Sono

O que pode causar cansaço excessivo?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A causa mais frequente de cansaço excessivo são os distúrbios do sono. Pessoas que não dormem bem à noite geralmente se sentem cansadas constantemente e ficam sonolentas durante o dia.

Contudo, o cansaço excessivo também pode ser sinal de:

  • Hábitos e estilo de vida inadequadas;
  • Depressão, ansiedade, estresse;
  • Anemia;
  • Problemas cardíacos;
  • Distúrbios da tireoide;
  • Câncer;
  • Doença renal crônica;
  • Distúrbios gástricos (mau funcionamento do fígado);
  • Doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), enfisema pulmonar;
  • Diabetes, entre outras doenças e condições.

Distúrbios do sono

Quando o cansaço é decorrente da má qualidade do sono, a pessoa também pode apresentar excesso de sonolência durante o dia, irritação, dificuldade de concentração e queda no rendimento pessoal e profissional.

Veja também: 8 dicas para regular o seu sono

Além de causar um cansaço excessivo e constante, os transtornos do sono podem aumentar o risco de doenças cardiovasculares como arritmias e hipertensão arterial, obesidade, alterações do crescimento, epilepsia, AVC ("derrame"), déficit de atenção, refluxo gastroesofágico, depressão, ansiedade, entre outros problemas de saúde.

Por isso trata-se de uma doença que não deve ser ignorada. Procure um tratamento assim que possível, se esse for o seu caso.

Hábitos e estilo de vida inadequados

Os hábitos e estilo de vida inadequados são causas bastante comuns de cansaço excessivo, como o consumo abusivo de bebidas alcoólicas, excesso de exercícios físicos ou sedentarismo, efeitos colaterais de certos medicamentos e maus hábitos alimentares.

Vale lembrar que cansaço e sonolência não são a mesma coisa, apesar do cansaço excessivo geralmente vir acompanhado de sono. Nos casos de cansaço excessivo crônicos, além da sonolência, a pessoa não tem motivação nem energia para fazer seja o que for.

Apesar de poder indicar algum problema de saúde, na maioria das vezes o cansaço excessivo está relacionado com hábitos e rotinas inadequadas, que podem ser identificadas e modificadas para a melhora do sintoma.

Depressão, ansiedade e estresse

São condições frequentes hoje na nossa população, e trazem como sintomas da síndrome, os distúrbios alimentares, o mau-estar, distúrbios do sono, desinteresse com o dia a dia, resultando na sensação de cansaço físico e mental, diariamente.

Anemia

No caso da anemia, o cansaço é provocado pela falta de hemoglobina. Esta proteína, que dá a cor vermelha ao sangue, é responsável por transportar o oxigênio para as células do corpo. Com menos oxigênio nas células, o corpo fica sem energia e surge o cansaço físico e mental.

Doenças cardíacas

O cansaço excessivo também pode ser causado por doenças graves, como insuficiência cardíaca e miocardite. Na insuficiência cardíaca, o coração não é capaz de bombear a quantidade de sangue necessária para o resto do corpo, gerando cansaço.

Já a miocardite é uma inflamação que atinge o coração. Os seus sintomas incluem falta de ar, cansaço, dor no peito e falta de disposição, podendo ser confundida com estresse. A doença pode ser causada por vírus, bactérias, fungos, bebidas alcoólicas ou uso drogas.

Doenças da tireoide, diabetes descompensado, doenças renais, reumatológicas, enfim, diversas patologias podem ter como um dos sintomas o cansaço, portanto é fundamental uma avaliação do clínico/a geral, ou médico/a da família, para que seu caso seja devidamente tratado e não causa riscos a mais para sua saúde.

Agende uma consulta médica.

Leia também:

O que é narcolepsia e quais são os sintomas?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Narcolepsia é um distúrbio do sono que causa sonolência extrema e ataques de sono durante o dia. A sua principal causa é a falta de uma proteína produzida pelo cérebro chamada hipocretina.

A hipocretina é uma das substâncias responsáveis por manter o estado de alerta diurno, ou seja, manter a pessoa acordada.

Pessoas portadoras de narcolepsia, apresentam uma quantidade menor de células que produzem a hipocretina. Isso parece acontecer devido a uma reação autoimune, quando o sistema imunológico ataca tecidos saudáveis do próprio corpo.

Além disso, os fatores genéticos e ambientais desempenham um papel importante no desenvolvimento da doença. A doença pode ser esporádica. Contudo, quem tem um parente de 1º grau com o distúrbio, possui cerca de 40 vezes mais chances de desenvolver narcolepsia do que quem não tem.

Quais os sintomas da narcolepsia?

Os principais sintomas da narcolepsia incluem sonolência excessiva durante o dia, cansaço crônico, cataplexia (perda de força muscular de forma súbita) e anormalidades do sono profundo (REM).

A narcolepsia pode causar ainda paralisia do sono, alucinações e sono repentino e profundo depois de alterações abruptas de emoções, como levar um susto ou dar uma gargalhada, por exemplo.

