Perguntar
Fechar
Dor no umbigo: o que pode ser?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Dor no umbigo pode ser sinal de apendicite, prisão de ventre, hérnia e de outras doenças e condições como a gravidez. Normalmente está relacionada a processos inflamatórios e infecciosos.

Quando a dor é leve e temporária pode indicar um mal-estar passageiro. Entretanto, se a dor for intensa e frequente pode trazer sérias complicações. Por este motivo, é importante que você não se automedique e procure um médico para avaliação da dor.

1. Apendicite

A apendicite consiste na infecção e inflamação do apêndice. Costuma se manifestar através de uma dor abdominal que pode ter início ao redor do umbigo e depois passar para a região inferior direita do abdômen. Inicialmente a dor é leve e se torna intensa com o passar das horas.

Algumas pessoas podem apresentar somente dor abdominal, entretanto outras podem apresentar dor juntamente com os seguintes sintomas:

  • Náuseas e vômitos: estes sintomas podem ocorrer juntos ou pessoa pode apresentar apenas um deles. Ocorre porque o processo inflamatório e infeccioso do apêndice provoca redução dos movimentos peristálticos (movimentos involuntários de contração do sistema digestivo que possibilitam a deglutição);
  • Perda de apetite: a infecção do apêndice produz alterações gastrointestinais que levam à perda de apetite;
  • Febre: ocorre devido à tentativa do organismo de preservar a sua integridade perante o quadro de infecção e inflamação do apêndice;
  • Gases intestinais: acontecem pela perda dos movimentos intestinais;
  • Má digestão: é um sintoma que ocorre em consequência da diminuição dos movimentos peristálticos;
  • Diarreia ou prisão de ventre: estes dois sintomas ocorrem pelo comprometimento do funcionamento do sistema digestivo em função da infecção do apêndice;
  • Mal-estar geral: acontece nos processos infecciosos como consequência da febre e do comprometimento do sistema gastrointestinal.
O que devo fazer?

Neste caso, você deve buscar o mais rapidamente possível um serviço de emergência para avaliação dos sintomas e indicação do tratamento adequado que consiste em com cirurgia e uso de antibióticos. Pode ser necessário efetuar ultrassonografia abdominal ou tomografia de abdome.

Quando a cirurgia é feita precocemente a recuperação é tranquila e os riscos de complicações são menores. A demora para iniciar o tratamento adequado pode trazer sérios riscos à saúde, por este motivo não protele a ida à emergência

Ruptura do apêndice

Nos casos em que a apendicite permanece sem tratamento, o apêndice pode sofrer ruptura e trazer consequências graves à saúde, inclusive com risco de morte. Um apêndice infectado pode apresentar ruptura em menos de 36 horas após o surgimento dos sintomas.

A inflamação e a infecção podem se espalhar pelo abdome ou as bactérias podem migrar para corrente sanguínea e provocar a infecção generalizada.

A ruptura de apêndice é tratada com uso de antibiótico e várias cirurgias podem ser necessárias. Por este motivo é importante buscar rapidamente um serviço de emergência quando os sintomas de apendicite, especialmente a dor em volta do umbigo ou na região inferior direita do abdome, se iniciam.

2. Prisão de ventre

A prisão de ventre está entre as causas mais comuns de dor no umbigo. Nestes casos, a dor se manifesta em volta do umbigo, é intermitente (dor que vai e volta) e pode ser intensa.

O acúmulo de fezes ou gases distende o intestino, que pode pressionar algum nervo que passa pela região do umbigo, causando dor.

O que devo fazer?

O uso de medicamentos laxantes é indicado tratamento da prisão de ventre e somente devem ser administrados após avaliação e orientação médica.

Para evitar que a prisão de ventre ocorre é necessário adotar uma alimentação rica em fibras e ingerir em torno de 2 litros de água por dia.

Uma vez que a dor no umbigo pode ter diversas causas, sendo algumas delas graves, é importante procurar um médico clínico geral ou médico de família para uma avaliação se a dor continuar ou vier acompanhada de outros sinais e sintomas.

