Perguntar
Fechar

Queda

Pressão baixa, desmaios, boca e unhas roxas e queda de cabelo, o que pode ser?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

Pressão baixa, desmaios, boca e unhas roxas e queda de cabelo pode ser um distúrbio endocrinológico chamado doença de Addison, também conhecida como insuficiência adrenal crônica ou hipocortisolismo, é um distúrbio causado pelo mal funcionamento das glândulas adrenais, que ficam na região acima dos rins, no qual ocorre uma redução significativa da produção do hormônio cortisol e, algumas vezes, da aldosterona.

Alguns sintomas da insuficiência adrenal crônica são: fadiga e fraqueza, emagrecimento, queda de cabelos, escurecimento da pele nas áreas mais expostas ao sol e nas dobras do corpo, pressão baixa, tontura e desmaios, dores na barriga, na cabeça e musculares, diarreia, irritabilidade e depressão, vontade de comer sal e alimentos salgados, hipoglicemia, enjoos e vômitos.

A doença de Adisson pode ser causada por uma alteração do sistema imunitário do organismo que o leva a produzir anticorpos contra suas próprias glândulas adrenais e que passam a agredi-las. A insuficiência adrenal crônica também pode ser provocada por outras doenças como a tuberculose, AIDS, tumores, hemocromatose, sarcoidose, hiperplasia adrenal congênita e pelo uso crônico de alguns medicamentos.

O  diagnóstico e tratamento da insuficiência adrenal é feito pelo endocrinologista.

Queda de cabelo feminino, o que pode ser? Como tratar?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

A queda de cabelo feminino pode ter muitas causas, como doenças no couro cabeludo ou no organismo, falta de vitaminas, uso de produtos químicos ou devido à herança genética. O sucesso do tratamento para a queda de cabelos no homem ou na mulher depende da identificação da sua causa. Quando não há possibilidade de interromper a queda ou estimular o crescimento do cabelo com medicamentos, o transplante de cabelos pode ser uma solução.

Algumas causas e tratamentos para a queda de cabelo:

  • herança genética, o tratamento é feito com o uso de medicamentos para para tentar minimizar a queda e estimular o crescimento dos fios,
  • doenças hormonais, como o hipotiroidismo ou doença de Addison, deve-se tratar a doença assim que for diagnosticada,
  • doenças do couro cabeludo, como caspa, foliculites e tinea capitis, devem ser tratadas com shampoos específicos e medicamentos,
  • produtos químicos, como tinturas, alisantes e descolorantes, quando usados exageradamente ou em concentrações inadequadas podem levar à queda dos cabelos,
  • o esticamento ou tração dos cabelos, tanto em penteados frequentes como mantendo-os presos e repuxados constantemente, podem contribuir para a sua queda,
  • equipamentos térmicos, como as pranchas ou chapinhas e outros aparelhos que usam calor para arrumar os cabelos, podem acelerar sua queda,
  • doenças auto-imunes, como alopécia areata e lúpus eritematoso sistêmico,
  • deficiência de vitaminas como as vitamina A, B, D podem levar à queda de cabelos, sendo evitadas com uma alimentação variada e saudável, ou com o uso suplementar de vitaminas quando houver problemas relacionados à sua má absorção,
  • tricotilomania, distúrbio psiquiátrico no qual a pessoa arranca os cabelos, deve ser tratado pelo psiquiatra e psicólogo,
  • medicamentos, como os usados para tratamento do câncer.

Leia também:

Antibiótico pode causar queda de cabelo?

Ovários policísticos podem causar queda de cabelo?

O dermatologista é o especialista que poderá diagnosticar a causa da queda de cabelos, orientar o seu tratamento ou o encaminhamento à outros profissionais da saúde.

Queda de cilios é normal?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

Sim, a queda de cílios é normal quando ocorre de vez em quando, porque faz parte do processo de renovação do cílios. A cada 3 a 5 meses o cílio cai e nasce um outro no seu lugar.

Quando a queda dos cílios leva à falhas ou à falta total desses (madarose ou alopécia ciliar) significa que está ocorrendo algum problema. As causas da queda dos cílios podem ser variadas, tais como  inflamações nas pálpebras (blefarites), alergia à maquiagens e poluição. Em alguns casos, a queda os cílios pode ser devida à doenças como hipotiroidismo, lúpus, alopécia areata, herpes zoster, desnutrição, sífilis, hanseníase, abuso de drogas e tumores.

