo a gravidez nas trompas (gravidez tubária) a responsáveis por mais de 90% dos casos de gravidez ectópica.

Vale lembrar que a gravidez tubária não manifesta sintomas enquanto não houver a ruptura da trompa.

Quais são os fatores de risco da gravidez ectópica?

Os fatores que aumentam os riscos de gravidez ectópica incluem idade entre 25 e 34 anos, infertilidade, DST (sobretudo clamídia), história de gravidez ectópica, realização de laqueadura, reconstrução ou cirurgia na tuba uterina, doenças nas trompas, uso de DIU e endometriose.

Qual é o tratamento para gravidez ectópica?

O tratamento da gravidez ectópica pode incluir o acompanhamento clínico (vigilância), tratamento com injeções de metotrexato e cirurgia para retirar o feto ou a trompa afetada, no caso de estar muito danificada. O tipo de tratamento é definido conforme cada caso.

Toda gravidez ectópica apresenta grandes riscos para a mulher e deve ser tratada o mais rápido possível para evitar complicações graves como ruptura da tuba uterina e hemorragia interna

Injeção de anticoncepcional pode causar dores nas mamas?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Sim. Os contraceptivos injetáveis sejam eles mensais ou trimestrais podem causar dores nas mamas e outros sintomas adversos tais como dores de cabeça, náuseas, tontura, alterações do humor, diminuição na libido, ganho de peso, irregularidade menstrual, sangramento de escape (spotting) entre outros.

Cada mulher responde de uma forma individual aos anticoncepcionais hormonais. Algumas raramente sentem algo diferente, outras apresentam maior sensibilidade a ação hormonal no corpo e têm mais sintomas.

Alguns efeitos colaterais podem ser mais intensos no inicio do uso e reduzir ou cessar com o decorrer do tempo. Outros se mantém, e há ainda algumas mulheres que relatam aparecimento de efeitos adversos apenas após longo tempo de uso.

 Conheça os outros efeitos adversos em: Anticoncepcionais injetáveis tem efeitos colaterais?

Caso apresente dor ou sensibilidade mamária você pode tentar aliviá-la através da aplicação de compressas quentes na mama. Nesse tipo de situação a sustentação dos seios com um sutiã confortável e de alças largas pode ajudar, principalmente para quem tem mamas grandes.

Dores mais intensas também podem ser aliviadas com analgésicos simples, mas nesse caso pode ser mais interessante avaliar a escolha do método anticoncepcional, considerando que há outras opções eficazes sem ação hormonal, como o DIU de cobre.

Converse com o seu médico de família ou ginecologista caso apresente efeitos adversos da pílula muito frequentes e intensos.

Caso ainda tenha dúvidas sobre os anticoncepcionais injetáveis, leia também:

Dúvidas sobre anticoncepcional injetável

Posso fazer exame transvaginal no fim da menstruação?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim, a mulher pode fazer o exame transvaginal mesmo estando no fim do período de menstruação.

O ultrassom transvaginal é solicitado para avaliar os órgãos pélvicos da mulher.

Esse exame pode ser feito ao longo de todo o ciclo da mulher. Em alguns casos específicos, o/a médico/a poderá solicitar que o exame seja feito em algum momento específico do ciclo como durante a ovulação ou durante a menstruação. Se houver essa indicação, a mulher deve fazer o exame no período indicado. Caso nenhuma indicação específica seja feita, a mulher é orientada a fazer a ultrassonografia em outro período do ciclo não estando menstruada para evitar possíveis incômodos.

Aconselha-se, geralmente, que o exame seja feito fora do período menstrual para não gerar na mulher o desconforto com o sangramento durante o exame. Por isso, logo quando acabar o sangramento, a mulher já pode realizar o exame. Porém, no final da menstruação, em geral, o fluxo de sangue é menor e causa menos desconforto para a mulher.