3. Hérnia umbilical

A hérnia é o extravasamento de uma parte de um órgão (geralmente o intestino) através de uma região mais enfraquecida da parede abdominal ou do tecido gorduroso do abdômen. Isso pode ocorrer na região do umbigo (hérnia umbilical), causando dor.

A dor provocada pela hérnia umbilical é localizada na região do umbigo e pode ser persistente e se tornar bastante intensa. Geralmente se agrava ao tossir, se curvar para frente, carregar peso ou fazer exercícios. Em alguns casos, a dor no umbigo pode surgir ao urinar.

O que devo fazer?

É preciso se dirigir ao hospital para avaliação por um cirurgião geral. Há casos nos quais a hérnia regride sozinha e há casos que é necessário tratamento cirúrgico, porém mesmo em casos de regressão espontânea da hérnia é necessária a avaliação cirúrgica.

Saiba mais em: como saber se tenho uma hérnia?

4. Gravidez

A dor ou desconforto no umbigo pode ocorrer em qualquer período da gestação e se torna mais intensa nos seus últimos meses.

É causada pela distensão de um ligamento do abdômen. O estiramento é decorrente do crescimento do útero e chega a separar em dois o músculo reto abdominal, podendo levar ao desenvolvimento de hérnia umbilical. Esse enfraquecimento da parede abdominal pode causar dor na região do umbigo.

O que devo fazer?

Se a dor for leve ou suportável, orienta-se observar, pois a tendência é que ela desapareça sem que sejam necessárias intervenções. Caso a dor se torne mais forte, é possível fazer uso de medicamentos analgésicos somente sob orientação médica.

Outros sintomas como inchaço, vermelhidão, secreção no umbigo ou dor muito intensa podem indicar infecção e precisam da avaliação médica o quanto antes.

Leia mais: É normal o umbigo mudar durante e após a gravidez?

5. Endometriose umbilical

A endometriose umbilical provoca dor e sangramento no umbigo. A dor ocorre durante a menstruação e por este motivo é chamada de dor cíclica.

Isso ocorre devido à presença de tecido da parede interna do útero (endométrio) na região do umbigo, o que causa dor e sangramento durante a menstruação. Além disso, pode-se observar a presença de um nódulo azulado ou acastanhado no umbigo.

O que devo fazer?

Nestes casos, é preciso efetuar avaliação médica, pois o tratamento é efetuado por meio de cirurgia.

6. Gastroenterite

A gastroenterite é a inflamação do revestimento do estômago e dos intestinos. É caracterizada por dor em volta do umbigo, normalmente em cólicas, que se espalha pela região abdominal e diarreia.

Além da dor e da diarreia, pode ocorrer:

  • Perda de apetite;
  • Náuseas;
  • Vômitos;
  • Febre (duração média de 3 a 7 dias);
  • Mal-estar;
  • Dor muscular;
  • Prostração (sensação de fraqueza e cansaço).
O que devo fazer?

O tratamento da gastroenterite depende da sua causa. É importante fazer repouso, hidratar-se e ingerir alimentos leves. Antidiarreicos e antibióticos podem ser utilizados no tratamento.

A hidratação deve ser efetuada por meio da ingestão de bastante água, água de coco ou soro caseiro. Evite café, refrigerantes, sucos industrializados e bebidas alcoólicas.

A alimentação deve incluir pequenas quantidades de alimentos de fácil digestão como arroz, macarrão, sopa de frango, hortaliças e frutas sem casca. Maçã, banana e goiaba são as mais indicadas. Leite e derivados, frituras e alimentos gordurosos devem ser evitados.

Medicamentos antidiarreicos e/ou antibióticos devem sem administrados conforme orientação médica.

7. Pancreatite

A pancreatite consiste na inflamação do pâncreas e, geralmente, ocorre devido a presença de cálculos biliares ou ao consumo excessivo de álcool.

É caracterizada por uma dor súbita, intensa e persistente na região acima do umbigo e que pode irradiar para as costas. Quando provocada pelo consumo excessivo de álcool a dor se desenvolve ao longo de alguns dias.

