Perguntar
Fechar

Infarto

Quais os sintomas de um ataque cardíaco?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O principal sintoma de um ataque cardíaco é a dor ou desconforto no peito, que pode irradiar para costas, mandíbula, braço esquerdo e braço direito (mais raro). A dor geralmente é intensa e prolongada, sendo acompanhada por uma sensação de peso ou aperto sobre o tórax. Em casos menos frequentes, a dor também pode estar localizada no abdômen.

Outros sinais e sintomas comuns de infarto incluem: falta de ar (nos idosos, este pode ser o principal sintoma de um ataque cardíaco), tonturas, sensação de pânico, respiração rápida e irregular, suor em excesso, palidez e a alteração dos batimentos cardíacos, que podem ser acelerados ou lentificados.

O que fazer em caso de ataque cardíaco?

No caso de uma parada cardíaca, deve-se fazer massagem cardíaca na vítima, com compressões fortes e ritmadas (100 por minuto), afundando o peito cerca de 5 cm.

Metade das mortes por ataque cardíaco ocorre nas primeiras horas após o início dos sintomas. Por isso, quanto mais cedo a vítima receber atendimento, menor será o dano ao coração.

Quais as causas de um ataque cardíaco?

O ataque cardíaco ocorre devido ao entupimento de alguma artéria que irriga o coração. Quando isso acontece, a porção do músculo cardíaco irrigada pela artéria obstruída morre devido à falta de oxigênio, dando origem ao infarto do miocárdio.

A maioria dos ataques cardíacos é provocada pelo acúmulo de placas de gordura na parede da artéria, o que causa a obstrução do vaso e impede a passagem de sangue para o coração.

Um ataque cardíaco é uma emergência médica. Na suspeita de um evento como esse, é importante chamar imediatamente o serviço de emergência através do número 192 ou procurar uma emergência imediatamente.

Leia também: O que pode causar um infarto?

Saiba como identificar um infarto cardíaco e conheça os sintomas
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O principal sintoma de um infarto do miocárdio é a dor no meio do peito, geralmente intensa e prolongada (pode durar várias horas), que pode irradiar para braço (principalmente a parte de dentro do braço esquerdo), ou para o ombro, pescoço e mandíbula à esquerda. Não se altera com o movimento, nem melhora nem piora, mesmo em repouso a dor continua.

Normalmente a dor ou o desconforto torácico são acompanhados de sensação de aperto ou peso no peito, mal-estar e sudorese fria.

Outros sinais e sintomas de um ataque cardíaco incluem: falta de ar, náuseas, vômitos, palidez, alteração nos batimentos cardíacos, que podem estar mais lentos, acelerados ou irregulares e com a respiração ofegante.

Apesar da dor no peito ser o principal sintoma de um infarto cardíaco, ela nem sempre acontece em pessoas idosas. Por isso, a falta de ar é o melhor sinal para identificar um infarto em idosos.

O que fazer em caso de suspeita de infarto cardíaco?

Uma pessoa com sintomas de infarto cardíaco deve ser levada com urgência para um hospital. Nos casos em que é preciso aguardar por socorro, é importante tomar algumas medidas de primeiros socorros:

  • Manter a pessoa em repouso, de preferência deitada, para evitar a queda caso perca a consciência;
  • Desapertar as roupas da pessoa;
  • Não oferecer qualquer tipo de bebidas ou calmantes à vítima;

Se a vítima perder a consciência e ficar sem pulsação ou parar de respirar, chame uma ambulância e comece a fazer massagem cardíaca.

Como fazer massagem cardíaca

1. Com uma mão sobre a outra, faça 30 compressões fortes e ritmadas no meio do tórax da vítima. Em cada compressão, o peito da vítima deve afundar cerca de 5 cm. Para isso, recomenda-se usar o peso do próprio corpo para fazer a compressão;

(tentando manter um ritmo de aproximadamente 100 a 120 compressões por minuto)

2. Se houver mais alguém, o mais adequado é revezar a massagem a cada 2 minutos, para manter movimento eficaz;

3. mantenha as compressões até a pessoa retomar a consciência ou até à chegada do socorro.

