Perguntar
Fechar
Posso tomar dipirona com dengue?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Quem está com dengue pode tomar Dipirona. Os medicamentos que não devem ser usados quando se está com dengue são os medicamentos à base de ácido acetilsalicílico, presentes no AAS ou Aspirina. Essas medicações aumentam a chance de provocar hemorragias e, por isso, devem ser evitadas durante a dengue.

Além do ácido acetilsalicílico, quem está com dengue também deve evitar medicamentos anti-inflamatórios como o Ibuprofeno, a Nimesulida e o Diclofenaco. A contraindicação é a mesma da dipirona, ou seja, pode aumentar o risco de hemorragia.

Quais são os sintomas da dengue?

A dengue é uma infecção viral transmitida pela picada do mosquito Aedes aegypti. Na Dengue Clássica, os sintomas são semelhantes a um resfriado: febre, dor de cabeça, dor atrás dos olhos, dor muscular e nas articulações, cansaço, manchas vermelhas pelo corpo, entre outros.

A dengue hemorrágica provoca dor abdominal intensa e constante. A dipirona, nesses casos, não alivia a dor. A febre normalmente termina de forma repentina e dura no máximo 5 dias.

A dengue hemorrágica também pode provocar outros sinais e sintomas, como vômitos persistentes, agitação, letargia, aumento da frequência cardíaca, enfraquecimento da pulsação, transpiração excessiva, extremidades do corpo frias e arroxeadas, hemorragias espontâneas, pressão baixa, entre outros.

Qual é o tratamento para quem tem dengue?

A dengue clássica não possui um tratamento ou medicamento específico. O tratamento, em geral, é realizado com hidratação e medicamentos para aliviar a febre e a dor no corpo, como a dipirona e o paracetamol.

A dengue hemorrágica requer uma observação cuidadosa devido ao risco de choque. A pessoa com essa forma de dengue deve ser observada continuamente para que os primeiros sinais de choque sejam logo identificados.

Nesses casos, o risco é maior quando a pessoa começa a deixar de ter febre, normalmente após 3 dias do começo dos sintomas.

Aos primeiros sinais de choque, os líquidos perdidos devem ser repostos rapidamente e a acidose metabólica deve ser corrigida.

Na presença desses sintomas, é importante procurar um serviço de saúde. Não tome medicamentos sem prescrição médica.

Quem tem dengue pode tomar dipirona e paracetamol?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Quem está com dengue pode tomar tanto Dipirona quanto Paracetamol. Os medicamentos que não devem ser usados quando está com dengue são os medicamentos à base de ácido acetil salicílico, presentes no AAS ou Aspirina. Essas medicações aumentam a chance de provocar hemorragias e, por isso, devem ser evitadas durante a dengue.

Outros medicamentos que devem ser evitados em casos de dengue são os anti-inflamatórios, como Ibuprofeno, Nimesulida e Diclofenaco.

Contudo, o Paracetamol é uma medicação que usada cronicamente induz hemorragia (sangramento). Por ser tóxica ao fígado e pelo fígado ser o órgão responsável pela produção dos fatores de coagulação, o uso crônico do Paracetamol concomitante no momento da dengue pode agravar a hemorragia.

Quais são os sintomas da dengue?

A dengue é uma infecção viral transmitida pela picada do mosquito Aedes aegypti.

Na dengue clássica, os sintomas são semelhantes a um resfriado: febre, dor de cabeça, dor atrás dos olhos, dor muscular e nas articulações, cansaço, manchas vermelhas pelo corpo, entre outros.

A dengue hemorrágica pode causar dores abdominais fortes e contínuas que não melhoram com Dipirona ou Paracetamol. A febre costuma cessar subitamente até o 5º dia da doença.

Outros sinais e sintomas que podem estar presentes na dengue hemorrágica incluem vômitos persistentes, agitação ou letargia, pulsação rápida e fraca, extremidades frias e arroxeadas, sangramentos espontâneos, queda da pressão arterial, aumento da transpiração, aumento da frequência cardíaca e da transpiração, entre outros.

Qual é o tratamento para dengue?

Não existe um tratamento ou medicamento específico para a dengue clássica. O tratamento em geral é realizado com repouso, hidratação e medicamentos analgésicos e antitérmicos para aliviar a febre e a dor no corpo, como o Paracetamol e a Dipirona.

Na dengue hemorrágica, a pessoa deve ser observada com cuidado para que sejam identificados os primeiros sinais de choque. O período de maior risco é a transição da fase febril para a fase sem febre, o que geralmente acontece depois do 3º dia do início dos sintomas.

Assim que se verificarem os primeiros sinais de choque, a pessoa deve ser internada para corrigir rapidamente os líquidos perdidos e a acidose metabólica.

Na presença desses sintomas, é importante procurar um serviço de saúde. Não tome medicamentos sem prescrição médica.

Saiba mais em: Dengue pode virar hepatite, meningite ou pneumonia?

Qual exame detecta a dengue?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Existem 3 exames que detectam a dengue: NS1, PCR e o teste de sorologia IgM. A aplicação desses exames para diagnosticar a dengue depende de quando os sintomas tiveram início e quanto tempo depois a pessoa procurou atendimento médico.

Além disso, fatores epidemiológicos e individuais, como risco de gravidade, são levados em consideração pelo médico no momento de saber qual exame solicitar, ou se é necessário solicitar.

Se o paciente procurar atendimento nos primeiros 5 dias após o aparecimento dos sintomas, o diagnóstico preciso da dengue pode ser feito através dos exames:

  • NS1: Serve para identificar a proteína NS1 do vírus da dengue presente no sangue, podendo detectar até 80% dos casos da doença;
  • PCR: Este exame é capaz de detectar o material genético do vírus da dengue e tem uma eficácia ainda maior, de 90%.

