Perguntar
Fechar

Doenças e Agravos à Saúde

Dor nos bicos dos seios. O que pode ser?

Dor nos mamilos (bicos dos seios) pode ter várias causas. Normalmente são causas benignas, a dor pode estar associada a um aumento dos hormônios estrogênio e progesterona, portanto relacionada ao ciclo menstrual, ou pode ser decorrente de alterações locais.

Dentre as possíveis causas para a dor no bico dos seios estão: gravidez, período pré e pós-menstrual, pré-menopausa, uso regular de contraceptivos orais, terapia de reposição hormonal, uso de antidepressivos, seios muito grandes, irritação local pelo uso de sabonetes e detergentes, amamentação e infecções, como micoses.

É importante ficar atenta também a outros sintomas no mamilo e na mama, que, se estiverem presentes, podem indicar doenças potencialmente graves. Esses sinais e sintomas incluem:

  • Coceira e inchaço no mamilo;
  • Formação de fissuras;
  • Sangramento;
  • Presença de caroços ou inchaços ao redor da aréola;
  • Saída de secreção pelo mamilo;
  • Saída de leite, sem estar grávida ou amamentando. 
Coceira no bico do seio, o que pode ser?

A coceira no mamilo pode ser causada por um processo inflamatório na pele, conhecido por dermatite, ou por alergia. O tratamento, nesses casos, é feito com pomadas, que melhoram rapidamente os sintomas. 

Contudo, é importante frisar que coceira e vermelhidão no bico do seio também podem ser sintomas de doença de Paget, um tipo raro de câncer de mama.

Se a dor ou a coceira no bico dos seios permanecer por mais de 10 dias, procure um/a médico/a mastologista ou dermatologista para uma avaliação.

Não faça uso de qualquer medicação antes de ser avaliada, pois pode mascarar algum sinal importante para o seu diagnóstico.

Leia também: Mamilos sangrando. O que pode ser e o que fazer?

Vontade de urinar toda hora, o que pode ser?

A vontade de urinar a toda hora pode decorrer de uma série de motivos e nem sempre é sinal de doença. Diversas condições, patológicas ou não, podem provocar um aumento da produção de urina ou irritações na bexiga que deixam a pessoa com uma vontade constante de urinar.

Poliúria

O excesso de produção de urina (poliúria) caracteriza-se pela produção de mais de 2,5 litros por dia, quando o normal é de 1,2 a 1,5 litros de urina por dia. Isso ocorre ao beber muito líquido e na gravidez, o que é normal, mas também pode ser sintoma de doenças como diabetes e insuficiência renal, ou ainda efeito colateral de medicamentos diuréticos.

Veja também: Quais os Sintomas para Suspeitar de Diabetes?

Polaciúria

O aumento da frequência urinária acompanhada de pouca eliminação de urina (polaciúria), ou seja, sentir vontade de urinar toda hora mas em pequenas quantidades, é um sintoma característico de cistite (infecção urinária na bexiga) ou doenças da próstata. No entanto, trata-se de uma condição normal durante a gestação.

Leia também: O que é cistite e quais os sintomas?

Nictúria

A nictúria caracteriza-se pela vontade de urinar durante à noite e pode ter as mesmas causas da poliúria e da polaciúria. Ir ao banheiro uma vez depois de dormir é considerado normal, mas quando a frequência de micções noturnas aumenta, é um sinal muito típico de doenças da próstata, insuficiência cardíaca, cirrose e outras doenças que causam inchaço nas pernas. Ao deitar, o edema é reabsorvido no sangue e esse excesso de água é então eliminado pelos rins.

Síndrome da Bexiga Hiperativa

A Síndrome da Bexiga Hiperativa afeta tanto homens como mulheres, embora seja mais comum na mulher. Trata-se de uma alteração no funcionamento da bexiga que provoca contrações involuntárias no órgão, causando vontade constante e urgente de urinar.

Pessoas com essa Síndrome têm mais de 8 micções ao longo do dia e da noite, inclusive depois de dormir. A urgência urinária, ou seja, a necessidade de urinar logo que se tenha vontade, é outro sintoma característico da Síndrome da Bexiga Hiperativa.

Veja também: O que é bexiga hiperativa e quais os sintomas?

Em caso de vontade de urinar a toda hora, consulte um clínico geral, médico de família ou um urologista para receber um diagnóstico e tratamento adequados.

Saiba mais em:

O que pode causar ardência ao urinar?

Dor ao urinar, o que pode ser?

