Parto Prematuro

Estou grávida de 33 semanas e sinto dor no pé da barriga. Posso estar entrando em trabalho de parto prematuro?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Dores como as que você citou são muito comuns durante a gravidez. Para algumas mulheres estar grávida é só felicidade e para outras que tem muitos sintomas, principalmente dor, a felicidade de estar grávida e de certa forma obscurecida pela dor. O melhor de tudo é que suas dores vão terminar quando o bebê nascer.

Dores durante a gestação que preocupam são dores na barriga (útero) tipo cólica que vem e some e depois de alguns minutos retornam, acompanhada sempre do endurecimento temporário da barriga (útero), estas dores vão ficando cada vez mais fortes até tornarem-se insuportáveis e você começa a perder secreção pala vagina parecida como um catarro; esses são os sinais de parto e indicam necessidade de procurar um hospital.

Estou grávida de 39 semanas, como saber se estou em trabalho de parto?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Existem algumas situações que devem fazer a mulher procurar uma maternidade para a verificação do que está acontecendo com a gravidez no final da gestação: sangramento vaginal (principalmente se intenso, independente se acompanhado de cólicas), o bebê parou de se mexer (normalmente ele diminui um pouco o ritmo de mexer no final da gestação), perda de líquido pela vagina (líquido claro com odor semelhante a água sanitária) e trabalho de parto Franco (uma dor forte "muito forte, realmente forte, de chorar" quando estiver tendo as dores de 10 em 10 minutos.

Estou com 30 semanas de gestação, tenho contração e dilatação do colo do útero (2cm), o que fazer?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

É importante manter a calma, tranquilidade, fazer repouso e ter um obstetra que a acompanhe, aparentemente não há motivo para alarme. É provável que essas contrações sejam contrações de treinamento, também chamadas de contrações de Braxton-Hicks, que são contrações irregulares que podem se iniciar no terceiro trimestre.

O trabalho de parto prematuro é caracterizado pela presença de contrações rítmicas e regulares, sendo que há a presença de 2 a 3 contrações em 10 minutos e dilatação maior ou igual a 2 cm, se essas duas condições não estiverem acontecendo concomitantemente, não se trata ainda do trabalho de parto.

Caso passe a apresentar contrações dolorosas, rítmicas e intensas, que duram 30 segundos ou mais, sendo cerca de 2 a 3 contrações por minutos deve procurar atendimento médico.

Contrações de treinamento e contrações do trabalho de parto

É importante diferenciar as contrações de treinamento de um possível trabalho de parto prematuro, portanto, avaliar a característica das contrações e outros sintomas que possam surgir é essencial.

As contrações de treinamento, geralmente são indolores, desordenadas e irregulares, não se tornam mais intensas com o decorrer do tempo e podem ser facilmente aliviadas as vezes com a simples mudança de posição da mulher.

Já as contrações do trabalho de parto são dolorosas, quanto mais contraída a parede uterina maior é a dor que a mulher sente, começam ou da região superior da barriga ou das costas e descem em direção a pelve.

São mais ordenadas e rítmicas, portanto possuem uma certa regularidade e tornam-se cada vez mais frequentes e intensas a cada vez que se aproxima do momento do parto. Podem durar de 30 a 60 segundo ou um pouco mais.

Rotura da bolsa amniótica

Um outro sinal importante do parto é a rotura da bolsa: a mulher pode perder involuntariamente uma grande quantidade de líquido claro, geralmente transparente, aos poucos ou de uma única vez. Nessa situação a mulher deve procurar imediatamente o atendimento obstétrico.

Outros sinais que merecem atendimento médico imediato são perda de sangue vaginal ou o bebê deixar de mexer por 12 horas seguidas.

Para mais informações sobre o trabalho de parto consulte o seu médico obstetra ou médico de família que acompanha o pré natal.

Como é o tampão mucoso e quais os primeiros sintomas de parto?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O tampão mucoso é um muco produzido pelo colo do útero desde o princípio da gravidez, com a função de proteger o útero, bloqueando a entrada de bactérias.

Possui uma consistência viscosa, podendo se apresentar com várias colorações, desde incolor, como a clara de ovo, até amarelado com presença de pequena quantidade de sangue.

