Perguntar
Fechar

Exame de Sangue

Hemograma do meu filho deu plaquetas altas?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

As plaquetas estão um pouco aumentadas, esse resultado isolado não tem nenhum significado clínico (pode até significar algo, porém depende do restante: história, exame físico, hipóteses diagnósticas, resultados dos exames, provas terapêuticas e assim por diante...)

Fiz exame de sangue AST e ALT e o resultado...
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Pequenas alterações nesses dois exames podem significar doença hepática (fígado) leve ou inicial ou em remissão (fase de melhora), mas muitas vezes podem não ter nenhum significado clínico.

Fiz exames de sangue de TSH e T4 Livre...
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Quer dizer que os exames estão normais. Ainda assim, é fundamental que leve o resultado para o médico que o solicitou, porque provavelmente está conduzindo uma investigação e esses resultados darão seguimento ao seu acompanhamento.

O que quer dizer TSH e T4?

O TSH (hormônio estimulante da tireoide), produzido na hipófise (glândula localizada abaixo do cérebro), age estimulando a glândula tireoide a produzir seus hormônios específicos (T3 e T4). Os valores considerados normais para esse hormônio estão entre 0,5 e 5,0 µUI/mL, porém podem variar em função do método utilizado e do laboratório.

O T4 (tiroxina) é o hormônio produzido na glândula tireoide, que está na sua maior parte na forma inativa, ligada a uma proteína; e o T4 livre (tiroxina livre circulante no sangue), é a fração desse hormônio, que não está ligada a nenhuma proteína, por isso pode ser convertido em T3 (tri-iodotironina), o hormônio que age efetivamente no metabolismo do corpo.

Seus valores considerados normais, variam também de acordo com a faixa etária, método de estudo e laboratório, com valores entre: Recém-nascidos: 2,6 a 6,3 ng/dL e Adultos: 0,8 a 2,7 ng/dL.

Para que servem os exames de TSH e T4?

São os exames utilizados na prática médica, para acompanhar ou investigar possíveis alterações na função da tireoide. Muito utilizado por exemplo na suspeita de hipotireoidismo ou hipertireoidismo. Trata-se de um exame simples, realizado através de uma amostra de sangue, aonde são dosados os níveis desses dois hormônios, além de outros, e comparados aos valores considerados normais, ou adequados para aquela faixa etária.

O/A médico/a responsável por essa avaliação e maiores esclarecimentos é o/a endocrinologista.

Leia também: Quais são os sintomas de tireoide alterada?

Qual exame de sangue para detectar alergia?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Atualmente, até existem alguns exames de sangue para o diagnóstico de reações alérgicas induzidas por fármacos, contudo, raramente são utilizados na prática clínica.

Alguns testes ainda não estão disponíveis nos laboratórios, como o teste de IgE  específica ao medicamento, e outros são usados apenas em situações muito específicas, como as concentrações de triptase e histamina no soro, que estão indicadas em algumas situações de anafilaxia. Outros exames existentes estão em fase de estudo e não são ainda usados pelos médicos.

Usualmente, o diagnóstico de alergia a fármacos é feito mais comumente através da história clínica, de testes cutâneos e pelo teste de provocação oral.

Em relação a história do paciente, o médico geralmente avalia a relação entre a tomada do medicamento e o aparecimento dos sintomas, se já teve ou não sintomas semelhantes no passado, e também se tem outras alergias ou doenças.

Leia também: Como identificar uma alergia a medicamentos?

Após uma avaliação detalhada da história podem ser realizados alguns exames em centros especializados. Entre eles, o exame inicial costuma ser  o teste cutâneo, onde a testagem para alguns fármacos como antibióticos beta-lactâmicos, relaxantes neuro-musculares e heparinas, pode ser realizada de forma rápida e simples.

Outro exame que pode ser realizado é a provocação oral, que consiste na tomada de pequenas doses do medicamento, de forma progressiva, sob rigorosa observação e em ambiente de segurança, até se chegar a dose normalmente prescrita do fármaco ou até o aparecimento de sintomas, quando o teste é interrompido. 