Vontade de urinar a toda hora e não conseguir. O que pode ser?

Dificuldade para urinar: o que pode ser e o que fazer?

É normal sentir constantemente vontade de urinar?

Caroços ou Nódulos
Qual a causa ou o diagnóstico?

O diagnóstico do que realmente é esse nódulo ou caroço somente pode ser feito pelo exame direto da lesão, e mesmo assim, muitas vezes ainda será preciso fazer ultrassom ou biópsia ou até mesmo retirar o caroço e mandar examinar para saber o que é, então perguntar aqui no site o que pode ser um caroço que você tem, pode levar a uma resposta muito inexata sobre o que pode ser (em primeiro lugar não podemos dar diagnóstico pela internet e em segundo lugar, mesmo que pudesse, é muito difícil saber o que é sem a visualização direta, sem examinar o caroço).

Para ficar mais tranquilo: câncer pode aparecer na forma de um nódulo ou caroço sim (principalmente nos seios ou pescoço), porém existem muitas outras coisas muito mais comuns.

1 - Caroço ou nódulo no seio ou mama, o que é?

Independente de você ser homem ou mulher precisa procurar um médico (qualquer médico, mas quem cuida disso é o ginecologista, mais especificamente o mastologista), antes de ser examinado e fazer os exames necessários não dá para saber se é algo benigno ou maligno (câncer). Se o caroço ou nódulo apareceu de repente, com evolução de dias e é dolorido, vermelho e quente, geralmente é inflamatório agudo, precisa procurar o médico imediatamente.

2 - Caroço ou nódulo no seio ou mama em pré-adolescentes, o que é?

A partir dos 7 anos de idade pode surgir o botão mamário, primeiro num seio e depois no outro, é a mama da menina que está começando a se formar, porém como dito anteriormente todo nódulo ou caroço precisa de um diagnóstico correto, o ideal é procurar um médico pediatra ou clínico geral.

3 - O que são caroços no pescoço?

A maioria dos caroços no pescoço são linfonodos ou popularmente conhecidos como "ínguas". São pequenos órgãos de defesa espalhados pelo todo corpo, em alguns pontos são mais visíveis como é o caso do pescoço.

4 - Porque aparecem caroços no pescoço?

Os linfonodos ou ínguas, que são pequenos órgão de defesa, costumam aumentar de tamanho quando existe algum tipo de infecção ou inflamação nas proximidades (feridas, espinha, picada de inseto, inflamação na garganta, ouvido...) e em alguns casos de infecções ou inflamações em todo o corpo.

5 - O que fazer quando os caroços no pescoço aparecem?

O ideal é procurar um médico para saber a causa, na maioria das vezes são causados por doenças não graves e de resolução espontânea.

6 - Caroços no pescoço podem indicar câncer?

Em casos raros os linfonodos podem aumentar de tamanho por causa de câncer, sendo o mais comum o linfoma, mas não é a primeira hipótese, as outras causa (infeciosas ou inflamatórias) são muito mais frequentes.

7 - Os caroços no pescoço desaparecem com o tempo?

Após terminar a causa do aumento do tamanho dos linfonodos eles tendem a reduzir de tamanho e tornarem-se novamente impalpáveis, essa redução de tamanho é lenta e ocorre em dias, semanas ou meses, e em alguns casos pode nunca mais diminuir de tamanho e ficam sempre como estão.

8 - Sinto dor nos caroços isso é bom ou ruim?

Aumento de tamanho do linfonodo com dor normalmente indica causa inflamatória ou infecciosa, geralmente não é grave.

9 - Tenho esses caroços no pescoço, devo mesmo procurar o médico?

O ideal é que sim, sempre deve ir a um médico para ser examinado e caso necessário fazer exames para saber o diagnóstico correto.

10 - Nódulo debaixo da pele com inchaço, dor e vermelhidão?

Geralmente são nódulos inflamatórios ou infecciosos (cisto sebáceo infectado, abscesso ou furúnculo), precisa ir ao médico para tratamento com antibióticos e as vezes abertura cirúrgica da lesão.

11 - Nódulo debaixo da pele sem nenhum sintoma associado?

Geralmente é um cisto sebáceo ou uma fibroadenoma, precisa ir ao médico para ser examinado e correto diagnóstico e tratamento se houver necessidade (indicação médica) ou vontade do paciente em retirar o nódulo.

12 - Nódulo ou caroço na vagina?