O que é infarto cardíaco?

O infarto cardíaco é a falta de circulação sanguínea numa área do músculo cardíaco (miocárdio), que provoca morte das células devido à falta de oxigênio.

A principal causa de infarto é o entupimento das artérias coronárias por placas de gordura, o que interrompe o fluxo de sangue para o coração.

Em caso de infarto, a pessoa deve receber atendimento com urgência, pois cada segundo é crucial na prevenção de danos ao músculo cardíaco, prevenindo sequelas e salvando mais vidas.

Saiba mais em:

Quais são as principais doenças cardiovasculares e suas causas?

Doenças cardiovasculares: Quais os fatores de risco e como prevenir?

Suspeita de infarto: o que fazer?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Em caso de suspeita de infarto, a primeira coisa a fazer é dirigir-se ao hospital mais próximo ou chamar uma ambulância através do número 192, com urgência. Enquanto aguarda pelo socorro, é importante:

  • Não fazer qualquer tipo de esforço;
  • Afrouxar as roupas;
  • Não beber nada nem tomar calmantes.

Se tiver que prestar socorro a uma pessoa com suspeita de infarto e ela estiver inconsciente, sem pulso e/ou sem respirar, sugere parada cardíaca ou cardiorrespiratória. Nesse caso deve chamar uma ambulância imediatamente e iniciar o procedimento de reanimação cardiopulmonar, com massagem cardíaca, até o socorro especializado chegar.

Como reconhecer uma parada cardíaca
  1. Se observar uma pessoa caída e suspeitar de parada cardíaca, aproxime-se da vítima para confirmar se esta desacordada;
  2. Movimente a pessoa e chame por ela alto, como "senhor", ou "senhora";
  3. Caso não responda e perceba que sua respiração não está normal, ausência ou respiração muito fraca, inicie imediatamente as massagens cardíacas e chame ambulância pelo 192;
  4. Se houver mais alguém com você peça que faça a ligação para que não perca tempo e possa iniciar as massagens cardíacas.
Como Fazer Massagem Cardíaca 
  1. Coloque-se de joelhos ao lado da pessoa, entrelace as mãos e coloque-as no centro do peito da vítima;
  2. Fazendo uso do peso do próprio corpo, com os braços sempre esticados, faça o movimento de compressões no tórax, fortes e ritmadas, afundando o peito da vítima cerca de 5 cm, na frequência de 100 a 120 bpm por minuto;
  3. O ideal é que duas pessoas se alternem a cada 2 minutos;
  4. Mantenha esse procedimento até chegar o socorro ou a pessoa retomar a consciência.

Saiba mais em O que fazer em caso (ou supeita) de ataque cardíaco?

Sintomas de Infarto
  • Dor forte no peito que dura mais de 20 minutos e irradia para o braço esquerdo, estômago, costas, mandíbula ou braço direito (mais raro);
  • Falta de ar;
  • Suor em excesso;
  • Palidez;
  • Alteração dos batimentos cardíacos.

Quanto mais cedo a vítima receber um tratamento adequado, menores serão os danos causados ao músculo cardíaco.

Leia também:

Infarto fulminante: Quais as causas e como evitar?

Quais os sintomas de um infarto fulminante?

Veja como Identificar um Infarto

O que pode causar um infarto?

Sofri um infarto. Que cuidados devo ter depois?

O que pode causar um infarto?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O infarto é causado pela interrupção do fluxo de sangue para o coração. A sua principal causa é a obstrução das artérias coronárias, responsáveis pela irrigação do órgão. Essa obstrução é provocada na maioria das vezes por placas de gordura que se formam na parede da artéria.

Em outros casos, a obstrução do vaso sanguíneo é provocada por trombos (coágulos de sangue presentes na circulação sanguínea).

