Pergunte ao Médico
Como Funciona

Busca por tag vitamina c

Coceira no ânus, o que pode ser?

Coceira (ou prurido) anal pode ter algumas causas, dentre elas:

  • infestação por vermes, em especial oxiuríase;
  • má higiene local, com acúmulo de restos de fezes que podem irritar a mucosa anal;
  • limpeza excessiva, que também pode irritar a mucosa anal;
  • diarréia crônica (fezes líquidas e irritantes pelo baixo pH);
  • doenças locais, como hemorróidas e fissuras;
  • consumo de alguns alimentos, que acidificam o pH das fezes, como cerveja, frutas ácidas, bebidas com cafeína (café, chá preto, refrigerantes a base de cola), tomate, ameixas;

 É importante que um proctologista ou clínico geral seja procurado, para fazer um exame do ânus e para solicitar exames, como um parasitológico de fezes, para avaliar a causa do prurido e prescrever um tratamento adequado.

Dra. Ângela Cassol
Candidíase no homem

A candidíase é uma infecção causada por fungos do gênero Candida, sendo que a Candida albicans é a espécie mais prevalente. Pode acometer diversos locais do corpo, como os genitais (levando a vulvovaginite nas mulheres e balanopostite nos homens), cavidade oral e esôfago, bexiga, pele e unhas, dentre outros locais, menos acometidos.

Não é considerada uma doença sexualmente transmissível, mas pode ser transmitida através de relações sexuais.

Os sintomas da candidíase nos homens (balanopostite) são:

  • sensação de queimação na uretra ao urinar;
  • inchaço leve da glande ('cabeça do pênis");
  • manchas vermelhas ou secreção esbranquiçada na glande;
  • dor durante as relações sexuais;
  • "assaduras" na glande;
  • corrimento esbranquiçado pela uretra, manchando a roupa íntima.

A candidíase no homem pode estar ligada a fatores imunológicos ("queda" da imunidade) ou relacionados ao nível de açúcar no sangue. Sendo assim, é importante investigar causas que alterem a imunidade, como diabetes, uso de medicações e HIV.

Como tratar a candidíase no homem?

O tratamento consiste no uso de antifúngicos orais ou tópicos e deve ser feito pela parceira também.

Deve ser consultado um urologista ou clínico geral para diagnóstico, investigação e tratamento adequados.

Dra. Ângela Cassol
Topiramato tem efeitos colaterais?

O topiramato, assim como qualquer outro medicamento, apresenta diversos efeitos colaterais, tais como:

  • Neurológicos: dor de cabeça, sonolência, tontura, nervosismo, ataxia (perda de coordenação motora), apatia, fadiga, distúrbios da fala, alterações do raciocínio, alterações da visão, dificuldade de memorização, confusão mental, agitação, parestesia (formigamento, geralmente, na pele), diplopia (visão dupla), náusea, distúrbios de linguagem, distúrbios da concentração/atenção;
  • Psicológicos: depressão, labilidade emocional, alterações do humor, comportamento agressivo, sintomas psicóticos;
  • Gastrointestinais: náuseas, dor abdominal, alteração do paladar;
  • Alimentares: Perda de peso e apetite;
  • Hematológicos: leucopenia;
  • Renais: nefrolitíase (cálculos renais)

O topiramato jamais deve ser utilizado se não for prescrito por um médico.

Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
O que é creatinina?

A creatinina é um produto da degradação da fosfocreatina (creatina fosforilada) do tecido muscular. É produzida em nosso corpo, em uma taxa praticamente constante, que é diretamente proporcional à massa muscular da pessoa, ou seja, quanto maior a massa muscular, maior essa taxa.

Através da medida da creatinina no sangue e na urina, podemos calcular a taxa de filtração glomerular, que é um parâmetro utilizado em exames médicos para avaliar a função renal.

A creatinina é filtrada principalmente nos rins, embora uma pequena quantidade seja secretada ativamente. Não sofre reabsorção renal, sendo livremente filtrada. Se a filtração do rim está deficiente, os níveis sanguíneos de creatinina aumentam, por isso ela é utilizada como um indicador da função renal.