A ultrassonografia transvaginal serve para avaliar órgãos e estruturas pélvicas da mulher como útero, endométrio, ovários, trompas uterinas, etc. É um exame de imagem em que, através de um aparelho, o/a médico/a visualiza de imediato normalidades ou possíveis alterações nessa região.

Examinando com maior proximidade e nitidez, estruturas e órgãos pélvicos como o útero, os ovários, o colo do útero e as trompas, o exame pode ser indicado para avaliar a espessura do endométrio; sangramento uterino; presença de massa pélvica (mioma, câncer); anomalias no útero; localização do DIU; avaliação da gravidez e auxiliar as técnicas de reprodução assistida.

Leia também:

Como é feito o exame transvaginal?

Um contraceptivo de marca diferente tem o mesmo efeito?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim. Os contraceptivos em pílula apresentam o mesmo efeito mesmo sendo de marcas diferentes.

Quando o contraceptivo apresenta o mesmo composto e muda apenas o nome comercial (marca), geralmente ele possui a mesma dosagem de cada componente (progestágeno e/ou estrógeno), sendo assim, a quantidade de medicação na corrente sanguínea não será alterada. Porém, há contraceptivos de marcas diferentes que não possuem dosagens iguais.

O que deve ser levado em consideração ao trocar de marca é não haver um intervalo entre as cartelas, ou seja, o primeiro comprimido da cartela nova deve ser iniciado no dia seguinte ao término da antiga cartela.

Não é recomendado fazer trocas de marcas de contraceptivos com frequência. A dosagem de cada anticoncepcional pode alterar minimamente e impactar o ciclo menstrual e a adaptação à medicação.  Por isso, uma mudança de marca ocasionalmente não há prejuízos, mas a mudança mensal ou constante pode provocar desequilíbrios hormonais.

Quando a troca é entre tipos diferentes de métodos contraceptivos, como por exemplo passar da pílula para a injeção, DIU ou implante o cuidado deve ser maior e as recomendações são diferentes.

O/a ginecologista, clínico/a geral ou médico/a de família podem orientar a decisão de qual tipo de anticoncepcional é mais adequado em seu caso, bem como avaliar as possíveis contra indicações de cada método.

Adenomiose tem cura? Qual o tratamento?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A adenomiose pode sim ter cura, o tratamento definitivo, quando indicado, é através da remoção cirúrgica do útero - histerectomia, ou com a chegada da menopausa. Entretanto existem tratamento menos agressivos para controle dos sintomas, até a necessidade desta opção.

O tratamento da adenomiose pode ser feito com hormônios (anticoncepcionais, DIU, implantes subcutâneos) ou cirurgia. Pode incluir:

  • Medicamentos hormonais, como os anticoncepcionais com progesterona;
  • Anti-inflamatórios não esteroides (AINE);
  • Analgésicos;
  • Dispositivo Intrauterino (DIU) de levonorgestrel;
  • Anel vaginal;
  • Implantes subcutâneos;
  • Cirurgia para remoção do nódulo, em casos de adenomiose localizada;
  • Cirurgia para retirar o útero (histerectomia total).

O tratamento não cirúrgico da adenomiose tem como objetivo amenizar os sintomas e melhorar a qualidade de vida da mulher, além de permitir uma gravidez desejada. Esses métodos visam conter ou diminuir o(a):

  • Sangramento;
  • Cólica menstrual;
  • Dor pélvica;
  • Tamanho do útero, que está aumentado na adenomiose.

Leia também: Quem tem adenomiose pode engravidar?

Porém, apesar de ser uma alternativa a tratamentos radicais como a retirada total do útero, o tratamento clínico da adenomiose é limitado devido aos efeitos colaterais, além de que os sintomas reaparecem com a interrupção do tratamento.

Uma boa opção de tratamento não cirúrgico é o uso do anel vaginal, quando tolerável, pelas seguintes vantagens:

  • Método seguro e confiável;
  • Não precisa ser inserido diariamente;
  • Liberta uma quantidade constante de hormônio;
  • Provoca menos efeitos colaterais;
  • Não altera o peso corporal;
  • Discreto e fácil de usar.