A tosse, respiração profunda e movimentos súbitos podem acentuar a dor. A posição sentada pode reduzi-la. É comum que a dor venha acompanhada de náuseas e vômitos.

O que devo fazer?

O melhor a fazer é dirigir-se à um pronto-socorro. Estes casos exigem avaliação médica para definir o melhor tratamento que pode ser feito com hidratação na veia, restrição alimentar e medicamentos (analgésicos e/ou antibióticos).

Nas situações mais graves e em pessoas que apresentam complicações, como perfuração, pode ser indicado tratamento cirúrgico.

8. Doenças intestinais inflamatórias

Nas doenças intestinais inflamatórias ocorre a inflamação do intestino que se caracteriza principalmente por dor abdominal e diarreia recorrentes. Os dois principais tipos de doenças intestinais inflamatórias são a doença de Crohn e a colite ulcerativa.

De forma geral, a doença de Crohn pode afetar qualquer parte do sistema digestivo, enquanto a colite ulcerativa acomete quase sempre apenas o intestino grosso.

A dor de intensidade variada, nestas duas doenças, ocorre com maior frequência na região inferior do umbigo e pode vir acompanhada de diarreia. Por vezes, a diarreia pode conter sangue.

O que devo fazer?

O controle do estresse e uma alimentação equilibrada são importantes para melhorar os sintomas destas doenças. O tratamento adequado das doenças intestinais inflamatórias inclui o uso de medicamentos e, às vezes, cirurgia.

9. Síndrome do intestino irritável

A síndrome do intestino irritável é caracterizada por desconforto ou dor abdominal recorrente que diminui após as evacuações. O hábito intestinal pode alternar entre diarreia e prisão de ventre.

A dor é predominante na região abaixo do umbigo, mas pode se espalhar por toda a região abdominal e se apresenta constante ou em cólicas.

O que devo fazer?

É importante estabelecer uma alimentação equilibrada e evitar alimentos que produzem gases ou provoquem diarreia. Nos casos de prisão de ventre, se recomenda dieta rica em fibras.

Uma avaliação médica é necessária para que o tratamento medicamentoso seja adequado aos sintomas.

10. Diverticulite

Diverticulite é a inflamação e/ou infecção de um ou mais divertículos (bolsas em formato de balão que se formam no intestino grosso).

A dor é localizada na região inferior do umbigo do lado esquerdo e é associada à febre e sensibilidade da região abdominal.

O que devo fazer?

A avaliação médica é imprescindível para um diagnóstico seguro. Pessoas com sintomas leves de diverticulite são tratadas com repouso, dieta líquida e às vezes, com o uso de antibióticos.

Àquelas que apresentam sintomas severos precisam de hospitalização para administração de antibióticos na veia. Nestes casos, existe a possibilidade de realização de procedimento cirúrgico.

11. Colecistite

A colecistite é uma inflamação da vesícula biliar que ocorre, normalmente, pela obstrução de um duto biliar. Pode ser aguda ou crônica.

A colecistite aguda tem início súbito com dor grave na região acima do umbigo que se espalha por todo o abdome superior e dura mais do que 6 horas. Na colecistite crônica ocorrem crises de dor que acontecem quando o duto é bloqueado temporariamente.

O que devo fazer?

Você deve buscar um hospital, pois o tratamento da colecistite é cirúrgico e consiste na retirada da vesícula biliar.

12. Isquemia intestinal

A isquemia intestinal (isquemia mesentérica aguda) é um bloqueio súbito da circulação sanguínea para uma determinada parte do intestino. Esta interrupção do fluxo de sangue pode provocar morte do tecido intestinal (gangrena) e perfuração.

A dor abdominal grave nos casos de isquemia intestinal surge abruptamente e se torna mais grave quando ocorre a necrose da parte do intestino que não recebe o fluxo sanguíneo.

O que devo fazer?

É urgente buscar atendimento em emergência hospitalar, pois o tratamento deve ser imediato e feito através de angiografia ou cirurgia.