Os sintomas da narcolepsia geralmente começam a se manifestar entre os 15 e os 30 anos de idade. Existem dois tipos principais de narcolepsia (tipo 1 e tipo 2) e os sinais e sintomas podem variar entre eles:

Narcolepsia tipo 1: excesso de sono durante o dia, cataplexia e baixos níveis de hipocretina.

Narcolepsia tipo 2: excesso de sono durante o dia, ausência de cataplexia e níveis normais de hipocretina.

Sonolência extrema durante o dia

A pessoa pode sentir um desejo incontrolável de dormir, geralmente seguido por um período de sono. São os chamados ataques de sono. Esses períodos podem durar de alguns segundos a alguns minutos. Podem acontecer depois de comer, durante uma conversa, ao dirigir, entre outras situações.

Cataplexia

Durante esses ataques de sono, a pessoa não controla seus músculos e não consegue se mexer. Emoções fortes, como risos ou raiva, podem desencadear cataplexia.

Os ataques geralmente duram de 30 segundos a 2 minutos e a pessoa permanece consciente durante a crise. Durante o ataque, a cabeça inclina-se para a frente, a mandíbula cai e os joelhos podem dobrar. Em casos graves, a pessoa pode cair e ficar paralisada por vários minutos.

Apesar de ser um sinal característico da narcolepsia, a cataplexia normalmente só se manifesta após o surgimento da sonolência diurna excessiva.

É comum a cataplexia ser confundida com desmaios ou até mesmo epilepsia, já que a pessoa apresenta fraqueza muscular repentina e não consegue se movimentar por algum tempo. Isso tudo torna o diagnóstico da narcolepsia ainda mais difícil.

Alucinações

A pessoa vê ou ouve coisas que não existem, seja dormindo ou acordada. Durante as alucinações, a pessoa pode sentir medo ou como se estivesse sob ataque.

Paralisia do sono

Ocorre quando a pessoa não consegue mover o corpo quando começa a dormir ou quando acorda. Pode durar até 15 minutos.

A maioria das pessoas com narcolepsia tem sonolência diurna e cataplexia, nem todas apresentam paralisia do sono. Apesar de se sentirem muito cansadas, é comum pessoas com narcolepsia não dormirem bem à noite.

Qual é o tratamento para narcolepsia?

O tratamento da narcolepsia é feito com medicamentos estimulantes e antidepressivos, que ajudam a diminuir a sonolência e inibir a cataplexia. A narcolepsia não tem cura. O objetivo do tratamento é controlar os sintomas.

Os estimulantes ajudam o indivíduo a manter-se acordado durante o dia. Já os antidepressivos podem reduzir os episódios de cataplexia, paralisia do sono e alucinações.

O oxibato de sódio atua bem no controle da cataplexia, além de ajudar a controlar a sonolência diurna.

Além dos medicamentos, são indicadas algumas mudanças no estilo de vida para ajudar a melhorar a qualidade do sono noturno e aliviar a sonolência diurna:

  • Deite-se e acorde à mesma hora todos os dias;
  • Mantenha o quarto escuro e a uma temperatura agradável;
  • Evite cafeína, álcool e refeições pesadas pelo menos duas horas antes de ir dormir;
  • Não fume;
  • Faça algo relaxante antes de dormir, como tomar um banho quente ou ler um livro;
  • Pratique exercícios físicos regularmente todos os dias, mas pelo menos 4 horas antes de ir dormir;
  • Pratique os cochilos durante o dia, quando a pessoa está cansada, também ajuda a controlar a sonolência diurna e reduz a quantidade de ataques imprevistos de sono.

Apesar de não ter cura, a narcolepsia pode ser controlada com o tratamento. Tratar outros distúrbios do sono subjacentes também pode melhorar os sintomas dessa condição.

O/A médico/a neurologista especialista em distúrbios do sono é o/a profissional indicado/a para diagnosticar e tratar a narcolepsia.

Dormir após o almoço engorda, mito ou é verdade?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Mito. Não engorda. A ideia de que dormir após o almoço engorda não foi cientificamente comprovada, portanto é considerada um mito.

Aliás, segundo alguns médicos endocrinologistas, a prática de cochilar entre 15 a 40 minutos após o almoço é um hábito saudável e benéfico. Parece ser uma forma de defesa do organismo, forma de se organizar para desenvolver uma boa digestão. Quando o corpo relaxa, durante o sono, possibilita um desvio de fluxo sanguíneo adequado para o sistema gastrointestinal.

Uma boa digestão, por sua vez, auxilia no bem-estar, humor e memória das pessoas. Assim como uma boa qualidade de sono.

Claro que cada organismo possui suas particularidades, não são todos que sentem a necessidade de cochilar no período da tarde. Essa necessidade está mais relacionada com o relógio biológico de cada um, o tipo de alimentação consumida e hábitos de vida em geral.