Com o tratamento da causa da queda pode ocorrer a recuperação dos cílios. Nos casos em que o tratamento medicamentoso não consegue corrigir a perda, algumas técnicas de cirurgia podem diminuir o problema.

O clínico geral poderá diagnosticar e tratar da causa da queda dos cílios ou encaminhar ao especialista, quando necessário.

Estou com muita queda de cabelos, o que eu faço?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A queda de cabelos, pode ter causas variadas, e o tratamento vai depender da sua causa.

Entre as mais comuns estão: fator genético, ansiedade, estresse, distúrbios hormonais, medicamentos, entre outros. Acometem tanto homens quanto mulheres.

Seja qual for a causa, precisam de orientação e tratamento médico, e quanto mais cedo for iniciado, melhor será o resultado.

Os tratamentos médicos indicados podem ser:

  • Correção de distúrbios hormonais
  • Medicamentos tópicos (soluções de minoxidil e 17 alfa estradiol)
  • Medicamentos orais (finasterida, antiandrógenos sistêmicos, como ciproterona e espironolactona)
  • Lasers que podem estimular o crescimento dos fios
  • Transplante de cabelo, nos casos mais acentuados
  • Tratamento para transtornos de ansiedade ou sintomas psicológicos.

A alimentação também tem papel importante no tratamento da queda de cabelo. O consumo de frutas, verduras, proteínas e ferro é essencial para garantir o nascimento e o crescimento dos fios de cabelo.

Evitar o uso abusivo de produtos químicos, como alisamentos e tinturas à base de amônia, pois danificam os fios, deixando-os frágeis e quebradiços, o que acentua a queda de cabelos.

Ter um estilo de vida saudável, com uma alimentação balanceada, ajuda a evitar a queda de cabelos. O uso de suplementos também auxilia na prevenção da perda excessiva de cabelos.

Realizar atividade física de forma regular, ou acompanhamento psicológico, quando for necessário, auxilia tanto o equilíbrio hormonal quanto mental, favorecendo no tratamento.

Lavar os cabelos todos os dias não faz o cabelo cair. Contudo, a temperatura do secador não deve ser muito alta e deve-se mantê-lo a uma distância de pelo menos 30 centímetros do cabelo. Também deve-se evitar puxar muito o cabelo na hora de secá-lo.

As pinturas no cabelo não devem ser feitas mais de uma vez por mês e aconselha-se evitar pintar os cabelos no mesmo dia de realizar outro tratamento danoso ao cabelo, como alisamento.

É importante lembrar que a calvície deve ser tratada com profissional especializado, receitas caseiras e xampus fortificantes não são capazes de resolver o problema.

Vale lembrar que a queda de cabelo nem sempre é sinal de doença. É normal perder por dia cerca de 100 fios de cabelo. Ainda, algumas situações causam a queda de cabelo, sem que signifique uma doença, como estações do ano ou durante a amamentação.

Tipos de queda de cabelo

A maior parte das doenças que causa queda de cabelo afetam o fio de duas formas principais:

Interferência no ciclo do folículo piloso (fio de cabelo)

Mudança de estação (Verão-Outono), má alimentação, cirurgias e uso de alguns medicamentos podem interferir no ciclo do cabelo e causar uma queda maior de fios. Se a queda de cabelos for muito intensa, pode-se notar a presença de menos cabelo no couro cabeludo.

Lesão da porção do folículo piloso responsável pela sua regeneração

Existem diversas doenças inflamatórias que atingem o couro cabeludo e podem causar queda de cabelo. Mesmo na calvície, a queda de cabelos é provocada por processos inflamatórios associados a fatores genéticos. Como resultado, as células que regeneram o fio de cabelo morrem, deixando os cabelos mais finos e frágeis.

Saiba mais em: O que é alopecia?

É possível prevenir a queda de cabelo?

Se a causa da queda de cabelos for a alopecia androgenética, não há como prevenir, já que se trata de um problema genético. Para outras situações, alguns cuidados podem ajudar a diminuir a queda de cabelo.

Portanto, na observação de queda de cabelo, procure um/a médico/a dermatologista para que seja avaliado as características e as prováveis causas do problema.

Leia também:

Queda de cabelo feminino, o que pode ser? Como tratar?

Quais os problemas que causam queda de cabelo?