13. Inflamação do umbigo

A inflamação local no umbigo (cicatriz umbilical) pode ter como causa a colocação de um piercing, presença de corpo estranho, endometriose umbilical, foliculite (inflamação do folículo capilar) ou ainda devido à persistência do úraco, estrutura embrionária que liga o umbigo à bexiga.

O que devo fazer?

Você pode higienizar o umbigo com água e sabão neutro ou mesmo soro fisiológico. Procure um médico para adequada avaliação. O uso de anti-inflamatórios ou antibióticos pode ser indicado.

Outras condições de saúde que podem provocar dor no umbigo

A dor no umbigo pode indicar problemas em diversos locais da região abdominal, pois há nela uma variedade grande de órgãos: estômago, fígado, vesícula biliar, pâncreas, baço, rins, vias urinárias (ureteres) intestino delgado e grosso, útero, ovários, tubas uterinas.

  • Infecção de bexiga;
  • Úlcera gástrica;
  • Infecção gástrica.
Sintomas associados à dor no umbigo

Busque urgentemente atendimento médico se a dor no umbigo estiver associada a:

  • Dor intensa que o impede de ficar de pé normalmente. Você só encontra conforto ao curvar-se;
  • Inchaço abdominal;
  • Febre;
  • Pele amarelada;
  • Vômito com sangue ou persistente;
  • Dor ao urinar, micção frequente ou urgente;
  • Sangue nas fezes;
  • Dor ou pressão no peito;
  • Acidente, lesão ou trauma.

A dor no umbigo desaparece quando a sua causa específica é tratada. Algumas doenças que provocam dor no umbigo são graves, exigem intervenções rápidas e podem trazer complicações sérias à sua saúde.

Em caso de dor no umbigo ou dor abdominal persistente procure um médico ou busque diretamente o serviço de emergência. Não use analgésicos ou antibióticos sem orientação médica.

Pode lhe interessa ainda:

6 causas de mau cheiro no umbigo e como tratar

como identificar uma crise de apendicite?

O que é a Síndrome do Intestino Irritável?

Dor no estômago pode ser sintoma de gravidez?
Dr. Gabriel Soledade
Dr. Gabriel Soledade
Médico

Não se pode dizer que dor no estômago é um sintoma que sugira o diagnóstico de gravidez.

Apesar de dor no estômago ser um sintoma comum em mulheres grávidas, diversas outras situações muito mais frequentes e prováveis também podem causar esse sintoma.

Entre elas, alimentação inadequada, gastrite por estresse entre outras.

Leia também: Pele oleosa pode ser sintoma de gravidez?

Por isso, uma pessoa com essa queixa deve procurar um clínico geral ou gastroenterologista para que a investigação adequada seja realizada.

Pênis com cortes inexplicáveis, dói muito, o que pode ser?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Uma inflamação na pele decorrente de alguma infecção ou alergia, pela sua descrição parece um eczema, dermatite ou uma infecção por fungo. Sem ver a lesão é difícil fazer o diagnóstico, você precisa consultar um médico.

Dor e dificuldade ao engolir. O que pode ser e o que fazer?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Dor e dificuldade ao engolir podem ser sintomas de garganta inflamada. As infecções de garganta podem ser causadas por vírus ou bactérias e podem atingir as amígdalas (amigdalite), laringe (laringite) ou a faringe (faringite).

Os sintomas de garganta inflamada podem incluir:

  • Dor de garganta;
  • Dificuldade para engolir alimentos sólidos;
  • Febre;
  • Inchaço dos gânglios do pescoço e da mandíbula;
  • Irritação na garganta, que pode estar avermelhada;
  • Presença de placas de pus na garganta (amigdalite);
  • Rouquidão.

Para tratar a garganta inflamada é necessário primeiro saber se a infecção é bacteriana ou viral. Se for causada por vírus, o tratamento é feito com anti-inflamatórios e sintomáticos; se for causada por bactérias é preciso tomar antibióticos.

Leia também:

Quais os sintomas da faringite?

Quais os sintomas de amigdalite?

O que fazer para aliviar a dor ao engolir?

