Varizes

Tenho uma veia na lateral da testa e queria saber o porque?

Porque você tem uma veia onde não gosta eu não sei, tem que perguntar para seu pai e sua mãe foram eles que fizeram você. Deixa sua veia quieta se ela não está incomodando (saúde) não precisa fazer nada, agora se ela está incomodando (estética) ai pode tentar: em casos de veia muito pequenas um procedimento de laser pode resolver e se for uma veia maior não há o que fazer além da retirada cirúrgica, mas não sei se este tipo de cirurgia é feito na face. Procure um cirurgião vascular que ele poderá te orientar melhor.

Dr. Charles Schwambach
Quem tem varizes pode viajar de avião?

Quem tem varizes pode viajar de avião, porém deve seguir algumas medidas para melhorar a circulação sanguínea das pernas e dos pés durante o voo. Quem tem varizes mais grossas (calibrosas) deve evitar ficar muito tempo em pé, sentado ou parado porque essas situações fazem com que o sangue não circule adequadamente nas pernas e pés, provocando o surgimento de inchaços (edemas), aumentando a possibilidade de formação de coágulo dentro dos vasos sanguíneos (trombo) e o seu deslocamento, o que pode causar uma embolia pulmonar.

Alguma medidas de prevenção de problemas circulatórios durante o voo:
  • andar no corredor sempre que possível,
  • movimentar joelhos, barriga da perna (panturrilha), tornozelo e dedos dos pés,
  • não sentar sobre as pernas ou cruzá-las,
  • não usar roupas e meias apertadas,
  • ingerir bastante líquido. 

As pessoas com problemas circulatórios devem consultar o cirurgião vascular antes de uma viagem prolongada de muitas horas, quer seja de avião ou por outro transporte, para que ele oriente a prevenção necessária, inclusive em relação ao uso de meias elásticas medicinais para melhorar o fluxo sanguíneo e o de medicação para prevenir a trombose.

Dr. Ivan Ferreira
Varizes no testículo vão me deixar infértil em quanto tempo?

A infertilidade é uma das possíveis consequências do seu problema de "varizes no testículo", mas é uma possibilidade, pode até não acontecer mesmo se você não operar, é apenas uma possibilidade. Não existe um tempo, para alguns homens é muito rápido (dentro de poucos anos ficam estéreis) e para alguns nunca acontece.

Dr. Charles Schwambach
O que é varicocele?

Varicocele são varizes nos testículos. Consiste na dilatação anormal das veias testiculares (que drenam o sangue dos testículos), devido à dificuldade no retorno venoso. Essas veias fazem parte do cordão espermático.

A incidência de varicocele varia com a idade, sendo de 7,2% em indivíduos entre 2 e 19 anos (média de incidência para várias faixas etárias compreendidas neste intervalo), chegando a 14,1% dos 15 aos 19 anos. Após os 20 anos, a incidência varia de 10 a 25%. Quando a varicocele inicia-se após os 40 anos é importante investigar a presença de um tumor intra-abdominal que possa estar comprimindo a veia testicular, causando sua dilatação. 

É a causa primária tratável mais comum de infertilidade masculina. É uma doença frequente em parentes de primeiro grau de portadores de varicocele e tende a ser mais incidente em pessoas com IMC baixo (relação inversa entre IMC e incidência). Na maioria das vezes, a varicocele ocorre no lado esquerdo da bolsa escrotal, acometendo o testículo esquerdo, devido a anatomia característica do homem, em que a veia testicular direita desemboca na calibrosa veia cava em um ângulo de 45º e a veia testicular esquerda drena para a veia renal esquerda, de menor calibre, e com uma angulação de 90º, o que dificulta o escoamento do sangue. É importante ressaltar, entretanto, que ter varicocele não indica esterilidade, ou seja, impossibilidade absoluta de ter filhos. Muitos homens com varicocele, principalmente em graus mais leves, podem ter filhos normalmente sem precisarem recorrer a inseminação artificial ou outras abordagens.