Problema na tireoide pode causar queda de cabelo?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Sim, problemas na tireoide, como hipotireoidismo e hipertireoidismo, podem causar queda de cabelo. Esses distúrbios na tireoide são diagnosticados através de exames laboratoriais e, se forem devidamente tratados, é possível reverter a queda de cabelo.

A principal causa de problemas na tireoide são as doenças autoimunes, em que os anticorpos do próprio corpo atacam os hormônios tireoidianos, causando hipotireoidismo, ou fazem aumentar a sua produção, levando ao hipertireoidismo.

A tireoide é a glândula responsável pelo bom funcionamento corpo, sendo responsável pelo controle do metabolismo e equilíbrio dos sistemas. A tireoide atua diretamente sobre:

  • Ganho ou perda de peso;
  • Regulação da temperatura corporal;
  • Pressão arterial;
  • Frequência cardíaca;
  • Força muscular;
  • Funcionamento do intestino;
  • Memória;
  • Humor.

Portanto, quando os hormônios dessa glândula são produzidos em excesso ou de forma insuficiente, todas essas funções sofrem alterações importantes, provocando diversos sintomas. Um deles é a queda de cabelo acentuada.

Consulte um médico de família ou clínico geral para uma avaliação inicial. Em alguns casos pode ser necessário também o acompanhamento por um endocrinologista. O dermatologista pode ajudar a melhorar a queda dos fios enquanto a doença de base está sendo tratada.

Leia também:

Quais são os sintomas de tireoide alterada?

O que é alopecia?

Estou com muita queda de cabelos, o que eu faço?

Ovários policísticos podem causar queda de cabelo?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim, ovários policísticos podem causar queda de cabelo devido ao excesso de testosterona no organismo da mulher. Além de fazer cair cabelo, a testosterona também é responsável por alguns dos principais sinais e sintomas da síndrome dos ovários policísticos, como:

  • Excesso de pelos no corpo;
  • Crescimento anormal de pelos no peito, abdômen, queixo e rosto;
  • Aumento da oleosidade da pele, com aparecimento de cravos e espinhas;
  • Aumento do peso;
  • Manchas na pele, sobretudo nas axilas e atrás do pescoço.

Outros sinais e sintomas da síndrome dos ovários policísticos incluem:

  • Ciclo menstrual irregular;
  • Ausência de menstruação;
  • Aumento do tamanho do ovário;
  • Infertilidade.

No entanto, é importante dizer que nem todas as mulheres com ovários policísticos irão apresentar queda de cabelo ou todos esses sinais e sintomas.

Para resolver a queda de cabelo é preciso tratar os ovários policísticos, que são a causa do problema. O tratamento pode incluir:

  • Dieta rica em legumes, verduras e frutas, com pouca gordura, açúcar e sódio;
  • Exercícios físicos regulares;
  • Medicamentos para equilíbrio hormonal, como anticoncepcionais;
  • Medicamentos para combater a resistência à insulina.

Saiba mais em: Ovários policísticos têm cura? Qual o tratamento?

Além disso, o tratamento da queda de cabelo também pode ser realizado com medicamentos tópicos e lasers que estimulam o crescimento dos fios.

O tratamento da síndrome dos ovários policísticos é da responsabilidade do/a médico/a ginecologista. Para maiores informações sobre a queda de cabelo e os tratamentos disponíveis, você pode consultar também o/a médico/a dermatologista.

Também pode lhe interessar: Quais os problemas que causam queda de cabelo?

Antibiótico pode causar queda de cabelo?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

É possível alguns antibióticos como a gentamicina causarem queda de cabelo, contudo a grande maioria dos antibióticos não causam esse problema. Quando ocorre a queda de cabelo é transitória e não acontece em todas as pessoas, assim como outros efeitos colaterais do antibiótico.

Outras classe de medicamentos também estão associadas com a queda de cabelo como:

  • Anti-hipertensivos;
  • Anticoncepcionais;
  • Anti-inflamatórios;
  • Anticoagulantes;
  • Hipocolesterolêmicos;
  • Antidepressivos;
  • Anticonvulsivantes;
  • Antifúngicos;
  • Quimioterápicos. 

Esses fármacos podem alterar o ciclo de vida normal do fio e provocar queda do cabelo.

Se o seu cabelo começou a cair depois de ter começado a tomar antibiótico ou qualquer outro medicamento, verifique na bula do medicamento se a queda de cabelo está entre os possíveis efeitos colaterais.

