Perguntar
Fechar
Tenho menstruação abundante: posso fazer alguma coisa para diminuir?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Em casos de menstruação abundante, o mais importante inicialmente é definir qual é a causa, e o tratamento será baseado na sua origem.

Algumas opções de tratamento, de acordo com as causas mais comuns, são:

  • Reposição hormonal: Nos casos de menstruação abundante por carência de hormônios, por exemplo deficiência de progesterona;
  • Miomectomia: Nos casos relacionados a presença de miomas, que não respondem ao tratamento medicamentoso;
  • Análogos de GH: Esse tratamento pode ser definitivo, ou em alguns casos de pólipos volumosos, para sua redução antes da cirurgia;
  • Polipectomia: Cirurgia para ressecção de pólipos nos casos de serem a origem do sangramento, e não responsivos ao tratamento medicamentoso;
  • Estrogênios orais em altas doses: Indicado para pacientes estáveis e que podem tolerar a terapia oral sem problemas estomacais;
  • Anticoncepcionais orais: Reduzem em até 60% o fluxo menstrual, parece que por indução de atrofia do endométrio. É contraindicado para fumantes devido ao risco de trombose venosa;
  • Anti-inflamatórios não esteroidais (AINE): O uso de AINES reduz o sangramento uterino por inibir a produção de prostaglandinas no endométrio, que altera a relação entre tromboxano e prostaciclinas, responsáveis pela redução de sangramento. Reduzem entre 30 a 50% do fluxo, embora precise avaliar as contraindicações;.
  • Medicamentos antifibrinolíticos: Atuam dentro de duas a três horas após a administração, não interferem com a fertilidade e podem ser mais eficazes que os anti-inflamatórios não esteroides (AINE);
  • Ablação endometrial: É um tratamento efetivo para a menstruação abundante (hemorragia aguda), mas não é recomendado para mulheres que queiram engravidar, pois consiste na destruição definitiva do endométrio.
  • Curetagem uterina (raspagem ou sucção do útero): Acaba de forma eficaz com sangramentos severos e é a única opção cirúrgica para as mulheres que ainda querem ter filhos. Porém, não trata a causa da menstruação abundante, que voltará a acontecer se outra terapia não for iniciada;
  • Tamponamento: Pode ser feito colocando-se no interior da cavidade uterina um cateter específico que contém um balão que é enchido com 10 a 30 ml de líquido. Três horas depois, remove-se metade desse líquido e, desde que não haja mais sangramento durante uma hora, pode-se retirar a sonda. Caso o sangramento persista ou seja muito intenso, o balão pode ser mantido por 12 horas;
  • Histerectomia: Caso todos os outros métodos falhem, pode-se optar pela histerectomia (cirurgia para retirada o útero).

Em caso de menstruação abundante, a mulher deve procurar um/a médico/a ginecologista, para avaliação, definição de diagnóstico e melhor tratamento.

Pode lhe interessar também:

O que é mioma?

Sangramento após a curetagem é normal?

Pólipo endometrial causa dor? Quais são os sintomas?

Tomo Mesygina e este mês veio muito fluxo, o que fazer?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Provavelmente o que aconteceu foi uma irregularidade menstrual, fato comum entre as mulheres que fazem uso de anticoncepcionais regularmente. Não é motivo para troca da medicação, pelo menos não devido a um único episódio de sangramento anormal, dentro de 1 ano de uso.

O sangramento em períodos inesperados ou alteração de volume e coloração do fluxo, são efeitos colaterais comuns e esperados, de medicamentos anticoncepcionais, devido seu mecanismo de ação.

Qual o anticoncepcional mais aconselhável?

Não existe um remédio mais aconselhável, mas a medicação melhor a cada pessoa, de acordo com suas características, hábitos de vida e comorbidades. No seu caso parece ter sido uma boa indicação, e por isso sugerimos que aguarde mais um ou dois períodos, para ver se sua menstruação será normalizada.

Caso volte a acontecer algum tipo de irregularidade ou sangramento constante, procure seu médico ginecologista, que procederá uma avaliação mais criteriosa e possibilidade de troca do anticoncepcional.

Leia também: Vantagens e desvantagens do anticoncepcional injetável

Tomei injeção, menstruei e comecei a pílula, e não parou a menstruação?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Esse sangramento pode durar muitos dias e pode sangrar forte sim, no entanto, dificilmente pode levar a um quadro hemorrágico grave. É importante procurar um médico para uma avaliação, uma das consequências de sangramento abundante é a ocorrência de anemia.

Provavelmente, esse sangramento é decorrente dos hormônios presentes no anticoncepcional injetável que foi tomado. A medida que continuar o uso da pílula a tendência é o reduzir o fluxo de sangramento e ocorrer uma normalização do sangramento menstrual.

A injeção anticoncepcional causa sangramento?

As injeções anticoncepcionais podem levar a efeitos adversos que podem levar a sangramento ou modificar o padrão menstrual da mulher, como:

Sangramento intenso ou prolongado

Um dos principais efeitos adversos dos anticoncepcionais injetáveis mensais é a presença de sangramento ou mudança do padrão menstrual. É possível que algumas mulheres que utilizam injetáveis mensais apresentem sangramento intenso ou mesmo prolongado, o fluxo menstrual pode dobrar ou durar mais que 8 dias.

Esse aumento do sangramento não é algo prejudicial e geralmente perde intensidade aos poucos, cessando após alguns meses com a continuidade do uso da injeção anticoncepcional.

Redução do sangramento

O oposto também pode ocorrer, ou seja, a mulher pode parar de menstruar ou passar a apresentar um fluxo menstrual bem menos intenso, também é um dos possíveis efeitos dos anticoncepcionais injetáveis.

Irregularidade menstrual

Também é possível que a menstruação torne-se irregular, ou seja, a mulher pode apresentar sangramento quando não estava a espera, essa mudança também não é prejudicial e tende a normalizar com o decorrer do tempo.

No entanto, caso o sangramento intenso, ou a irregularidade menstrual, persistam no decorrer do tempo, ou ainda iniciem após muito tempo de uso do anticoncepcional, é válido consultar um médico ginecologista ou médico de família para uma avaliação.