Há pessoas que tem maior disposição pela manhã, por isso se alimentam mais nas refeições do dia, podendo apresentar maior sonolência após o almoço. Momento em que precisam "recarregar" as energias. Outras pessoas desempenham suas funções a noite, acordando mais tarde e, portanto, com menor consumo energético até o almoço, não costumam apresentar a vontade de cochilar.

Existe também uma forte relação com o tipo de alimentação. As alimentações mais pesadas e gordurosas acabam por exigir maior desempenho do sistema digestivo, por isso são pessoas que podem sentir mais necessidade do cochilo após a refeição.

Entretanto, os hábitos de vida são sabidamente o fator que mais interfere no aumento de peso e no emagrecimento. Pessoas que se alimentam bem, de forma balanceada e praticam atividades de maneira rotineira, não vão engordar mesmo que mantenham o hábito de cochilar de tarde.

Sendo assim, para evitar engordar é preciso manter uma rotina adequada, de boa alimentação, prática de atividade física e bom sono.

Para maiores esclarecimentos nesse assunto, agende uma consulta com um médico endocrinologista ou nutrologista, responsáveis pelas questões relacionadas a alimentação e hábitos saudáveis. Além de poder oferecer orientações especificas à sua necessidade.

Pode lhe interessa também: Tomar banho depois de comer faz mal?

Distúrbios do sono: Quais os principais tipos e como identificá-los?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Existem dezenas de distúrbios do sono. Os principais tipos de transtorno são classificados nos seguintes grupos: Insônia, distúrbios respiratórios do sono, narcolepsia, distúrbios do ritmo circadiano, parassonias, manifestações motoras noturnas e sintomas noturnos isolados.

Insônia

A insônia é um dos distúrbios do sono mais comuns e caracteriza-se pela dificuldade em adormecer ou manter o sono. A falta de uma ou várias noites de sono reparador pode trazer prejuízos na qualidade de vida e até na saúde da pessoa.

As insônias podem causar alterações de humor, irritabilidade, sonolência durante o dia, cansaço, dificuldade de concentração, prejuízos na memória, falta de motivação, aumento do risco de acidentes automobilísticos ou de trabalho, aumento da tensão muscular, dor de cabeça, entre outras consequências.

Insônias crônicas, ou seja, que duram mais de 3 meses, também aumentam o risco de depressão. Por outro lado, já se sabe que boa parte dos casos de insônia estão também relacionados a estados de ansiedade ou depressão.

Leia também: Qual o tratamento para insônia?

Distúrbios Respiratórios do Sono

Esse grupo de transtornos do sono engloba os distúrbios que provocam alterações no padrão normal da respiração. O mais frequente é a síndrome da apneia obstrutiva do sono, mais conhecida como apneia do sono. Esse distúrbio do sono causa obstrução das vias aéreas, podendo diminuir a concentração de oxigênio no sangue.

Os principais sintomas da apneia do sono incluem ronco, interrupções da respiração (apneias) durante o sono, sonolência excessiva durante o dia, dificuldade de concentração e prejuízos na memória.

Dentre as principais causas da apneia obstrutiva do sono estão a obesidade, as anomalias do crânio e da face e os distúrbios hormonais. Esse distúrbio do sono é mais comum em homens, principalmente entre os mais idosos e aqueles que têm história de apneia do sono na família.

Saiba mais em: Apneia do sono tem cura? Qual o tratamento?

Narcolepsia

Esse distúrbio do sono tem como principal sintoma a sonolência excessiva durante o dia. Outras características comuns da narcolepsia incluem cataplexia, paralisia do sono, fragmentação do sono noturno, alucinações, entre outras manifestações.

A narcolepsia geralmente começa a se manifestar entre os 10 e os 20 anos de idade, prejudicando a formação da personalidade, o desempenho escolar e acadêmico, além de aumentar o risco de acidentes de trânsito e trabalho.

A cataplexia, uma manifestação frequente desse distúrbio do sono, caracteriza-se por episódios repentinos de perda de força muscular durante o dia, muitas vezes causados por alterações emocionais

As alucinações ocorrem quando a pessoa está na transição entre dormir e acordar, manifestando-se normalmente sob a forma de experiências visuais, auditivas ou que envolvem diversos sentidos.

Já a paralisia do sono é a perda dos movimentos que ocorre ao adormecer ou, principalmente, ao acordar. A pessoa está consciente mas perde temporariamente a capacidade de se movimentar.

Leia também: O que é narcolepsia e quais são os sintomas?

Parassonias

As parassônias são distúrbios do sono que provocam eventos físicos, experiências desagradáveis e alterações comportamentais quando a pessoa está no ínicio do sono, durante o sono ou ao despertar.

As parassônias geralmente ocorrem durante a fase REM do sono, que é o estágio do sono profundo. Dentre os tipos mais comuns de parassônias estão o despertar confusional, o sonambulismo, o terror noturno e as parasssônias relacionadas ao sono REM.

