Perguntar
Fechar

Verrugas

Estou sentindo muita coceira na minha vagina. O que pode ser?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Coceira na vagina pode ser indício de alguma infecção, baixa imunidade, verruga genital ou alergia. A candidíase é uma infecção vaginal frequente que causa coceira além de irritação e corrimento vaginal.

A candidíase é causada pelo fungo Candida albicans, que habita naturalmente a vagina sem causar nenhum tipo de sintomas ou problema na maior parte do tempo.

Contudo, em algumas situações, como em casos de estresse ou queda da imunidade, esse fungo pode se proliferar para além do normal, causando coceira intensa na vagina e nas suas proximidades.

Além da coceira, a candidíase pode apresentar como sinais e sintomas a presença de corrimento vaginal, dor para urinar, dor nas relações sexuais e ardência no local.

O tratamento da candidíase é feito com medicamentos antifúngicos, aplicados diretamente na vagina ou administrados por via oral.

Coceira na vagina pode ser alergia?

Alguns produtos podem provocar reação alérgica na vagina, como por exemplo: sabonete, absorvente, duchas vaginais, perfume, desodorante, shampoo, condicionador, lenço umedecido, calcinha de nylon, látex, detergentes e amaciantes de roupa.

Menopausa causa coceira na vagina?

Outra possível causa para a coceira na vagina é a menopausa. A coceira, nesses casos, é decorrente da diminuição da produção do hormônio estrógeno.

Nesses casos, podem ser usados lubrificantes de aplicação local para auxiliar a aliviar o prurido. Nos casos mais intensos, pode ser indicado o uso de creme de estriol na vagina.

O que mais pode causar coceira na vagina?
  • Dermatite atópica vulvar: trata-se de um problema de origem alérgica;
  • Tricomoníase vaginal: doença sexualmente transmissível (DST), que pode causar coceira e aparecimento de corrimento vaginal amarelo esverdeado;
  • Líquens vulvares: lesões que surgem na vagina de causa desconhecida. Nesses casos, a  coceira é intensa e a lesão pode aumentar as chances da mulher desenvolver câncer de vulva.

Além da dermatite alérgica, outras doenças dermatológicas devem ser levadas em consideração no momento da avaliação da coceira vaginal.

A mulher com coceira na vagina deve procurar o/a ginecologista, médico/a de família ou clínico/a geral para uma avaliação. Além disso, é importante observar a presença de outros sintomas como a presença de corrimento vaginal.

Toda verruga é HPV?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Sim, todas as verrugas são causadas pelo HPV (Papilomavírus Humano), inclusive as verrugas genitais. No entanto, é preciso esclarecer que há mais de 150 tipos de HPV e aqueles que causam verrugas nas mãos ou nos pés não são os mesmos que provocam câncer. 

Destes 150 tipos, 40 podem infectar o trato genital e existem 12 que são considerados de alto risco, ou seja, podem provocar câncer em colo do útero, vulva, vagina, pênis, ânus ou orofaringe, os demais causam apenas verrugas.

As verrugas são proliferações benignas que ocorrem nas camadas mais superficiais da pele ou mucosa, resultantes do crescimento anormal das células da epiderme, que é a camada mais superficial da pele.

Veja também: Quais são os sintomas do HPV?

Como as verrugas são transmitidas?

O HPV é transmitido através do contato direto com a pele ou mucosa infectada.  A principal forma de transmissão é sexual, seja através de contato oral-genital, genital-genital ou mesmo manual-genital, por isso não é necessário haver penetração para a transmissão do vírus.

Pode ocorrer também autoinoculação, através de pequenos ferimentos que atuam como porta de entrada para o HPV. É ainda possível a transmissão no momento do parto, de mãe para filho.

Não está comprovado que o HPV possa ser transmitido através de objetos, como toalhas e roupas íntimas, ou uso de vaso sanitário ou piscina. Porém, vale lembrar que pessoas com o sistema imunológico debilitado estão mais propensas para desenvolver verrugas.

Saiba mais em: HPV: o que é e como se transmite?

Qual o tratamento para as verrugas?

