Pneumonia

Nível de leucócitos alto pode indicar uma infecção grave?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Nível de leucócitos alto no sangue ou leucocitose pode ser indicativo de infecção, mas não necessariamente. O aumento do nível de leucócitos no sangue pode indicar a presença de um organismo ou substância estranha que precisa ser combatido e eliminado do corpo para não causar complicações.

Esse aumento também pode estar presente em algumas situações temporárias de estresse, como após exercícios físicos intensos, infarto, gangrena, queimaduras, pós-operatório, uso de medicações (lítio, corticoides, epinefrina), tabagismo, gestação, recém-nascido nos primeiros dias após o parto, além de situações crônicas, como alergias, artrite reumatoide, rinite, leucemia, parasitoses intestinais, Doença de Crohn, entre outras.

Os leucócitos atuam na resposta do organismo a agentes causadores de doenças, bem como a situações de estresse ou esforço físico intenso. Quando os níveis de leucócitos estão altos, com valores acima de 11.500 por milímetro cúbico de sangue, é um quadro denominado leucocitose. As causas desse aumento variam conforme as características da leucocitose e o tipo de leucócito que está alto.

Quando o aumento do número de leucócitos ocorre devido a uma situação de estresse para o organismo, como atividade física intensa, gravidez ou uso de anestesia, a leucocitose é fisiológica.

As infecções bacterianas, os processos inflamatórios e a gravidez causam as chamadas leucocitoses reativas. Doenças como leucemia e linfoma provocam um tipo de leucocitose denominada patológica.

O que são leucócitos?

Os leucócitos são células de proteção do nosso organismo contra agentes externos, tanto mico-organismo que podem provocar infecções, quanto substâncias que provocam alergias.

Essas células de proteção são os glóbulos brancos do sangue e são divididos em 5 categorias: eosinófilos, basófilos, neutrófilos, linfócitos e monócitos. Cada um desempenha um papel diferente no sistema imune. O aumento dos leucócitos pode ser acompanhado da predominância de algum desses subtipos.

A avaliação do número de leucócitos é útil para identificar a presença de processos inflamatórios ou infecciosos no organismo, avaliar a necessidade de se fazer uma biópsia de medula óssea ou a resposta ao tratamento com quimioterapia, radioterapia ou outras formas de terapia.

O resultado de um exame sempre deve ser interpretado de acordo com os sintomas e sinais clínicos que a pessoa apresenta. Além de avaliar as características do aumento dos leucócitos, também faz parte do diagnóstico o exame clínico do/a paciente. Por isso, é importante levar o resultado do exame para que o/a médico/a que solicitou faça a correlação adequada e tome as medidas apropriadas em cada caso.

Leia também:

Bastonetes altos no hemograma, o que pode ser?

Mielócitos altos ou baixos no leucograma, o que significa?

Leucograma: Para que serve e quais os valores de referência?

Quais são os sintomas da pneumonia bacteriana e qual é o tratamento?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Os sintomas da pneumonia bacteriana incluem febre alta, calafrios, tosse seca que evolui para tosse produtiva com catarro amarelado ou esverdeado, falta de ar, dor no peito, vômitos, perda de apetite, dor no corpo e fraqueza.

As manifestações da pneumonia podem variar de acordo com o agente causador e o estado de saúde da pessoa. A pneumonia bacteriana ou viral é muitas vezes confundida com uma gripe. Porém, no caso da pneumonia, os sintomas não melhoram e se agravam com o passar dos dias.

Em geral, idosos e indivíduos com doenças crônicas ou imunidade baixa manifestam poucos sintomas. O quadro costuma ser mais discreto, com pouca tosse e ausência de febre. Nesses casos, a pneumonia pode causar apenas desorientação, prostração e confusão mental.

Quais os sintomas da pneumonia bacteriana em bebês e crianças? 

Em crianças, os sinais e sintomas da pneumonia bacteriana geralmente se manifestam como uma gripe ou resfriado que vai piorando com o tempo. A criança pode apresentar prostração, febre alta, tosse com catarro, perda de apetite e respiração ofegante.

Há casos em que a criança queixa-se de dor na barriga, mas na realidade a dor vem da porção inferior do pulmão, onde pode estar localizada a infecção.

Bebês com menos de 1 ano de idade podem manifestar poucos sintomas.

O que é pneumonia bacteriana e como tratar?

A pneumonia bacteriana é uma infecção dos pulmões causada por bactérias. Seu principal agente causador é a bactéria Streptococcus pneumoniae. Trata-se de uma infecção pulmonar que afeta sobretudo pessoas que já têm alguma doença de base que enfraqueceu as defesas do organismo.