Nódulos doloridos e avermelhados na parte lateral da entrada da vagina geralmente indicam uma Bartolinite (inflamação na glândula de Bartolin), deve procurar um médico ginecologista.

Coceira no corpo, o que pode ser e o que fazer?

Coceira no corpo pode ser causada por diversas doenças, que vão desde alergias a tumores no fígado, passando por seborreia e micoses. Regra geral, o que se deve fazer é evitar coçar muito o local para evitar lesões e infecções. Dependendo do local do corpo que a coceira aparece, é possível saber o que pode ser:

  • Cabeça: Caspa;
  • Olhos: Conjuntivite ou blefarite (caspa ocular);
  • Lóbulo a orelha: Alergia ao brinco de bijuteria ou prata;
  • Abaixo da nuca: Alergia à etiqueta da roupa;
  • Axilas: Alergia ao desodorante;
  • Virilha: Micose;
  • Genitais: infecções, doenças sexualmente transmissíveis, alergias;
  • Corpo todo: Urticária ou dermatite atópica;
  • Dentro ou atrás da orelha: Dermatite seborreica;
  • Nariz: Rinite;
  • Pescoço e pálpebra superior: Alergia ao esmalte da unha;
  • Lateral do abdômen: pele seca;
  • Mãos: Alergia ao detergente ou sabão (veja mais em: Coceira nas mãos: o que pode ser e o que fazer?);
  • Pés: micose (leia também: Coceira nos pés: o que pode ser e o que fazer?).

Saiba mais em: Estou com coceira na garganta e sinto que ela está irritada. O que pode ser?

Causas comuns de coceira no corpo:

  • Dermatites: Caracterizam-se pelo aparecimento de manchas avermelhadas que descamam e coçam, podendo ter evolução crônica. Pode ser causada por produtos de limpeza, higiene pessoal e beleza, substâncias químicas, efeito secundário de algum medicamento, entre outros;
  • Escabiose ("sarna"): Geralmente provoca coceira à noite, principalmente no abdômen, parte interna dos braços, área genital e coxas. A doença é causada por um ácaro que pode facilmente ser transmitido através do uso comum de roupas de cama e roupas, embora o contato sexual seja o seu principal meio de disseminação;
  • Urticária: Caracteriza-se pelo aparecimento repentino de placas avermelhadas e elevadas na pele. Pode ter diversas causas, sendo que alguns medicamentos estão entre as principais;
  • Ansiedade e/ou estresse: Coceira generalizada pode ser sinal de ansiedade ou estresse severos, capazes de levar o indivíduo a ideias suicidas;
  • Alimentação: A coceira nestes casos é mais rara, com características semelhantes à urticária. O consumo de camarão está entre suas principais causas;
  • Picada de inseto: A picada de determinados insetos pode levar ao surgimento de bolinhas avermelhadas na pele que geralmente coçam muito;
  • Doenças mais graves: Dengue, catapora, viroses, hepatites B e C e até infecção pelo HIV podem causar erupções na pele que provocam coceira.

Se estiver com coceira no corpo, o que deve fazer é procurar o/a médico/a dermatologista, médico/a de família ou clínico/a geral para que seja feito um diagnóstico das causas, seguido por um tratamento adequado.

Saiba mais em:

Coceira no ouvido: O que pode ser e o que devo fazer?

Coceira na cabeça é sinal de doença no couro cabeludo?

Formigamento nas mãos, o que pode ser?

A sensação de formigamento nas mãos é causada pela compressão de um nervo ou pela má circulação sanguínea em determinada região do corpo. Sendo assim, todas as condições que causem essas situações podem levar a esse sintoma.

Ele pode ser um sintoma normal, causado apenas por má postura, ou por exemplo quando dormimos sobre o braço e, com isso, comprimimos os nervos e os vasos sanguíneos, prejudicando a circulação local, mas também pode ser sintoma de problemas mais sérios.

Entre as doenças relacionadas à compressão de nervos, a mais conhecida é a síndrome do túnel do carpo, que acontece principalmente em mulheres por volta dos 40 anos de idade, mas pode aparecer também em homens e pessoas mais jovens. Está relacionada à compressão dos nervos do punho. Essa compressão pode aparecer por inchaço do punho, que pode ocorrer no período da menopausa, durante a gravidez, no hipotireoidismo ou por consequência de traumas (pancadas) na região.

Leia também: Mãos inchadas: o que pode ser e o que fazer?