O despertar confusional caracteriza-se por comportamentos confusos ou confusão mental ao acordar. No sonambulismo, o indivíduo desperta durante o sono profundo e caminha enquanto permanece com a consciência alterada durante um espaço de tempo.

Já os terrores noturnos manifestam-se sob a forma de gritos, choro e medo intenso. A pessoa dificilmente acorda durante os episódios, já que esse distúrbio ocorre na fase do sono profundo. Depois, ficam confusos e não se lembram do ocorrido.

As parassônias do sono REM têm como sintomas os comportamentos anormais, os pesadelos e a paralisia do sono frequente.

Os distúrbios comportamentais que ocorrem na fase do sono profundo (REM) podem interromper o sono ou até machucar a pessoa ou quem estiver dormindo com ela. O transtorno interrompe o relaxamento muscular que ocorre durante o sono REM, o que leva a pessoa a se movimentar de acordo com os sonhos que tem.

Já os pesadelos são sonhos ruins recorrentes, normalmente ligados ao medo e à ansiedade. Esse distúrbio do sono prejudica a qualidade do sono e a execução de tarefas durante o dia.

Veja também: Quais são as fases do sono e o que acontece em cada uma delas?

Distúrbios no Ritmo Circadiano

Esse distúrbio do sono é causado por alterações no relógio biológico do corpo e prejudica a qualidade de vida e do sono. Sua principal causa é o estilo de vida em que há pouco tempo dedicado ao sono. Tratam-se de pessoas que têm um padrão de sono diferente daquele adotado pela sociedade em geral, dormindo normalmente menos ou com horários de sono diferentes das outras pessoas.

Manifestações Motoras Noturnas

Esses distúrbios do sono têm como sinais e sintomas certos tipos de movimentos que prejudicam o sono. Dentre os mais comuns estão a síndrome das pernas inquietas, os movimentos periódicos dos membros e os bruxismo.

A síndrome das pernas inquietas provoca uma vontade muito forte de mexer as pernas durante o repouso, principalmente ao final do dia e à noite. O desconforto geralmente alivia ao movimentar as pernas ou andar.

Veja também: Síndrome das pernas inquietas tem cura? Qual é o tratamento?

Os movimentos periódicos dos membros podem ser decorrentes da síndrome das pernas inquietas, embora também possam ocorrer isoladamente. Esse distúrbio do sono caracteriza-se pela realização de movimentos repetitivos de braços ou pernas durante o sono.

O bruxismo associado ao sono caracteriza-se pelo ranger dos dentes de forma repetitiva durante o sono. O bruxismo pode fazer a pessoa acordar, prejudicando a qualidade do sono, além de causar dor na articulação da mandíbula e desgaste dos dentes.

Sintomas Noturnos Isolados

O distúrbio do sono mais comum desse grupo é o ronco. Trata-se de um ruído proveniente da via aérea superior, sobretudo durante a inspiração.

Também pode lhe interessar: Ronco tem tratamento?

É importante lembrar que os distúrbios do sono causados por transtornos mentais, doenças neurológicas ou outro tipo de problema de saúde não são considerados distúrbios do sono, mas sintomas da doença de base.

O tratamento dos distúrbios do sono pode incluir o uso de medicamentos, mudanças no estilo de vida, entre outras intervenções médicas de diferentes especialidade, como neurologia, psiquiatria, pneumologia e otorrinolaringologia.

Saiba mais em:

Quais os sintomas dos distúrbios do sono?

10 Dicas para Melhorar a Qualidade do Sono

Sono excessivo: o que pode ser?

Faz 2 meses que tenho menos dias de menstruação, muito sono e fazendo muito xixi. Se estiver grávida, posso mesmo assim fazer uma ecografia?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sim. Inclusive a Ecografia (ou Ultrassonografia), é um dos exames utilizados para confirmar ou descartar a gravidez.

A ecografia é um exame de imagem, realizado por um médico capacitado, na maioria das vezes um radiologista, que pode ser utilizado para avaliar diversos sistemas. No caso de investigação de gestação, nas primeiras semanas. a via mais indicada é a via transvaginal.

Antes mesmo da ecografia, por ser um exame que leva mais tempo para ser agendado, você pode realizar um dos testes de urina na farmácia, pois estão disponíveis e possuem alta sensibilidade, ou seja, mais de 90% de confiabilidade, e não necessita de receita médica. Ou o teste de dosagem de Beta HCG no sangue, teste mais específico, porém este necessita de pedido médico, e agendar o quanto antes uma consulta médica com ginecologista / obstetra, para avaliação e orientação adequada.

Vale ressaltar que os sintomas de menstruação irregular, sonolência e aumento da frequência urinária podem ter outras causas que não só a gravidez, por isso é fundamental a consulta com médico especialista, visando iniciar além da investigação de gestação, um check-up completo, clínico e hormonal. A hipertensão, a diabetes e os distúrbios de tireoide por exemplo, podem inicialmente apresentar quadro clínico semelhante a esse.