Quando o colo do útero começa a se dilatar para se preparar para o parto, o tampão mucoso é expelido. Após a saída do tampão começam as contrações uterinas e o parto pode ocorrer a qualquer momento.

A perda do tampão mucoso e o início das dores (cólicas) são os primeiros sintomas de que o bebê está perto de nascer. Contudo, isso não significa que o bebê vai nascer imediatamente.

Quais são os sintomas do parto?

Os sintomas do parto variam conforme a fase em que a gestante está do trabalho de parto:

Pré-parto ou período premonitório

Essa fase começa entre a 30ª e a 36ª semana de gestação e se estende até o início do parto. O fundo do útero desce, começam as contrações uterinas e ocorre saída de secreção de aspecto mucoso, com sangue, pela vagina.

Essas alterações terminam quando o colo do útero começa a se preparar para o parto, que é quando as contrações uterinas ficam progressivamente mais fortes e regulares. O útero fica dilatado, amolecido e o colo do útero fica centralizado. Essa é a fase latente, que dura em média 14 a 20 horas.

Período de dilatação

O período de dilatação começa ao final da fase latente até o momento em que o colo do útero chega a 10 cm de dilatação. O período de dilatação pode durar de 6 a 12 horas.

Nessa fase do trabalho de parto, as contrações uterinas são regulares, geralmente com intervalos de 3 a 5 minutos e com intensidade que pode ser de moderada a forte.

Período expulsivo

Começa no final da dilatação e termina com a saída do bebê, podendo durar de 20 a 50 minutos. As contrações são fortes e o intervalo entre elas é cada vez menor.

Nessa fase, a gestante apresenta esforço expulsivo e vontade de defecar. A expulsão do bebê ocorre pelo esforço exercido pela gestante, podendo ser auxiliado pelo/a médico/a.

Período de secundamento

Esse é o período em que ocorre o descolamento e a expulsão da placenta. O período de secundamento acontece entre 5 até 30 minutos após o período expulsivo.

Quarto período

Começa no final do período de secundamento e dura até uma hora depois do parto. Esta é a fase de maior risco de sangramento, fase em que ocorre a contração do útero, portanto exige especial atenção por parte do obstetra.

Para maiores informações sobre a saída do tampão mucoso e os sintomas de parto, fale com o/a médico/a obstetra ou o/a médico/a que está acompanhando a gestação.

Em gestantes obesas o parto cesária é mais indicado?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Em teoria sim, mas tudo depende da avaliação de uma série de fatores (tipo de obesidade, ganho de peso durante a gestação, tamanho e posição do bebê, doenças concomitantes e fatores de risco, disposição da paciente para parto normal, disposição do médico para parto normal...).

Tive um parto prematuro na minha 1ª filha e estou grávida novamente, corro risco de acontecer outra vez?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sim. A mulher que já apresentou um parto prematuro espontâneo, tem um risco maior de repetição, estimado entre 14 e 22%.

Os partos prematuros são classificados em espontâneo, quando ocorrem por um motivo materno ou fetal; ou parto prematuro induzido, quando é necessário interromper o parto, por exemplo nos casos de crise hipertensiva grave (eclâmpisa).

Contudo, esse risco varia muito de acordo com diversos fatores, como as caraterísticas maternas, fetais, de origem externa, alimentação adotada, hábitos de vida, até riscos de traumas e doença adquiridas durante a gestação, fatores não podemos prever. Portanto, apontar qual a chance de uma gestante evoluir ou não com parto prematuro é praticamente impossível.

Podemos citar como fatores de risco sabidamente conhecidos os seguintes:

  • História de parto prematuro
  • Gemelaridade
  • Hipertensão arterial materna - sem devido controle
  • Sangramento no segundo trimestre
  • Infecções geniturinárias
  • Comprimento do colo uterino na Ultrassonografia reduzido

Lembrando que o mais importante é que a gestante mantenha um acompanhamento regular de pré-natal, pois sabemos que é a melhor forma de prevenção para qualquer complicação ou risco de parto prematuro na gravidez.

Com um pré-natal adequado, seu médico/a assistente tem a possibilidade de orientar, acompanhar e diagnosticar precocemente qualquer alteração. Possibilitando tratamentos e ações de forma rápida, consequentemente com melhores resultados.

