Perguntar
Fechar

Paralisia

O que é paralisia do sono? Tem tratamento?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Paralisia do sono é a sensação de não poder se movimentar depois de acordar. A pessoa não consegue falar e normalmente sente um peso em cima do corpo.

Trata-se de um distúrbio do sono que pode ocorrer esporadicamente e não significa nada de anormal. Porém, a paralisia do sono pode fazer parte da síndrome narcoléptica.

Nesse caso, ela vem acompanhada de sonolência excessiva durante o dia. Embora seja muito raro, o quadro é grave e precisa de tratamento.

A paralisia do sono ocorre devido à persistência do corpo em manter a fraqueza muscular da fase REM (Rapid Eye Movement - "Movimento Rápido dos Olhos") do sono.

Nessa fase do sono, ocorre uma espécie de paralisia no corpo, que é uma proteção do organismo para que a pessoa não se movimente enquanto dorme, evitando se machucar.

A paralisia do sono acontece quando o cérebro acorda do estado REM mas o corpo continua paralisado. Isso significa que a pessoa está consciente, mas não tem controle sobre o corpo.

Qual o tratamento para a paralisia do sono?

Normalmente a paralisia do sono não precisa de tratamento. A pessoa pode ficar calma e aguardar alguns segundos que logo ela retoma os movimentos habituais.

A mudança de hábitos e estilo de vida pode colaborar para melhorias como manter os cuidados com a saúde, praticar atividade física e ter uma boa alimentação.

Quais as causas da paralisia do sono?
  • Síndrome narcoléptica;
  • Interrupção abrupta do sono;
  • Suspensão de algum medicamento que atuava no sistema nervoso;
  • Vida agitada, estresse.

O diagnóstico e tratamento da paralisia do sono pode ser feito pelo/a médico/a de família, clínico/a geral ou neurologista.

Também pode lhe interessar: Sonambulismo: como identificar e tratar?

O que pode causar paralisia facial?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Existem várias doenças e condições que podem causar paralisia facial, embora na grande maioria dos casos ela não tenha uma causa aparente (Paralisia de Bell). Qualquer patologia ou situação que provoque algum distúrbio no nervo facial pode causar paralisia facial, tais como:

  • Diabetes, infecção pelo HIV, doença de Lyme;
  • Fraturas do osso temporal, lesões neurológicas durante ou a seguir ao parto;
  • Meningite, tumores, traumatismos cranianos;
  • Otite média, herpes zoster, Síndrome de Ramsay Hunt;
  • Sarcoidose, Eclâmpsia (neste caso, que é afetado é o bebê);
  • Amiloidose, Síndrome de Guillain-Barré.

A Paralisia de Bell é uma paralisia facial com causa desconhecida. Inicialmente, todos os casos de paralisia do nervo facial eram chamados de Paralisia de Bell.

Porém, com a descoberta das causas da paralisia facial, apenas os quadros idiopáticos, ou seja, sem uma causa aparente, continuaram a ser chamados de Paralisia de Bell.

É importante lembrar que a origem da paralisia facial não está no cérebro mas no nervo facial, que, devido a traumas, infecções, doenças ou outra situação qualquer, deixa de funcionar adequadamente. O resultado é uma paralisia dos movimentos dos músculos da face.

A paralisia facial periférica caracteriza-se pelos seguintes sinais e sintomas:

  • Interrupção temporária ou não dos movimentos da face;
  • Alterações na secreção de saliva e lágrima;
  • Alterações na sensibilidade do rosto;
  • Alterações auditivas;
  • Dificuldade para falar, mastigar, sugar engolir e prender com os lábios.

Saiba mais em: O que é paralisia facial? Quais os sintomas e como é o tratamento?

Se os sintomas forem ligeiros, a paralisia facial pode não precisar de tratamento. Porém, é comum o uso de medicamentos corticoides para diminuir a inflamação e o inchaço do nervo facial. A fisioterapia também pode ser indicada.

Em caso de paralisia facial, procure o/a médico/a neurologista.

O que é paralisia facial? Quais os sintomas e como é o tratamento?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Paralisia facial é a perda parcial ou total dos movimentos da musculatura de um dos lados da face, causada por uma lesão no nervo facial. Quando a paralisia é total, a pessoa apresenta a boca caída e não consegue fechar o olho do lado afetado. Outros sinais e sintomas incluem alterações na sensibilidade da face, na audição, no paladar e na secreção de saliva e lágrima.