Leia também: Quais podem ser os efeitos colaterais dos antibióticos?

Em todo caso, se observar perda de cabelo ou qualquer outra reação enquanto estiver usando o antibiótico, fale com o médico que receitou o medicamento. Na maioria dos casos ao término do tratamento o cabelo volta ao normal. 

Também pode lhe interessar: Estou com muita queda de cabelos, o que eu faço?

Anticoncepcional pode causar queda de cabelo?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim. Alguns anticoncepcionais podem causar queda de cabelo.

Os anticoncepcionais contendo estrógeno em combinação com progesterona podem provocar perda de cabelo tanto no couro cabeludo quanto em outros locais do corpo.

Por ser um possível efeito colateral do anticoncepcional, a queda de cabelo não é observada necessariamente em todas as pessoas que fazem uso da medicação.

Toda medicação pode provocar efeitos indesejáveis além do seu efeito esperado. No momento da escolha do início da medicação ou da continuação da mesma, os efeitos indesejáveis devem ser ponderados e, caso sejam superiores aos benefícios, é recomendado optar por outra medicação ou método anticoncepcional.

Caso a queda de cabelo seja intensa e provoque incômodo em você, procure o/a ginecologista, clínico/a geral ou médico/a de família para uma avaliação.

Leia também:

Quais os problemas que causam queda de cabelo?

Anticoncepcional oral tem efeitos colaterais?

Vantagens e desvantagens do anticoncepcional injetável?

10 motivos para mudar de anticoncepcional

Estou sentindo enjoo e queda de pressão e muito mal estar após relação, posso estar grávida ?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sim. Os sintomas de enjoo, queda de pressão e mal-estar podem estar relacionados com as alterações no organismo da mulher nos primeiros meses de gestação. Entretanto são sintomas que também podem ser encontrados em outras situações de saúde, como nos casos de anemia, gastrite, carência de vitaminas e distúrbios hormonais.

O sinal mais precoce para a suspeita de gravidez é o atraso menstrual, embora algumas mulheres apresentem sintomas de náuseas e ou vômitos mesmo antes do atraso.  

Portanto é importante que avalie além dos sintomas que está sentindo, se houve falha no método de contracepção que faz uso, se sua menstruação está atrasada, e se existem outros sintomas típicos de início de gestação, como sonolência e sensibilidade nas mamas.

Nos casos de suspeita de gravidez você deve sempre agendar consulta com médico/a clínico geral, médico/a da família ou ginecologista para avaliação, solicitação de testes de gravidez, como Beta-HCG, e outros que se façam necessário, para definir ou descartar essa possibilidade e dar seguimento a investigação e devidas orientações médicas.

Saiba mais sobre o assunto nos links abaixo:

Tomografia pode causar queda de cabelo?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Sim, mas muito dificilmente, isto porque a tomografia pode causar queda de cabelo apenas se a dose de radiação for muito elevada. O cabelo de uma pessoa pode cair se for recebida uma quantidade de radiação de 750 mSv (miliSievert). Porém, numa tomografia de abdômen, por exemplo, o corpo absorve "apenas" 8,0 mSv.

Apesar de 8 mSv ser considerada uma dose considerável de radiação, não é suficiente para fazer cair o cabelo. No entanto, tomografias sucessivas podem ter um efeito cumulativo no organismo e trazer riscos à saúde, podendo inclusive aumentar as chances de desenvolver certos tipos de câncer.

No caso da queda de cabelo, ela pode ocorrer após 2 a 3 semanasda realização da tomografia. Contudo, esses casos são raros e isolados.

Além da queda de cabelo, uma exposição a altas doses de radiação pode causar os seguintes efeitos colaterais imediatos:

  • Queimaduras na pele;
  • Diminuição dos glóbulos brancos do sangue;
  • Anemia;
  • Catarata.

Leia também: Tomografia pode causar câncer?

No entanto, desde que as doses de radiação sejam bem controladas e os exames não sejam feitos desnecessariamente, os benefícios da tomografia computadorizada superam os seus riscos.

Para maiores esclarecimentos sobre os possíveis efeitos da tomografia no organismo, fale com o médico radiologista responsável pelo exame.

Também pode lhe interessar: Tomografia de crânio: como é feita e para que serve?