O teste de provocação é o exame considerado padrão-ouro, pois através dele pode-se de fato confirmar ou descartar a alergia a determinado fármaco. Ele pode ser utilizado com os seguintes medicamentos: anti-inflamatórios, anestésicos locais, antibióticos beta-lactâmicos ou não beta-lactâmicos.

Esse tipo de teste não pode ser realizado naquelas pessoas que já apresentaram reações cutâneas ou sistêmicas muito graves como Síndrome de Stevens-Johnson, DRESS, entre outras.

Veja também: O que fazer em caso de reação alérgica

Caso apresente alergia a algum medicamentos compareça a uma consulta para uma avaliação inicial com o seu médico de família ou clínico geral. Para uma investigação mais especializada pode ser realizado um encaminhamento ao médico alergologista, especialista em alergias.

O que significa trombocitose em exame de sangue?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Trombocitose é o aumento no número de plaquetas no sangue, as plaquetas são responsáveis pelo processo de coagulação no sangue. Trombocitose não é uma doença é na verdade uma alteração de exame que pode ou não significar uma doenças. Existem muitas causas para trombocitose, algumas são simples e outras são mais sérias. O ideal é retornar ao médico que solicitou o exame para, talvez, num primeiro momento repetir o exame para confirmar o resultado e depois se necessário procurar a causa.

Fiz exames de sangue para tireoide TSH e T4, deram 0,68 e 1,42, estão normais ?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sim. Os valores dosados de TSH e de T4 estão dentro dos limites de normalidade.

Sempre importante lembrar que todos os exames complementares, sejam eles exames de sangue, exames de imagem, exames de urina ou outro, devem ser analisados junto com os achados clínicos e avaliação do médico que o solicitou. Os valores chamados de referência são os esperados sim, porém algumas vezes, dependendo do caso, da idade e peso do paciente podemos achar que está insuficiente.

Um bom exemplo é a vitamina B12, muitas vezes, apesar do resultado estar dentro dos limites de referência no exame de sangue, quando avaliamos a queixa do paciente, idade e necessidade desta vitamina, acabamos por sugerir um aumento do consumo da vitamina através de orientação dietética.

Por isso, todo exame que realizar, mesmo observando pelos valores de referência que estão dentro dos valores de normalidade, deve levar ao médico que o solicitou para confirmação e orientações adequadas.

Pode lhe interessar também:

Resultado do exame de Hemograma: O que isso quer dizer?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Você tem uma contagem elevada de células brancas do sangue, normalmente isto ocorre em casos de algum tipo de infecção ou inflamação, o nível do aumento nem sempre está relacionado com a gravidade, doenças simples podem fazer grandes alterações de hemograma e algumas doenças graves não alteram nada o exame, fique tranquilo, apenas precisa levar de volta o exame para o médico que solicitou o mais breve possível para ele fazer o diagnóstico e o tratamento adequado para seu caso.

Posso usar Rivotril durante o período de jejum antes de um exame de sangue?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

Sim, o Rivotril pode ser tomado durante o período de jejum antes de um exame de sangue, desde que o médico que pediu o exame autorize o seu uso.  O Rivotril, assim como outros medicamentos da classe dos benzodiazepínicos, não é identificado nos exames de sangue habituais, a não ser que seja um exame específico para a sua dosagem sanguínea. Embora a ação do Rivotril não interfira nos resultados dos exames laboratoriais comuns, pode haver raras alterações causadas por ele.

O Rivotril é um medicamento que tem ação no sistema nervoso central e é utilizado para tratamento de crises convulsivas, relaxamento muscular, sedação e efeito tranquilizante. 

O médico que solicitou os exames de sangue ou outros tipos de análises laboratoriais deve estar sempre ciente das medicações usadas pelo paciente.

Como saber meu tipo sanguíneo?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

É possível saber o tipo sanguíneo através de exame de sangue (tipagem sanguínea), doação de sangue ou ainda consultando exames anteriores que tenham essa informação, como o teste de tipagem sanguínea do recém-nascido, realizado juntamente com o teste do pezinho.

1. Exame de tipagem sanguínea

O exame de sangue para determinar o tipo sanguíneo é chamado de tipagem sanguínea. Para realizar o teste, basta dirigir-se a um hospital ou laboratório de análises clínicas que faça esse tipo de exame. O valor varia entre R$ 10,00 e R$ 25,00.

