Perguntar
Fechar

Irregularidade Menstrual

Para que serve o diprospan?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Diprospan ® é uma medicação injetável indicada no tratamento de várias doenças e situações que induzem processos inflamatórios, entre elas: alergia, inchaços, asma, bronquite, Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC), artrites, osteoartrite, colite ulcerativa, lesões musculares, torcicolo, lombalgia, bursite, dermatite, lúpus, psoríase, entre outras.

O princípio ativo do Diprospan ® é a betametasona, um corticoide com efeito anti-inflamatório, antirreumático e antialérgico. Ele é usado para tratamento de algumas condições agudas e momentâneas e também nas situações crônicas e coadjuvantes de outros tratamentos.

Outra indicação para o Diprospan ® é o seu uso em algumas mulheres grávidas que vão ter parto prematuro e utilizam a medicação para maturação dos pulmões do feto.

Contudo, o uso de medicamento é bastante variado. O Diprospan ® serve para tratar doenças agudas e crônicas que respondem aos corticoides.

Dentre as indicações do Diprospan ® destacam-se:

1. Alterações em músculos, ossos e tecidos moles (artrite reumatoide, osteoartrite, bursite, espondilite anquilosante, espondilite radiculite, dor no cóccix, dor ciática, lombalgia, torcicolo, fascite).

2. Alergias (asma, rinite alérgica, doença do soro, picadas de insetos).

3. Doenças que afetam a pele (dermatites, urticária, líquen plano hipertrófico, necrobiose lipoídica associada com diabetes mellitus, alopecia areata, lúpus eritematoso discoide, psoríase, queloides, pênfigo, dermatite herpetiforme, acne cística).

4. Doenças do colágeno (lúpus eritematoso sistêmico, esclerodermia, dermatomiosite, poliarterite nodosa)

5 Câncer (leucemia, linfoma)

Quais são os efeitos colaterais do Diprospan ®

As taxas de efeitos colaterais do Diprospan ® são baixas. Porém, o uso do medicamento pode ocasionar reações adversas em alguns casos. 

Efeitos colaterais comuns 

Os efeitos colaterais comuns do Diprospan ® ocorrem em até 10% das pessoas que tomam o medicamento e incluem insônia, má digestão, aumento de apetite e infecções frequentes.

Efeitos colaterais incomuns 

Os efeitos colaterais incomuns do Diprospan ® ocorrem em até 1% das pessoas que tomam a medicação. Dentre essas reações estão: dificuldade de cicatrização da pele, atrofia da pele, foliculites, coceira, diabetes, osteoporose, sangramento gastrointestinal, irregularidade menstrual, entre outras.

Efeitos colaterais raros

Os efeitos adversos raros do Diprospan ® são observados em até 0,001% das pessoas que usam o medicamento. Dentre as reações raras estão: 

  • Estrias, hematomas, alergias;
  • Acne, urticária, transpiração excessiva;
  • Vermelhidão na pele, face e pescoço;
  • Depressão, convulsões, dor de cabeça;
  • Tontura, confusão mental, alteração de humor;
  • Úlcera, distensão abdominal, alteração em exames de fígado;
  • Diminuição do número de espermatozoides, dores musculares e articulares;
  • Aumento da pressão intraocular, catarata.

Na presença de algum efeito colateral, o/a médico/a que receitou o medicamento deve ser informado. É importante usar a medicação apenas com indicação médica e na frequência recomendada na receita.

Quais são os sintomas de tireoide alterada?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Os sintomas de tireoide alterada surgem quando a tireoide não está funcionando adequadamente ou por produzir hormônios em excesso (hipertireoidismo) ou em quantidades insuficientes (hipotireoidismo), o que pode ocorrer em homens e mulheres, em qualquer etapa da vida.

