Perguntar
Fechar
Quais os sintomas de um coágulo no cérebro?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Os sintomas de um coágulo no cérebro normalmente começam de forma súbita e podem incluir um ou vários sintomas combinados. Os mais comuns são:

  • Perda de força, dormência ou paralisia da face, de um braço ou de uma perna;
  • Dor de cabeça forte e persistente;
  • Perda ou turvação da visão, principalmente em um olho; visão dupla; presença de uma sombra no campo de visão;
  • Dificuldade para engolir;
  • Dificuldade para falar ou compreender a fala dos outros;
  • Tontura sem causa aparente;
  • Desequilíbrio;
  • Falta de coordenação ao caminhar;
  • Queda súbita acompanhada por algum dos sintomas descritos.

Os sintomas de um coágulo cerebral variam conforme a região do cérebro que foi afetada. Alguns deles podem passar despercebidos ou serem passageiros, como pequenas alterações na fala ou uma dormência leve num braço.

Veja também: Quais os sintomas de câncer no cérebro e como identificar?

Dentre as principais causas de coágulo cerebral, estão:

  • Traumatismo craniano (mesmo que não seja muito forte);
  • Alterações na circulação sanguínea: Neste caso, o coágulo pode entupir um vaso sanguíneo e provocar um "derrame" (Acidente Vascular Cerebral Isquêmico);
  • Acidente Vascular Cerebral Hemorrágico: Ocorre quando um vaso sanguíneo se rompe e o sangue se espalha numa determinada área do cérebro. É o "derrame", propriamente dito. 

Aos primeiros sintomas de um coágulo no cérebro, a vítima deve receber socorro médico especializado com urgência. Quanto mais cedo o coágulo for diagnosticado e tratado, menores são as chances de complicações ou sequelas.

O tratamento do coágulo cerebral é feito pelo/a médico/a neurocirurgião/ã.

Quais os sintomas de calcificação no cérebro?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

As calcificações encontradas no cérebro, podem não apresentar nenhum sintoma, como acontece na maioria das vezes, ou pode desenvolver sintomas de:

  • Crises convulsivas;
  • Tremores e dificuldade de caminhar (semelhante ao Parkinson);
  • Confusão mental, problemas de memória;
  • Alterações de humor ou de personalidade (irritabilidade, agressividade).

Os sintomas tendem a aparecer quando a quantidade de calcificações é grande, ou dependendo da causa desse depósito e da sua localização.

Como os sintomas são semelhantes a outras doenças neurológicas e psiquiátricas, como o Mal de Alzheimer, a doença de Parkinson, esquizofrenia, depressão ou ainda transtorno bipolar, o diagnóstico pode demorar a ser feito, o que permite a evolução da doença e menor resposta ao tratamento.

Tratamento das calcificações cerebrais

O tratamento é direcionado para a causa do problema e nem sempre existe um tratamento eficaz, porém, nos casos de calcificações por hipoparatireoidismo, por exemplo, o tratamento com reposição de cálcio e vitamina D, iniciando de forma precoce, evita problemas neurológicas graves e inclusive, a morte do paciente.

O neurologista é o médico capacitado para fazer essa avaliação e determinar a melhor opção de tratamento para cada caso.

Causas de calcificação cerebral

Dentre as causas mais comuns de calcificações no cérebro estão:

  • Idiopática (quando não é possível determinar a causa - causa desconhecida),
  • Doenças Genéticas (doença de Fahr, esclerose tuberosa),
  • Hipoparatireoidismo (deficiência de produção de hormônios pela glândula paratireoide),
  • Hipotireoidismo (baixa produção de hormônio pela glândula tireoide),
  • Pós-radioterapia (especialmente na região do pescoço e tórax),
  • Infecções: zika, citomegalovírus, toxoplasmose, rubéola e cisticercose,
  • Pós-hemorragia cerebral (por depósito de hemossiderina).
O que são as calcificações cerebrais?

As calcificações cerebrais, são depósitos de minerais no cérebro, como sais de cálcio, ferro e outros. As calcificações podem nunca causar sintomas, ou podem desencadear sintomas neurológicos graves e irreversíveis se não for diagnosticado a tempo de um tratamento adequado.