A medida da concentração de creatinina no soro sanguíneo é um teste simples usado como o principal indicador da função renal. Contudo, só se altera quando já houve destruição das estruturas responsáveis pela filtração renal, os néfrons. Sendo assim, este teste não é adequado para detectar uma doença renal em seu estágio inicial. O teste de depuração de creatinina confere uma melhor estimativa da função renal. A depuração (clearance) de creatinina pode ser estimada usando a concentração de creatinina no soro sanguíneo e alguns ou todas as seguintes variáveis: sexo, idade, peso e raça.

No Brasil e nos EUA, o valor de referência normal para a creatinina no sangue é 0,7 - 1,5 mg/dL.

Mais importante que níveis absolutos de creatinina é a evolução dos níveis de creatinina ao longo do tempo. Níveis crescentes indicam dano renal, níveis decrescentes significam uma melhoria das funções dos rins.

A interpretação dos exames laboratoriais deve ser feita pelo médico que solicitou. Se alteração no exame de creatinina, deve ser procurado médico clínico geral ou nefrologista.

Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Como funciona o clearance de creatinina?

O clearance de creatinina é um método mais fidedigno para saber a taxa de filtração glomerular (TFG), ou seja, como estão funcionando os rins.

Ele pode ser calculado através de exames de laboratório. É necessária a dosagem da creatinina no sangue e a excretada na urina colhida durante 24 horas. O clearance é calculado multiplicando-se o valor da creatinina urinária pelo volume urinário em 24 horas e dividindo-se este valor pela creatinina sérica.

Os valores normais para a TFG dependem da superfície corporal e variam, em média entre:

  • Homens: 90 a 120 mL/min
  • Mulheres: 80 a 110 mL/min

A taxa de filtração glomerular também pode ser estimada através de um fórmula matemática que utiliza a creatinina sérica, a idade e o peso do paciente, porém é menos fidedigna.

Para melhor avaliação deve ser procurado um clínico geral.

Dra. Ângela Cassol
Quais são os valores de referência de creatinina?

Os valores de referência de creatinina (exame muito utilizado como reflexo da função dos rins) variam conforme a técnica de análise de cada laboratório, mas, em média, são:

  • crianças de 1 a 5 anos: 0,3-0,5mg/dL
  • crianças de 5 a 10 anos: 0,5-0,8mg/dL
  • adultos do sexo masculino: 0,7-1,2mg/dL
  • adultos do sexo feminino: 0,5-1,1mg/dL

O laboratório em que é feita a análise do sangue do paciente deve informar os valores de referência e é importante ficar atento às unidades nas quais são liberados os resultados, pois há grande variação (por exemplo, um valor de 1,2 mg/dL equivale a 106µmol/L de creatinina).

Valores de creatinina abaixo da referência podem refletir:

  • Baixa estatura
  • Pouca massa muscular
  • Doença avançada do fígado
  • Desnutrição

Valores de creatinina acima da referência podem refletir:

  • Ingestão de carne
  • Doenças dos músculos, como polimiosite, dermatomiosite, paralisias e distrofias
  • Uso prolongado de "cortisona"
  • Hipertireoidismo (glândula tireóide hiperfuncionante)
  • Uso de medicamentos, como metildopa, trimetoprim, cimetidina e salicilatos

A interpretação dos exames laboratoriais cabe ao médico que os solicitou e deve ser feita em conjunto com a história e o exame clínico. Para maiores esclarecimentos, deve-se procurar um clínico geral.

Também pode ser do seu interesse: Qual o valor de referência da ureia?

Dra. Ângela Cassol
Como é feito o exame PSA livre?