Os sintomas de tireoide alterada são:

  • Hipotireoidismo:

    • Falta de energia;
    • Lentidão;
    • Diminuição da frequência cardíaca (o coração bate mais devagar);
    • Intestino preso;
    • Perda de memória;
    • Cansaço excessivo;
    • Intolerância ao frio;
    • Dores musculares e articulares;
    • Sonolência;
    • Pele seca;
    • Unhas quebradiças;
    • Queda de cabelo;
    • Ganho de peso;
    • Irregularidade menstrual;
    • Depressão.
  • Hipertireoidismo:
    • ​Aceleração dos batimentos cardíacos;
    • Ansiedade;
    • Irritabilidade;
    • Problemas para dormir;
    • Aumento de apetite;
    • Perda de peso;
    • Diarreia;
    • Fraqueza;
    • Tremores;
    • Aumento da transpiração;
    • Apesar de se sentir com muita energia, a pessoa também se sente muito cansada;
    • Olhos saltados.

Leia também: Quais são os sintomas de tireoide alterada?

Um sintoma que também pode surgir, tanto no hipo como no hipertireoidismo, é o aumento no volume da tireoide, chamado bócio

A presença de nódulos é outro problema frequente da tireoide, mas apenas em 5% dos casos eles são malignos.

Saiba mais em: Quais os sintomas de um nódulo na tireoide?

A tireoide é uma glândula que está localizada na parte anterior pescoço, logo abaixo do Pomo de Adão ("gogó") e que produz os hormônios T3 (tri-iodotironina) e T4 (tiroxina), que agem em todos os sistemas do corpo humano.

A tireoide atua na função de órgãos como, coração, cérebro, fígado e rins, além de desempenhar um importante papel no crescimento e desenvolvimento das crianças e adolescentes, regulação dos ciclos menstruais, fertilidade, peso, memória, concentração, humor e controle emocional.

O diagnóstico e o tratamento das alterações na tireoide são da responsabilidade do médico endocrinologista.

Também podem lhe interessar:

Quais são os sintomas de câncer de tireoide?

Nódulo na tireoide é perigoso? Qual é o tratamento?

Hormônio da paratireoide (PTH) alto: quais os sintomas e como tratar?

Hormônio da paratireoide (PTH) baixo: quais os sintomas e tratamento?

Será que a pílula do dia seguinte falhou e eu estou grávida?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Em primeiro lugar só deve considerar a possibilidade de gravidez caso tenha um atraso de sua menstruação superior a 15 dias. Outro ponto importante é que os sintomas de gravidez não costumam aparecer no primeiro mês de gravidez. Sempre é importante considerar que a pílula do dia seguinte causa sintomas como enjoo e irregularidade menstrual.

Leia também: Sintomas da pílula do dia seguinte ou gravidez?

Tive uma menstruação tipo borra de café e não veio mais...
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Pode ser gravidez, alguma alteração hormonal, ou outra situação ou doença que posso estar causando esses sintomas (até problemas emocionais podem causar isso).

Ter um ovário maior que o outro é normal? O que pode ser?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Ter um ovário maior que o outro é normal, pois os ovários dificilmente têm o mesmo tamanho e pequenas diferenças são muito comuns.

No entanto, se um dos ovários for muito maior que o outro, é preciso investigar a causa, pois pode ser sinal de várias situações desde cistos, tumores benignos a tumores malignos (câncer de ovário). 

Na síndrome dos ovários policísticos, além dos ovários aumentados, a mulher poderá apresentar também os seguintes sintomas:

  • Irregularidade menstrual;
  • Ausência de menstruação;
  • Excesso de pelos;
  • Pele oleosa e com acne;
  • Infertilidade. 

Já o câncer de ovário geralmente no início não causa sintomas específicos ou pode causar sintomas como desconforto abdominal, dificuldade para se alimentar, inchaço abdominal e vontade frequente de urinar. 

Quando manifesta sintomas, o câncer de ovário pode fazer a mulher urinar com mais frequência e causar inchaço.

O/a médico/a ginecologista, clínico/a geral ou médico/a de família poderá analisar o caso de forma mais detalhada e confirmar se essa diferença de tamanho entre os ovários é normal ou se necessita de outras investigações.

Tomo anticoncepcional e menstruei antes da cartela acabar?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Pode ser um sangramento de escape ou uma irregularidade menstrual, quando acontece uma única vez não há com o que se preocupar, isso é bastante comum e normalmente não significa nada, porém se começar a ser algo repetitivo deve voltar ao seu médico.