O tratamento é feito com medicamentos antibióticos, que devem ser tomados durante uma ou duas semanas. Os sintomas normalmente melhoram após 3 ou 4 dias do início do tratamento.

Pessoas idosas ou que manifestam complicações causadas pela doença, como dificuldade para respirar ou problemas renais, podem necessitar de internamento durante o tratamento.

É muito importante continuar tomando os medicamentos até ao fim do período estipulado para evitar recaídas e resistência da bactéria ao antibiótico.

Como se transmite a pneumonia bacteriana?

A pneumonia bacteriana é transmitida através do ar infectado com a bactéria, da aspiração de líquido estomacal ou de infecção pela via sanguínea.

Contudo, de modo geral, a pneumonia bacteriana não é muito contagiosa e o paciente não precisa ficar isolado.

Leia também: Pneumonia é contagiosa?

O/a médico/a de família, clínico/a geral ou pediatra podem são capazes de realizar o diagnóstico e tratamento da pneumonia bacteriana. Em caso de complicações, pode ser preciso uma avaliação do/a médico/a pneumologista.

Também podem lhe interessar:

Dengue pode virar hepatite, meningite ou pneumonia?

Broncopneumonia o que é?

Por que tenho uma gripe que nunca sara?

Pneumonia é contagiosa?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Pneumonia pode ser contagiosa. Pneumonia é um termo genérico que se refere a uma infecção no tecido pulmonar. As pneumonias podem ser causadas por diversos agentes como bactérias, micobactérias, vírus, fungos, protozoários, entre outros, sendo frequente a associação entre mais de um agente, como bactéria + vírus. O agente causador está bastante relacionado com a idade do doente e com a região geográfica. Esses microrganismos, em geral, está circulando no ambiente e entramos em contato com eles diversas vezes sem desenvolver qualquer doença, porém, em dado momento de defesa prejudicada do organismo, a presença de um agente desses pode causar a pneumonia. E em alguns casos, as bactérias podem até existir previamente em algumas regiões do nosso corpo entrando no sistema respiratório em momento oportuno.

O contato com o microrganismo não significa ter pneumonia e, além disso, duas pessoas diferentes podem desenvolver doenças diferentes por um mesmo microrganismo.

Em geral, pneumonia bacteriana não é contagiosa, mas as pneumonias causadas por vírus e bactérias atípicas podem ser contagiosas, no sentido de eliminar esses microrganismos para o ambiente externo, podendo ser transmitidas entre pessoas que convivem num mesmo ambiente. Apesar da pneumonia viral ser contagiosa, o vírus raramente causa pneumonia nas outras pessoas, provocando geralmente apenas gripes e resfriados.

Veja também: Quais são os sintomas da pneumonia bacteriana e qual é o tratamento?

A tuberculose é um tipo de pneumonia causada por micobactéria bastante contagiosa. Adultos com a doença eliminam o bacilo para o ambiente através da tosse. Todas as pessoas que tiveram contato próximo com a pessoa com tuberculose antes do diagnóstico e tratamento devem ser investigadas para a presença da doença de acordo com a indicação médica. E o paciente com o diagnóstico deverá ficar isolado de contato próximo com outras pessoas até iniciar o tratamento.

Considerando que

a) muitas vezes não é possível saber com certeza o microrganismo causador da pneumonia e b) muitas vezes há mais de um microrganismo causador da pneumonia (por exemplo: bactéria + vírus), os pacientes com pneumonia devem evitar o contato direto com outras pessoas até melhora do quadro. Essa precaução se dá especialmente para com crianças, em especial as menores de 1 ano de idade, idosos e pacientes com outras doenças crônicas.

Tomar antibiótico é suficiente para tratar pneumonia?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Quando uma pneumonia é diagnosticada corretamente, o tratamento sugerido é o uso de antibióticos. O uso do antibiótico prescrito pelo/a médico/a de forma completa e adequada é suficiente para tratar a pneumonia.

Pneumonia é uma infecção pulmonar adquirida na comunidade ou em ambiente hospitalar que pode afetar pessoas em qualquer idade, embora seja mais frequente e mais grave em idosos.

Os sintomas são diversos e podem incluir dificuldade para respirar, dor no peito, respiração curta, febre, tosse, náusea, vômito, etc.

O diagnóstico é feito pelo/a médico/a de família, clínico/a geral ou qualquer outra especialidade.