Quais os problemas que causam queda de cabelo?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A queda de cabelo pode ter muitas causas e nem sempre está relacionada com doenças ou problemas de saúde. Na maioria das vezes, a perda de cabelos é causada por fatores genéticos, envelhecimento ou condições passageiras e modificáveis, como uso de medicamentos, dieta, estresse, entre outras.

Por outro lado, em alguns casos, ter o cabelo caindo pode ser sinal de infecção, anemia, tumor no ovário, entre outras doenças e problemas que precisam ser identificados e tratados.

Fator genético e envelhecimento

Tanto o homem como a mulher tendem a perder a espessura e a quantidade de cabelos com a idade. Esse tipo de queda de cabelo geralmente não é causado por doenças e está relacionado ao envelhecimento, à genética e às alterações hormonais.

Essa forma de calvície afeta muito mais o sexo masculino do que o feminino. A queda de cabelo em homens pode ocorrer em qualquer momento após a puberdade. Aos 70 anos, cerca de 80% dos homens mostram algum sinal de calvície. Entre as mulheres a doença mais comum é a alopecia androgenética, que atinge em média 20% da população feminina, em diferentes graus.

Estresse físico ou emocional

O estresse físico ou emocional pode causar a queda de mais da metade dos fios de cabelo do couro cabeludo. Esse tipo de perda de cabelos é chamado eflúvio telógeno. O cabelo tende a cair em mechas ao lavar, pentear ou passar as mãos.

Nesses casos, o cabelo pode começar a cair depois de semanas ou meses após o episódio de estresse. Porém, a queda de cabelo tende a diminuir depois de 6 a 8 meses. O eflúvio telógeno geralmente é temporário, mas pode se tornar crônico ou durar mais tempo.

As causas deste tipo de queda de cabelo, além de estresse emocional, incluem também, febre alta ou infecção grave, parto, grandes cirurgias, doenças graves, perda de sangue repentina, dietas radicais (sobretudo aquelas que não têm proteínas suficientes) e uso de certos medicamentos (retinoides, pílulas anticoncepcionais, betabloqueadores, bloqueadores dos canais de cálcio, alguns antidepressivos e anti-inflamatórios).

Algumas mulheres entre 30 e 60 anos podem notar uma queda de cabelo que afeta todo o couro cabeludo. A perda de cabelo pode ser abundante no início e depois diminui ou para gradualmente.

Outras causas de queda de cabelo

Outras causas de perda de cabelo, especialmente se o cabelo estiver caindo fora de um padrão comum, incluem:

  • Alopecia areata (caracteriza-se pelo aparecimento de áreas sem cabelo no couro cabeludo, podendo afetar ainda a barba, as sobrancelhas e os cílios);
  • Anemia;
  • Doenças autoimunes, como lúpus;
  • Queimaduras;
  • Doenças infecciosas, como sífilis;
  • Uso excessivo de xampu e secador;
  • Alterações hormonais, como que ocorre após a menopausa e doenças da tireoide;
  • “Tiques” nervosos, como puxar os cabelos ou esfregar o couro cabeludo;
  • Radioterapia;
  • Micose ou infecções bacteriana no couro cabeludo;
  • Tumor no ovário ou nas glândulas suprarrenais e
  • Penteados que aumentam muito a tensão nos fios de cabelo.

Uma vez que a perda de cabelo pode ser sinal de doenças e problemas mais graves, é importante ter atenção a outros sinais e sintomas. Procure um médico se:

  • A queda de cabelo apresentar um padrão fora do comum;
  • O cabelo estiver caindo rapidamente;
  • Tiver queda de cabelo antes dos 30 anos de idade;
  • A perda de cabelo vier acompanhada de dor ou coceira;
  • A pele do couro cabeludo na área afetada estiver avermelhada, apresentar descamação ou algum outro tipo de anormalidade;
  • Desenvolver pela primeira vez acne, perceber crescimento de pelos faciais ou irregularidades no ciclo menstrual (mulheres);
  • For mulher e apresentar calvície tipicamente masculina;
  • Homens que apresentem áreas sem pelos na barba ou nas sobrancelhas;
  • Houver ganho de peso ou fraqueza muscular, intolerância a baixas temperaturas ou fadiga.

O médico dermatologista é o especialista indicado para diagnosticar a causa da queda de cabelo e prescrever o tratamento mais adequado, de acordo com cada caso.