As causas de varicocele podem ser diversas, incluindo ausência ou incompetência congênita das válvulas da veia espermática interna e dificuldade da drenagem venosa por obstrução ou compressão do sistema venoso. Ocorre alteração na espermatogênese, com diminuição da fertilidade por oligospermia (menor número de espermatozoides) e alterações na morfologia (forma) dos espermatozoides, levando a diminuição da motilidade. Os motivos destas alterações ainda não foram claramente elucidados, mas acredita-se que podem incluir hipertermia (aumento da temperatura na bolsa escrotal - sendo que a espermatogênese deve ocorrer a temperaturas mais baixas, em torno de 35º), hipoxia (diminuição de oxigênio nos testículos), diminuição do fluxo sanguíneo intratesticular e no epidídimo, alterações hormonais intratesticulares, estresse oxidativo e refluxo de metabólitos do rim e suprarrenal.

Os sintomas incluem prurido (coceira), dor, peso ou desconforto na bolsa escrotal, mas geralmente é assintomática. Também não é comum a presença de disfunção erétil (impotência), apenas em casos de varicocele bilateral e grau III, rara (veja os graus abaixo). Nestes casos graves, se não houver tratamento, é possível haver atrofia dos testículos, com diminuição da produção de testosterona, o que é uma conhecida causa de impotência. Quando há sintomas, estes pioram quando o paciente está em pé (maior dificuldade na drenagem sanguínea) ou faz esforços físicos, principalmente com contratura de músculos abdominais.

O diagnóstico é feito através do exame físico, com o paciente em posição ortostática (de pé) e examinado em sala aquecida, idealmente, mas tem sensibilidade e especificidade de apenas 70%.  Pode-se fazer o auto-exame, procurando varizes palpáveis ou visíveis, mas idealmente deve-se passar com um urologista. Existe uma graduação da varicocele, para aquelas diagnosticadas com o exame físico (varicocele clínica):

  • Grau I – Varicocele pequena, sendo palpável apenas com aumento da pressão abdominal. (tossir ou assoprar contra uma resistência - "manobra da Valsalva");
  • Grau II – varizes palpáveis sem o auxílio da manobra de Valsalva;
  • Grau III – varizes visíveis através da pele do escroto.

O exame complementar padrão-ouro para o diagnóstico do refluxo venoso no plexo pampiniforme (varicocele clínica e subclínica) é a venografia de veia espermática. Também podem ser feitos ultrassonografia com doppler colorido, termografia escrotal e cintilografia.

O tratamento da varicocele é indicado naqueles que apresentam sintomas (prurido intenso, dor, inchaço importante), infertilidade ou sinais de atrofia do testículo. Homens mais velhos, que não apresentam sintomas e não desejam mais ter filhos não precisam ser operados.

Existem duas opções para a correção da varicocele:

  • Ligadura cirúrgica das veias varicosas (pode ser realizada por diversas vias: retroperitoneal, inguinal, subinguinal ou laparoscópica. A via subinguinal com magnificação óptica aumenta a probabilidade de preservação dos vasos arteriais e linfáticos, reduzindo significativamente o risco de recorrência da varicocele em relação à laparoscopia e cirurgias sem magnificação). É feita rapidamente (45 minutos, em média), com anestesia geral, e o paciente tem alta em um a dois dias, mas deve evitar esforços físicos por duas a quatro semanas e relações sexuais por dez dias.
  • Embolização percutânea (oclusão da veia espermática interna - está associada a taxas de recidiva superiores aos métodos cirúrgicos convencionais, além de complicações relacionadas ao método).

A correção da varicocele melhora o espermograma e corrige a infertilidade em 50% dos casos (grau de evidência B). As chances de gravidez convencional podem aumentar até 2,8 vezes após o tratamento cirúrgico. Porém, a infertilidade pode ser multifatorial, o que faz com que a correção da varicocele em alguns pacientes apenas atenue o problema, sem resolvê-lo por completo. 

A varicocele não é uma doença grave, e se tratada corretamente e no momento adequado, não traz grandes consequências. Entretanto, em caso de suspeita de varicocele, um urologista deverá ser consultado para avaliação e tratamento correto, se necessário.

Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Posso fazer depilação a laser, se faço secagem de varizes?

Precisa perguntar isso para o médico que está tratando você.

Dr. Charles Schwambach