O tratamento deve ser feito corretamente como indicado na receita e precisa ser completado, ou seja, o/a paciente precisa tomar o antibiótico nos horários recomendados e pelo tempo indicado. Em alguns casos, o/a médico/a pode prescrever um antibiótico e, se não houver melhora dos sintomas, ele/ela pode trocar o tipo de antibiótico e iniciar um novo ciclo de tratamento.

Seguindo a indicação médica, o tratamento será suficiente para curar a pneumonia.

Também pode lhe interessar: Quais são os sintomas da pneumonia bacteriana e qual é o tratamento?

Quais são os sintomas de uma pneumonia?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Os sintomas mais frequentes da pneumonia são: febre alta, tosse com ou sem catarro, calafrios, dificuldade para respirar, falta de ar, respiração acelerada e dor no tórax. Outros sintomas menos específicos tais como dor de cabeça, dores no corpo, fadiga, fraqueza, perda de apetite, diarreia, náusea e vômito podem acompanhar o quadro. Em casos muito graves de pneumonia, pode haver coloração azulada da pele, alteração de consciência, convulsão e morte.

Os sintomas da pneumonia podem variar de forma considerável, conforme a causa e o estado de saúde geral da pessoa. Os sintomas podem ser confundidos com os de uma gripe na fase inicial, mas se agravam progressivamente e o quadro não apresenta melhora.

Em indivíduos idosos, com doenças crônicas ou imunidade baixa, os sintomas são mais leves, geralmente cursando com pouca tosse e sem febre. As manifestações nesses casos podem incluir somente mal-estar geral, confusão mental e perda de orientação.

A pneumonia geralmente se manifesta rapidamente e a maioria das pessoas apresenta boa evolução. Contudo, alguns casos evoluem com uma piora progressiva do quadro.

O diagnóstico precoce e o início rápido do tratamento adequado são fundamentais para controlar e curar a doença.

Quais os sintomas da pneumonia em crianças?

Os sintomas da pneumonia em crianças e bebês incluem febre alta, tosse produtiva, perda de apetite, prostração e aumento da frequência respiratória. No início, a criança parece estar resfriada ou gripada, mas o quadro piora com o passar dos dias. No caso da pneumonia em bebês com menos de um ano, os sintomas são discretos, o que merece uma atenção especial.

O que é pneumonia?

Pneumonia é a inflamação dos pulmões, de causa infecciosa. Pode ser causada por vírus (pneumonia viral), bactérias (pneumonia bacteriana), fungos (pneumonia fúngica) ou parasitas (pneumonia parasitária).

A inflamação da pneumonia afeta o parênquima pulmonar, aonde são realizadas as trocas gasosas (recebe oxigênio e libera gás carbônico). Como resultado, os alvéolos pulmonares e os bronquíolos ficam cheios de líquido devido ao processo inflamatório, o que dificulta as trocas gasosas e diminui a elasticidade do pulmão, reduzindo os níveis de oxigênio no sangue, causando a dificuldade respiratória.

Quais as causas da pneumonia?

A principal causa de pneumonia é a inalação de bactérias que normalmente habitam a porção superior da nasofaringe (região entre o nariz e a garganta). Por isso, a maioria dos casos de pneumonia é do tipo bacteriana.

A pneumonia também pode ocorrer pela inalação de gotículas de secreções infectadas eliminadas por uma pessoa doente. Essa forma de transmissão é comum na pneumonia viral.

Veja também: Pneumonia é contagiosa?

Em casos menos comuns, a pneumonia pode ser causada pela inalação de partículas infectadas do meio ambiente ou provenientes de animais.

Fatores de risco da pneumonia

O risco de desenvolver pneumonia é maior quando a pessoa está com a imunidade baixa, como em casos de desnutrição, diabetes, uso crônico de corticoides ou imunossupressores, portadores de HIV, AIDS ou outras doenças e condições que deixam o sistema imunológico debilitado.

Outros fatores de risco para desenvolver pneumonia incluem poluição, tabagismo, viver em lugares densamente povoados, idade avançada, viver em instituições sociais ou asilos, alcoolismo e uso de drogas.

Os casos de pneumonia adquirida em ambiente hospitalar são particularmente graves, devido à grande variedade de bactérias que se encontram nos hospitais (algumas delas resistentes a antibióticos).

Essas bactérias podem provocar pneumonia em pacientes internados por outras razões. O quadro se torna ainda mais grave, já que boa parte desses pacientes já tem outras doenças associadas ou está tomando medicamentos que podem baixar a imunidade.

Considera-se que a pneumonia foi adquirida no hospital quando ela surge depois de 48 horas que a pessoa foi internada e não estava em incubação no momento de entrada no hospital.