Fazer gargarejos com água morna e sal ajuda a aliviar a dor de garganta, sobretudo se for causada por amigdalite, pois limpa a garganta e ajuda a soltar o muco que se forma pelo pus.

Basta misturar uma colher (chá) rasa de sal em um copo de água morna e fazer o gargarejo durante alguns minutos.

Os gargarejos devem ser feitos pelo menos 3 vezes ao dia e podem ser repetidos sempre que for necessário.

Não coloque vinagre nem limão na solução, pois são ácidos e podem irritar ainda mais a garganta.

É importante lembrar que os gargarejos apenas aliviam a dor e não tratam a inflamação ou a infecção.

Veja também: Tomar sorvete faz mal para quem está gripado ou com a garganta inflamada?

Por isso, procure um médico clínico geral, médico de família ou vá diretamente a um otorrinolaringologista para que sejam prescritos os medicamentos adequados e a causa da dor seja devidamente tratada.

Também podem lhe interessar:

Diferenças entre Amigdalite, Faringite e Laringite

O que é a faringite e qual o tratamento?

O que causa inflamação nas amígdalas e qual o tratamento?

Injeção anticoncepcional causou dor fora do normal, é possível ter sido mal administrada e não funcionar?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

A aplicação da injeção anticoncepcional com dor fora do normal pode ser o resultado de falha na administração, embora a dor também possa ser causada pela característica oleosa (viscosa) do líquido dos anticoncepcionais. A técnica correta de aplicação do anticoncepcional injetável deve ser por via intramuscular profunda, no músculo do bumbum (glúteo) e não se deve massagear ou aplicar qualquer tipo de compressa no local. Desta forma, os hormônios presentes na injeção ficam depositados no músculo, sendo absorvidos pela corrente sanguínea e liberados gradual e continuamente de modo a prevenir a gravidez.

Caso haja a formação de uma espécie de calombo no local da aplicação, significa que houve uma aplicação muito superficial e isso interferirá na ação do anticoncepcional.

Em caso de dúvida sobre a ação adequada do anticoncepcional injetável deve-se utilizar um outro método para prevenir a gravidez, como a camisinha, e consultar um ginecologista.

Dor nos seios pode estar relacionado com a menopausa?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim. Dor nos seios e aumento da sensibilidade nas mamas são sintomas comuns no período de transição para a menopausa. Esses sintomas normalmente reduzem com o passar do tempo e com a entrada definitiva da mulher na menopausa.

A explicação é devido à flutuação da concentração do hormônio estrogênio na circulação sanguínea que ocorre nesse período de transição.

A sensibilidade mamária aumentada pode estar presente em algumas fases do ciclo menstrual (principalmente antes da menstruação) e ser caracterizada normal e transitória.

Porém, dor nos seios pode ser devido a outros problemas de saúde como cistos, nódulos, inflamação mamária (mastite), tabagismo, uso de anticoncepcionais ou terapia de reposição hormonal, etc.

A mulher que sente dores nos seios frequentes deve procurar um serviço de saúde para avaliação com clínico/a geral, médico/a de família e/ou ginecologista.   

Omeprazol para esofagite e dor no estômago. Quanto tempo demora para fazer efeito?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Normalmente, o omeprazol produz uma melhora rápida dos sintomas, dentro de poucos dias. Entretanto, feridas como úlceras e inflamação na parede do esôfago e estômago, podem levar até 8 semanas para cicatrização completa.

Pode ser necessário usar também algum antiácido, juntamente como omeprazol, para ajudar a aliviar as dores estomacais, mas sempre conforme a orientação médica.

Se você está tomando omeprazol duas semanas e não melhorou muito, deve primeiro falar com o seu médico gastroenterologista, que irá avaliar a necessidade de fazer ou não outra investigação.

Contudo, verifique se você está tomando o omeprazol da forma correta, em jejum, 15 minutos antes de cada refeição; vale também confirmar a data de validade do medicamento, e se tem seguido as orientações quanto a alimentação adequada para quem tem diagnóstico de gastrite ou esofagite. Se o medicamento não for usado corretamente, ele pode não produzir os efeitos esperados.