Também é possível realizar o exame de tipagem sanguínea gratuitamente pelo SUS (Sistema Único de Saúde). O teste normalmente é solicitado para as gestantes durante o pré-natal. Contudo, qualquer pessoa pode fazer o exame, inclusive crianças, mas antes é necessário passar por uma consulta médica em uma Unidade Básica de Saúde.

Não é necessária nenhuma preparação para fazer o exame de tipagem sanguínea. A coleta de sangue pode ser feita por ordem de chegada ou agendada por telefone ou pessoalmente, dependendo do local.

2. Doação de sangue

Uma outra maneira de descobrir o tipo sanguíneo é doar sangue. A doação é gratuita e pode ser feita em unidades de coleta de sangue, como hemocentros e centros de hematologia. Para doar sangue, é necessário ter entre 16 e 69 anos de idade e pesar mais de 50 kg.

Além disso, é preciso apresentar um documento original com foto expedido por órgão oficial, como RG, carteira de habilitação, carteira de trabalho, entre outros. Pessoas com menos de 18 anos precisam de autorização por escrito dos responsáveis para poder doar sangue.

Em geral, o doador recebe um cartão ou uma carteirinha em que consta o seu tipo de sangue. Caso não tenha esse documento, ligue para o local e confirme se eles têm o seu cadastro com a informação sobre o tipo sanguíneo.

Indivíduos com febre, gripe, resfriado ou que tiveram diarreia recentemente, bem como gestantes e mulheres no pós-parto não podem doar sangue temporariamente. Em algumas situações específicas, o impedimento da doação é definitivo. São elas:

  • Ter tido hepatite depois dos 11 anos de idade;
  • Ter hepatite B, hepatite C, HIV/AIDS, doença de Chagas e doenças causadas pelo vírus HTLV I e II;
  • Usar drogas injetáveis;
  • Ter tido malária.

Existem ainda outras condições que impedem temporariamente a doação de sangue. Por isso, antes de se dirigir ao local, é recomendável ligar e confirmar se cumpre os requisitos para ser doador.

3. Resultado da tipagem sanguínea do recém-nascido

O teste de tipagem sanguínea é um dos exames realizados no recém-nascido logo após o nascimento e serve especificamente para determinar o tipo sanguíneo do bebê. A amostra de sangue usada para o teste é a mesma usada para o teste do pezinho.

O resultado do exame de tipagem sanguínea feito no recém-nascido fica registrado na maternidade, no prontuário do recém-nascido. Além disso, é entregue uma caderneta da criança com o resultado do exame. Assim, se a pessoa perder o exame, tem como verificar na maternidade o resultado.

Quais são os tipos sanguíneos?

Os tipos sanguíneos são determinados pelo tipo de antígeno que os glóbulos vermelhos do sangue têm na sua superfície. Os antígenos são substâncias que ajudam o corpo a diferenciar entre suas próprias células e as que são estranhas ou potencialmente perigosas, desencadeando uma resposta imune no organismo. Existem 4 grandes grupos de tipo sanguíneo: A, B, AB e O. Cada grupo caracteriza-se pela presença de antígenos específicos:

  • Sangue tipo A possui o antígeno A;
  • Sangue tipo B tem o antígeno B;
  • Sangue tipo AB possui os antígenos A e B;
  • Sangue tipo O não possui o antígeno A nem B.

Contudo, para definir o tipo sanguíneo, é necessário também identificar a presença ou ausência do fator Rh:

  • Rh positivo: pessoas apresentam antígenos Rh na superfície dos glóbulos vermelhos possuem sangue Rh positivo (+);
  • Rh negativo: pessoas que não têm antígenos Rh na superfície dos glóbulos vermelhos possuem sangue Rh negativo (-).

Ao incluir o fator Rh, os 8 tipos sanguíneos mais prevalentes podem ser identificados: A+, A-, B+, B-, AB+, AB-, O+ e O-.

Como saber se posso doar ou receber sangue pelo meu tipo sanguíneo?