Fale com seu/sua médico/a ginecologista para maiores esclarecimentos quanto às indicações, vantagens e desvantagens de todas as formas de tratamento para a adenomiose.

Leia também: O que é adenomiose e quais os sintomas?

Fiz um exame de colpocitologia oncótica e o resultado foi...
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O exame apresenta resultado dentro dos limites da normalidade. No entanto, como todo exame complementar, deve ser analisado pelo médico que o solicitou, para que junto com a análise clínica, seja definido melhor tratamento e acompanhamento.

A descrição dos achados no exame é dividida em:

  1. Identificação da amostra,
  2. Características do material colhido,
  3. Diagnóstico final.
Analisando o exame descrito Avaliação da amostra: satisfatória.

A avaliação "satisfatória", significa que pode ser realizada a análise do material. Ou seja, significa que a coleta do material foi adequada, a quantidade de material está suficiente e os cuidados com a lâmina ou frasco entregues estão nas condições exigidas. Como foi no seu caso.

Quando ocorre alguma falha, seja na coleta ou no material colhido, como quebra de uma lâmina no transporte para o laboratório ou sinais de contaminação, o patologista pode invalidar a amostra e solicitar nova coleta para uma análise mais segura.

Microbiologia: Flora bacilar

A flora bacilar quer dizer que a maior parte é representada por lactobacilos, os quais são considerados bactérias "boas" da flora vaginal. Os lactobacilos são responsáveis pela defesa natural dessa região, impedindo a proliferação de fungos e bactérias causadores de doenças.

Quando ocorre algum desequilíbrio nessa flora, seja por gestação, menstruação, atividade sexual, má higiene ou uso de hormônios, a mulher se torna mais exposta a bactérias nocivas, resultando nos quadros de corrimento, cervicite e vaginite. As doenças mais comuns são a candidíase, tricomoníase e vaginose por gardenerella.

Avaliação hormonal: Esfregaço eutrófico.

O resultado esfregaço "eutrófico" no exame, significa que o material analisado está normal.

No esfregaço, são avaliadas as camadas celulares do colo, sua proliferação, amadurecimento e descamação. Todo esse processo é coordenado pelos hormônios sexuais femininos, por isso, em situações de alteração hormonal esse resultado pode estar alterado sem que sinalize uma doença, como por exemplo no caso de menopausa, aonde o estrogênio está diminuído e o resultado esperado deve ser de tecido "hipotrófico".

Portanto, todo resultado de exames, deve ser avaliado em conjunto com a análise clínica.

Diagnóstico: Negativa para células neoplásicas. Presença de alterações celulares reativas ou reparativas em células escamosas.

Esse é o principal critério apresentado no laudo, aonde indica a presença ou ausência de células malignas/pré-malignas, além de outros achados que forem evidenciados. No seu caso foi negativo para células malignas (neoplásicas), descartando células precursoras de câncer.

A presença de células reativas ou reparativas em células escamosas, nos diz que foram visualizadas alterações no epitélio do colo (escamoso), as quais geralmente estão relacionadas a reações inflamatórias prévias, uso de absorventes internos ou DIU, reações alérgicas, exposição à radiação ou mesmo decorrente da atrofia epitelial esperada na menopausa.

O que é o Exame de colpocitologia oncótica?

O exame de colpocitologia oncótica, é o exame preventivo feminino, ou Teste de Papanicolau. Exame de rastreio, utilizado de rotina na prática médica para prevenção do câncer do colo de útero na mulher, o terceiro tipo de câncer mais comum na população feminina mundial.

O objetivo principal é a detecção precoce de células precursoras do tumor, para um tratamento precoce e eficaz. Quanto mais cedo for detectado o câncer, maior a chance de cura.

Para maiores esclarecimentos converse com seu/sua médico/a ginecologista, e mantenha sempre um acompanhamento regular.