Em casos de alteração no ciclo menstrual, um médico ginecologista / obstetra deve ser consultado.

Pode lhe interessar também:

Para que serve e como usar Meloxicam? Provoca sono?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

O meloxicam é um anti-inflamatório indicado para tratar sintomas de osteoartrite e artrite reumatoide. Este medicamento inibe a enzima que provoca a inflamação e, além disso, provoca alívio da dor e da febre. Sua ação se inicia de 80 a 90 minutos após a sua ingestão.

Como usar meloxicam?

Os comprimidos de meloxicam devem ser ingeridos com água ou outro líquido sempre durante as refeições. A dose indicada deve ser tomada em dose única e a dose máxima do medicamento é 15 mg.

De forma geral, meloxicam é indicado nas seguintes dosagens:

Artrite reumatoide

Recomenda-se 15 mg por dia. De acordo com os efeitos da medicação em relação ao tratamento, o seu médico pode reduzir a dose para 7,5 mg por dia.

Osteoartrite dolorosa

Em casos de osteoartrite dolorosa indica-se a dose de 7,5 mg por dia. A dose poderá ser aumentada para 15 mg por dia pelo seu médico.

Adolescentes

Para os adolescentes de 12 a 18 anos, a dose máxima diária recomendada é de 0,25 mg/kg e não deve ultrapassar 15 mg. Meloxicam comprimido é contraindicado em crianças menores de 12 anos de idade, uma vez que ele não permite que a dosagem seja adequada para crianças nesta faixa etária.

A dosagem de meloxicam deve ser ajustada pelo médico/a. Não use meloxicam sem a prescrição adequada.

Meloxicam provoca sono?

Sim. O uso de meloxicam pode provocar sonolência, vertigem, tontura e visão borrada. Este são alguns efeitos do medicamento sobre o sistema nervoso. Portanto, se estiver em uso de meloxicam tenha cuidado ao dirigir ou operar máquinas. Se você apresentar algum destes sintomas o melhor é evitar estas tarefas ou qualquer outra que ofereça riscos.

Quais os efeitos colaterais que meloxicam pode causar? Efeitos colaterais comuns
  • Dor de cabeça
  • Dor abdominal
  • Indigestão
  • Diarreia
  • Náusea
  • Vômitos
Efeitos colaterais incomuns
  • Anemia
  • Alergia
  • Tontura
  • Vertigem
  • Sonolência
  • Aumento da pressão arterial
  • Vermelhidão na face
  • Sangramento do aparelho digestivo
  • Gastrite
  • Estomatite
  • Constipação
  • Flatulência
  • Prurido
  • Dificuldade para urinar
  • Inchaço
  • Atrasos na ovulação
Contraindicações do meloxicam
  • Pessoas com intolerância a lactose;
  • Crianças menores de 12 anos;
  • Mulheres grávidas ou que estão amamentando;
  • Pessoas alérgicas aos componentes da fórmula;
  • Pessoas que após o uso de ácido acetilsalicílico ou outros anti-inflamatórios e apresentaram: asma, obstrução nasal (pólipos), inchaço da língua, lábios e garganta ou placas elevadas na pele, geralmente com coceira;
  • Portadores de distúrbios gastrointestinais como úlceras ou perfuração ativa ou recente, sangramentos, doenças inflamatórias gastrintestinais;
  • Pessoas que tiveram sangramento cerebral recente.

É importante seguir a orientação do seu médico ou médica e respeitar as doses, os horários de tomar a medicação e duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem orientação médica.

Meu filho tomou benzetacil e está com muito sono?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Este não é um efeito colateral habitual desse remédio, talvez esse sintoma tenha outra causa, esteja atenta a outros possíveis sinais e sintomas e se a sonolência for intensa e persistir consulte um pediatra ou médico de família para avaliação.

Cabe lembrar que crianças com febre ou doenças infecciosas podem apresentar sonolência e apatia, ao se tratar o quadro inicial esses sintomas tendem a melhorar.

Benzetacil

Benzetacil é o nome comercial da penicilina G Benzatina, um antibiótico do grupo das penicilinas, que está indicado para o tratamento de algumas doenças como infecções estreptocóccicas, sífilis e profilaxia da febre reumática e da glomerulonefrite.

Quais são os efeitos adversos da benzetacil?

Os efeitos adversos mais frequente da benzetacil incluem náuseas, vômitos, diarreia, cefaleia e monilíase oral ou vaginal.

Também é relativamente frequente a ocorrência de reações alérgicas no grupo das penicilinas que podem causar sintomas como erupções cutâneas, urticária e prurido. As reações de hipersensibilidade podem ainda causar edema de laringite ou reação anafilática.

Efeitos locais da aplicação da injeção de benzetacil também podem ocorrer, como inchaço, tumoração e dor no local da aplicação.