Saiba mais sobre o tratamento da esofagite em: Esofagite erosiva tem cura? Qual o tratamento?

Como tomar omeprazol corretamente?

O correto é tomar o omeprazol antes das refeições, de preferência 15 minutos antes do café da manhã. Se for prescrito mais de uma vez ao dia, sempre 15 minutos antes de cada refeição.

Se tiver dificuldade em engolir as cápsulas, abra-as e misture o conteúdo com um pouco de suco de fruta ou água fria e beba imediatamente. Nunca mastigue ou macere os comprimidos.

Não mastigue os microgrânulos do interior das cápsulas e não os misture com leite.

Mesmo que você já esteja se sentindo melhor, não interrompa o tratamento antes do tempo determinado pelo médico.

Leia também:

Dor ao urinar pode ser gravidez?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Dor ao urinar não é um sintoma de gravidez. Na mulher, isso pode indicar a presença de cistite (infecção urinária) ou vulvovaginite.

O primeiro sinal da gestação normalmente é o atraso da menstruação. Depois, entre a 5ª e a 6ª semana de gravidez, podem surgir náuseas, vômitos, aumento da sensibilidade nos seios, vontade frequente de urinar e cansaço.

À medida que a gestação avança, a barriga começa a crescer e podem surgir outros sintomas como azia, desconforto na região pélvica, mudanças de humor, falta de ar e tontura.

Contudo, as alterações que ocorrem no corpo e no organismo da mulher durante a gravidez aumentam as chances dela desenvolver cistite, uma inflamação na bexiga causada quase sempre por bactérias que habitam o intestino.

A dor ao urinar nesse caso é decorrente da infecção urinária, que pode ter sido desencadeada pela gravidez. Contudo, não se trata propriamente de um sintoma típico da gestação.

Veja também: Com quantos dias aparecem os primeiros sintomas de gravidez?

Infecção urinária (cistite)

A cistite é uma forma de infecção urinária que acomete a bexiga. Quando a infecção ocorre na uretra, é chamada uretrite, enquanto que nos rins ela é denominada pielonefrite.

Sintomas

Além de dor ou ardência ao urinar, a cistite pode dificultar a eliminação da urina, aumentar o número de micções e a pessoa pode ter a sensação de bexiga cheia após urinar. Também pode haver vontade urgente de urinar e presença de sangue na urina.

Leia também: O que é cistite e quais os sintomas?

Mulheres x Homens

As infecções urinárias são bem mais comuns nas mulheres do que nos homens devido à diferença de tamanho da uretra e à distância que ela fica do ânus em ambos os sexos.

A mulher tem a uretra mais próxima do ânus, o que facilita a infecção do canal por bactérias que habitam o intestino. Além disso, a uretra das mulheres tem cerca de 7 cm a menos que a dos homens, o que também favorece a chegada das bactérias na bexiga.

Gravidez

Com as alterações anatômicas e fisiológicas que o sistema urinário da mulher sofre durante a gravidez, a tendência para desenvolver cistite é ainda maior. Por isso algumas mulheres podem interpretar a dor ao urinar como um sintoma de que está grávida, quando na verdade pode estar com uma infecção urinária ou uma vulvovaginite.

Saiba mais em: Sintomas de Gravidez

Tratamento

O tratamento da cistite na maioria dos casos consiste no uso de medicamentos antibióticos e aumento da ingesta hídrica. Se não for devidamente tratada, a infecção pode atingir os rins (pielonefrite) e tornar-se bem mais grave.

Nas gestantes o tratamento é ainda mais importante pois a infecção urinária pode levar a complicações como parto prematuro, baixo peso e aumenta o risco de mortalidade perinatal.

Veja também: Qual o tratamento para cistite?

Vulvovaginite

A vulvovaginite é uma infecção da vagina causada por bactérias, protozoários ou fungos. Os sinais e sintomas podem incluir dor ou ardor ao urinar, presença de corrimento vaginal e coceira intensa. O tratamento pode ser feito com cremes vaginais, ou medicamentos via oral, conforme o tipo de infecção.