O diagnóstico é feito através de exames de imagem, como o RX ou TC (tomografia de crânio). A RM (ressonância magnética) também pode ser indicada, com objetivo de avaliar a extensão das calcificações e comprometimento das regiões próximas.

Uma vez diagnosticado o problema, deve ser feito um acompanhamento com um neurologista, para tratamento adequado.

Pode lhe interessar também:

Referência:

Academia Brasileira de Neurologia.

Qual o tratamento no caso de coágulo no cérebro?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

O tratamento de um coágulo no cérebro geralmente é feito através de uma pequena cirurgia, em que se faz uma abertura do tamanho de uma moeda pequena no crânio, para drenar o hematoma. Se o coágulo estiver na meninge (capa fibrosa que recobre o cérebro), nem é preciso abrir o crânio.

Outra forma de tratamento, dependendo da localização e da extensão do hematoma, é através de medicamentos anticoagulantes, que "afinam" o sangue e dissolvem o coágulo cerebral.

O diagnóstico do coágulo é feito com os exames de tomografia computadorizada e ressonância magnética.

Um coágulo no cérebro aumenta a pressão interna do crânio e provoca a liberação de substâncias inflamatórias que podem levar a danos cerebrais irreversíveis. Em alguns casos podem causar a morte ou invalidez do/a paciente, por isso necessitam de tratamento médico urgente.

O tratamento dos coágulos cerebrais é feito pelo/a médico/a neurocirurgião/ã.

Calcificação no cérebro tem cura? Qual o tratamento?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Calcificação no cérebro não tem cura, mas é possível controlar os sintomas que apresente.

O tratamento das calcificações cerebrais depende dos sintomas que apresenta. De acordo com a localização em que se encontram, as calcificações provocam sinais e sintomas relacionados às funções daquela região, e o tratamento será baseado nessas manifestações.

Remédio para calcificação no cérebro

Em geral as queixas são de dificuldade de memória, tremores, dificuldade em realizar movimentos mais delicados e alterações de comportamento, por isso podemos citar como medicamentos mais utilizados os:

  • Antipsicóticos;
  • Antidepressivos;
  • Medicamentos para o tremor;
  • Fisioterapia e
  • Terapia ocupacional.

O tratamento para as calcificações no cérebro deve ter uma abordagem multidisciplinar, que contribui significativamente para o resultado e um melhor prognóstico.

Dependendo dos sintomas, o paciente pode receber o mesmo tratamento dado a doenças como enxaqueca, esquizofrenia, Parkinson, transtorno bipolar, entre outras.

As intervenções terapêuticas de vários profissionais (psiquiatra, neurologista, endocrinologista, fisioterapeuta) são fundamentais para controlar os sintomas neurológicos e psiquiátricos, além da corrigir os níveis de cálcio no sangue.

Os principais objetivos do tratamento para calcificações cerebrais são:

  • Controlar os sintomas;
  • Recuperar a funcionalidade psíquica e motora;
  • Melhorar a qualidade de vida;
  • Prevenir complicações;
  • Prevenir a progressão da doença, quando possível.

Está em estudo um medicamento específico capaz de inibir a progressão das calcificações cerebrais, que já é usado em outras doenças ósseas, como a osteoporose. Pessoas que receberam tratamento com essa medicação vêm apresentando bons resultados.

O que é calcificação no cérebro?

As calcificações cerebrais são formações endurecidas, compostas pelo mesmo material que formam os nossos ossos e dentes, porém se formando dentro do cérebro. A causa dessa anomalia parece estar relacionada com mutação genética.

O diagnóstico da calcificação no cérebro é feito através de tomografia computadorizada de crânio e avaliação pelo médico neurologista.

O que significa "ausência de calcificação patológica no cérebro"?

Esse termo é usado nos laudos de exames de imagem, quando não há uma calcificação anormal no cérebro. A calcificação pode aparecer naturalmente com a idade e com problemas mais comuns como uma pequena isquemia cerebral, sem que prejudique ou signifique um risco ao paciente.