O que causa queda de cabelo e como tratar?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

A queda de cabelo parcial ou total é chamada de alopecia. A perda de cabelo ocorre gradualmente e pode acontecer de forma localizada ou generalizada. Em geral, todos nós perdemos cerca de 100 fios de cabelo por dia, sendo que o couro cabeludo contém cerca de 100.000 cabelos.

Quais as causas da queda de cabelo? Hereditariedade

Homens e mulheres tendem a perder a espessura e a quantidade de cabelos com a idade. Este tipo de queda de cabelo geralmente não é causado por doença e está relacionado com envelhecimento, herança genética e alterações no hormônio testosterona.

A perda de cabelo hereditária ou padrão afeta muito mais homens do que mulheres. A calvície masculina pode acontecer a qualquer momento após a puberdade. Aos 70 anos, cerca de 80% dos homens mostram algum sinal de queda de cabelo.

Estresse físico ou emocional

O estresse físico ou emocional pode causar a queda de mais da metade do cabelo. Esse tipo de perda de cabelo é chamado eflúvio telógeno. O cabelo tende a cair em mechas ao lavar, pentear ou passar as mãos pelos cabelos.

Nesses casos, a queda de cabelos pode ocorrer depois de semanas ou meses do episódio de estresse. Depois disso, a perda de cabelo tende a diminuir durante 6 a 8 meses. O eflúvio telógeno geralmente é temporário, mas pode se tornar crônico.

As causas desse tipo de queda de cabelo incluem:

  • Febre alta ou infecção grave;
  • Parto;
  • Grandes cirurgias, doenças graves, sangramento súbito;
  • Estresse emocional intenso;
  • Dietas radicais, especialmente aquelas que não contêm proteínas suficientes;
  • Medicamentos (retinoides, pílulas anticoncepcionais, beta-bloqueadores, bloqueadores dos canais de cálcio, alguns antidepressivos e anti-inflamatórios).

Algumas mulheres entre 30 e 60 anos podem notar uma queda de cabelo que afeta todo o couro cabeludo. A perda de cabelo pode ser abundante no início e depois diminui ou cessa gradualmente. A causa desse tipo de eflúvio telógeno não é conhecida.

Outras causas de queda de cabelo

Outras causas de queda de cabelo, especialmente se a perda de cabelo seguir um padrão incomum, incluem:

  • Alopecia areata (áreas sem cabelos ou pelos que surgem no couro cabeludo, na barba, nas sobrancelhas, podendo ainda haver queda de cílios);
  • Anemia;
  • Doenças autoimunes, como lúpus;
  • Queimaduras;
  • Doenças infecciosas, como sífilis;
  • Excesso de lavagens do cabelo ou uso excessivo de secador;
  • Alterações hormonais;
  • Doenças da tireoide;
  • Puxar os cabelos continuamente ou esfregar o couro cabeludo;
  • Radioterapia;
  • Micose do couro cabeludo;
  • Tumor no ovário ou nas glândulas suprarrenais;
  • Penteados que aumentam muito a tensão nos folículos capilares;
  • Infecções bacterianas do couro cabeludo.
Qual é o tratamento para queda de cabelo?

A queda de cabelo causada por menopausa ou parto geralmente desaparece depois de 6 meses a 2 anos. A perda de cabelo devido a doença (como febre), radioterapia, uso de medicamentos ou outras causas, não necessita de tratamento. Nesses casos, o cabelo volta a crescer quando a doença cessar ou o tratamento terminar.

O uso de extensões, perucas ou mudanças de penteado podem ajudar a disfarçar a queda de cabelo. As perucas não devem ser suturadas (costuradas) no couro cabeludo devido ao risco de cicatrizes e infecções.

Podem ser indicados ainda medicamentos em forma de solução, como minoxidil, para serem aplicados no couro cabeludo e estimular o crescimento do cabelo. Outros medicamentos, como hormônios, podem ser prescritos para diminuir a perda de cabelo e promover o crescimento.

Para tratar a queda de cabelo em homens, podem ser utilizadas medicações como finasterida e dutasterida para diminuir a perda de cabelo e gerar novo crescimento capilar.

Se a queda de cabelo for causada pela deficiência de alguma vitamina, recomenda-se o uso de suplemento.

O transplante capilar também pode ser indicado em algumas situações de queda de cabelo.

O médico dermatologista é o especialista indicado para diagnosticar e tratar casos de perda de cabelo.