Perguntar
Fechar

Ervas Medicinais

Vaporizador pode causar problemas respiratórios?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Em teoria não, a inalação de vapor com medicamentos é usada na medicina como forma de tratamento, importante é o cuidado com as ervas usadas, algumas plantas mesmo sendo "naturais" podem ser venenosas.

Valeriana serve para tratar ansiedade?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sim, a valeriana é uma planta com propriedades calmante e sedativa, sendo indicada para casos leves de ansiedade, estresse, irritabilidade, agitação nervosa e insônia. A Valeriana officinalis, nome científico da planta, possui em sua composição diversas substâncias que atuam juntas para produzir todos esses efeitos, com benefícios comprovados na melhora da qualidade do sono e bem estar.

A Valeriana officinalis pode ser consumida sob a forma de extrato, cápsulas ou chá. O seu principal efeito é diminuir o tempo de indução do sono, ou seja, a pessoa adormece mais rápido. Trata-se de um “sonífero” natural. Por isso, a planta serve para auxiliar o tratamento de insônia associada à ansiedade leve.

Para usufruir dos benefícios sedativos e melhorar a qualidade do sono, recomenda-se tomar o extrato, a cápsula ou o chá da planta 30 minutos a 2 horas antes de se deitar.

A valeriana também tem ação antiespasmódica, significa que a planta previne e alivia os espasmos musculares de músculos lisos presentes em órgãos como intestino, estômago, útero e bexiga, sendo também indicada para alívio de cólicas. E ainda, é muito utilizada na substituição de ansiolíticos alopáticos, como os benzodiazepínicos (diazepam e lorazepam), por não causar dependência química.

Como a valeriana funciona?

As propriedades medicinais da valeriana vêm da ação conjunta de 3 princípios ativos que atuam no funcionamento das células cerebrais:

  • Valepotriatos: estabilizam as respostas emocionais e induzem à sedação;
  • Sesquiterpenos: aumentam os níveis de GABA, um neurotransmissor que desacelera a atividade cerebral;
  • Lignanas: têm ação sedativa.

Os mecanismos de ação da valeriana, responsáveis pela sua propriedade sedativa, não estão totalmente esclarecidos. Contudo, acredita-se que a sua capacidade de induzir o sono esteja relacionada com o aumento da produção ou com a diminuição da degradação do neurotransmissor GABA.

O GABA é uma substância que atua na modulação da transmissão dos sinais entre as células nervosas. Trata-se de um inibidor do sistema nervoso central, ou seja, diminui a atividade cerebral, causando sonolência e relaxamento.

Quais os efeitos colaterais da valeriana?

Desde que usada nas doses indicadas, a valeriana não produz efeitos colaterais. Porém, em excesso, pode causar cansaço, diminuição dos batimentos cardíacos (bradicardia), arritmia, prisão de ventre, sonolência, cólicas abdominais, tontura, tremores e dilatação das pupilas. Porém, esses efeitos colaterais desaparecem em até 24 horas depois de suspender o seu uso.

O uso de Valeriana officinalis por tempo prolongado pode causar dor de cabeça, cansaço, insônia, dilatação das pupilas e distúrbios cardíacos.

Deve-se ter cuidado quando optar por suspender a valeriana após uso de altas doses e por períodos prolongadas, devido ao risco de síndrome de abstinência.

Quando utilizada junto a outros medicamentos sedativos ou tranquilizantes, a valeriana pode potencializar o efeito dos mesmos. Da mesma forma, o álcool aumenta o efeito sedativo da valeriana. Por essa razão, não se deve misturar bebidas alcoólicas com Valeriana officinalis.

Mulheres grávidas ou que estão amamentando só devem utilizar valeriana com orientação médica.

Como tomar valeriana?

As doses de Valeriana officinalis variam conforme a forma de consumo da planta, os efeitos pretendidos e a sensibilidade de cada pessoa. Em geral, recomenda-se tomar valeriana da seguinte forma:

  • Chá: 1,5 g de valeriana para cada 150 ml de água - tomar até 3 xícaras por dia;
  • Extrato líquido: 30 a 50 gotas, uma a três vezes ao dia;
  • Extrato seco (cápsulas): 100 mg a 400 mg ao dia.