Quando dizemos patológico, quer dizer algo anormal, quando dizemos "ausência de calcificação patolológica", quer dizer que não existe um problema nesse achado. Está normal.

Para maiores esclarecimentos e informações, procure um médico neurologista, ou seu médico da família.

Veja também: Quais os sintomas de calcificação no cérebro?

Quais são os sintomas de tumor no cérebro?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

São muitos os sintomas derivados de um tumor no cérebro, dependendo da localização, do tipo e do tamanho do tumor. Inclusive tumores cerebrais, de crescimento lento principalmente, podem ser "silenciosos", ou seja, levam muito tempo para causar algum sintoma.

Entretanto podemos citar alguns dos possíveis e mais comuns sintomas de um tumor no cérebro, como:

  • Convulsões e desmaios;
  • Dor de cabeça;
  • Náuseas ou vômitos;
  • Sonolência;
  • Alterações na visão (perdas de visão, visão dupla, pontos luminosos);
  • Alterações na fala (dificuldade de falar, perda da fala);
  • Fraqueza ou dormência em algum membro superior ou inferior;
  • Alteração do estado mental (confusão, agitação, perda de memória);
  • Desequilíbrio, tonturas, quedas frequentes;
  • Alterações nos nervos cranianos;
  • Alterações na deglutição (engasgos);
  • Movimentos involuntários;
  • Alterações do humor (irritabilidade, depressão).

Os sintomas do tumor cerebral estão relacionados com o crescimento e localização do tumor, que pode invadir ou comprimir estruturas do cérebro.

Porém, é importante lembrar que esses sintomas também podem ser causados por várias outras condições, por isso a presença dos mesmos não indica necessariamente um tumor cerebral. 

Por exemplo, uma dor de cabeça pode ter muitas causas e apenas a minoria delas está relacionada com uma doença neurológica grave.

Em geral, quando a dor de cabeça é provocada por um tumor no cérebro, ela tem início recente e piora progressivamente, além de estar frequentemente associada a outros sinais e sintomas.

Os sintomas neurológicos súbitos normalmente estão relacionados a uma doença vascular, como o "derrame". Os tumores cerebrais tendem a causar sintomas com piora progressiva.

O diagnóstico de um tumor no cérebro é feito através da história clínica, exame neurológico e exames complementares, como Ressonância Magnética, Tomografia Computadorizada e Arteriografia dos vasos cerebrais. A biópsia define o diagnóstico.

Na presença de um ou mais dos sintomas citados, deve-se consultar um médico neurologista.

Fiz uma tomografia de crânio e apareceu uma lesão. O que pode ser?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A única forma de ter certeza sobre a natureza dessa lesão, é com a ressecção da lesão ou parte dela, para fazer um exame do próprio tecido. Entretanto nem sempre essa é a melhor opção, ou está indicado imediatamente.  

Com a evolução da medicina e principalmente das imagens que dispomos hoje, muitas vezes não é necessária uma cirurgia aberta de crânio para definir uma lesão, porque os exames são capazes de avaliação detalhada. 

O granuloma eosinófilo é uma lesão óssea, benigna, que raramente atinge o cérebro, quando encontrada no crânio, de origem desconhecida e muitas vezes chega a cura de forma espontânea. Um dos motivos de não se indicar a cirurgia imediatamente.

Contudo, nos casos sintomáticos, quando há queixas de dor, edema ou sinais de crescimento da lesão, o tratamento está indicado. Os tratamentos indicados atualmente são a administração de corticoides, cirurgia, radio ou quimioterapia, dependendo de cada caso. 

Os cistos dermoides no crânio são raros e costumam surgir por volta dos 22 anos de idade. Apesar de ter um crescimento extremamente lento, o seu conteúdo pode alcançar a meninge, provocando meningite química. O tratamento cirúrgico pode ser necessário para remover o cisto dermoide. Se não for completamente retirado, o cisto tende a surgir novamente.