O tratamento para as verrugas varia de acordo com o tipo de verruga, a extensão e o local das lesões. Algumas formas de tratamento incluem a aplicação de ácido tricloroacético (ATA), congelação, eletrocauterização, laser ou cirurgia. O objetivo do tratamento é a destruição ou a remoção das lesões.

As verrugas mais difíceis de serem tratadas são as que atingem o ânus e os órgãos genitais, pois podem necessitar de tratamentos combinados e, em alguns casos, de cirurgia para retirá-las, se forem muito grandes e reincidentes.

Leia também: Qual é o tratamento para HPV?

Como prevenir as verrugas?Tomar a vacina 

A vacina é a melhor forma de prevenir o aparecimento de verrugas, inclusive as genitais. Além disso, a vacinação protege contra os tipos de HPV responsáveis por grande parte dos casos de câncer de colo de útero. 

No Brasil, existem dois tipos de vacina contra o HPV: a quadrivalente e a bivalente. A quadrivalente protege contra os HPV 6 e 11, que são responsáveis por verrugas genitais. Além de proteger contra os tipos 16 e 18, responsáveis por lesões pré-cancerosas.

Leia mais sobre o assunto em: Quem deve tomar a vacina contra HPV? 

Evitar contato direto

Para prevenir o contágio com o HPV e as consequentes verrugas, deve-se evitar também o contato direto com lesões, ou seja, evitar encostar ou tocar em verrugas.

Usar preservativo

O uso de de preservativo em todas as formas de relações sexuais é a principal forma de contrair doenças sexualmente transmissíveis (DST), inclusive o HPV, que provoca verrugas genitais. Porém, em relação ao HPV, a camisinha não impede totalmente a infecção, já que é comum haver lesões em áreas não protegidas pelo preservativo, como a vulva, o períneo (região entre genitais e ânus), região pubiana e bolsa escrotal.

Mesmo assim, estima-se que ele possa barrar entre 70 a 80% a transmissão do HPV. Nesse sentido, o preservativo feminino conta com uma maior proteção, por também cobrir a vulva.

O aparecimento de qualquer tipo de verruga na pele ou mucosa deve ser analisado por um médico, que irá identificar o tipo de verruga e efetuar ou orientar quanto ao tratamento adequado.

Saiba mais em: 

É normal aparecerem verrugas durante a gravidez?

HPV tem cura definitiva?

Como é feito o diagnóstico do HPV?

Nasceu uma verruga próximo à entrada da vagina. O que pode ser?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Verruga na região genital pode ser indicativo de alguma doença sexualmente transmissível (DST). A lesão mais frequente associada às verrugas na vagina é devido ao vírus papiloma humano (HPV).

Essas verrugas podem aparecer entre 3 semanas a 8 meses após relação sexual desprotegida. A maioria das verrugas na vagina decorrente do HPV são transitórias e podem se auto resolver em 2 anos, não precisando de nenhum tratamento específico.

Se houver crescimento da verruga, dor e incômodo, procure um serviço de saúde para avaliação e tratamento. Em alguns casos, essas verrugas precisam ser "queimadas" com ácido para serem eliminadas.

É fundamental a realização do exame preventivo com frequência (anual ou a cada 3 anos a depender do resultado do exame) para avaliação do útero, colo do útero e da região interna da vagina. Esse exame é capaz de avaliar a presença de lesões e corrimentos que, ao serem detectados podem ser devidamente tratados. O exame preventivo é oferecido nas Unidades Básicas de Saúde gratuitamente.

Leia também: Toda verruga é HPV?

Qual o remédio para remover verruga?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Alguns remédios utilizados para remover verrugas e que não precisam de receita médica são o Wartner, o Duofilm e o Pointts

No entanto, é necessário consultar um médico dermatologista ou clínico geral antes de iniciar qualquer tratamento, devido ao risco de ser uma lesão mais grave apenas semelhante a uma verruga simples, trazendo riscos para a sua saúde e demora em um diagnóstico muito vezes mais perigoso. Outra situação são as contraindicações, por exemplo o paciente diabético que não deve fazer uso de algumas apresentações.