Quando, por alguma razão, o interior desses vasos fica mais estreito, dificultando a passagem do sangue, o fluxo de oxigênio para o miocárdio fica prejudicado, provocando danos ou morte de uma parte do músculo. É o chamado infarto agudo do miocárdio.

Como consequência, o coração torna-se incapaz de bombear adequadamente o sangue, a pressão arterial cai acentuadamente e a pessoa pode perder a consciência. Sem tratamento rápido e especializado, o infarto pode ser fatal.

Quais são os fatores de risco para ter um infarto?

Os principais fatores de risco para ter um ataque cardíaco incluem:

  • Tabagismo;
  • Colesterol alto;
  • Obesidade;
  • Diabetes;
  • Hipertensão arterial;
  • Sedentarismo e
  • Estresse.

O hábito de fumar aumenta em até 5 vezes o risco de infarto. Isso porque a nicotina provoca uma contração dos vasos sanguíneos, reduzindo assim o calibre dos mesmos e causando lesões na parede interna das artérias.

Como prevenir um infarto?

Para reduzir as chances de infarto, deve-se eliminar ou diminuir os fatores de risco, ou seja, não fumar, controlar o peso, a pressão arterial, o diabetes e o colesterol, diminuir o estresse e praticar atividade física regularmente.

Quais são os sintomas de um infarto?

Os principais sintomas de infarto incluem dor no peito (por vezes forte, com duração de mais de 20 minutos), falta de ar, transpiração excessiva, palidez e alteração dos batimentos cardíacos.

Muitas vezes a dor pode irradiar para o braço esquerdo, costas e mandíbula, embora pessoas com comorbidades como a diabetes, podem não apresentar qualquer sintoma.

Em caso de ataque cardíaco, quanto mais cedo a pessoa receber um tratamento adequado, menos danos serão causados ao músculo cardíaco e menores serão as sequelas.

Leia também: Suspeita de infarto: o que fazer?

Minha mãe começou a sentir dores na virilha esquerda...
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Independente de eu dizer que pode ou não ser infarto terão que ir ao médico sim. E minha resposta é sim, pode ser um infarto apesar de que não são os sintomas típicos, mas sem ser examinada por um médico e fazer exames é muito difícil ter certeza de qualquer coisa.

Quais os sintomas de um infarto fulminante?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O principal sintoma de um infarto fulminante é a forte dor no peito.

A dor pode irradiar para o braço esquerdo, mandíbula ou pescoço e a pessoa pode começar a transpirar. Nos infartos fulminantes, a pressão arterial do indivíduo cai rapidamente e ele logo perde a consciência.

Contudo, nem todos as pessoas que sofrem um ataque cardíaco sentem dor no peito. Por isso, é preciso ter atenção a outros sinais e sintomas, como falta de ar, desconforto no peito ao fazer esforços físicos ou em situações de estresse emocional, cansaço, dor no queixo, no pescoço ou ainda nas costas.

Cerca de metade dos indivíduos que sofrem um infarto fulminante não chegam a ser atendidos a tempo. O termo “infarto fulminante" refere-se justamente aos ataques cardíacos que provocam a morte da pessoa antes que ela possa receber atendimento ou chegar ao hospital.

O que fazer em caso de infarto?

Aos primeiros sintomas de um infarto, a pessoa deve ser levada a um serviço de urgência. Se for necessário esperar pelo socorro, é importante ter alguns cuidados com a vítima:

  • Ficar com a vítima, não a deixar sozinha;
  • Não deixá-la fazer esforços;
  • Desapertar-lhe as roupas;
  • Dar à vítima 2 comprimidos de AAS ou aspirina (ácido acetil salicílico), se fizer uso e for orientação médica;
  • Não dar bebidas ou calmantes à vítima;
  • Se possível sentar ou deitar em local seguro, para evitar uma possível queda, no caso de perder a consciência.

No caso da pessoa estar inconsciente, com ausência de respiração ou pulsação, chame uma ambulância imediatamente e comece a fazer massagem cardíaca na vítima até à chegada do socorro.