Veja também:

Quais os sinais de parto prematuro?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

O parto prematuro ocorre quando o trabalho de parto começa antes da gestante completar 37 semanas de gravidez. O nascimento prematuro é uma das principais causas de incapacidade ou morte do bebê. Porém, um bom acompanhamento pré-natal aumenta as chances de um bebê prematuro se recuperar bem de um parto pré-termo.

Quais são os sinais e sintomas de parto prematuro?
  • Contrações uterinas acompanhadas de dor na coluna lombar ou sensação de pressão na virilha ou nas coxas;
  • Vazamento de líquido em gotas ou em um fluxo pela vagina;
  • Sangramento vaginal vermelho e brilhante;
  • Secreção vaginal mucosa, espessa e com sangue;
  • Ruptura da bolsa das águas;
  • Ter mais de 5 contrações uterinas por hora ou contrações regulares e dolorosas;
  • Contrações que se tornam mais longas, fortes e próximas umas das outras.
O que fazer em caso de sinais e sintomas de parto prematuro?

Procure atendimento médico imediatamente se notar algum desses sinais e sintomas antes da 37ª semana de gravidez:

  • Cólica, dor ou pressão no abdômen;
  • Escapes, sangramento, muco ou líquido saindo pela vagina;
  • Aumento repentino de corrimento vaginal.

Na suspeita de parto prematuro, é feito um exame para verificar se há dilatação do colo do útero ou ruptura da bolsa.

Muitas vezes, é feito um ultrassom transvaginal para avaliar o comprimento do colo do útero. O parto prematuro geralmente pode ser diagnosticado quando o colo do útero está mais curto. Geralmente, o encurtamento do colo do útero ocorre antes da dilatação.

Se houver saída de líquido ou fluidos, estes serão analisados. O teste pode avaliar se a gestante dará à luz em breve ou não.

Se a gestante entrar em trabalho de parto prematuro, precisa ir a um hospital. Podem ser usados medicamentos para interromper as contrações e amadurecer os pulmões do bebê.

Quais as causas de parto prematuro?

Na maioria das gestações, as causas de parto prematuro não são totalmente conhecidas. No entanto, sabe-se que certas condições podem aumentar o risco de um parto pré-termo, tais como:

  • Parto prematuro anterior;
  • História de cirurgia do colo do útero, como excisão electrocirúrgica por alça (LEEP) ou conização;
  • Gravidez de gêmeos;
  • Infecção da mãe ou das membranas ao redor do bebê;
  • Defeitos congênitos do bebê;
  • Hipertensão arterial (pressão alta) da gestante;
  • Rompimento precoce da bolsa das águas;
  • Excesso de líquido amniótico;
  • Sangramento no primeiro trimestre de gravidez;
  • Fumar durante a gravidez;
  • Uso de drogas;
  • Estresse físico ou psicológico grave;
  • Pouco ganho de peso durante a gravidez;
  • Obesidade.

O parto prematuro também pode ser causado por problemas na placenta, no útero ou no colo do útero.

Quando o colo do útero não permanece fechado por si próprio (insuficiência cervical) ou a forma do útero não é normal, existe risco de haver um trabalho de parto prematuro.

Mau funcionamento da placenta, descolamento prematuro da placenta e placenta prévia também podem levar a uma ameaça de parto prematuro.

Como reduzir o risco de parto prematuro?

Para reduzir o risco de parto pré-termo, a gestante deve seguir as orientações do médico obstetra que está acompanhando a gravidez. Na presença de sinais e sintomas de trabalho de parto prematuro, deve-se procurar atendimento médico imediatamente. O tratamento precoce é a melhor maneira de prevenir o nascimento de um bebê prematuro.

O pré-natal reduz o risco de parto prematuro. A gestante deve fazer os exames de rotina durante a gravidez, ter uma alimentação saudável, não fumar, não consumir bebidas alcoólicas e não usar drogas.

Mulheres com histórico de parto prematuro podem precisar receber o hormônio progesterona para retardar a evolução do parto.

Para maiores esclarecimentos sobre os sinais e sintomas de parto prematuro, consulte o médico obstetra responsável pelo acompanhamento pré-natal.