Como contar o ciclo menstrual?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

O ciclo menstrual é o tempo compreendido entre duas menstruações. Portanto, para contar o seu ciclo menstrual, você deve anotar em que dia vem a sua menstruação. Esse dia em que a menstruação desce é o primeiro dia do ciclo menstrual, que termina com a vinda do próximo período menstrual. 

Portanto, a partir do seu primeiro dia de menstruação, comece a contar os dias seguintes até a próxima menstruação. O número de dias compreendidos entre as duas menstruações é o tempo de duração do seu ciclo menstrual.

Em média, as mulheres têm um ciclo menstrual de 28 dias. Porém, algumas podem ter ciclos mais curtos, com até 21 dias, enquanto outras podem apresentar ciclos menstruais longos, com 36 ou mais dias. Essa variação é normal e está relacionada com vários fatores como a idade, presença de fatores estressantes ao longo de cada ciclo, flutuações hormonais e com o organismo de cada mulher.

Após a menarca (primeira menstruação), ainda durante a adolescência, os ciclos geralmente são longos. Depois, à medida que a mulher se aproxima da menopausa (última menstruação), os seus ciclos vão se tornando mais curtos. 

Em que fase do ciclo menstrual ocorre a ovulação?

A ovulação ocorre ao redor da metade do ciclo menstrual e representa o momento de maior fertilidade. Para ciclos irregulares, nem sempre é fácil calcular o dia exato da ovulação. Para isso, a mulher poderá reconhecer um conjunto de sinais e sintomas que indicarão a fase ovulatória.

Para calcular o seu período fértil, conte 3 dias antes e 3 dias depois do dia da ovulação. Assim, já sabe que é nesse período que tem maior probabilidade de engravidar. Portanto, se o 15º dia do ciclo é o seu dia de ovulação, então o seu período fértil será entre o 12º ao 18º dias do seu ciclo.

Lembrando que os métodos anticoncepcionais hormonais podem interferir na duração do ciclo menstrual, no tempo total da menstruação e na quantidade do sangramento. A mulher que usa esses tipos de anticoncepcionais geralmente não ovula e, por isso, não engravida.

Para maiores esclarecimentos, consulte o/a médico/a de família, clínico/a geral ou ginecologista.

É possível engravidar sem ter menstruação?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Engravidar sem ter menstruação pode acontecer no período pós parto. Nessa fase, devido aos hormônios da amamentação, a mulher pode ficar um período longo sem menstruar e a primeira ovulação após o parto ocorrerá antes da primeira menstruação e, dessa forma, a mulher pode engravidar sem ter menstruação.

Fora dessa situação específica é muito improvável que a mulher engravide sem ter menstruação. Se ela não está menstruando, é quase certo que não esteja ovulando, entrou na menopausa ou está com alguma irregularidade menstrual que precisa ser investigada. A mulher que ovula e libera um óvulo por mês irá menstruar se esse óvulo não for fecundado.

Quando a mulher fica sem menstruação durante mais de 12 meses consecutivos, é provável que ela esteja na menopausa e já não tenha a capacidade de engravidar, pois deixou de ovular.

O ciclo menstrual, em geral, dura cerca de 28 a 30 dias, mas pode variar de 21 a 36 dias, sendo que o tempo de duração do sangramento é em torno de 4 dias. Pequenas variações nesses períodos são normais e aceitáveis. 

No entanto, se essas variações ultrapassarem os limites daquilo que é considerado normal para a mulher, pode ser um caso de irregularidade menstrual, com diversas causas. Algumas delas são: alterações nos mecanismos que regulam o ciclo menstrual, medicamentos hormonais, gravidez, endometriose, miomas uterinos, síndrome dos ovários policísticos, entre outras.

A ausência de menstruação ou irregularidades no ciclo menstrual podem ser avaliadas pelo/a médico/a ginecologista.

Resultado de 0,40 mUI/mL no exame de Hormônio Folículo Estimulante: significa que não posso ter filhos?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Não necessariamente. O resultado de 0,40 mUl/mL no exame de Hormônio Folículo Estimulante (FSH) não determina que a mulher é infértil. Existem outros aspectos que precisam ser analisados para a interpretação desse exame.