Já os cistos epidermoides cranianos são mais comuns que os dermoides. Na maioria dos casos o cisto é detectado entre os 50 e 60 anos. Se não forem completamente removidos também tendem a voltar e raramente evoluem para câncer (carcinoma).

Portanto o tratamento vai variar de acordo com cada caso. Nas lesões pequenas, sem sintomas, com características típicas de benignidade, está correto e comprovado o tratamento conservador, com novo exame após um ano.

Nos casos de lesão grande, ou que causem dor, edema, ou ainda que os exames não sejam muito esclarecedores, provavelmente será indicado cirurgia para ressecção e melhor avaliação da lesão. 

O diagnóstico só poderá ser feito pelo médico neurologista ou neurocirurgião, responsáveis também por definir junto ao paciente a melhor conduta.

Leia também:

Tomografia de crânio: como é feita e para que serve?

Quais são os sintomas de tumor no cérebro?

Quais os sintomas de câncer no cérebro e como identificar?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Os sintomas de câncer no cérebro variam bastante, o que pode tornar difícil identificar o tumor cerebral no início da doença. Na maioria das vezes, são sintomas que começam de forma discreta e vem piorando lenta e progressivamente.

Podemos citar como sintomas iniciais de um tumor no cérebro:

1. Convulsões

Uma crise convulsiva, principalmente quando a primeira ocorre já na idade adulta, é um sinal sugestivo de um problema cerebral. Se não houver historia de epilepsia na infância, ou história de crise convulsiva na família, é importante investigar com exames de imagem, porque pode ser um sintoma inicial de tumor no cérebro.

2. Perda de força

A fraqueza em um dos membros, seja um braço ou uma perna, é também um sinal que sugere um problema no cérebro, como um tumor ou um coágulo. Isso ocorre devido à compressão na região do cérebro que comando a força muscular e a realização de movimentos.

No caso de um tumor, a fraqueza começa de forma discreta e vai piorando com o passar do tempo. Não é comum a queixa de dor, apenas fraqueza, braço "pesado" ou movimentos lentificados.

3. Formigamento

A queixa de alteração na sensibilidade ocorre quando a área do cérebro responsável pela percepção dos sentidos, está sendo comprometida. Também não é comum haver dor, e a queixa costuma ser apenas de um lado. O mais frequente é perceber formigamento ou menor sensibilidade de um lado, quando comparada ao outro.

4. Dificuldade na fala

Como o centro da fala está localizado dentro do cérebro, uma alteração nesse sentido deve ser investigado. A perda súbita da fala sugere mais um problema vascular, como o AVC (derrame cerebral), porém, não existe uma regra. Sendo assim, cabe ao médico neurologista deverá avaliar a necessidade e urgência de realizar os exames de imagem, caso a caso.

5. Tontura

Queixa de tontura frequente, desequilíbrio e sensação de desmaio, é um sintoma inespecífico e presente em muitos problemas mais frequentes do que um tumor cerebral, como jejum prolongado, glicose baixa, pressão alta, entre outros. Contudo, pode ser um sintoma inicial de tumor no cérebro, cabe ao médico fazer essa avaliação e pedir o exame de imagem, quando entender necessário.

6. Dor de cabeça

As dores de cabeça que nunca foram percebidas e principalmente se iniciadas na idade adulta, levantam a suspeita de um comprometimento no cérebro. Especialmente quando vem associada a náuseas, vômitos e alterações visuais.

7. Problemas na visão

As alterações visuais como: perda súbita da visão, visão duplicada, pontos luminosos, midríase (pupilas dilatadas) e visão borrada, que começa subitamente ou piora lentamente devem ser sempre investigadas, por um oftalmologista e por um neurologista.

8. Confusão mental, esquecimentos

Dependendo da localização do tumor, e grau de compressão do cérebro, são apresentados diferentes sintomas. O câncer que se localiza na região do cérebro responsável pela compreensão e juízo crítico, desencadeia sintomas de alteração de comportamento, confusão mental e deficit de memória.

O início súbito também sugere uma doença vascular, mas um tumor deve ser descartado.

