Perguntar
Fechar
Senti uma dor muito forte com queimação no estômago...
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

O resultado do seu exame é compatível com alguns dos seus sintomas como a sensação de queimação e empachamento provocado por gases, porém a causa da perda de peso e peristaltismo aumentado precisam ser melhor avaliados, somente seu médico pode fazer esse diagnóstico e definir o melhor tratamento para o seu caso.

O que é uma pangastrite?

Pangastrite é o termo utilizado para caracterizar uma inflamação de toda a mucosa do estômago. Pode ser desencadeada por agentes agressores externos como uso de álcool, medicamentos anti-inflamatórios, como aspirina, ibuprofeno, diclofenaco entre outros, ou presença da bactéria Helicobacter Pylori.

A gastrite pode ainda ser decorrentes de reações auto-imunes, Doença de Crohn, anemia perniciosa, doenças infecciosas graves, consumo de álcool ou outras drogas, entre outras causas.

Quais são os principais sintomas da pangastrite?

A pangastrite é caracterizada por sintomas como azia, dor epigástrica, náuseas, vômitos, sensação de empachamento e queimação na região do estômago.

Qual o tratamento da pangastrite?

O tratamento da pangastrite consiste na adoção de mudanças em hábitos alimentares e uso de medicamentos como os inibidores de bomba de prótons (omeprazol, pantoprazol, etc). Quando a bactéria H. Pylori está presente na mucosa gástrica o tratamento também inclui antibióticos. Entre as medidas relacionadas a alimentação destacam-se:

  • Comer com maior frequência pequenas quantidades de alimentos;
  • Evitar alimentos irritantes para o estomago (alimentos ácidos, picantes ou gordurosos);
  • Evitar café e bebidas que contém cafeína;
  • Evitar estresse emocional;
  • Evitar consumir bebida alcoólica.

Para mais informações consulte o seu médico clínico geral ou médico de família.

Queimação no estômago: medidas caseiras e remédios e para aliviar a azia

Como tratar queimação no estômago?

Pantogar tira o efeito do anticoncepcional?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Não. O Pantogar é um composto usado com fins de fortalecimento de cabelos, pelos e unhas, é composto por proteínas como a queratina e a cistina, além de cálcio e . Essas substâncias não interferem com nenhum método anticoncepcional, mesmo pílulas ou injeção contraceptivas, portanto não há motivos para se preocupar com o aumento do risco de gravidez.

Alguns exemplos de fármacos que interferem no efeito dos anticoncepcionais são: a rifampicina, um antibiótico, anticonvulsivantes como carbamazepina, fenitoína e fenobarbital, entre outros.

Leia mais em: 5 coisas que cortam o efeito do anticoncepcional

Para mais esclarecimentos consulte o seu médico de família, quando for iniciar algum tratamento com um fármaco ou composição novos.

Também pode lhe interessar:

Pantogar engorda?

Fiz colonoscopia e endoscopia e apareceu...
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Meu parecer não é diferente da opinião que você já tem, quando faz um exame precisa estar preparada para todas as possibilidades, o mais importante é que você fez o certo e é uma pessoa preocupada com a saúde e com a prevenção, continue assim.

Aftas podem ser por causa da gastrite nervosa que tenho?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Sim. Aftas podem estar associadas com problemas estomacais ou esofágicos, como dispepsia, refluxo gastroesofágico ou presença da bactéria Helicobacter pylori no estômago, além disso, as aftas estão muito relacionadas a estresse intenso e a gastrite nervosa é desencadeada por sintomas de estresse emocional, portanto é possível haver uma relação entre uma coisa e outra.

O que causa as aftas?

A etiologia das aftas não está ainda muito bem estabelecida, mas sabe-se que alguns fatores que desencadeiam queda da imunidade podem contribuir para o seu aparecimento. Alguns fatores que já foram associados ao aparecimento de lesões aftosas são:

  • Estresse;
  • Trauma local (por exemplo, mordida sem querer na boca);
  • Alterações hormonais do ciclo menstrual;
  • Predisposição genética;
  • Dieta (alguns alimentos parecem se associar com o aparecimento de aftas como o abacaxi, chocolate e nozes);
  • Doenças que afetam o sistema imunológico;
  • Medicamentos imunossupressores.

A investigação na área sugere que a carência de alguns nutrientes como vitamina B12, vitamina C, zinco e ferro podem aumentar o risco do aparecimento de aftas.

Atualmente, também estuda-se a relação entre agentes microbiológicos como bactérias e vírus específicos que possam estar relacionados com as aftas.

O que são aftas?

As aftas são lesões em forma de úlceras esbranquiçadas e dolorosas que acometem a cavidade bucal. Podem causar dor intensa ou sensação de queimação, são benignas e não apresentam infecção, mas devido à dor que provocam podem ocasionar problemas na fala, na mastigação e na deglutição.

Caso apresente sintomas de afta persistentemente consulte um médico de família ou clínico geral para uma avaliação.

Posso tomar Torsilax, tenho úlcera, gastrite e hérnia?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Não é aconselhável o uso Torsilax® em portadores de doenças gástricas como a úlcera e a gastrite.

O Torsilax® é um medicamento composto por relaxante muscular, anti-inflamatório (diclofenaco) e analgésicos. A medicação é indicada para doenças reumáticas, especialmente associadas a sintomas de inflamação local, como edema, calor e dor.