Níveis baixos de FSH podem indicar:

  • Ausência de ovulação;
  • Distúrbios no hipotálamo ou na hipófise, que são os centros cerebrais de controle hormonal;
  • Existência de um tumor cerebral, que pode interferir com a capacidade de controlar a produção de Hormônio Folículo Estimulante.

Nas mulheres, a concentração de FSH varia ao longo do ciclo menstrual, com picos na fase de ovulação.

Estresse e peso corporal muito abaixo do normal também podem interferir nos valores de Hormônio Folículo Estimulante.

O Hormônio Folículo Estimulante promove e mantém o crescimento folicular dos ovários nas mulheres e a produção de espermatozoides nos homens.

O exame de FSH é pedido frequentemente em conjunto com outros hormônios, como LH, testosterona, estradiol e progesterona, para investigar a causa da infertilidade em mulheres e homens.

A dosagem de Hormônio Folículo Estimulante serve para investigar situações de irregularidade menstrual e também como exame auxiliar para diagnosticar distúrbios na hipófise ou doenças que envolvem os ovários ou os testículos.

Em crianças, o exame de FSH e LH é utilizado no diagnóstico da puberdade precoce ou atrasada.

A avaliação da fertilidade inclui uma série de fatores que são avaliados durante a consulta de planejamento familiar. O/a médico/a ginecologista, clínico/a geral ou médico/a de família é o/a profissional indicado/a para analisar o resultado do exame de Hormônio Folículo Estimulante e conduzir a investigação da infertilidade.

Metformina é um bom tratamento para quem tem ovários policísticos?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim, o uso de metformina pode ser um bom tratamento para síndrome dos ovários policísticos, sobretudo para mulheres resistentes à insulina (hormônio que transporta o açúcar para dentro das células).

Pessoas com resistência à insulina possuem níveis elevados desse hormônio no sangue e o excesso de insulina circulante pode agravar as manifestações da síndrome dos ovários policísticos.

O principal benefício da metformina no tratamento dos ovários policísticos é a normalização da irregularidade menstrual e o restabelecimento dos ciclos ovulatórios.

Porém, o tratamento da síndrome dos ovários policísticos deve ser particularizado para cada mulher a depender dos sintomas apresentados e do objetivo a ser atingido com o tratamento.

Ovários policísticosPara que serve a metformina?

O cloridrato de metformina é um medicamento oral utilizado no tratamento do diabetes para normalizar os níveis elevados de açúcar no sangue. Ao diminuir os níveis de açúcar, o efeito resultante da resistência à insulina reduz.

Como a maioria das mulheres com síndrome dos ovários policísticos são resistentes à insulina, a metformina constitui uma boa opção de tratamento em alguns casos.

Além da metformina, o tratamento pode incluir também exercícios físicos, pílula anticoncepcional e alimentação adequada.

Como tomar metformina?

Se a dose diária for de 1 comprimido por dia, a ingestão deve ser feita no café da manhã. Se forem 2 doses diárias, os comprimidos devem ser tomados no café da manhã e no jantar. No caso de 3 doses diárias, a pessoa deve tomar os comprimidos no café da manhã, no almoço e no jantar.

Os comprimidos de metformina devem ser tomados durante ou depois de uma refeição, juntamente com 1 copo de água. O início do tratamento é feito com doses pequenas, que são aumentadas gradualmente. Esse aumento gradual das doses reduz os efeitos colaterais do medicamento.

Quais são os efeitos colaterais da metformina?Efeitos colaterais muito comuns

Essas reações ocorrem em 10% das pessoas que tomam metformina e incluem: náuseas, vômito, diarreia, dor abdominal e perda de apetite. Esses efeitos colaterais são mais comuns no início do tratamento.

Para diminuir esses efeitos secundários, recomenda-se distribuir as doses ao longo do dia ou tomar os comprimidos durante ou logo após as refeições.

Efeitos colaterais comuns

Os efeitos colaterais adversos da metformina considerados comuns são aqueles que ocorrem entre 1% e 10% das pessoas que tomam a medicação. Essas reações incluem sobretudo alterações do paladar.