Cada vez mais frequente nos dias atuais, é a compressão causada por esforços repetitivos, em especial nas pessoas que utilizam demais os dedos para trabalhar, como por exemplo quem trabalha com computador e pianistas.

Doenças inflamatórias crônicas como a artrite reumatoide e o uso de alguns medicamentos também podem favorecer ao aparecimento dessa síndrome.

Outra situação de compressão nervosa não relacionada ao túnel do carpo é a hérnia de disco. Nesse caso, a raiz do nervo, que é localizada na coluna vertebral, acaba sendo "beliscada" pelos ossos vertebrais toda vez que o indivíduo vira o pescoço ou fica em determinada posição. Esse "beliscão" pode ser sentido como um formigamento intenso e súbito, que melhora quando o corpo volta à posição anterior.

Com relação à alteração da circulação, doenças como hipertensão, diabetes e outras que causem vasculite (doença dos vasos sanguíneos) podem levar ao sintoma.

E existem também as chamadas causas centrais, em que o sintoma é provocado por alterações no cérebro, e embora sejam mais raras também devem ser pensadas no momento do diagnóstico.

Por fim, formigamentos de início súbito, especialmente quando associados a outros sintomas também de início súbito, como dor no peito, fraqueza, alterações visuais, alterações da fala, alterações de comportamento, dificuldade para andar, desmaio entre outros, pode ser sinal de infarto ou AVC (derrame). Nesse caso, um pronto-socorro deve ser procurado imediatamente.

Em todo caso, para ter o diagnóstico mais preciso em cada situação, é fundamental procurar um clínico geral ou médico do trabalho, para que os exames sejam feitos e os tratamentos mais adequados sejam indicados.

Para que serve o fluconazol e como deve ser usado?

O fluconazol serve para o tratamento de infecções fúngicas e está indicado para o tratamento das seguintes condições:

Candidíase vaginal aguda e recorrente e balanites por Candida, bem como profilaxia para reduzir a incidência de candidíase vaginal recorrente (3 ou mais episódios por ano);

Dermatomicoses, incluindo Tínea pedis, Tínea corporis, Tínea cruris, Tínea unguium (onicomicoses) e infecções por Candida.

Cada comprimido apresenta 150 mg de fluconazol e a posologia (modo de usar) depende da infecção que está sendo tratada.

Fluconazol para micose

Para dermatomicoses, incluindo tinha do corpo, do pé, crural e infecções por cândida, deve ser administrado em dose oral única semanal de 150 mg.

A duração do tratamento é geralmente de 2 a 4 semanas, mas nos casos de tinea pedis, um tratamento de até 6 semanas poderá ser necessário.

Fluconazol para tinha ungueal

Para tinha ungueal (onicomicoses) a dose recomendada é de 150 mg de fluconazol administrado em dose única semanal. O tratamento deve ser continuado até que a unha infectada seja totalmente substituída pelo crescimento. 

A substituição das unhas das mãos pode levar de 3 a 6 meses enquanto que a dos pés de 6 a 12 meses. Entretanto, a velocidade de crescimento das unhas está sujeita a uma grande variação individual e de acordo com a idade.

Fluconazol para candidíase e balanite

Para o tratamento de candidíase vaginal e balanite por cândida, geralmente é administrada uma dose única oral de 150 mg. Eventualmente se repete essa dose em dois dias a depender da intensidade dos sintomas.

Para reduzir a incidência de candidíase vaginal recorrente, deve-se utilizar dose única mensal de 150 mg. A duração do tratamento deve ser individualizada, mas varia de 4 a 12 meses. 

Alguns pacientes podem necessitar de um regime de dose mais frequente. A dose deverá ser ajustada em pacientes com insuficiência renal.

Quais são os efeitos colaterais do fluconazol?

O fluconazol normalmente é bem tolerado. Pessoas com doenças graves, como câncer e HIV, que tomam o medicamento, podem apresentar disfunção renal e alterações na função do fígado e do sangue. 

A ocorrência dos efeitos colaterais do fluconazol pode ser classificada como muito comum (um caso em cada 10), comum (um caso em cada 10 a 100 pessoas que tomam a medicação), pouco comum (um caso em cada 1.000 a 10.000 pessoas que tomam a medicação), rara (um caso em cada 10.000) e muito rara (menos de 1 caso em cada 10.000 pessoas que tomam fluconazol).

