Pangastrite

Endoscopia: o que é Pangastrite? E outras alterações...
Dr. Charles Schwambach

Os termos utilizados na endoscopia assustam um pouco, mas são apenas para uma comunicação entre médicos:

  • Pangastrite: pan = todo, gastrite = inflamação na parede interna do estômago;
  • Enantemática: edemaciada e de cor vermelha;
  • Leve, Moderada ou Grave: grau da lesão.
O que é teste de urease positivo?

É um teste feito para verificar a presença da bactéria Helicobacter Pylori e quando positivo significa que tem essa bactéria.

Quais os sintomas da Pangastrite Enantematosa?
Dr. Gabriel Soledade

Os sintomas de todas as gastrites variam conforme a gravidade e a duração da doença, e podem incluir: dor e queimação abdominal, sensação de refluxo ou queimação no peito, náusea e vômitos (que podem inclusive ser com sangue), distensão ("estufamento") abdominal e saciedade precoce (o indivíduo se sente empachado ou "cheio" com pequenas porções de comida).

O termo pangastrite enantematosa não é um tipo diferente de gastrite, mas somente a classificação que o médico dá ao realizar uma endoscopia. Significa apenas que toda a mucosa do estômago estava avermelhada, que é um sinal de inflamação, no momento do exame.

O tratamento deve ser indicado pelo clínico geral ou gastroenterologista que solicitou o exame, e provavelmente incluirá mudanças no hábito alimentar e uso de medicações.

Pangastrite endoscópica enantematosa moderada o que é isso?
Dr. Charles Schwambach

É a forma como a gastrite aparece na endoscopia. Gastrite é a inflamação da parede (mucosa interna) do estômago, geralmente causada pelo aumento da acidez do suco gástrico. Se adequadamente tratado não é grave.

O que é pangastrite enantemática? O que é H. pylori?
Dr. Charles Schwambach

Pangastrite enantemática é uma inflamação em todo o estômago. Helicobacter pylori é uma bactéria. O tratamento somente com seu médico. Não existe uma dieta específica para gastrite, mas deve evitar todos os alimentos que te fazem mal.

Fiz endoscopia: pangastrite enantematosa moderada...
Dr. Charles Schwambach

Linfocitose por causa de inflamação no estômago até pode, mas não é uma ocorrência comum. As dores articulares podem estar relacionadas com a faringite gonocócica. Bom acredito que eu repetiria os exames que você já fez em alguns meses e verificaria essa possibilidade de faringite gonocócica. Mas pelos seus sintomas e baseando-se nos exames que você já fez talvez o mais prudente seria tratar tudo o que você tem, incluindo sua ansiedade como ponto principal do tratamento. Com relação ao seu estômago vai precisar tratar por mais tempo.

O que uma pessoa com pangastrite pode ou não comer?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues

Uma pessoa com pangastrite deve seguir uma dieta compatível com sua doença, com alimentos mais leves, com menor potencial de lesar a mucosa gástrica (detalhados abaixo).

A pangastrite (pan = todo) nada mais é do que uma gastrite (inflamação da mucosa que reveste as paredes internas do estômago) que acomete toda (ou quase toda) a mucosa do estômago. O diagnóstico pode ser feito com uma endoscopia digestiva alta.

Os sintomas são diversos, incluindo náuseas (enjoo), vômitos, desconforto em região abdominal, dor na região abdominal superior, falta de apetite, gases, eructação (arrotos), etc. Seu tratamento é simples, feito geralmente com inibidores da bomba de prótons como o omeprazol, que reduzem a acidez gástrica.

No entanto, seu uso deve ser feito sempre sob orientação médica, pois o uso prolongado deste medicamento está relacionado ao aumento de tumores no estômago.

Quando a bactéria Helicobacter pylori estiver presente, é importante erradicá-la com antibióticos específicos por 7, 10 ou 14 dias, dependendo do caso. Durante este tempo é normal que os sintomas da gastrite pareçam ter aumentado, mas é muito importante fazer o tratamento até o fim para vencer a bactéria (do contrário, a situação pode se agravar consideravelmente, pois serão selecionadas bactérias resistentes aos antibióticos utilizados).

Ao final do tratamento, deve-se realizar uma outra endoscopia digestiva alta com biópsia para verificar se a bactéria foi realmente eliminada e, caso contrário, reiniciar o uso do antibiótico.

Dieta:
  • FINALIDADE: Proteger a mucosa gástrica, o que facilita a cicatrização de lesões e evita seu progresso, reduzindo a hipersecreção.
  • CARACTERÍSTICAS:
    • Deve-se evitar condimentos (pimentas de um modo geral, molho inglês, picles, noz moscada, páprica, cravo da índia e mostarda) e molho de tomate;
    • Alimentos devem ter consistência mais macia, e em temperaturas não elevadas (evitar a congestão da mucosa gástrica);
    • Excluir da dieta óleos e gorduras expostas a temperaturas elevadas ou alimentos ricos em gordura, de um modo geral (óleos usados em frituras, feijoada, rabada, etc);
    • Excluir da dieta carne de porco, embutidos, enlatados, comidas ácidas (abacaxi, limão, etc), chicletes, bolachas recheadas;
    • Evitar café (com ou sem cafeína, pois ambos estimulam a secreção de ácido gástrico), bebidas alcoólicas, refrigerantes e bebidas ácidas como limonadas;
    • Utilize chás - como alecrim, camomila e erva cidreira. Evitar chá mate e preto.
    • Utilizar leite e derivados com critério (ideal é tomar leite desnatado, queijo branco e ricota), pois o excesso de cálcio nestes alimentos pode aumentar a acidez gástrica;
    •  Evitar carnes duras e/ou malpassadas (carnes devem ser magras, sem gordura; assadas, grelhadas ou cozidas);
    •  Evitar doces como marmelada, goiabada e doce de leite;
    •  Gelatinas, cremes de mingau e maisena, frutas frescas (não ácidas) sem casca, verduras e legumes refogados, suco de aloe vera, leite de soja, cereais, pães integrais ou pão francês sem miolo, torradas, bolachas água e sal, lactobacilos, são permitidos e recomendados.
  • RECOMENDAÇÕES:

    • Coma devagar, mastigando os alimentos; não beba uma hora antes ou depois das refeições, pare logo que se sentir satisfeito - evite exageros, especialmente antes de dormir (ideal, inclusive, é comer até no máximo duas horas antes de dormir).
    • Pare de fumar, o fumo é muito prejudicial à saúde e pode dificultar a cicatrização das lesões gástricas;
    • As refeições devem ser pouco volumosas e frequentes (ideal 6 vezes ao dia, com intervalos regulares, idealmente de de 3 horas entre cada refeição) - para evitar a distensão gástrica;
    • Evite uso de anti-inflamatórios não esteroidais (diclofenaco, por exemplo), a menos que haja recomendação médica correta.

Em caso de suspeita de gastrite, deve-se procurar um médico clínico geral ou preferencialmente um gastroenterologista para avaliação e tratamento, caso a caso.