Efeitos colaterais muito raros

Essas reações foram observadas em menos de 0,01% dos casos. Dentre elas estão: acidose lática, vermelhidão na pele, coceira, urticária, diminuição dos níveis de vitamina B12, hepatite e perda de apetite.

O tratamento da síndrome dos ovários policísticos com o uso da metformina, quando indicado, deve ser realizado de maneira contínua e com avaliações periódicas do/a ginecologista, médico/a de família ou clínico geral.

O DIU atrasa a menstruação?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim, o DIU pode atrasar a menstruação devido às alterações menstruais que o dispositivo provoca. O DIU pode causar diminuição ou aumento do fluxo menstrual e até mesmo ausência de menstruação (amenorreia).

Em torno de 50% das mulheres que colocam o DIU hormonal deixam de menstruar após 24 meses de uso. Portanto, o "atraso da menstruação" pode ser, na realidade, ausência dela.

A irregularidade menstrual é esperada e ocorre principalmente nos primeiros meses de uso do DIU de cobre ou liberador de levonorgestrel, com tendência para melhorar ao longo do tempo.

O DIU de cobre, pode provocar um sangramento mais intenso, que é tratado com medicamentos específicos.

Já o DIU liberador de levonorgestrel tende a diminuir a menstruação com o passar do tempo. Isso se manifesta através de sangramento leve, sangramento de escape ou ausência de menstruação.

Veja também: O DIU tem efeitos colaterais?

No entanto, em caso de atraso da menstruação, a primeira coisa a fazer é verificar se há gravidez ou não. Apesar do DIU ser bastante eficaz, pode ocorrer uma gravidez em cada 100 pacientes que utilizam o método.

Mas é importante lembrar que o DIU tem uma eficácia contraceptiva considerada superior aos medicamentos por via oral, uma vez que não precisa ser tomado diariamente e por isso não há risco de esquecimento.

A mulher deve informar seu/sua ginecologista, clínico/a geral ou médico/a de família se notar qualquer alteração na sua menstruação durante a utilização do DIU. 

Quero engravidar: o que devo fazer?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Se quer engravidar, a primeira coisa a fazer é uma consulta de planejamento familiar ou de orientação pré-concepcional com o/a médico/a ginecologista ou médico/a de família. Nessa consulta, é interessante ir o casal pois o/a médico/a poderá indagar certas perguntas além de solicitar alguns exames.

Além disso, é importante ter alguns cuidados para preparar o seu corpo para a gravidez e proteger o bebê de doenças, com práticas saudáveis de alimentação, ajuste do peso, prática de exercícios físicos, tomar ácido fólico, não fumar, não usar drogas, entre outras medidas a serem orientadas pelo/a profissional de saúde. 

As relações sexuais podem ser realizadas frequentemente e em especial durante o período fértil da mulher. Algumas mulheres possuem o ciclo menstrual irregular o que torna um pouco mais difícil estimar quais são esses dias férteis. Nas mulheres com ciclo regular, o período fértil costuma ser na metade no ciclo, aproximadamente 14 dias antes de vir a próxima menstruação.

Contudo, manter relações no período fértil não garante que você irá engravidar rapidamente. Para ter uma ideia, uma mulher com 30 anos tem 20% de chances de engravidar naturalmente se tiver relações no seu período fértil.

Esses detalhes poderão ser dados pelo/a médico/a no momento da consulta pré-concepcional.

Para aumentar as chances de gravidez, procure ficar deitada após a relação sexual. Estudos demonstraram que as mulheres submetidas à inseminação artificial e que ficaram deitadas durante cerca de 15 minutos tiveram 50% mais probabilidade de gerar um filho do que as que se levantaram logo em seguida.

Quanto à posição sexual, não existem evidências científicas de que alguma posição possa ajudar a engravidar. A posição durante a relação sexual não tem nenhuma influência na fertilidade.

Para maiores esclarecimentos, fale com o/a médico/a ginecologista ou médico/a de família que irá orientá-la quanto ao que deve fazer para ter uma gravidez tranquila e sem riscos.

Também pode lhe interessar:

9 Coisas que Você Deve Fazer Antes de Engravidar

Existe alguma forma de estimular a ovulação?

Que exames devo fazer para saber se posso engravidar?