Um efeito possível, embora raro da penicilina é a encefalopatia cerebral que ocorre geralmente quando são administradas altas doses do medicamento ou em pessoas com insuficiência renal grave.

Outras reações possíveis decorrentes de altas doses da penicilina benzatina podem incluir anemia hemolítica, leucopenia, trombocitopenia, neuropatia e nefropatia.

Caso apresente sintomas sugestivos de efeitos adversos de antibióticos, como a penicilina benzatina, consulte um médico para uma avaliação e mais orientações.

Quais são as fases do sono e o que acontece em cada uma delas?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

As fases do sono dividem-se em 4 estágios e em cada um deles ocorre uma atividade diferente do sono. Quando ocorre algum distúrbio numa dessas fases, a qualidade do sono fica prejudicada, podendo trazer prejuízos à qualidade de vida da pessoa a curto, médio ou longo prazo.

Fase 1

A fase 1 do sono ocorre quando começamos a adormecer e ocupa cerca de 10% das horas que passamos dormindo. É a passagem do estado de vigília para o sono, quando o corpo liberta um hormônio chamado melatonina, responsável pela sensação de sonolência.

Fase 2

Na fase 2, a respiração e os batimentos cardíacos ficam mais lentos, a temperatura do corpo fica mais baixa e a musculatura relaxa. Esse estágio do sono representa aproximadamente 45% da noite e é nele que a pessoa começa a sonhar.

Fase 3

A fase do sono 3 é o estágio em que o organismo fica com o metabolismo mais lento e a respiração e os batimentos cardíacos ficam com um ritmo ainda mais baixo. Essa fase ocupa cerca de 25% do sono.

Fase 4

A fase 4 é conhecida como a fase REM, sigla em inglês para Rapid Eye Movement, que em português significa "movimento rápido dos olhos". Trata-se do estágio do sono profundo, no qual permanecemos durante 20% da noite.

Na fase REM do sono, os sonhos são mais "reais" e ocorre liberação de adrenalina, com aumentos súbitos da pressão arterial e da frequência cardíaca.

Nas 3 primeiras fases do sono, os tecidos são restaurados, o corpo gasta menos energia, a massa muscular aumenta e ocorre liberação do hormônio de crescimento. Já na fase 4 (REM), as memórias e aquilo que a pessoa aprende de novo são consolidados.

Por isso, a fase do sono REM é essencial para a recuperação da mente, manutenção da memória, vigília e atenção.

Contudo, sempre que alguém está dormindo e acorda, volta automaticamente à primeira fase do sono, o que prejudica todo esse ciclo e pode interferir na qualidade de vida e da saúde do indivíduo.

O tratamento dos distúrbios do sono pode incluir a atuação de médicos neurologista, psiquiatra, pneumologista e otorrinolaringologista.

Saiba mais em:

Distúbios do sono: Quais os principais tipos e como identificá-los?

Quais os sintomas dos distúrbios do sono?

10 Dicas para Melhorar a Qualidade do Sono

Sono excessivo: o que pode ser?

Apneia do sono tem cura? Qual o tratamento?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sim, apneia do sono tem cura.

O tratamento se baseia em mudanças de hábitos de vida, uso de aparelhos intraorais, fonoaudiologia e ou cirurgia.

Mudança de hábitos de vida

Com o objetivo maior de manter as vias aéreas abertas, promovendo boa oxigenação durante todo o sono, existem algumas medidas fundamentais e mudanças de hábitos de vida, que devem ser seguidas.

  1. Manter a cabeceira elevada, pelo menos 45 graus;

  2. Se deitar em decúbito lateral, reduzindo a compressão pulmonar, principalmente pessoas com sobrepeso ou obesas;
  3. Evitar consumo de bebidas alcoólicas;
  4. Evitar medicamentos sedativos, porque relaxam muito a musculatura pulmonar, prejudicando sua ação durante o sono;
  5. Reduzir o peso, se for o caso;
Uso de aparelhos intraorais

Associado a mudança de hábitos, na maioria dos casos está indicado o uso de aparelhos intraorais, que aumentam a passagem do ar pela garganta. A opção mais utilizada é a máscara de CPAP (Continuous Positive Airway Pressure), em português Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas ou BIPAP, (Bilevel Positive Airway Pressure), em português Pressão Positiva de Dois Níveis nas Vias Aéreas.

A máscara fica conectada a um compressor de ar que provoca pressão positiva para forçar a passagem do ar através das vias aéreas superiores. Portanto durante toda a noite, o aparelho mantém uma pressão elevada nas vias aéreas superiores, impedindo assim a apneia.

A vantagem desse tratamento é a eficácia em quase todos os casos, contudo, têm a desvantagem de poder incomodar e terem de ser usados permanentemente.

Tratamento com fonoaudiologia

Existem casos em que pode ser indicado tratamento de fonoaudiologia para fortalecimento da musculatura que mantém a garganta aberta, como na apneia leve e casos selecionados de apneia moderada.