Outros sintomas menos comuns como, movimentos involuntários, episódios de irritabilidade, depressão, alterações de humor sem motivo que o justifique, devem ser avaliados pelo neurologista, especialmente se houver história de tumor cerebral na família.

Como confirmar um tumor no cérebro?

A identificação de um tumor deve ser confirmado por meio de exames de imagem, como tomografia e ressonância de crânio. O tipo desse tumor deve ser analisado após uma biópsia ou ressecção do tumor, através da cirurgia.

Os sintomas de um câncer no cérebro variam conforme a localização e a extensão do tumor, que podem penetrar ou comprimir determinadas estruturas do órgão.

No entanto, são sintomas que podem aparecer em outras doenças, o que muitas vezes pode atrasar o diagnóstico e com isso reduzir a resposta ao tratamento. Quanto antes for iniciado o tratamento para um tumor, maior a possibilidade de cura.

Os tumores tendem a causar sintomas que pioram progressivamente, enquanto outras desordens no cérebro, apresentam sintomas de início agudo, ou que vem e depois desaparecem. O AVC ("derrame"), por exemplo, apresentam sintomas de início súbito, acontecem de repente, e são sintomas importantes como parar de mexer um braço ou para de falar.

Nos tumores não, os sintomas vêm se instalando lenta e progressivamente, e não desaparecem. Como uma fraqueza discreta em um braço, e progride durante os anos. Ou uma dor de cabeça discreta, que começa após a idade adulta, ou problemas visuais.

Na suspeita de um tumor no cérebro, procure um médico neurologista ou neurocirurgião.

Pode lhe interessar também:

Referência:

Academia Brasileira de Neurologia.

O que é redução discreta do parênquima cerebral?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A redução discreta do parênquima cerebral, significa uma leve diminuição no tamanho do cérebro.

Damos o nome de parênquima, à parte de um órgão ou tecido que exerce uma função. Portanto temos em nosso organismo o parênquima pulmonar, o parênquima renal, parênquima cerebral, entre outros. O parênquima cerebral é responsável pelo desenvolvimento das funções cerebrais.

O cérebro e suas estruturas internas, podem ser avaliados através de exames de imagem. O volume cerebral ou parênquima cerebral é um dos dados analisados no exame. Quando evidenciado um volume menor do que o esperado para a idade e características clínicas do paciente, é descrito como redução do parênquima cerebral.

A descrição pode ainda receber maior detalhamento, como a gravidade, intensidade e localização dessa redução. A gravidade e intensidade são descritas em três níveis, leve (ou discreto), moderado e severo (grave). A localização pode ser global (em todo o cérebro de forma simétrica), no lobo acometido (frontal, temporal, parietal, occipital) ou áreas associadas, de acordo com o exame observado.

Qual a importância da avaliação do parênquima cerebral?

O detalhamento do parênquima cerebral tem grande importância na prática clínica, porque auxilia o médico neurologista a associar essas alterações com a queixa do paciente.

A partir desses dados, o médico é capaz de elaborar suspeitas diagnósticas, prováveis causas para essa redução volumétrica, e definindo a causa, consegue dar início ao devido tratamento.

Quais são as causas de redução do parênquima cerebral?

As causas mais comuns de redução do parênquima cerebral são:

  • Idade avançada (processo natural do organismo)
  • Microangiopatia (doença dos vasos sanguíneos)
  • Doenças neurodegenerativas (Doença de Parkinson e Alzheimer, por exemplo)
  • Alcoolismo
  • Doenças crônicas (diabetes, hipertensão arterial)

Importante ressaltar que nem todos os casos de redução do parênquima cerebral evoluem com sintomas neurológicos, especialmente os casos de discreta alteração. Por vezes são achados compatíveis com a idade e comorbidades, sem refletir qualquer sintoma.

Para maiores esclarecimentos procure um médico neurologista.

Pode lhe interessar também: O que é atrofia cortical?

O que é "área de encefalomalacia" em uma tomografia?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Isso é uma sequela no cérebro, ocorre desestruturação e perda de tecido cerebral normal e pode ser decorrente de um traumatismo ou acidente vascular cerebral, mais conhecido como "derrame".