Como é feito o diagnóstico da pneumonia?

O diagnóstico da pneumonia é feito através da história clínica e do exame físico do paciente. O raio-x de tórax confirma o diagnóstico. Em alguns casos, pode ser indicada uma tomografia computadorizada para obter imagens mais detalhadas do pulmão.

Para identificar o micro-organismo causador da pneumonia, podem ser realizados exames de sangue e análises da secreção pulmonar.

Nos casos mais graves de pneumonia, podem ser indicadas a coleta de líquido da pleura (membrana dupla que fica entre o pulmão e a parte interna da cavidade torácica) ou a realização de broncoscopia.

Qual é o tratamento para pneumonia?

O tratamento da pneumonia inclui o uso de medicamentos para infecção, suporte respiratório (fornecer oxigênio quando necessário) e hidratação com água, soro caseiro ou, em casos mais graves, através das veias com soro fisiológico.

As medicações usadas para tratar a pneumonia dependem do agente causador. Podem ser utilizados antibióticos, antivirais, antifúngicos ou antiparasitários. Medicamentos anti-inflamatórios, para febre ou para tosse também podem ser necessários, dependendo do caso.

A grande maioria dos casos de pneumonia não necessita de internamento. Porém, quando a pessoa tem outros problemas de saúde, a pneumonia não melhora em até 72 horas, os sintomas pioram ou surgem complicações, o internamento é indicado.

O acompanhamento dos casos de pneumonia quase sempre se inicia em um pronto-socorro, com um médico pediatra, clínico geral ou emergencista. Quando o quadro evolui com melhora, o tratamento é continuado em ambiente domiciliar. Se o caso evolui com piora e precisa de suporte específico, necessita de internamento, em enfermaria ou UTI.

Em caso de sintomas de pneumonia, procure um serviço de saúde para receber um diagnóstico e tratamento adequados.

Dengue pode virar hepatite, meningite ou pneumonia?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim, o vírus da dengue pode causar hepatite, meningite viral e favorecer o desenvolvimento de pneumonia bacteriana.

Casos de hepatite provocados por dengue não são comuns, mas podem acontecer se o vírus da dengue provocar uma inflamação no fígado (hepatite).

O próprio paracetamol, usado no controle dos sintomas da dengue, pode favorecer o desenvolvimento de hepatite. Isso porque os medicamentos são processados no fígado, o que aumenta a toxicidade e fragilidade do órgão.

O principal sintoma da hepatite nessa situação é a dor abdominal, mas é muito difícil detectar a inflamação no fígado apenas por esse sintoma, pois a própria dengue provoca dor no abdômen.

Leia também: Posso tomar dipirona com dengue?; Quem tem dengue pode tomar dipirona e paracetamol?

Dengue e Meningite

Casos de meningite viral e outras doença neurológicas, como encefalite (inflamação no cérebro ou cerebelo) e mielite (inflamação na medula espinhal) são frequentemente observadas em pacientes com dengue.

Cerca de 1% a 5% dos casos de dengue provocados pelos vírus da dengue (tipos 2 e 3) evoluem para doenças neurológicas.

No entanto, é importante frisar que a meningite resultante da dengue não se transmite pelo ar como a meningite tradicional. Neste caso, o vírus é transmitido pelo mosquito, que pode atingir as meninges e provocar uma inflamação das mesmas (meningite).

Tanto a dengue como a meningite podem apresentar sinais e sintomas semelhantes no início, mas que vão se diferenciar bastante na evolução do quadro.

Veja mais sobre o assunto em: Sintomas que qualificam os casos como suspeitos de Dengue.

Porém, a principal diferença é que a meningite provoca rigidez de nuca, ou seja, o paciente não consegue encostar o queixo no peito. Isso não acontece na dengue, apesar da dor muscular.

A boa notícia é que as doenças neurológicas associadas à dengue geralmente sãobenignas e raramente deixam sequelas. O tratamento é feito com medicamentos específicos e os sintomas normalmente desaparecem em poucos dias.

Veja também o artigo: Meningite deixa sequelas?

Dengue e Pneumonia

Já a pneumonia pode aparecer na fase final da dengue, fazendo com que a febre se estenda por mais de uma semana. Além da pneumonia, quadros de infecções bacterianas associados à dengue são relativamente comuns, tais como otite e faringite, sendo tratados da maneira habitual.

Também pode lhe interessar: Quais são os sintomas da pneumonia bacteriana e qual é o tratamento?