Além disso, o tratamento para remover verrugas depende do tipo de verruga e pode incluir:

  • Aplicação de ácidos ou outras substâncias químicas;
  • Crioterapia (congelação);
  • Eletrocirurgia (queima);
  • Cirurgia a laser;
  • Cirurgia para retirar a verruga (excisão);
  • Imunoterapia com o objetivo de estimular as defesas do organismo para que este rejeite a verruga.

Veja também Toda verruga é HPV?

Cada tipo de verruga requer um tratamento específico. Se tiver dúvidas quanto ao diagnóstico e tratamento, consulte um médico dermatologista.

Faz mal cortar verruga?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim, faz mal cortar verruga em casa e nunca se deve fazer isso, seja com tesoura, gilete, faca, alicate ou qualquer outro objeto cortante, pois pode causar uma infecção grave no local.

Para tratar a verruga deve-se consultar o/a médico/a dermatologista, clínico/a geral ou médico/a de família para que seja feito um diagnóstico adequado e o paciente possa ter a certeza de que o que ele tem é mesmo uma verruga.

Após o diagnóstico, é provável que o dermatologista indique um ácido para ser aplicado sobre a verruga em casa, normalmente à noite.

Veja também: Qual o remédio para remover verruga?

Antes de aplicar o ácido, recomenda-se lixar a verruga. Uma vez aplicado o medicamento, deve-se tapar a verruga com um curativo. Depois, é só ir retirando a porção morta da verruga na hora do banho.

Esse tratamento é longo e, dependendo da localização e da quantidade de verrugas, pode durar até 4 meses.

Dependendo do tipo de verruga, o/a profissional pode optar por procedimentos cirúrgicos, como a crioterapia (congelação), eletrocirurgia (queima) ou excisão (remoção).

Saiba mais em: Toda verruga é HPV?

Verruga coça? Faz mal coçar verruga?

Sim, verruga pode coçar e faz mal coçar a verruga porque o contato com a lesão transporta o vírus para outros locais do corpo, podendo espalhar a infecção. Apesar de serem benignas, as verrugas são altamente contagiosas.

O vírus HPV que causa as verrugas penetra na pele através de pequenos ferimentos que atuam como porta de entrada.

Se depois de coçar a verruga a pessoa passar a mão em qualquer ferida na pele, mesmo que seja um pequeno corte que nem se nota, já pode haver contaminação pelo vírus.

Outro problema em coçar a verruga é o risco de provocar um ferimento com as unhas e causar uma infecção no local.

A transmissão do vírus HPV ocorre através do contato direto com as verrugas ou com objetos infectados.

Veja também: Toda verruga é HPV?

A melhor forma de evitar a proliferação de verrugas para outras partes do corpo ou a transmissão para outras pessoas é removê-las através da aplicação de medicamentos específicos ou métodos cirúrgicos.

Alguns cuidados que ajudam a prevenir o aparecimento de verrugas:

  • Cobrir lesões ou cortes na pele com curativos;
  • Evitar ficar descalço;
  • Evitar o contato direto com as verrugas (próprias ou de terceiros);
  • Usar preservativo;
  • Tomar vacina contra HPV para prevenir verrugas genitais.

O diagnóstico e o tratamento das verrugas é da responsabilidade do médico dermatologista.

É normal aparecerem verrugas durante a gravidez?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Não é algo normal, visto que o aparecimento de verrugas durante a gravidez é um sinal de infecção pelo HPV, o Papilomavírus Humano.

Por conta de alterações hormonais e imunológicas da gravidez é comum mulheres que tem o vírus, mas não apresentavam verrugas antes da gestação passarem a apresentar verrugas ao engravidar.

Entre aquelas mulheres que já tinham verrugas é possível que essas lesões aumentem tanto em quantidade quanto em tamanho.

Além disso, a imunossupressão inerente a gravidez também aumenta o risco de infecção pelo HPV entre aquelas mulheres que não tinham esse vírus.

É importante lembrar que os tipos de HPV que causam as verrugas não são os mesmos relacionados com o câncer do colo do útero.