Tipo sanguíneo O: indivíduos tipo O podem doar sangue a qualquer pessoa, porque seu sangue não possui antígenos. Por isso, o tipo sanguíneo O é chamado de “doador universal”, pois pode doar sangue para os tipos A, B, AB e O. No entanto, eles só podem receber sangue tipo O, já que um sangue com qualquer antígeno (A ou B) é reconhecido como estranho pelo organismo.

Embora o tipo O- tenha sido considerado o doador universal, pesquisas mais recentes sugerem que anticorpos adicionais às vezes estão presentes no sangue e podem causar reações graves durante uma transfusão.

Tipo sanguíneo A: pessoas com sangue tipo A podem doar para indivíduos do tipo A e do tipo AB. Podem receber apenas sangue tipo A e tipo O.

Tipo sanguíneo B: pessoas do tipo sanguíneo B podem doar sangue para quem tem sangue tipo B e tipo AB. Podem receber sangue apenas dos tipos B e do tipo O.

Tipo sanguíneo AB: indivíduos do tipo AB podem doar sangue apenas para outros indivíduos do grupo AB. Podem receber qualquer tipo de sangue (A, B, AB e O). Por isso, o tipo sanguíneo AB é chamado de “receptor universal”.

Uma vez que os tipos sanguíneos são ainda organizados pelo fator Rh, é fundamental também saber se você é Rh positivo ou Rh negativo.

Rh positivo: pessoas com sangue Rh positivo podem receber sangue Rh positivo e Rh negativo.

Rh-negativo: pessoas com sangue Rh negativo podem receber apenas sangue Rh negativo.

Por exemplo: quem tem tipo sanguíneo B+ só pode doar sangue para pessoas com sangue dos tipos B+ e AB+. Por outro lado, alguém com sangue B- pode doar para quem tem sangue tipo B-, B+, AB- e AB+.

Quais são os tipos sanguíneos mais comuns e mais raros?

No Brasil, cerca de 90% da população tem tipo sanguíneo A e O. Os grupos sanguíneos B e AB são mais raros. Na Índia e no Japão, por outro lado, o tipo sanguíneo mais comum é o B.

Por que é importante saber meu tipo sanguíneo?

A tipagem sanguínea é especialmente importante para mulheres grávidas. Se a mãe for Rh- e o pai for Rh+, a criança provavelmente será Rh+. Nesses casos, a mãe precisa receber um medicamento específico. Este medicamento impede o corpo da mulher de formar anticorpos que podem atacar as células sanguíneas do bebê

Nem todos os tipos de sangue são compatíveis, por isso é importante saber o seu tipo de sangue. Receber sangue incompatível com o seu tipo sanguíneo pode desencadear uma resposta imune perigosa, que pode levar à morte. Isso porque o sistema imunológico irá atacar e destruir os glóbulos vermelhos que formam esse sangue.

Para mais informações sobre como saber o seu tipo sanguíneo, consulte um médico clínico geral ou médico de família.

O que significa o resultado desse exame de sangue...
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Exames dentro do limite da normalidade.

No entanto, os exames realizados foram solicitados com um objetivo, seja como exames de rotina, ou na suspeita de alguma alteração identificada no exame clínico.

Por isso, apesar dos valores estarem todos dentro da normalidade, é importante que leve o resultado desse exame para o médico que o solicitou, que poderá interpretar esses valores de maneira mais detalhada e direcionada ao seu caso.

Exames de FSH e LH

Os hormônios FSH (hormônio folículo-estimulante) e LH (hormônio luteinizante) são produzidos pela hipófise, com a função de coordenar o desenvolvimento e maturação puberal, processos reprodutivos e a secreção de esteroides sexuais nas gônadas (espermatozoides e óvulos).

Os valores normais de FSH e LH variam com a idade, sexo e período do ciclo, conforme detalhado abaixo:

FSH

Para o sexo feminino:

  • Fase folicular (do 1º ao 12º dia após a menstruação): 2,8 a 12 mUI/mL;
  • Pico ovulatório (em média no 14º dia do ciclo menstrual): 12 a 25 mUI/mL;
  • Fase lútea (do 16º dia do ciclo até a próxima menstruação): 1,2 a 12 mUI/mL;
  • Menopausa: > 30 mUI/mL.