Quais os sintomas da dengue?

A dengue pode causar febre alta, dor de cabeça, dores no corpo, náuseas ou ainda não apresentar qualquer sintoma.

No entanto, a ocorrência dos seguintes sinais e sintomas podem indicar um caso de dengue hemorrágica, que é grave e precisa de intervenção médica urgente pois pode levar à morte:

  • Manchas vermelhas na pele;
  • Sangramentos no nariz ou gengivas;
  • Dor abdominal intensa e permanente;
  • Vômitos persistentes.

Leia também: O que é a Dengue Hemorrágica?

Em caso de suspeita de dengue, não tome nenhum medicamento com ácido acetilsalicílico, como aspirina, pois pode desencadear uma hemorragia. Tome dipirona e procure atendimento médico o mais rápido possível.

Broncopneumonia o que é?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Broncopneumonia é um subtipo específico de pneumonia, no qual o acometimento mais importante e primário se dá nos brônquios (vias aéreas) e no tecido pulmonar ao seu redor. Além da broncopneumonia, podemos identificar outros padrões como: pneumonia lobar ou segmentar, pneumonia necrosante e pneumonia intersticial, sendo cada uma destas associada com determinados agentes causadores. As pneumonias são chamadas "adquiridas na comunidade", quando ocorrem em pacientes previamente saudáveis e não internados em hospitais.

As pneumonias, em geral, ocorrem quando um micro-organismo chega ao pulmão e pode se desenvolver pois a defesa do organismo está prejudicada. 

As pneumonias podem ser causadas por bactérias, micobactérias, vírus, fungos, protozoários, entre outros, sendo frequente a associação entre mais de um agente, como a associação bactéria + vírus. O agente causador está bastante relacionado com a idade do doente e com a região geográfica.

Os sintomas da broncopneumonia variam bastante em função de diversos fatores, principalmente quanto à natureza do agente causador e ao estado de saúde prévio do paciente. Numa pessoa previamente saudável, a broncopneumonia caracteriza-se por

  • Calafrios e febre;
  • Tosse, às vezes com presença de sangue;
  • Falta de ar/dificuldade para respirar;
  • Cansaço/respiração ofegante;
  • Dor torácica ou abdominal em crianças 
  • Mal-estar, prostração, dificuldade de alimentação. 

Lembrando que nenhum sinal é exclusivo da doença, e que muitas vezes estão presente somente alguns destes sintomas. Caso sejam observados os sintomas, um médico deverá ser consultado o mais rápido possível para avaliação e início do tratamento se necessário. 

Minha filha teve pneumonia e continua com barulho no peito, tem perigo da infecção ter continuado?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

O ideal é você basear-se no estado geral dela, se está ativa, comportando-se dentro do seu jeito normal de ser, ausência de febre e se alimentando bem. Se algum ou mais dos fatores anteriores estiver alterado, volte ao Pediatra. O fato de continuar com um barulho de catarro no peito significa que ela está com muita secreção ainda, não necessariamente essa secreção significa pneumonia ou broncopneumoia.

Sintomas de pneumonia que você não pode ignorar
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Na pneumonia os sintomas são mais graves do que os encontrados em um quadro gripal ou resfriado. A febre, dor no peito e tosse não melhoram após 3 a 5 dias. O cansaço é mais intenso e pode haver falta de ar se a doença progredir.

É importante estar atento principalmente aos seguintes sinais e sintomas:

1. Tosse com catarro

A tosse na pneumonia costuma ser produtiva, com secreção de coloração amarelada ou esverdeada. É um dos principais sintomas, mas especialmente quando o volume de secreção for grande, deve ser um sinal de alerta e não pode ser ignorado.

2. Dor no peito

A dor no peito típica de pneumonia, é uma dor em aperto, cansaço ou descrita como "desconforto no peito". A dor se apresenta apenas do lado acometido e piora com a respiração profunda ou durante a tosse.

3. Dificuldade de respirar

A queixa de dificuldade de respirar deve ser avaliada com cautela, porque a pneumonia causa um acúmulo de líquido nos alvéolos, local onde é realizada a troca gasosa. Entretanto, existem milhões de alvéolos nos pulmões, que compensam a área infectada.

A presença de falta de ar, indica que a infecção é extensa ou grave, podendo evoluir com complicações como o derrame pleural, pneumotórax e sepse (infecção generalizada).

4. Febre alta

A febre é um sinal de que o organismo está produzindo anticorpos ou reagindo contra um germe não identificado. Porém para que aconteça a febre, é necessário que a imunidade da pessoa esteja preservada.