Cirurgia para apneia do sono

A cirurgia só será indicada em casos específicos, como remover estruturas que estejam causando obstruções, ou corrigir distúrbios anatômicos que dificultem a passagem de ar.

A escolha do procedimento cirúrgico leva em conta as alterações encontradas na pessoa, como anomalias no nariz, na faringe, no céu da boca, no crânio e na face.

Nesses casos a cirurgia resolve definitivamente o problema sem a necessidade da pessoa ter que usar permanentemente o aparelho. O procedimento cirúrgico pode ser pouco invasivo, podendo ser realizado por radiofrequência ou laser.

Fatores de risco da apneia do sono

Existem fatores bem conhecidos como fatores de risco para desenvolver a apneia do sono, entre eles podemos citar como principais:

  • Sexo masculino, os homens apresentam discreto aumento do risco de apneia;
  • Obesidade ou sobrepeso;
  • Ingesta de bebidas alcoólicas;
  • Tabagismo;
  • Refluxo gastroesofágico;
  • Uso de medicamentos sedativos ou relaxantes musculares;
  • Aumento de estruturas da cavidade oral, como amígdalas e língua;
  • Deformidades craniofaciais.

Antes de dormir, deve-se evitar fumar, tomar bebidas alcoólicas ou bebidas com cafeína, fazer exercícios intensos e refeições pesadas. Também é recomendado dormir sempre no mesmo horário.

O que é a apneia do sono?

A apneia do sono é um distúrbio respiratório relacionado ao sono, no qual o fluxo respiratório é interrompido durante pelo menos 10 segundos, diversas vezes, durante a noite.

A apneia do sono provoca uma alteração do padrão do sono , com despertares frequentes durante toda noite, o que impede uma qualidade minimamente adequada de sono, assim, resultando em um sono não reparador.

Veja também: Quais são as fases do sono e o que acontece em cada uma delas?.

Quais são os sintomas da apneia do sono?

O ronco está presente em pelo menos 90% das pessoas que sofrem desse distúrbio; outras queixas comuns são cansaço, sonolência durante o dia, dor de cabeça, irritabilidade, mudanças de humor, redução da libido e uma maior ocorrência de doenças cardiovasculares. Nos casos mais graves, ocorre perda da capacidade intelectual, da atenção e da memória, além de dificuldade de raciocínio.

A apneia é um problema médico grave, que oferece sérios riscos na qualidade de vida das pessoas, entretanto é facilmente identificada e seu tratamento geralmente é eficaz.

Em caso de suspeita de apneia do sono, agende uma consulta preferencialmente com otorrinolaringologista, neurologista ou pneumologista, com especialização em medicina do sono. O profissional poderá avaliar detalhadamente seu caso, através de anamnese, exame físico e eventuais exames complementares, para definir o melhor tratamento.

Leia também: Sono excessivo: o que pode ser?

Hixizine® (dicloridrato de hidroxizina): para que serve e como tomar? Provoca sono?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O hixizine® (dicloridrato de hidroxizina) é um potente antialérgico com ação contra coceira (anti-pruriginosa). É indicado para o alívio da coceira (prurido) provocado por condições alérgicas da pele como dermatite atópica, dermatite de contato, urticária e prurido que ocorrem por outras doenças.

Como tomar Hixizine® ? Hixizine® Xarope para crianças

Uso pediátrico

Hixizine® Xarope deve ser administrado de acordo com o peso corporal.

Peso Corporal Dose antialérgica
6 a 8 Kg 2,0 a 3,0 ml de xarope por tomada
8 a 10 Kg 3,0 a 3,5 ml de xarope por tomada
10 a 12 kg 3,5 a 4,0 ml de xarope por tomada
12 a 24 kg 4,0 a 8,5 ml de xarope por tomada
24 a 40 kg 8,5 a 14,0 ml de xarope por tomada
Hixizine® Comprimido

Uso pediátrico

Em crianças recomenda-se 0,7 mg/Kg de peso, 3 vezes ao dia, a cada 8 horas.

Uso adulto

A dosagem recomendada de hixizine® comprimido é 25 mg, 3 a 4 vezes ao dia, a cada 6-8 horas.

O tratamento deve ter duração máxima de 10 dias para adultos e crianças com idade superior a 6 anos ou de acordo com a orientação médica. Hixizine® Xarope e Comprimido são administrados exclusivamente por via oral.

Hixizine® provoca sono?

Sim. O hixizine® (dicloridrato de hidroxizina) pode provocar sonolência. É recomendado evitar dirigir veículos ou operar máquinas, uma vez que seus reflexos podem ficar mais lentos. Algumas atividades da vida diária também podem ser afetadas por causa do sono.