O exame de PSA livre é feito da mesma maneira que o exame do PSA total, através da coleta de uma pequena amostra de sangue. São necessários alguns cuidados para evitar resultados falsamente elevados. Recomenda-se, para pacientes que ainda possuem próstata (lembrando que o PSA pode ser utilizado como exame de seguimento em pacientes que já tem diagnóstico de câncer, que já retiraram cirurgicamente a próstata):

  • jejum de quatro horas
  • evitar dois dias antes da coleta: ejacular, exercício em bicicleta; passeio de motocicleta; prática de equitação (andar a cavalo);
  • evitar três dias antes da coleta: uso de supositório; sondagem uretral ou toque retal;
  • evitar cinco dias antes da coleta: cistoscopia (exame que "olha" por dentro a bexiga e a uretra);
  • evitar sete dias antes da coleta: exame de ultra-som transretal;
  • evitar quinze dias antes da coleta: exame de colonoscopia ou retossigmoidoscopia;
  • evitar 21 dias antes da coleta: exame de estudo urodinâmico.

Dependendo do laboratório em que será feita a coleta e análise do sangue, poderão ser orientados outros cuidados antecedendo a coleta. É importante questionar os cuidados antes da coleta ao laboratório.

A análise do resultado do exame deve ser feita pelo médico que o solicitou, em conjunto com a história e o exame clínicos. Para maiores informações, é necessário consultar um urologista ou clínico geral.  

Dra. Ângela Cassol
Corrimento marrom na gravidez é normal?

O corrimento marrom na gravidez pode ser normal ou não, depende.

Um corrimento com essa coloração (considerando marrom escuro ou avermelhado) geralmente indica que há sangue em sua composição.

Primeira metade da gravidez:

No início da gravidez, pode ocorrer por causas que são frequentemente normais e fisiológicas (implantação do embrião na parede uterina, vagina mais sensível a sangramentos em exames de rotina ou relações sexuais, etc). Nestes casos, o sangramento é similar ao que ocorre numa menstrução, porém em menor quantidade e duração do fluxo.

Entretanto, sangramentos no primeiro trimestre podem indicar situações muito mais graves, tais como aborto (ou ameaça de aborto, que ocorre em até 25% de todas as gestações), incompetência ístmo-cervical, gestação ectópica, doença trofoblástica gestacional, eritroblastose fetal.

Durante a gestação, há também uma maior susceptibilidade de infecções vaginais, o que também pode causar corrimentos.

Segunda metade da gravidez:

Além dos sangramentos "normais", decorrentes de lesões mecânicas da parede vaginal, como visto acima, podem ocorrer causas muito graves e que demandam atenção imediata, tais como descolamento prematuro de placenta, placenta prévia e rotura uterina, de vasa prévia ou de seio marginal.

Sempre que ocorrerem corrimentos ou sangramentos durante a gestação, ainda que geralmente comuns, um médico ginecologista deve ser consultado imediatamente para avaliação e tratamento adequado.

Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Corrimento marrom pode ser gravidez?

Corrimento marrom pode, sim, ser um indicativo de gravidez.

Quando ocorre a nidação (implantação do embrião fecundado na parede uterina), há eliminação de pequena quantidade de sangue pela vagina e, em alguns casos, quando misturado à secreção vaginal (normal) ou quando misturado a um corrimento pré-existente (infeccioso ou de qualquer outra causa), pode ter um aspecto marrom-avermelhado, acastanhado ou marrom claro. A coloração marrom geralmente indica sangramento. No caso da nidação, é normal.

Entretanto, há diversas causas de sangramento durante a gestação, algumas delas potencialmente graves, com alto risco de morte para o bebê e a gestante. Além disso, mesmo que seja um sangramento normal da gestação, o corrimento deve ser tratado (o corrimento marrom pode ser, por exemplo, sangue misturado com o corrimento da candidíase, que é branco, ou o corrimento da vaginose bacteriana, que geralmente é amarelado, entre diversas outras causas).

Portanto, sempre que ocorrer sangramento ou corrimento, de qualquer cor ou tipo, procure imediatamente um médico ginecologista para avaliação. Ele poderá fazer o exame para averiguar se você está grávida ou não e lhe dar o tratamento ideal, se for necessário.

Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Quais as causas de plaquetas baixas?

