O que é toxoplasmose ocular? Tem cura?

A toxoplasmose é o nome dado a uma doença infecciosa que é provocada pelo protozoário Toxoplasma gondii, que pode ser transmitida através da ingestão de cistos do parasita (verduras e carne mal cozida) ou durante a gestação (intra-útero). A toxoplasmose pode afetar vários órgãos, inclusive os olhos (toxoplasmose ocular).

A toxoplasmose ocular geralmente é adquirida durante a gestação (transmissão intra-útero).

A toxoplasmose ocular pode causar lesões na parte anterior do olho (uveite anterior), forma leve e que usualmente não deixa sequelas, desde que tratada adequadamente. A forma mais grave da toxoplasmose ocular é aquela que acomete a retina e a coróide (coriorretinite).

A retina é a estrutura do olho que capta as imagens e leva ao cérebro através do nervo óptico. Quando há infecção pelo Toxoplasma, ocorre uma inflamação na retina, que deixa uma cicatriz, onde não haverá mais funcionalidade para a visão. Fica claro, então, que, quanto mais extensa a cicatriz, maior será o prejuízo à visão.

O sintoma mais importante da toxoplasmose é a diminuição da visão. Ela pode ser variada, dependendo do tamanho e da localização da lesão. Além disso, pode ocorrer vermelhidão ocular, visão de pontos pretos flutuando na frente dos olhos, dor ocular e fotofobia.

O diagnóstico é feito pelo exame de fundo de olho, associado a exames de sangue (sorologia IgM e IgG para toxoplasmose).

O tratamento da toxoplasmose ocular é similar ao da toxoplasmose em outros órgãos, com uso de antibióticos (sulfadiazina e pirimetamina), associados ao ácido folínico. Se a infecção ocorrer na gestação, é utilizada a espiramicina. Uma particularidade é a necessidade de utilizar corticoesteróides, como a prednisona, colírios antiinflamatórios, a base de corticóide, e colírios chamados cicloplégicos (dilatam a pupila) para amenizar a dor.

Com o tratamento adequado, a toxoplasmose pode ter cura, mas, infelizmente, ainda não é possível recuperar a visão que foi perdida devida à cicatriz da toxoplasmose. É importante frisar, contudo, que mesmo após tratamento adequado, alguns pacientes podem apresentar recidivas da doença, usualmente associadas a imunodepressão. O parasita fica alojado na retina na forma de cistos, que são resistentes aos medicamentos. Quando esses cistos rompem, o parasita pode causar novas lesões na retina.

Na presença de alterações visuais, é necessário a avaliação do médico oftalmologista.