Para o sexo masculino: 0,7 a 10 mUI/mL.

Para crianças antes da puberdade: menor que 4 mUI/mL

LH

Para o sexo feminino:

  • Fase folicular (do 1º ao 12º dia após a menstruação): 2 a 10 mUI/mL;
  • Pico ovulatório (em média no 14º dia do ciclo menstrual): 10 a 60 mUI/mL;
  • Fase lútea (do 16º dia do ciclo até a próxima menstruação): 0,5 até 12 mUI/mL;
  • Menopausa: entre 10 e 70 mUI/mL.

Para o sexo masculino: 1 a 9 mUI/mL.

Para crianças antes da puberdade: menor que 0,15 mUI/mL

Leia também: O que é FSH e qual a sua função?

Triglicerídeos

Os triglicerídeos são gorduras ingeridas e também produzidas no organismo, capazes de armazenar energia. Não representam um problema, desde que estejam dentro dos limites de normalidade.

Os valores considerados normais para os triglicerídeos, são abaixo de 150 mg/dl.

Exame de TSH ultrassensível e T4 livre

O exame de TSH ultrassensível (hormônio estimulante da tireoide), é indicado para auxiliar no diagnóstico de alterações no funcionamento da tireoide. Produzido pela hipófise, o TSH estimula a glândula tireoide a produzir os hormônios T3 e T4.

O T4 livre por sua vez, é transformado em T3, que participa ativamente do metabolismo do corpo.

Seus valores considerados normais são de: TSH = 0,5 e 5,0 µUI/mL e T4 livre = 0,7 a 2,7 ng/dl, sabendo que os valores podem variar de acordo com o método utilizado pelo laboratório.

Progesterona

A progesterona é um hormônio produzido pelo corpo lúteo após a ovulação e pela placenta durante a gestação. Tem como funções, a fertilidade feminina, ativar as células que revestem a parede uterina e aumentar o fluxo sanguíneo, preparando o útero para receber o embrião.

Suas taxas consideradas normais, variam consideravelmente, de acordo com o ciclo menstrual, entre 0,15 a 20 ng/dl, na mulher não grávida, e na gestante, chega a mais de 200 ng/dl no terceiro trimestre. Na menopausa aparece menor do que 0,4.

Prolactina

A prolactina é outro hormônio produzido pela glândula hipófise, responsável pela estimulação de produção do leite, pelas mamas. O valor máximo normal da prolactina no sangue, normalmente não ultrapassa 20 ng/mL.

Glicemia

O valor normal para a glicemia de jejum, é constantemente reavaliado pela sociedade brasileira de endocrinologia e metabologia, visto sua importância para o aumento de risco de diabetes e outras doenças crônicas comuns na população.

Atualmente, os valore considerado normal é abaixo de 100 mg/dl. A partir de 100 até 125 mg/dl, já é considerado um quadro chamado Pré-diabetes (propensão para desenvolver diabetes).

Glicemia igual ou superior a 126 mg/dl: Diabetes. O diagnóstico é confirmado após repetição do exame em um outro dia.

Pode lhe interessar também: Como é feito o diagnóstico do diabetes?

Tratei sífilis, quando devo fazer novo exame de sangue?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Deve fazer o exame de sangue, a cada 3 meses.

Segundo o novo protocolo de tratamento e monitoramento de cura da Sífilis, pelo Ministério da Saúde 2019, os exames devem ser repetidos a cada 3 meses. Dependendo do estágio em que iniciou a medicação, esse monitoramento pode levar até 72 meses, para definir a cura completa da doença.

Vale ressaltar, que mesmo com a cura da sífilis, não quer dizer que estará imune a uma nova contaminação. Portanto, deve seguir as seguintes recomendações:

  • O/A parceiro/a também deve ser tratado e acompanhado,
  • Manter acompanhamento no posto de saúde ou com médico de família,
  • Fazer uso de camisinha durante as relações.

A camisinha é a única maneira comprovadamente eficaz contra a transmissão de infecções sexualmente transmissíveis (ISTs).

O que é a sífilis?

Sífilis é uma infecção sexualmente transmissível (IST), ou doença sexualmente transmissível, causada pela bactéria Treponema pallidum. A transmissão só ocorre via sexual ou da mãe para o bebê, na gestação ou no parto.

