Desenvolvimento Infantil

Qual remédio pode ser usado para aumentar a altura?

Após o fechamento dos núcleos de crescimento não é mais possível crescer, geralmente isto ocorre bem antes dos 20 anos nas mulheres, não adianta tomar remédio para crescer com 21 anos de idade, a não ser que você faça uma radiografia e ainda tenha núcleos de crescimento abertos ai sim o remédio faria algum efeito, mas tudo isso precisa ser feito com a avaliação de um especialista em crescimento ou endocrinologista.

Não tome medicamentos sem orientação médica, hormônios de crescimento são muito perigosos quando usados sem orientação e acompanhamento médico.

Dr. Charles Schwambach
Tenho 16 anos e 1,61m o que preciso fazer para crescer mais?

Precisa ir ao médico (endocrinologista ou neuroendocrinologista ou pediatra ou qualquer médico) que possa começar uma investigação para apurar as causa de sua baixa estatura e a partir do diagnóstico planejar um tratamento.

Dr. Charles Schwambach
Quando a criança começa a ter firmeza nas pernas?

Nenhuma criança nesta idade (6 meses) deve ter força suficiente para ter firmeza nas pernas, no máximo ficar sentada com o corpo ereto. A idade ideal para a criança começar a ficar firme de pé e apoiada é entre 9 a 12 meses. Mas eu já tive crianças que eram perfeitamente normais e ficaram com as pernas firmes muito depois de um ano de idade. Cada criança tem seu tempo certo, esteja sempre atenta ao desenvolvimento de sua filha e qualquer dúvida consulte o pediatra.

Dr. Charles Schwambach
Meu filho tem 10 anos e sempre sentiu dores nas pernas...

Este exame sugere algum tipo de inflamação no corpo, ele é muito inespecífico e pode dar alterado em milhares de situações desde uma gripe até um osso quebrado, então não dá para saber o que ele tem por esse exame.

Dr. Charles Schwambach
Até que idade uma pessoa cresce?

Não é possível determinar até que idade cada indivíduo irá crescer. Ele irá crescer enquanto seus ossos tiverem cartilagens de crescimento não calcificadas, independentemente da idade cronológica que ele apresente. O amadurecimento e a calcificação destas cartilagens está diretamente relacionado ao período em que se iniciou a puberdade. Quanto mais avançada estiver a puberdade, maior a probabilidade de que as cartilagens já tenham se fechado. O grau de "amadurecimento" das cartilagens pode ser avaliado por uma radiografia das mãos e dos punhos (idade óssea). Aos 18 anos, em média, as cartilagens já estão fechadas.

O crescimento é um processo bastante dinâmico que inicia na concepção e se estende até a vida adulta, ocorrendo em intensidades variáveis nas diferentes fases da vida de uma criança e de um adolescente e que é diferente entre os sexos. Nos homens, a puberdade e o estirão de crescimento começa em média 2 anos mais tarde do que nas mulheres. Essa diferença prolonga o crescimento antes da puberdade, que associado com um estirão mais intenso e um período de crescimento mais prolongado no sexo masculino, resulta que os homens sejam em média 13 cm mais altos que as mulheres.  

A média de crescimento de uma criança é de mais de 4 cm por ano. Na puberdade, porém, esse valor sobre para 12 cm ou 13 cm a cada ano. Quando o crescimento é menor que 4 cm, ou 6 cm na fase da puberdade, o ideal é que um médico endocrinologista ou endocrinologista pediátrico seja consultado.

Em algumas situações, como na Síndrome de Turner, em crianças nascidas pequenas para a idade gestacional, nos portadores da Síndrome de Prader-Willi, em crianças com insuficiência renal crônica e em outras doenças que cursam com baixa estatura, pode ser necessário tratamento com reposição de GH, o hormônio do crescimento. Este hormônio só deverá ser utilizado se for prescrito pelo médico endocrinologista.

Dra. Ângela Cassol
Quais os efeitos colaterais da utilização do hormônio do crescimento (GH)?

Se o hormônio do crescimento (GH) for utilizado corretamente, segundo  a prescrição médica, geralmente é bem tolerado e tem poucos efeitos colaterais. Reações locais da aplicação são raras, mas podem ocorrer, como dor no local da aplicação e vermelhidão.