Massagem cardíaca em caso de infarto

1. Com as mãos entrelaçadas e no centro do peito da pessoa, faça 30 compressões, de maneira forte e ritmada. Use o peso do próprio corpo para afundar o peito da vítima cerca de 5 cm em cada compressão;

Massagem cardíaca (compressões no tórax)

2. Repita o procedimento até que a pessoa retome a consciência ou até à chegada da ambulância.

Se possível intercale com outra pessoa a cada 2 minutos para uma massagem mais eficaz, devido ao grande esforço que deve ser realizado.

Quais são os fatores de risco para o infarto?

Os principais fatores de risco para ter um infarto fulminante incluem predisposição genética, tabagismo, sedentarismo, obesidade, hipertensão arterial, diabetes, colesterol alto e estresse.

O que causa o infarto fulminante?

O infarto fulminante é provocado pelo entupimento de uma artéria que irriga o coração. A obstrução do vaso sanguíneo pode ocorrer devido ao acúmulo de gordura na parede da artéria ou coágulos. Como consequência, o fluxo de sangue é interrompido e a parte do músculo cardíaco que deixa de receber sangue morre.

Portanto em qualquer situação de dor ou desconforto no peito, procure um atendimento de urgência. Quanto mais cedo a pessoa receber atendimento, sendo um caso de infarto, maiores são as chances de lhe salvar a vida e menores serão os riscos de sequelas.

Pode lhe interessar também:

Infarto fulminante: quais as causas e como evitar?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

O infarto fulminante é causado pela obstrução do fluxo de sangue para o coração. A interrupção da circulação sanguínea ocorre devido ao entupimento das artérias que irrigam o coração. 

Esse entupimento das artérias é provocado pela formação de placas de gordura na parede interna da artéria e por trombos (coágulos de sangue que se desprendem do vaso sanguíneo e caem na circulação sanguínea).

A interrupção do fornecimento de sangue e, consequentemente, de oxigênio, para o coração, provoca a morte de uma parte do músculo cardíaco, levando ao infarto do miocárdio.

Como consequência, a circulação entra em colapso, já que o coração não é mais capaz de bombear o sangue para todo o corpo, a pressão arterial cai abruptamente e ocorre perda de consciência. No caso do infarto fulminante, o paciente vai a óbito. 

Quais são os fatores de risco para ter um infarto fulminante?

Os principais fatores de risco para se ter um infarto fulminante incluem tabagismo, colesterol alto, hipertensão arterial (pressão alta), diabetes, falta de atividade física, excesso de peso e estresse.

Pessoas que fumam podem ter até 5 vezes mais chances de terem um ataque cardíaco do que as não fumantes. O risco para esses indivíduos é maior devido à contração que a nicotina provoca nos vasos sanguíneos, o que diminui a espessura dos mesmos e lesiona a parte interna das artérias.

Como prevenir um infarto fulminante?

Para prevenir um infarto fulminante, recomenda-se combater os fatores de risco, ou seja, não fumar, manter o colesterol, o diabetes e a pressão arterial sob controle, reduzir o estresse e praticar exercícios físicos regularmente, pelo menos 3 a 4 vezes por semana.

Quais são os sintomas de um infarto fulminante?

O principal sintoma de um ataque cardíaco é a dor no peito, que pode ou não irradiar para o braço esquerdo, pescoço e mandíbula. Outros sintomas que podem estar presentes incluem falta de ar, cansaço, transpiração, palidez, entre outros.

No infartos fulminante, o indivíduo perde rapidamente a consciência devido à queda abrupta da pressão arterial. Nos infartos fulminantes o paciente vai a óbito porque não há tempo de receber atendimento especializado a tempo.