Quais os sintomas da sífilis?

A doença se apresenta de formas variadas, de acordo com seu estágio.

Sífilis primária = ferida e ínguas.

A sífilis primária, ocorre por volta de 10 a 90 dias após o contágio, com o aparecimento de uma ferida típica da doença (cancro duro), localizadas na região onde aconteceu a penetração da bactéria (pênis, vulva, colo do útero, boca, ânus) e ínguas (aumento de linfonodos),

A ferida não causa sintomas e desaparece mesmo sem qualquer tratamento. O que faz com que a pessoa acredite estar curada, mas a bactéria permanece "adormecida" no organismo.

Sífilis secundária = lesões de pele, febre baixa, mal-estar, falta de apetite.

Em torno de 6 semanas a 6 meses após a cicatrização da ferida, surgem novos sintomas, que caracterizam a sífilis secundária. São sintomas inespecíficos, semelhantes a um resfriado, como febre baixa, mal-estar e inapetência; mas também sintomas mais específicos, como as lesões cutâneo-mucosas (roséola, placas mucosas, papulosas, lesões em palma das mãos e planta dos pés), ainda, calvície (alopécia em clareira), madarose (perda de cílios ou sobrancelhas) e rouquidão.

A sífilis primária e secundária, são as fases de maior risco para transmissão da doença, pela presença de grande quantidade de bactérias, tanto na ferida quanto nas lesões de pele.

Sífilis latente = sem sintomas!

A fase de latência, é a fase em que a bactéria fica inativa, "adormecida", por isso não apresenta qualquer sintoma. É classificada ainda em fase latente recente, com menos de 2 anos do aparecimento da ferida (primária), e latente tardia (mais de 2 anos da fase primária).

A fase termina quando surgem os sintomas da sífilis secundária ou terciária.

Sífilis terciária = lesões nodulares de pele, artrites, cegueira, neurossífilis...

A fase terciária acontece com mais de 10 anos após o contágio, e representa a fase mais grave e perigosa da doença. Por isso é tão importante buscar o diagnóstico precoce e instituir o tratamento antes de chegar a fase terciária.

Nesse momento, os sintomas aparecem na pele, ossos, sistema cardiovascular e neurológico, levando a quadros de nódulos dolorosos, artrite, aortite (inflamação na parede da aorta), cegueira, meningite, quadro de neurossífilis, entre outras doenças.

Sífilis tem cura? Qual é o tratamento?

Sim. Sífilis tem cura.

O tratamento, assim como o monitoramento, é baseado no estágio em que se fez o diagnóstico. Deve ser administrado o antibiótico PENICILINA BENZATINA® 2,4 milhões UI intramuscular, sendo metade em cada glúteo, para evitar dor ou outros efeitos colaterais.

Na fase inicial, primária, secundária e latente recente, basta uma dose e o devido acompanhamento. Nas fases mais avançadas, terciária e latente tardia, são 3 doses, uma a cada semana, com o monitoramento mais prolongado.

Para neurossífilis, deve ser administrado o tratamento em ambiente hospitalar, e intravenoso, pela gravidade e riscos inerentes da doença. Nesse caso o antibiótico será a PENICILINA CRISTALINA® OU CEFTRIAXONE®.

Para alérgicos à penicilina, a opção é a doxiciclina®, porém essa medicação é contraindicada na gravidez.

Sendo assim, conforme citado acima, mantenha seu monitoramento de maneira adequada, e para maiores esclarecimentos, converse com seu médico assistente.

Leia também: Quem já teve sífilis pode ter filhos?

Como entender os resultados do exame de gravidez Beta-hCG?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

O exame Beta-hCH é um exame de sangue usado para diagnosticar a gravidez. O exame serve para detectar a presença do hormônio gonadotrofina coriônica humana (hCG) no sangue. O hCG normalmente só é produzido pelo corpo da mulher se ela estiver grávida. Contudo, o nível de hCG também pode estar elevado em mulheres com certos tipos de tumores ovarianos.