Em relação ao bebê existe um risco de transmissão do HPV da mãe para a criança no momento do parto, tanto no parto normal quanto na cesária, o que pode levar ao aparecimento de verrugas na criança. O risco  de transmissão vertical do HPV é baixa 2,8%.

As verrugas genitais não são impeditivas da mulher ter parto normal, a não ser que as verrugas ou as lesões sejam muito grandes, ao ponto de interferirem com a passagem do bebê pela vagina. 

Leia mais sobre o HPV em: HPV tem cura e quando pode levar ao câncer do colo de útero?

Para maiores informações sobre o desenvolvimento de verrugas durante a gravidez, fale com o seu médico ginecologista.

Pode também ser do seu interesse: 

Quais são os sintomas do HPV?

Homem com HPV pode ter filhos?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim. Homem com HPV pode ter filhos. O vírus HPV não é transmitido de pai para filhos e também não afeta a fertilidade masculina. Por isso, pessoas infectadas pelo vírus podem ter filhos normalmente.  

No caso dos homens, as verrugas anogenitais (ânus e pênis) são os principais sintomas do HPV. No caso das mulheres, as verrugas podem aparecer na vagina e colo do útero, podendo causar câncer de colo uterino.

O HPV é um vírus facilmente transmitido, sendo a via sexual o seu principal meio de transmissão. Quanto maior o número de parceiras ou parceiros, maiores são os riscos de contágio.

Quais os sintomas do HPV no homem?

No homem, o HPV se manifesta na forma de verrugas genitais fixas ou moles, lisas ou rugosas. Aparecem principalmente na glande ("cabeça" do pênis) e no prepúcio (pele que recobre a glande), podendo surgir ainda no saco escrotal, na região posterior do pênis, na região anal e na uretra (canal da urina).

O HPV é mais comum em homens que não fizeram a cirurgia de fimose, ou seja, que têm a glande recoberta pela pele.

O tamanho das lesões varia entre 3 e 5 milímetros de diâmetro e tendem a aparecer em grupos de 3 ou 4 verrugas, geralmente com aspecto de couve-flor.

Veja também: Como é feito o diagnóstico do HPV?

Assim como na mulher o HPV está muito associado ao câncer de colo de útero, no homem, o HPV está presente em praticamente 70% dos casos de câncer de pênis

Grande parte dos homens com HPV não manifesta sintomas, sendo assim difícil de identificar a doença apenas pela observação. O diagnóstico nesses casos é feito por meio de uma peniscopia, um exame que permite identificar a presença de lesões microscópicas que denunciam a presença do vírus.

Como ocorre a transmissão do HPV no homem?

 A transmissão do HPV no homem ocorre pelo contato direto com a pele ou a mucosa infectada de outra pessoa. Não é necessário haver penetração para que o HPV seja transmitido. Basta manipular o local afetado para poder contrair o vírus.

Além disso, apesar do uso de preservativo ser indicado para prevenir todas as formas de infecções sexualmente transmissíveis (ISTs), inclusive o HPV, a transmissão pode ocorrer, uma vez que existem partes da pele que não ficam totalmente protegidas com a camisinha, podendo haver contado com a lesão nessas áreas.

Uma possibilidade de prevenção ao vírus HPV recentemente ofertada é a vacina que pode proteger contra os principais tipos de HPV associados ao câncer e às verrugas genitais.

Leia também: Quem tem HPV pode doar sangue?

Como tratar HPV no homem?

Não existe um medicamento ou tratamento capaz de curar definitivamente o HPV, seja no homem ou na mulher. Mesmo após a remoção das verrugas, elas reaparecem em até 25% dos casos. 

O tratamento para HPV inclui o uso de medicamentos aplicados diretamente no local, sobretudo à base de ácidos, além de procedimentos cirúrgicos para destruir ou retirar as verrugas.

Homens com HPV devem procurar um urologista, médico/a de família, dermatologista ou infectologista para receber uma avaliação e iniciar o tratamento adequado.

Saiba mais em:

Como tomar a vacina contra HPV?

HPV tem cura e quando pode levar ao câncer do útero?

HPV durante a gravidez: quais os riscos e como tratar?