A paralisia facial periférica pode ser causada por traumatismos, tumores, infecções, derrames, herpes zoster, infecções de ouvido, entre outras causas. Quando não tem uma causa aparente, ela é denominada paralisia facial periférica idiopática ou paralisia de Bell.

Devido à interrupção dos movimentos da musculatura do rosto, a paralisia facial provoca dificuldades para falar, mastigar, sugar, deglutir, além de trazer prejuízos estéticos que afetam significativamente o lado emocional da pessoa.

A paralisia de Bell representa até 75% dos casos de paralisia facial. O tratamento inclui uso de medicamentos, fisioterapia e fonoaudiologia. Alguns casos de paralisia facial periférica podem necessitar de cirurgia para interromper a agressão ao nervo facial.

O principal sintoma da paralisia de Bell é a perda súbita dos movimentos da face. Cerca de metade das pessoas também refere dor atrás da orelha que persiste por alguns dias. A dor pode surgir de 2 a 3 dias antes da paralisia ou no momento em que ela ocorre.

Também é comum haver diminuição do paladar, alteração na produção de lágrimas (olho seco) e aumento da sensibilidade auditiva (hiperacusia).

O tratamento da paralisia facial deve começar o quanto antes. São necessários cuidados oculares através do uso de lágrimas artificiais e pomada protetora, uma vez que a pessoa não consegue fechar completamente a pálpebra e apresenta lacrimejamento insuficiente.

Os corticoides estão entre os medicamentos mais eficazes para tratar a paralisia facial periférica. O tratamento deve ter início de preferência nos primeiros 3 dias após surgirem os sintomas.

Também são indicados fisioterapia e exercícios para os músculos da face em frente ao espelho, de maneira a prevenir a atrofia da musculatura e melhorar a sua função.

Em mais de 80% dos casos de paralisia de Bell, os movimentos faciais começam a retornar em até 3 semanas. Nas demais situações, os sintomas começam a melhorar entre 3 e 6 meses após a paralisia.

A grande maioria das pessoas ficam completamente curados em 6 meses. Quando a cura não ocorre após esse período, a paralisia facial pode ter alguma causa que precisa ser investigada.

O/a médico/a neurologista é o/a especialista responsável pelo diagnóstico e tratamento da paralisia facial.

Saiba mais em: O que pode causar paralisia facial?

Existe alguma explicação neurológica para paralisia do sono?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Tudo que existe a respeito da paralisia do sono são suposições, especulações e teorias que ainda precisam ser melhor explicadas ou comprovadas. No sono o nosso consciente dá espaço para outras "dimensões" da nossa mente muito estudadas porém ainda pouco compreendidas.

A mente humana é capaz de coisas que ainda nem sabemos. A medicina caminha sobre ovos quando caminha na mente humana, ou seja a chance de teorias e suposições estarem erradas é muito maior que estarem certas.

Leia também: O que é paralisia do sono? Tem tratamento?

O que se sabe é que esse distúrbio pode estar relacionado com problemas emocionais e fatores estressantes que possam alterar de alguma forma o sono da pessoa. Existem remédios para melhorar isso, curar não sei dizer.

Será que a sinusite pode causar paralisia facial?

Sinusite pode causar paralisia facial, mas é muito raro. Uma complicação mais frequente da sinusite é a lesão de nervos oculares, que leva a problemas de visão.

Nesses casos, a sinusite pode causar paralisia, perda da sensibilidade da córnea e alteração da acomodação dos olhos.

O nervo ótico costuma ser o mais afetado, com diminuição da visão geralmente em um dos olhos, podendo evoluir também para lacrimejamento excessivo e olho seco.

Dentre as complicações mais frequentes e graves da sinusite estão as infecções ou inflamações que acometem a órbita, pois podem se disseminar para dentro do crânio e causar:

  • Meningite (inflamação da meninge, que é o tecido que envolve o cérebro);
  • Empiema subdural (acúmulo de pus entre o cérebro e a meninge);
  • Trombose do seio cavernoso (obstrução de uma veia grande localizada na base do cérebro, normalmente causada pela disseminação de bactérias provenientes de alguma infecção. É raro, mas provoca a morte em cerca de 30% dos casos).

Leia também:

O que pode causar paralisia facial?

O que é paralisia facial? Quais os sintomas e como é o tratamento?

O mais indicado é consultar um médico otorrinolaringologista para verificar a sinusite e a rinite ou ir diretamente a um neurologista para uma avaliação mais aprofundada da parte neurológica.

Saiba mais em: Quais são os sintomas da sinusite?