O exame de gravidez Beta-hCG pode ser qualitativo ou quantitativo. O resultado do Beta-hCG qualitativo indica apenas “positivo” ou “negativo”. Se der positivo, a mulher está grávida. Resultados negativos indicam ausência de gravidez.

Já o Beta-hCG quantitativo indica a quantidade do hormônio hCG no sangue. Os resultados são baseados em valores. Trata-se de um exame mais usado para determinar as semanas de gestação, já que o exame de sangue Beta-hCG qualitativo já é suficiente para confirmar a gravidez.

A medição quantitativa de hCG ajuda a determinar a idade exata do feto, além de auxiliar o diagnóstico de gravidez anormal, como gravidez ectópica e gravidez molar, além de abortos.

O Beta-hCG quantitativo também é usado como parte de um teste de rastreio para a síndrome de Down e também para diagnosticar condições não relacionadas à gravidez que podem aumentar os valores de hCG.

Como entender os resultados do exame Beta-hCG quantitativo?

Os resultados do exame Beta-hCG quantitativo são apresentados em mUI/mL. Mulheres que não estão grávidas apresentam resultados com valores abaixo de 5 mUI/mL.

Na gravidez, o nível de hCG aumenta rapidamente durante o 1º trimestre de gestação e depois cai ligeiramente. Os valores esperados de hCG em mulheres grávidas são baseados no tempo de gravidez.

Valores normais de Beta-hCG
  • 3 semanas: 5 a 72 mUI/mL;
  • 4 semanas: de 10 a 708 mUI/mL;
  • 5 semanas: de 217 a 8.245 mUI/mL;
  • 6 semanas: 152 a 32.177 mUI/mL;
  • 7 semanas: 4.059 a 153.767 mUI/mL;
  • 8 semanas: de 31.366 a 149.094 mUI/mL;
  • 9 semanas: de 59.109 a 135.901mUI/mL;
  • 10 semanas: de 44.186 a 170.409 mUI/mL;
  • 12 semanas: de 27.107 a 201.165 mUI/mL;
  • 14 semanas: de 24.302 a 93.646 mUI/mL;
  • 15 semanas: de 12.540 a 69.747 mUI/mL;
  • 16 semanas: de 8.904 a 55.332 mUI/mL;
  • 17 semanas: de 8.240 a 51.793 mUI/mL;
  • 18 semanas: de 9.649 a 55.271 mUI/mL.

Vale lembrar que os valores de Beta-hCG podem variar um pouco entre os laboratórios.

Valores de Beta-hCG alterados

Se os valores de Beta-hCG estiverem acima do esperado, seja para mulheres grávidas ou não grávidas, podem ser sinal de:

  • Gravidez com mais de um feto, como gêmeos ou trigêmeos;
  • Coriocarcinoma uterino (câncer grave do útero);
  • Mola hidatiforme ou gravidez molar (complicação rara de gravidez em que ocorre multiplicação anormal de células da placenta);
  • Câncer de ovário;

Durante a gravidez, valores de Beta-hCG abaixo do normal, de acordo com o estágio gestacional, podem indicar:

  • Morte do feto;
  • Aborto incompleto;
  • Ameaça de aborto espontâneo;
  • Gravidez ectópica (gestação fora do útero).
Exame Beta-hCG qualitativo pode dar resultado falso positivo?

Sim, o exame Beta-hCG qualitativo pode dar resultado falso positivo, ou seja, o resultado é “positivo” e a mulher não está grávida. Isso pode ocorrer em caso de:

  • Gravidez ectópica (gestação fora do útero);
  • Aborto espontâneo;
  • Tumor trofoblástico;
  • Mola hidatiforme ou gravidez molar;
  • Câncer de ovário.
Exame Beta-hCG qualitativo pode dar resultado falso negativo?

Sim, o exame Beta-hCG qualitativo pode dar resultado falso negativo, ou seja, o resultado é “negativo” e a mulher está grávida. Isso pode ocorrer se o exame for feito antes de completar uma semana de gravidez, quando os níveis de hCG ainda estão muito baixos para serem detectados no sangue. Por isso, é necessário esperar pelo menos 7 dias após a concepção para fazer o exame.

O médico que solicitou o exame Beta-hCG é o responsável pela análise e interpretação dos resultados.