Em adultos, os principais efeitos colaterais se relacionam com retenção de água que o GH pode promover, podendo levar a:

  • inchaço
  • dores articulares ou musculares
  • formigamentos de extremidades, geralmente relacionados com a síndrome do túnel do carpo

Raramente o uso de GH pode causar hipertensão intracraniana benigna (“síndrome do pseudotumor cerebral”), que cursa com dor de cabeça, vômitos, alterações visuais, agitação ou alterações da marcha (do ato de andar).

O GH é um hormônio de crescimento e está presente em todas as pessoas. Ele é produzido pela glândula hipófise, situada na base do crânio, e é muito importante para o crescimento desde os primeiros anos de vida. O tratamento de reposição (substituição) com GH está indicado em todo indivíduo, independente da faixa etária, que apresente deficiência da produção de GH pela hipófise. Na infância, o GH também pode ser benéfico na baixa estatura em meninas com Síndrome de Turner, em crianças nascidas pequenas para a idade gestacional, nos portadores da Síndrome de Prader-Willi, em crianças com insuficiência renal crônica, entre outros.

O hormônio de crescimento deve ser prescrito pelo médico endocrinologista.

Dra. Ângela Cassol
O hormônio de crescimento pode me ajudar?

Antes de pensar no medicamento, precisa procurar um endocrinologista para fazer uma avaliação dos seus pontos de crescimento e dos seus níveis hormonais, somente depois do diagnóstico correto é que se pode pensar no tratamento. O hormônio de crescimento talvez pode te ajudar, mas como ele é um remédio com muitos efeitos colaterais precisa ser usado com acompanhamento médico rigoroso.

Dr. Charles Schwambach
O que é autismo e quais os sintomas?

O Autismo é um transtorno global do desenvolvimento. Os indivíduos autistas apresentam dificuldade de interação social, ou seja, de estabelecer relacionamentos, dificuldade no domínio da linguagem (comunicação) e padrão de comportamento repetitivo. É uma doença que afeta uma em cada 88 crianças nos Estados Unidos e não há dados sobre a incidência da doença no Brasil.

O grau de comprometimento é bastante variável. Há pacientes com formas graves e associação com retardo mental e agressividade, sem possibilidade de estabelecer contato interpessoal, e formas mais leves, em que a inteligência e a fala são normais, como na Síndrome de Asperger.

Os sintomas geralmente estão presentes antes dos três anos de idade. Segundo a Sociedade Americana de Autismo, os pacientes portadores de autismo apresentam pelo menos metade dos sintomas citados a seguir:

  • dificuldade de relacionamento interpessoal;
  • pouco ou nenhum contato visual com outras pessoas;
  • riso inadequado;
  • busca pelo isolamento social: preferência pela solidão;
  • fixação visual em objetos;
  • aparente insensibilidade à dor;
  • rotação repetitiva de objetos;
  • hiper ou inatividade;
  • ecolalia: repetição de palavras ou frases;
  • recusa de demonstrações de carinho (colo, abraços);
  • não respondem pelo nome;
  • dificuldade de expressar necessidades;
  • dificuldade de aprendizado;
  • repetição desnecessária de assuntos;
  • dificuldade de mudança na rotina;
  • não tem consciência de situações de perigo;
  • adoção de poses bizarras;
  • acessos de raiva;
  • desorganização sensorial.

Para o diagnóstico, são considerados distúrbios em três áreas, com início dos sintomas antes dos três anos de idade:

  1. comprometimento da interação social;
  2. comportamento e interesses restritos e repetitivos;
  3. comprometimento da comunicação verbal e não-verbal.

O autismo é uma doença crônica e o tratamento deve ser instituído assim que seja feito o diagnóstico. O tratamento deve ser multidisciplinar e individual, baseado no grau de comprometimento de cada paciente.

O diagnóstico e tratamento podem ser conduzidos por médico psiquiatra, em associação com outros especialistas, como fisioterapeuta, fonoaudiólogo, terapeuta ocupacional e psicólogo.

Dra. Ângela Cassol