No caso do chá, recomenda-se esmagar a planta e utilizar água fria, deixando depois em repouso durante várias horas (todo o dia ou toda a noite) antes de beber.

Para maiores informações sobre as indicações da valeriana, consulte um médico clínico geral, médico de família ou homeopata.

Para que serve erva-cidreira e quais são os seus benefícios?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

A erva-cidreira, de nome científico Melissa officinalis, é uma planta com propriedades calmante, sedativa, digestiva, carminativa (contra gases) e antiespasmódica (contra cólicas). Pode ser consumida sob a forma de chá, extrato, tintura e óleos essenciais. Devido aos seus benefícios, a Melissa, como também é conhecida, serve para auxiliar o tratamento de casos leves de ansiedade, insônia, má digestão, distúrbios estomacais e cólicas abdominais e menstruais.

Os benefícios da erva-cidreira são devidos aos compostos presentes na Melissa officinalis, como óleos essenciais, glicosídeos, ácido rosmarínico, flavonoides e triterpenos. Dentre eles, destaca-se o ácido rosmarínico.

As propriedades sedativa, ansiolítica, carminativa e antiespasmódica da erva-cidreira são comprovadas por estudos científicos. Por isso, o benefícios da Melissa são reconhecidos pela medicina e a planta faz parte da lista dos fitoterápicos reconhecidos pela ANVISA.

É importante não confundir a erva-cidreira com o capim-limão ou capim-cidreira (Cymbopogon citratus) que, apesar de terem propriedades semelhantes, são plantas diferentes.

Quais são os benefícios da erva-cidreira?Ação ansiolítica e sedativa

A erva-cidreira é muito conhecida e usada pelas sua leve ação calmante e sedativa, ajudando a combater o nervosismo o estresse, a ansiedade e a insônia. Para ajudar a dormir melhor, recomenda-se tomar a chá de erva-cidreira uma hora antes de se deitar.

Ação antiespasmódica

A erva-cidreira tem ação antiespasmódica. Isso significa que a Melissa inibe os espasmos dos músculos lisos presentes em órgãos como intestino, estômago, bexiga, esôfago e útero, aliviando cólicas e desconfortos digestivos.

Ação carminativa

Outro benefício da erva-cidreira é o seu efeito carminativo, ou seja, diminui a formação de gases no estômago e no intestino. Por isso, a erva-cidreira também é indicado para aliviar e prevenir eructação (arrotos) e gases intestinais.

Ação antimicrobiana, anti-inflamatória e analgésica

De acordo com alguns estudos, o óleo essencial e o extrato de raiz da Melissa officinalis têm propriedades antimicrobianas, anti-inflamatórias e analgésicas. Dessa forma, a erva-cidreira também pode ser usada para combater inflamações, dores e infecções causadas por vírus e bactérias.

Como fazer chá de erva-cidreira?

Ingredientes (receita 1):

  • 2 colheres de sopa de erva-cidreira seca ou 4 g de folhas frescas picadas da planta;
  • 150 ml (1 xícara de chá) de água.

Ingredientes (receita 2):

  • 30 g de folhas frescas picadas de erva-cidreira;
  • 1 litro de água.

Como fazer:

1. Leve a água ao fogo até levantar fervura;

2. Quando começar a ferver, desligue o fogo, adicione a erva-cidreira e deixe tapado por 15 minutos;

3. Beba 2 a 3 xícaras de chá de erva-cidreira por dia.

Quais as contraindicações da erva-cidreira?

A erva-cidreira é contraindicada para pessoas com pressão baixa (hipotensão) e hipotireoidismo, pois a Melissa inibe a função da glândula tireoide e pode baixar a pressão arterial. Mulheres grávidas ou que estão amamentando só devem tomar o extrato, a tintura ou o chá de erva-cidreira com orientação médica.