Entretanto, os anti-inflamatórios como o diclofenaco, são medicamentos que possuem como efeitos colaterais, a irritação na parede do estômago (mucosa gástrica), com isso aumentam consideravelmente o risco de desenvolver úlceras ou gastrite medicamentosa.

Sendo assim, o medicamento não é recomendado para pessoas que já tenham história prévia de úlcera gástrica, gastrite ou qualquer outra doenças do trato gastrointestinal. O seu uso pode causar reativação da doença, perfuração da úlcera e ou sangramentos (hemorragia digestiva).

O sangramento digestivo, por sua vez, é uma doença grave, que dependendo da sua intensidade e demora no tratamento, pode levar ao óbito.

Portanto, antes de iniciar o uso de anti-inflamatórios, deve conversar e informar ao seu médico as doenças prévias e principalmente a história de úlcera gástrica, para que seja avaliado o real benefício de seu uso.

Se for preciso, o médico poderá considerar a associação de medicamentos protetores gástricos, reduzindo os riscos de complicações.

Leia também: Alguns remédios podem causar úlceras? O que fazer para evitar?

Contraindicações para o uso de Torsilax®

Existem contraindicações absolutas e relativas para o uso de Torsilax®, as principais contraindicações são:

  • Alergia a qualquer um dos componentes de sua fórmula;
  • Casos de insuficiência cardíaca;
  • Casos de insuficiência hepática ou renal grave;
  • Hipertensão arterial grave sem controle adequado;
  • Hipersensibilidade aos anti-inflamatórios (ex.: ácido acetilsalicílico);
  • História pregressa de doença gástrica.

Sabemos que cada caso deve ser avaliado individualmente. Por isso recomendamos que retorne ao seu médico assistente ou procure um médico gastroenterologista para avaliar e traçar a conduta mais adequada ao seu caso.

Pode lhe interessar também: Úlcera gástrica tem cura? Qual o tratamento?

Principais tipos e como tratar a gastrite: infecciosa, autoimune e erosiva
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

A gastrite é a inflamação da mucosa que reveste o estômago internamente. Existem diferentes tipos de gastrite, as principais são: gastrite infecciosa, gastrite autoimune e gastrite erosiva.

Além destes principais tipos, as gastrites também podem ser diferenciadas em duas formas: aguda e crônica.

  • Gastrite aguda: é a inflamação do estômago transitória, que apresenta lesões e alterações na mucosa gástrica reversíveis.
  • Gastrite crônica: é aquela que existe há mais tempo, por isso ocasiona lesões gástricas que não podem mais ser revertidas, como a atrofia da mucosa do estômago.

Vejamos as diferenças entre os principais tipos de gastrites.

Gastrite infecciosa

A presença de uma agente infeccioso pode causar tanto uma gastrite aguda quanto uma gastrite crônica. A principal causa de gastrite infecciosa é a bactéria Helicobacter pylori.

Algumas pessoas podem apresentar esta bactéria no estômago e não apresentar nenhum sintoma. No entanto, outras podem apresentar sintomas de dor, desconforto gástrico, azia e náuseas, caracterizando a gastrite.

Geralmente a gastrite causada pela H. pylori se inicia como uma gastrite aguda. Se não for tratada pode levar ao desenvolvimento de uma gastrite crônica, com persistência dos sintomas no decorrer do tempo.

Tratamento da gastrite infecciosa

O tratamento da gastrite infecciosa causada pelo Helicobacter pylori consiste no uso de medicamentos como o omeprazol, pantoprazol e outros, e também de antibióticos que visam erradicar a bactéria.

Gastrite autoimune

É uma forma de gastrite mais rara do que a gastrite infecciosa, mas sua incidência tem vindo a aumentar.

É causada por uma reação do sistema imune do próprio individuo contra células da mucosa do estômago.

A gastrite autoimune prejudica a absorção de nutrientes podendo levar ao desenvolvimento de anemia perniciosa, deficit de vitamina b12 e magnésio. Além disso, a gastrite autoimune também aumenta o risco de desenvolvimento de câncer do estômago.

Tratamento da gastrite autoimune

O tratamento é feito com medicamentos que aliviam os sintomas de desconforto estomacal, como antiácidos, e de suplementos vitamínicos como o ferro e a vitamina B12.

Gastrite erosiva

A gastrite erosiva é uma forma de gastrite aguda, que pode ser assintomática ou levar a sintomas de dor estomacal, azia e náuseas.

Pode ser causada pelo uso abusivo de medicamentos anti-inflamatórios, álcool ou por estresse persistente.

Tratamento da gastrite erosiva

O tratamento inclui a suspensão da causa da gastrite, portanto, pode ser necessário suspender o uso de anti-inflamatórios, ou do álcool, ou ainda reduzir os níveis de estresse.

Medicamentos antiácidos e do grupo dos inibidores de bomba de prótons (omeprazol, pantoprazol, etc) também podem ser utilizados no tratamento.

Na presença de sintomas sugestivos de gastrite é importante consultar um médico para uma avaliação, diagnóstico do tipo de gastrite e realização do tratamento adequado.

Leia também:

Queimação no estômago: medidas caseiras e remédios para aliviar a azia

5 alimentos que quem tem gastrite deve comer

Gastrite crônica tem cura? Qual o tratamento?

Gastrite pode evoluir para câncer?

Referências bibliográficas

Mark Feldman. Gastritis: Etiology and diagnosis. Uptodate. 2020

Pamela J Jensen. Acute and chronic gastritis due to Helicobacter pylori. Uptodate. 2020