Crianças pequenas, idosos, portadores de diabetes, pessoas em tratamento com quimioterapia ou uso crônico de medicamentos imunossupressores, podem não desenvolver a febre, devido à baixa imunidade, atrasando o diagnóstico.

5. Falta de apetite

A falta de apetite é considerada um sinal de alerta, porque apenas em situações de metabolismo muito acelerado ou infecção grave, esse sintoma estará presente.

6. Cansaço

O cansaço, fraqueza, falta de interesse, desânimo e dificuldade de realizar tarefas simples, é um sinal de que o organismo está direcionando suas energias para o principal foco: combater a infecção pulmonar. O que ocorre em casos de resfriado comum ou gripe.

Nas crianças, a falta de interesse em brincar, a recusa em se alimentar, representam um sinal de maior gravidade da doença.

7. Duração de mais de 5 dias

O quadro de febre, tosse e dor no peito que dura mais de 5 dias sugere uma complicação, e uma das mais comuns é a pneumonia. Devendo sempre ser investigada.

A pneumonia diagnosticada e tratada adequadamente com medicamentos antibióticos, deve apresentar melhora dos sintomas nas primeiras 48 h do medicamento. Caso não observe melhora nesse tempo, retorne ao médico que prescreveu a medicação, para uma reavaliação.

8. Piora progressiva

A piora progressiva dos sintomas, como piora da dor no peito, dificuldade de respirar ou piora da tosse são sinais de agravo da doença. Nesses casos, procure imediatamente uma emergência.

Como saber se o que tenho é gripe, resfriado ou pneumonia?

Os sintomas de gripe, resfriado e pneumonia são bastante semelhantes, sendo diferenciados pela gravidade dos sintomas e tempo de duração da doença.

Gripe

Na gripe os sintomas são variados, dependendo do tipo do vírus, com febre, tosse, dor no peito, dores no corpo, calafrios e inapetência. Sua duração em média é de 3 a 7 dias, com o início da melhora dos sintomas a partir do terceiro dia da doença.

No caso de 3 a 5 dias com sintomas de gripe sem melhora, procure um atendimento médico, pois pode ser o início de uma pneumonia, e quanto antes iniciar o tratamento, melhor será a resposta.

Resfriado

No resfriado os sintomas são mais leves, com febre baixa, congestão nasal, dor de cabeça, tosse seca e mal-estar. A duração também é curta, durando entre 2 a 5 dias, com melhora a partir do segundo ou terceiro dia da doença. O resfriado dificilmente evolui para infecção pulmonar (pneumonia) e resolve de maneira espontânea, independente de tratamento medicamentoso.

Pneumonia

A pneumonia é a inflamação do tecido pulmonar, nos alvéolos, onde acontece a troca gasosa, por isso os sintomas são mais graves, com febre alta, dor no peito, calafrios, falta de ar e cansaço exacerbado.

A causa mais comum é de uma gripe complicada, onde o agente causador da gripe consegue migrar para o pulmão, ultrapassando todas as barreiras naturais do organismo, dando origem à pneumonia.

O quadro dura mais de 5 dias e evolui com piora dos sintomas.

O médico, na maioria das vezes é capaz de diferenciar a gripe, resfriado e a pneumonia, apenas com o exame clínico. Contudo, quando não é possível, a realização de exames laboratoriais e exames de imagem (Raio-X de tórax), ajudam a definir o problema, possibilitando o tratamento mais adequado.

O que fazer para confirmar a pneumonia?

A pneumonia na maioria das vezes é confirmada em uma consulta médica, quando o médico colhe a história clínica, observa os sinais e sintomas apresentados e realiza um exame físico completo.

O Rx de tórax ou tomografia são exames de imagem onde a pessoa é exposta à radiação, por vezes desnecessária. Cabe ao médico definir quando essa exposição é realmente indispensável.

Pneumonia tem cura? O que fazer no caso de pneumonia?

Sim, a pneumonia tem cura.

O tratamento da pneumonia deve ser definido de acordo com a sua causa base.

Sabendo que a maioria das pneumonias é causada por bactérias, o uso de antibióticos é frequente, associado a hidratação (oral ou venosa), repouso e alimentação balanceada para aumentar a imunidade e combater a infecção.

A resposta e melhora dos sintomas é esperada dentro das primeiras 24 a 48 h do primeiro comprimido de antibiótico.

Não havendo melhora após 48 h do tratamento ou se observar piora dos sintomas, é necessário procurar um serviço de urgência médica, para reavaliação e ajuste da medicação.