Sofri um infarto. Que cuidados devo ter depois?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Após um Infarto agudo do miocárdio, os principais cuidados que se deve ter, são:

  • Evitar exercícios físicos intensos, ou levantar pesos;
  • Iniciar o quanto antes o processo de REABILITAÇÃO (orientado pelo/a médico/a que o acompanha);
  • Mudança de hábitos de vida;
    • Interromper hábitos sabidamente prejudiciais, como tabagismo e alcoolismo,
    • Praticar atividade física, orientada, com regularidade,
    • Manter alimentação saudável,
    • Manter controle rigoroso de doenças preexistentes como diabetes, hipertensão e colesterol alto,
    • Evitar estresse e ansiedade, mesmo que necessite de medicação para este resultado.

Os objetivos médicos após um episódio de um infarto, são basicamente: melhorar a capacidade física e laborativa do paciente o quanto antes, reduzir os riscos de um novo evento e melhorar a qualidade de vida e hábitos do paciente. Portanto, existem hoje testes e critérios bem consolidados para que esses objetivos sejam alcançados de forma precoce. A equipe médica saberá te orientar a cada cuidado.

O processo de reabilitação pode ser apontado como um cuidado fundamental após um infarto. Estudos comprovam que quando realizado de forma correta, reduz consideravelmente os riscos de um novo infarto. O processo pode variar um pouco entre os serviços, entretanto a grande maioria opta por dividir em três fases, aonde a primeira fase se inicia ainda na internação, com movimentação leve, passiva dos músculos e exercícios respiratórios.

Após o 7º dia, a atividade física do paciente vai aumentando gradualmente e ele é então submetido a um teste de esforço, dependendo do caso, para calcular o risco de sofrer novamente um infarto durante os próximos meses. O mesmo teste também serve para determinar o quanto a pessoa pode se esforçar após a alta. E então dá início a segunda fase de reabilitação, que deve levar em média 3 meses.

Após 3 meses de infarto, com boa resposta ao tratamento proposto, os exercícios podem ser alterados e intensificados.

Sofri um infarto. Quando vou ter alta hospitalar?

Em casos menos graves, a pessoa costuma receber alta 3 a 4 dias depois do evento, e em geral, pode voltar às suas atividades cotidianas depois de 1 mês.

Normalmente, nos primeiros dias após a alta, recomenda-se um nível de esforço físico leve. Ao realizar uma atividade, o nível de cansaço deve ficar entre 2 e 3, numa escala considerada de zero a 10. Contudo, isso pode variar de pessoa para pessoa.

Muitas vezes a caminhada é o primeiro exercício a ser indicado depois do infarto. Além de caminhar, o paciente também poderá realizar tarefas domésticas, como fazer compras, lavar, pendurar e passar roupa, jardinagem, ou qualquer outra em que a atividade não exija esforço.

Com o tempo, a resposta ao tratamento e orientações, será liberado para mais tarefas.

Como prevenir um novo infarto?

Durante um tempo prolongado, são indicados medicamentos como aspirina, betabloqueador e estatina como prevenção de novo episódio, além das medicações para controle rigoroso das doenças associadas, principalmente hipertensão e diabetes.

Contudo, a melhor forma de prevenir um novo ataque cardíaco é mudar o estilo de vida. Dentre as medidas indicadas estão: não fumar, evitar bebidas alcoólicas, perder peso quando necessário, praticar exercícios físicos regularmente, manter boa alimentação e controlar os níveis de colesterol, a pressão arterial e o diabetes

Pacientes que apresentam um risco maior de sofrer novos infartos, como os que apresentam sintomas como dor no peito, podem necessitar de cirurgia de revascularização do miocárdio ou angioplastia.

O médico cardiologista é o especialista responsável pelo acompanhamento após o infarto e deverá indicar o que fazer em cada caso.

Pode lhe interessar:

Meu marido: 2 enfartes, diabetes, insuficiência renal...
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

O que talvez seu marido teve foi realmente um começo de AVC (acidente vascular cerebral) que nos médico chamamos de AIT (acidente isquêmico transitório), a principal consequência de ele não ir há um médico é a possibilidade de ocorrer um AVC e por consequência morte ou invalidez permanente.