A plaquetopenia (plaquetas em nível inferior a 150.000/mm3) pode ter várias causas:

  • doenças que levam à diminuição da produção das plaquetas na medula óssea: aplasia medular, fibrose ou infiltração por células malignas (câncer visceral ou hematológico, como linfomas e leucemias), quimioterapia. O diagnóstico é feito através da biopsia de medula óssea.

  • doenças que cursam com aumento do baço (esplenomegalia), com sequestro e destruição das plaquetas: hipertensão portal (pode ocorrer na cirrose hepática, esquistossomose, trombose da veia porta); infiltração de células tumorais no baço, nas leucemias e linfomas e ainda na doença de Gaucher.
  • aumento da destruição plaquetária, pela presença de vasos anormais, próteses vasculares e trombos, que ocorrem nas seguintes doenças: púrpura trombocitopênica trombótica, vasculites, síndrome hemolítico-urêmica, coagulação intravascular disseminada e próteses cardíacas.

  • efeito colateral de medicamentos:

    • diuréticos tiazídicos, estrogênios e fármacos mielossupressores induzem diminuição da produção das plaquetas na medula óssea.

    • sedativos, hipnóticos, anticonvulsivantes, alfa-metildopa, sais de ouro e heparina podem induzir destruição imunológica das plaquetas.

  • doenças infecciosas, como dengue, AIDS, hepatite C, febre maculosa, leptospirose, febre amarela e septicemia grave.
  • doenças imunológicas, em que ocorre a destruição das plaquetas no sangue (intravascular), como na púrpura trombocitopênica imunológica e algumas doenças reumatológicas, como no lupus eritematosos sistêmico.

É importante frisar que há doenças em que as plaquetas estão em níveis normais, porém sua função está deficiente, como na insuficiência renal crônica com uremia, por exemplo.

Leia também: Que exames servem para diagnosticar leucemia?

Em caso de plaquetopenia sem sintomas hemorrágicos, deve ser procurado um hematologista para adequados diagnóstico e tratamento. Se houver manifestações hemorrágicas, deve ser procurado um pronto atendimento.

Dra. Ângela Cassol
O que fazer em caso de plaquetas baixas?

A plaquetopenia (plaquetas baixas) pode ter várias causas e, para melhor investigação, deve ser procurado um hematologista.

É importante frisar que há indivíduos com níveis discretamente baixos (usualmente próximos a 100.000 plaquetas/mm3), sem que exista uma doença associada, e sem prejuízo à sua saúde.

É importante observar a evolução dos níveis plaquetários durante algum período de tempo e não considerar uma medida única, pois podem ocorrer variações em virtude da análise do laboratório.

Dependendo da causa da plaquetopenia, será necessário um tratamento específico, ou será necessária apenas observação. Somente após uma avaliação detalhada, será estabelecido o diagnóstico e o tratamento.

Se houver sintomas hemorrágicos (sangramentos), deve ser procurado um pronto atendimento.

Dra. Ângela Cassol
Autismo tem cura?

O autismo é um transtorno global do desenvolvimento e é considerado uma doença crônica, ou seja, sem cura até o momento.

De maneira geral, o tratamento tem 4 objetivos:

  • Estimular o desenvolvimento social e a comunicação;
  • Melhorar o aprendizado e a capacidade de solucionar problemas;
  • Diminuir comportamentos que interferem com o aprendizado;
  • Ajudar as famílias a lidarem com o autismo.

O autismo é um transtorno que nunca desaparece completamente, porém, com os cuidados adequado, o indivíduo se torna cada vez mais adaptado à sociedade.

O tratamento envolve diversos profissionais: pediatria, psiquiatria, psicólogo, fonoaudiólogo, pedagogo e terapeuta ocupacional, e é fundamental o papel dos familiares.

Em 2010, falou-se pela primeira vez em cura do autismo, a partir de uma pesquisa científica feita na Universidade da Califórnia, em que se conseguiu "curar" um neurônio "autista" em laboratório. Contudo, apesar de trazer esperança às famílias de pacientes autistas, ainda não há aplicabilidade clínica até o momento e muitas pesquisas ainda devem ser feitas para poder se falar na cura do autismo.

Dra. Ângela Cassol