Efeitos colaterais comuns do fluconazol
  • Distúrbios gastrintestinais (dor abdominal, diarreia, náuseas, vômitos);
  • Distúrbios hepatobiliares (aumento da alanina aminotransferase, aumento da aspartato aminotransferase, aumento da fosfatase alcalina sanguínea);
  • Distúrbios da pele e tecido subcutâneo (rash cutâneo).
Efeitos colaterais pouco comuns do fluconazol
  • Distúrbios psiquiátricos (insônia, sonolência);
  • Distúrbios do sistema nervoso (dor de cabeça, convulsões, tontura, parestesia, alteração do sabor, tremores);
  • Distúrbios auditivos e do labirinto (vertigem);
  • Distúrbios gastrintestinais (dispepsia, flatulência, boca seca);
  • Distúrbios hepatobiliares (colestase, icterícia, aumento da bilirrubina);
  • Distúrbios da pele e tecido subcutâneo (coceira, urticária, aumento da transpiração, erupção medicamentosa);
  • Distúrbios musculoesqueléticos e do tecido conjuntivo (dores musculares);
  • Distúrbios gerais (fadiga, mal-estar, febre).
Efeitos colaterais raros do fluconazol
  • Distúrbios do sangue e sistema linfático (agranulocitose, leucopenia, neutropenia, trombocitopenia);
  • Distúrbios do sistema imunológico (anafilaxia, angiedema);
  • Distúrbios metabólicos e nutricionais (hipertrigliceridemia, hipercolesterolemia, hipocalemia);
  • Distúrbios cardíacos (Torsade de pointes);
  • Distúrbios hepatobiliares (toxicidade hepática, insuficiência hepática, morte celular, hepatite, danos hepatocelulares e morte);
  • Distúrbios da pele e tecido subcutâneo (necrólise epidérmica tóxica, Síndrome de Stevens-Johnson, pustulose exantematosa generalizada aguda, dermatite esfoliativa, edema facial).

O fluconazol deverá ser vendido somente com prescrição médica e o paciente deverá seguir as orientações da receita.

Sinto dores abdominais do lado direito abaixo as costelas. Pode ser hepatite?

Dor abdominal do lado direito, abaixo as costelas, pode ser hepatite, mas não parece ser o seu caso, pois os exames estão dentro da normalidade.

A hepatite nem sempre manifesta sintomas e, quando estão presentes, caracterizam-se por:

  • Fadiga;
  • Falta de apetite;
  • Febre;
  • Náusea;
  • Dor nas articulações;
  • Urina escura;
  • Dores abdominais;
  • Icterícia (pele e olhos amarelados);
  • Entre outros.

Além do fígado, a vesícula biliar é outra causa comum de dor no lado superior direito do abdômen, principalmente quando há pedra na vesícula. Nesse caso, a dor abdominal é na realidade uma cólica biliar, provocada pela obstrução da vesícula por uma ou mais pedras. 

Se a obstrução permanecer por muito tempo, a vesícula inflama e surge a colecistite. Além de cólica biliar, que surge após a ingestão de alimentos gordurosos, a colecistite causa febre e vômitos.

Lesões na parte inferior do pulmão direito, no rim, nas costelas ou ainda em músculos também podem causar dor na porção superior direita do abdômen.

Saiba mais em: Dor abdominal: o que pode ser?

Consulte um/a médico/a clínico/a geral ou um/a médico/a de família se a dor abdominal for muito intensa, durar horas ou dias, ou ainda se vier acompanhada de vômitos, febre ou outros sintomas.

Também podem lhe interessar:

Quais os sintomas da hepatite A?

Quais são os sintomas da hepatite B?

Quais são os sintomas da hepatite C?

Caroço no ânus: o que pode ser?

Caroço no ânus pode aparecer em diversas idades, isoladamente ou acompanhado de outros sintomas, além de poder ser característico de várias patologias, entre elas:

  • Hemorroida: veias anais que se dilatam em consequência de alguma situação;
  • Verrugas anais: decorrentes de algumas doenças transmitidas pelo sexo;
  • Abscesso: inflamação das glândulas da região anal com presença de pus, dor, vermelhidão e inchaço na região anal acompanhado de sintomas gerais como febre, prostração, calafrios;
  • Tumor: indicativo de câncer;
  • Cisto: muitas vezes acompanhado de abscesso;
  • Prolapso retal: exteriorização do reto por completo ou parcialmente.

O caroço no ânus deve ser examinado pelo/a médico/a clínico geral, médico/a de família ou proctologista para definir a causa específica e orientar o tratamento mais adequado.

Também pode lhe interessar: Tenho um caroço na virilha. O que pode ser?