Contraindicações de hixizine®
  • Pessoas alérgicas a hixizine® (dicloridrato de hidroxizina) ou a qualquer outro componente da fórmula;
  • Mulheres grávidas ou que estão amamentando;
  • Crianças menores de 6 anos.
Precauções quanto ao uso de hixizine®
  • O xarope possui sacarose, o que demanda cuidados quando usado por pessoas diabéticas;
  • Cautela quanto ao uso concomitante com ansiolíticos, antidepressivos e outros medicamentos de uso psiquiátrico;
  • Evitar o consumo de bebida alcoólica enquanto estiver em tratamento com hixizine® (dicloridrato de hidroxizina).
Efeitos colaterais de hixizine®

Os efeitos colaterais mais comuns associados ao uso oral de Hixizine® (dicloridrato de hidroxizina) são:

  • Sonolência
  • Sedação
  • Boca seca

Estes efeitos são transitórios e devem passar rapidamente ao final do tratamento. Se ocorrer demora na cessação dos efeitos ou qualquer outra reação o/a médico/a deve ser contactado/a.

Utilize hixizine® de acordo com as orientações, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento indicado por seu/sua médico/a. Não faça uso de medicamentos sem prescrição.

Veja também

O que pode provocar alergia na pele?

O que fazer em caso de alergia na pele?

Estomatite pode dar sono, diarreia e tosse?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Não, estomatite não dá sono, diarreia e tosse. O principal sintoma da estomatite é o aparecimento de bolhas ou feridas (aftas) na mucosa da boca, podendo afetar ainda gengiva, língua, parte interna das bochechas, céu da boca e garganta.

Essas lesões são muito dolorosas e normalmente têm meio centímetro de diâmetro. Podem ser numerosas ou isoladas, podendo ainda sangrar em alguns casos.

A estomatite pode causar ainda outros sintomas, como:

  • Mal estar;
  • Falta de apetite;
  • Dificuldade ou dor para engolir sólidos e líquidos;
  • Febre;
  • Mau hálito;
  • Aumento dos gânglios do pescoço;
  • Irritabilidade;
  • Insônia.

A criança pode apresentar sono, mas é provável que seja consequência da insônia ou do mal estar, uma vez que não é um sintoma característico da estomatite.

No entanto, diarreia e tosse não são esperados na estomatite e por isso devem ser investigados, principalmente a tosse e a diarreia, que podem indicar problemas mais graves.

Leia também: O que é estomatite e quais as causas?

Portanto, se o/a seu/sua filho/a está com estomatite e apresenta tosse e diarreia, o melhor é levá-lo/a ao/à médico/a pediatra para que seja diagnosticada a origem desses sintomas.

Para que serve e como tomar cloridrato de ciclobenzaprina (miosan)? Provoca sono?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Cloridrato de ciclobenzaprina, ou miosan®, um dos representantes mais conhecidos da classe, é um relaxante muscular indicado para dores musculares agudas como torcicolo, lombalgias, fibromialgia, periartrite escapuloumeral, cervicobraquialgias.

Como tomar cloridrato de ciclobenzaprina (miosan®)?

Cloridrato de ciclobenzaprina é um medicamento de uso oral e se apresenta em comprimidos revestidos de 5 mg e 10 mg.

Uso adulto

Adultos devem utilizar a dose de 20 mg a 40 mg ,de duas a 3 vezes ao dia.

O medicamento deve ser administrado a cada 12 horas ou a cada 6 horas.

A dose diária não deve ultrapassar 60 mg de medicamento.

O tratamento com as doses diárias de medicação deve durar no máximo de 2 a 3 semanas com acompanhamento médico.

Os comprimidos não devem ser abertos, partidos ou mastigados.

Cloridrato de ciclobenzaprina (miosan®) provoca sono?

Sim, devido a sua ação sobre o sistema nervoso central, pode provocar sonolência. É necessário evitar dirigir veículos ou operar máquinas, uma vez que seu reflexos podem ficar mais lentos. Algumas atividades da vida diária também podem ser afetadas por causa do sono provocado pelo medicamento.

Contraindicações do cloridrato de ciclobenzaprina (miosan®)
  • Pessoas alérgicas a ciclobenzaprina ou a qualquer outro componente da fórmula;
  • Pessoas portadoras de doenças neurológicas como a miastenia gravis ou miopatias;
  • Mulheres grávidas ou que estão amamentando;
  • Menores de 15 anos;
  • Pessoas que têm glaucoma ou retenção urinária;
  • Pacientes em fase de recuperação de infarto de miocárdio;
  • Portadores de arritmia cardíaca, bloqueio, alteração de conduta, insuficiência cardíaca congestiva ou hipotireoidismo.
Efeitos colaterais do cloridrato de ciclobenzaprina (miosan®)

Os efeitos colaterais mais comuns associados ao uso oral do cloridrato de ciclobenzaprina são:

  • Sonolência
  • Boca seca
  • Vertigem

Este efeitos devem cessar rapidamente. Qualquer outra reação deve ser reportada ao/a. médico/a.

Utilize cloridrato de ciclobenzaprina (miosan®) respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento indicado por seu/sua médico/a. Não consuma medicamentos sem prescrição.