Pneumonia é contagiosa?

Depende do agente causador. As pneumonias virais são facilmente contagiosas, as bacterianas menos. Embora, a maior parte das pneumonias sejam causadas por bactérias, é prudente evitar o contato com outras pessoas no início da doença.

A recomendação é que no caso de pneumonia, evite locais fechados e com muitas pessoas; evite tossir perto de outras pessoas, ou quando o fizer tomar cuidado colocando o braço à frente; lave sempre as mãos e não compartilhe copos e talheres.

Após 2 dias de uso de antibióticos, com boa resposta, a chance de contágio é muito pequena.

O que é princípio de pneumonia?

O "princípio de pneumonia" é um termo utilizado apenas popularmente. Para os médicos não existe o "princípio", a pneumonia significa a inflamação do pulmão.

Quando os germes não alcançam o pulmão, o nome dado não será pneumonia, mas conforme a localização acometida. Por exemplo, a inflamação que se restringe à traqueia é chamada traqueíte, inflamação nos brônquios, bronquite, traqueia e brônquios, traqueobronquite, e assim por diante.

Sinais de emergência

Nos casos de sinais ou sintomas de maior gravidade, é fundamental que procure um atendimento de emergência para avaliação médica de imediato. São eles:

  • Falta de ar,
  • Dor no peito incapacitante,
  • Fraqueza extrema,
  • Sonolência,
  • Confusão,
  • Recusa alimentar (especialmente a recusa em bebês pequenos),
  • Piora dos sintomas após 48h de tratamento com antibióticos.

A piora dos sintomas após 48 h de tratamento, com os antibióticos em uso correto, sugere uma complicação pulmonar, como o derrame pleural, abscesso, pneumotórax, entre outros.

Todas essas possibilidades são altamente prejudiciais e oferecem risco de morte se não tratadas rapidamente, por isso devem ser avaliadas em serviço de urgência médica.

Leia também:

O que é gripe e quais os sintomas?

Posso tomar vacina da gripe se eu estiver gripado?

Verdades e mitos sobre pneumonia
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Existem muitas dúvidas quanto à pneumonia e ditos populares, que podem confundir e atrapalhar no diagnóstico e tratamento da doença.

A pneumonia é uma doença muito comum, que pode deixar sequelas se não for tratada a tempo.

Por isso é importante entender os sinais e sintomas da doença, aqueles que devem ser valorizados e os principais cuidados que devem ser seguidos.

Verdades sobre a pneumonia 1. A pneumonia pega.

Verdade. Alguns tipos de pneumonia podem ser transmitidos, principalmente nos casos de pneumonia viral, quando o germe é facilmente propagado pelo ar.

No entanto, é importante entender que transmitir o vírus, não quer dizer que a pessoa irá desenvolver também uma doença. Geralmente a transmissão desencadeia um episódio de gripe ou resfriado, a não ser que a imunidade da pessoa esteja comprometida.

2. Pneumonia pode não ter febre.

Verdade. Pessoas com baixa imunidade podem não ter febre, por não acelerar o metabolismo e produzir anticorpos suficientes para elevar a temperatura do corpo.

São exemplos de baixa imunidade, mulheres grávidas, idosos, crianças pequenas, portadores de doenças autoimunes, pacientes com HIV, uso crônico de imunossupressores ou corticoides.

3. Pneumonia tem tratamento.

Verdade. A pneumonia tem tratamento, e o tratamento deve ser direcionado ao agente causador da infecção.

A pneumonia pode ser causada por diferentes agentes, bactérias, vírus, fungos e parasitas. Para cada germe existem medicamentos mais apropriados. De acordo com as características da doença, história clínica e exames laboratoriais, o médico é capaz de suspeitar do provável agente e conduzir o tratamento.

Nos casos duvidosos ou mais graves, embora seja iniciado o tratamento da mesma forma, é solicitado exames para identificar o micro-organismo.

O tratamento pode ser domiciliar, nos casos mais leves, com orientações de alimentação, hidratação, cuidados gerais e o antibiótico oral. Nos casos mais graves, o tratamento deve ser realizado internado, com o antibiótico administrado pela veia.

4. Pneumonia tem cura.

Verdade. A pneumonia deve ser tratada corretamente e acompanhada de perto, visto que é uma doença comum e a medicação cura após eliminar o germe. Entretanto, pode evoluir com maior gravidade, inclusive com risco de morte, nos casos de baixa imunidade ou quando demora a iniciar o tratamento.

Sendo assim, nos casos de febre por mais de 48h, piora dos sintomas ou falta de ar intensa, é preciso retornar ao atendimento médico, para reavaliação.