Ao sentir dor ao urinar, a mulher deve consultar um médico clínico geral ou médico de família para que a origem da dor seja devidamente identificada e tratada.

Saiba mais em:

Dor ao urinar, o que pode ser?

Vontade de urinar toda hora, o que pode ser?

Infecção urinária dificulta a tentativa de gravidez?

Dor na coluna ao urinar e defecar, o que pode ser?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

A dor na coluna ao urinar ou defecar pode ser causada pela presença de uma hérnia de disco na coluna lombar e ocorrer devido a posição mantida ou esforço exigido da coluna nessas situações. Esse sintoma pode ser provocado porque a coluna é formada por ossos (vértebras) e pela medula espinhal (conjunto de nervos que passa por um canal no interior das vértebras), para separar as vértebras e amortecer o atrito entre elas, existem os discos intervertebrais que, devido a algumas doenças ou ao envelhecimento, desgastam-se e saem do lugar, causando as hérnias de disco.

Os sinais e sintomas das hérnias de disco localizadas no final da coluna (hérnia lombo-sacra), podem ser:

  • dor que começa na região lombar, passa pelas nádegas e desce para as coxas, pernas e pés, chamada de dor ciática,
  • dor, formigamento, dormência e fraqueza nas nádegas, nas costas, nas pernas ou nos pés, ou em todos esses locais ao mesmo tempo,
  • dor aos esforços ou movimentos,
  • dormência em redor do ânus e genitais,
  • dificuldade em controlar o intestino e bexiga.

Também pode lhe interessar:

Quais os sintomas de hérnia de disco?

O que pode causar dor nas costas?

Para diagnosticar essa ou outras causas de dores na coluna deve-se consultar um clínico geral ou um ortopedista.

A segunda vez doeu mais que na primeira relação?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

As primeiras vezes que a mulher tem relação são, vamos assim dizer, um pouco dolorosas, não somente a primeira, principalmente se a segunda vez for muito próxima da primeira, devido aos ferimentos na entrada da vagina causados pela primeira relação.

É normal sentir dor no quadril na gravidez?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim. É normal sentir dor no quadril durante a gravidez.

A dor no quadril durante a gravidez pode ser frequente e acompanhar a mulher durante toda a gestação ou ocorrer de forma pontual em alguns momentos. A dor pode aumentar com o avançar das semanas de gestação e com o crescimento da barriga.

Um conjunto de fatores pode contribuir para o aparecimento da dor no quadril:

  • Alterações Hormonais;
  • Aumento do peso;
  • Adaptação postural;
  • Aumento da elasticidade dos ligamentos;
  • Alteração da força muscular;
  • Retenção de líquidos.

Durante a gravidez, a mulher passa por diversas alterações que irão remodelar seu corpo.

Os novos hormônios na corrente sanguínea além do aumento da taxa dos hormônios habituais levam a alterações que podem refletir em dores nas articulações, inclusive no quadril.

A retenção de líquidos e o aumento do peso ao longo da gestação levam à sobrecarga nas articulações e podem também explicar a dor no quadril.

Com a alteração corporal, os músculos passam por uma adaptação, bem como a postura é modificada para manter o equilíbrio postural. Isso também contribuirá com possíveis dores no quadril.

A dor no quadril pode ser amenizada com algumas práticas como:

  • Atividade física orientada;
  • Fisioterapia;
  • Osteopatia;
  • Yoga;
  • Pilates;
  • Alongamentos;
  • Hidroginástica.

Converse com seu/sua médico/a durante as consultas de pré-natal para que ele/ela oriente a prática mais indicada para o alívio da sua dor no quadril.

Leia também:

Dor nas articulações durante a gravidez é normal?

Tremores, dor de cabeça, fraqueza...o que está acontecendo?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Algum tipo de infecção estomacal ou intestinal, ou uma virose são as causas mais prováveis, porém não dá para ter certeza, pela sua descrição você não está muito bem, o ideal é ir ao médico.