Coentro: para que serve e quais os benefícios?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

O coentro (Coriandrum sativum) é uma hortaliça que serve como tempero, mas que também é usada para fazer chá. O consumo de coentro pode trazer diversos benefícios à saúde, auxiliando no controle de cólicas abdominais, eructação (arrotos), flatulência (gases intestinais), distúrbios estomacais, má digestão, prisão de ventre, insônia, diabetes, colesterol, triglicerídeos, ansiedade e estresse. Trata-se de uma erva aromática, mas com diversos benefícios e propriedades.

Fonte de vitaminas e minerais

O coentro contém vitaminas A, B1, B2, B3 e C, minerais como cálcio, ferro, magnésio, fósforo, potássio, sódio e zinco, além de óleos essenciais, taninos, flavonoides, ácidos graxos, entre outros compostos benéficos à saúde.

Dentre os minerais, destacam-se o fósforo e o cálcio, fundamentais para a manutenção dos ossos e dentes, o potássio, que ajuda a baixar e controlar a pressão arterial, e ainda o zinco, importante para o sistema imunológico, para o funcionamento da tireoide, além de ter ação antioxidante e exercer outras funções importantes no corpo.

Além das vitaminas e dos minerais essenciais para o bom funcionamento do organismo, vale ressaltar a importância dos ácidos graxos e dos antioxidantes encontrados no coentro.

Ajuda a baixar o colesterol

Os ácidos graxos presentes no coentro (ácido oleico, ácido palmítico, ácido esteárico) são gorduras “boas” que ajudam a diminuir os níveis de colesterol no sangue. Isso diminui o risco de haver formação de placas de gordura nas paredes das artérias, diminuindo o risco de doenças cardiovasculares como infarto e AVC.

Combate os radicais livres

O coentro possui ainda flavonoides, saponinas, taninos, compostos fenólicos, entre outras substâncias com propriedades antioxidantes. Dessa forma, o coentro neutraliza os radicais livres, que danificam as células saudáveis do corpo e aumentam o risco de envelhecimento precoce, doenças cardiovasculares e alguns tipos de câncer.

Melhora a digestão

O efeito combinado do coentro com outras especiarias pode aumentar a atividade digestiva do pâncreas e a eliminação da bile. O pâncreas produz suco pancreático, que participa no processo de digestão, enquanto que a bile é eliminada pela vesícula biliar e atua na digestão das gorduras.

Quais são os benefícios do coentro?

Os benefícios do coentro são devidos às suas propriedades:

  • Diurética: aumenta a eliminação de urina, combatendo o inchaço causado pela retenção de líquidos;
  • Antiespasmódica: inibe os espasmos musculares dos músculos lisos presentes em órgãos internos como útero, bexiga, esôfago e estômago, combatendo cólicas;
  • Anti-inflamatória: contém substâncias que ajudam a prevenir processos inflamatórios;
  • Hipoglicemiante: ajuda a baixar ou controlar os níveis de açúcar no sangue, favorecendo o funcionamento do fígado e do pâncreas;
  • Digestiva: além de ser antiespasmódico, o coentro estimula a liberação de sucos digestivos como o suco pancreático e a bile;
  • Sedativa: favorece o sono, auxiliando em casos de insônia;
  • Ansiolítica: com ação calmante, ajuda a controlar o nervosismo e a ansiedade;
  • Antioxidante: combate os efeitos nocivos dos radicais livres;
  • Hipolipemiante: ajuda a baixar os níveis de colesterol e triglicerídeos no sangue;
  • Antimicrobiana: ajuda a prevenir infecções, sobretudo gastrointestinais;
  • Carminativa: diminui a formação de gases no estômago e no intestino.
Como fazer o chá de coentro?

Ingredientes:

  • 500 ml de água;
  • 1 colher de sopa de coentro.

Como fazer:

1. Leve a água ao fogo até levantar fervura;

2. Quando começar a ferver, desligue o fogo e adicione o coentro;

3. Deixe o recipiente tapado por 15 minutos;

4. Coe e beba o chá de coentro após as refeições.

Para maiores informações sobre o uso do coentro e os seus benefícios, consulte um nutricionista.