5. O antibiótico é o suficiente para tratar uma pneumonia.

Verdade. Sendo feito o correto diagnóstico e escolha do antibiótico direcionado para o germe que está causando a infecção, sim, o antibiótico é o principal tratamento e suficiente para atingir a cura.

A boa alimentação, hidratação e repouso, contribuem para a resposta mais rápida no combate à doença, ajudam a evitar maiores complicações, mas não são capazes eliminar o micro-organismo sem o antibiótico.

6. Existe pneumonia silenciosa?

Sim, verdade. Existe uma pneumonia que podemos chamar de "silenciosa" porque não apresenta os sinais e sintomas esperados para uma infecção pulmonar.

Isso pode acontecer em situações de imunidade extremamente baixa, como nos casos de tratamento para câncer (uso de quimioterapia), idosos acamados e pacientes com AIDS em estágio avançado.

As condições de baixa imunidade, não permitem que o organismo desenvolva os sinais e sintomas de defesa típicos, como a tosse, febre ou dor no peito, retardando o diagnóstico e tratamento.

Os sintomas costumam ser inespecíficos, como um desânimo, mal-estar, falta de apetite e apatia.

7. Tabagistas tem mais pneumonia.

Verdade. Fumantes tem duas vezes mais chance de desenvolver pneumonia quando entram em contato com vírus e bactérias, do que não fumantes. Porque o pulmão e as barreiras do organismo são danificados pelas substâncias contidas no cigarro, deixando o organismo mais enfraquecido e propenso às infecções pulmonares.

Não só para pneumonia, mas os tabagistas têm maior risco também de desenvolver doenças cardiovasculares, câncer e doenças crônicas.

O tabagismo é uma doença, causada pela dependência da nicotina, portanto deve ser tratada por um médico pneumologista.

Mitos sobre a pneumonia 1. Existe "princípio de pneumonia".

Não. Mito. O termo "princípio de pneumonia" é um termo popularmente utilizado, porém não é aceito no meio médico porque o quadro de pneumonia significa uma infecção do trato respiratório.

Se existe uma infecção do tecido, o termo correto é a pneumonia. Não havendo a pneumonia, o termo designado deve o do local acometido, no caso de inflamação na traqueia, chama-se traqueíte, nos brônquios, bronquite, nos seios da face, sinusite, e sendo apenas resfriado, ou gripe, já possuem suas denominações.

2. Toda pneumonia tem os mesmos sintomas.

Não. É um Mito. Nem toda pneumonia é igual ou apresenta os mesmos sintomas. Sabemos que existem sintomas mais comuns, mas cada organismo pode responder de uma forma e com uma intensidade diferente.

A tosse é um desses exemplos, pois trata-se de um sintoma comum a quase todos os casos, que pode se apresentar como tosse seca ou tosse produtiva, com catarro amarelado ou esverdeado. Existem ainda casos de tosse com pequena quantidade de sangue, como na pneumonia tuberculosa.

A febre, costuma ser alta, mas em pessoas com baixa imunidade pode ser discreta ou nem aparecer. A dor no peito, varia com a condição física de cada pessoa. E o cansaço, pode ser descrito como "dor nas juntas", mal-estar, fadiga, ou nem ser notado.

Os sintomas podem variar também conforme as medicações em uso. Basta lembrar que muitas pessoas têm por hábito, fazer uso de "xaropes" para a tosse assim que começa uma tosse seca. Essas medicações além de não tratar, podem mascarar sinais e sintomas importantes para se detectar a doença mais rapidamente.

Motivo pelo qual os médicos pedem para não fazer uso de antitussígenos por conta própria.

3. A pneumonia começa com a gripe.

Mito. É verdade que na grande maioria das vezes a pneumonia é originada por vírus ou bactérias de um gripe mal curada, porém existem outras causas de pneumonia.

Uma delas é a pneumonia aspirativa, quando a pessoa tem uma alteração do nível de consciência, permitindo a entrada de substâncias tóxicas, geralmente vindas do estômago, para o pulmão. Isso costuma acontecer nas crises convulsivas, em pacientes com demência avançada e engasgos frequentes, casos de coma alcoólico ou doença neurodegenerativa.

Outra situação é a inalação de substância químicas como em uma situação de incêndio, chamada pneumonia química. Nesses casos não tem relação alguma com gripe ou resfriado.

Na suspeita de pneumonia, procure sempre um atendimento médico para avaliação.

Leia também: Quais são os sintomas de uma pneumonia?