Caso os sintomas tenham surgido há mais de 5 dias, é necessário fazer um teste de sorologia. O objetivo desse exame é detectar o anticorpo IgM produzido pelo sistema imunológico para combater o vírus da dengue.

O diagnóstico da dengue é sempre feito com esses exames?

Não, em uma situação de epidemia, os exames específicos para diagnosticar a dengue podem ser deixados de lado.

O exame geralmente só é feito em locais que não estão em situação de epidemia ou estão no início de uma infestação do mosquito, para orientar o combate ao inseto. Também podem ser realizados em pessoas com alto risco de desenvolver formas mais graves da doença e precisam assim de um diagnóstico mais preciso e rápido.

Nos lugares em que já existe uma epidemia, o diagnóstico muitas vezes é clínico-epidemiológico, sendo feito através de:

  • Observação dos sintomas:
    • Febre, geralmente em torno de 40ºC, que dura entre 4 e 7 dias;
    • Dor de cabeça intensa, que também se sente atrás dos olhos;
    • Manchas vermelhas pelo corpo;
    • Indisposição;
    • Dores musculares;
    • Náusea e vômito
  • Exame de sangue para verificar os níveis de plaquetas (pessoas com dengue geralmente apresentam taxas de plaquetas mais baixas que o normal - leia também: A quantidade de plaquetas altera no caso de dengue?). 
  • Informação se o local de residência do paciente é uma região endêmica de dengue ou se o mesmo esteve em alguma dessas regiões.

A grande dificuldade em diagnosticar a dengue está na semelhança dos seus sintomas com os de outras doenças comuns como gripe, viroses ou até mesmo algumas infecções bacterianas. 

Em caso de suspeita de dengue, procure um serviço de saúde com urgência e não tome nenhum medicamento sem indicação de um médico.

A quantidade de plaquetas altera no caso de dengue?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim. Pacientes com dengue geralmente possuem uma redução na taxa de plaquetas.

A dengue é uma infecção viral transmitida pelo mosquito Aedes aegypti que se manifesta classicamente com os sintomas: febre, dor de cabeça, dor no fundo dos olhos, dor no corpo, muscular e nas articulações, e, em alguns casos como Dengue Hemorrágica, manifestando com sangramentos.

Durante a dengue, algumas alterações sanguíneas são detectadas por exame de laboratório. Uma dessas alterações é a redução na contagem das plaquetas no Hemograma. Isso se deve ao fato da presença de anticorpos produzidos pelo sistema imune no combate ao vírus. Como consequência, a pessoa pode observar pequenas manchas avermelhadas na pele (petéquias), além de manchas arroxeadas (equimoses).

A pessoa com dengue deve procurar um serviço de saúde para os cuidados devidos e orientações. Alguns exames poderão ser solicitados de acordo com a necessidade e o quadro clínico de cada pessoa.

Conheça mais sobre o assunto nos artigos:

É possível pegar dengue duas vezes?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim. É possível pegar dengue mais de uma vez.  

A dengue é uma doença viral transmitida pelo mosquito Aedes. Atualmente existem 4 tipos diferentes de vírus da dengue (DEN-1, DEN-2, DEN-3 e DEN-4). 

Quando a pessoa infecta com um tipo de vírus, ela será imune a esse vírus para o resto da vida, não se infectando novamente pelo mesmo vírus. Porém, a pessoa poderá adquirir a dengue com um outro tipo de vírus e, assim, apresentando novamente a doença

Uma infecção da dengue pela segunda vez pode ser, em alguns casos, mais grave, fazendo com que o sistema imunológico da pessoa reaja de forma acentuada provocando quadros de Dengue Hemorrágica

A dengue pode ser prevenida com medidas de controle do mosquito, uso de telas, mosqueteiros, inseticidas e repelentes, além de saneamento adequado evitando água parada. 

Qual é o tratamento para a dengue?
Dr. Gabriel Soledade
Dr. Gabriel Soledade
Médico

O tratamento para dengue inclui basicamente hidratação e alívio sintomático. A dengue é uma doença infecciosa causada por um vírus, e que se caracteriza, na sua forma clássica (simples), por febre, dor de cabeça atrás dos olhos, dores musculares, dores nas articulações e vermelhão na pele. Nas formas graves, ela pode evoluir para a dengue hemorrágica, em que há sangramento espontâneo, perda de líquido da circulação sanguínea e consequente mau funcionamento dos órgãos.

Por se tratar de infecção viral, não existe um tratamento específico. Sendo assim, o mais importante é tentar evitar a transformação da dengue clássica em dengue hemorrágica.

A forma mais adequada de se fazer isso é por meio da hiper-hidratação, ou seja, o paciente deve ingerir grandes quantidades de líquido. Em alguns casos, pode ser necessário internar a pessoa, e fazer essa hidratação com soro através da veia. Além disso, analgésicos e outros sintomáticos podem ser prescritos no sentido de aliviar as febres e dores.

Leia também: Dengue pode virar hepatite, meningite ou pneumonia?

Todo o tratamento precisa ser indicado e acompanhado por um médico clínico geral ou infectologista.

E é fundamental ressaltar que não devem ser usados medicamentos que contenham ácido acetilsalicílico ou seus derivados, já que eles podem induzir a graves complicações nos quadros de dengue. No Brasil, esses medicamentos são identificados pelos dizeres "ESTE MEDICAMENTO É CONTRAINDICADO NO CASO DE SUSPEITA DE DENGUE".

Dengue pode virar hepatite, meningite ou pneumonia?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sim. O vírus da dengue pode causar hepatite, meningite viral e favorecer o desenvolvimento de pneumonia bacteriana. Casos de hepatite provocados por dengue não são comuns, mas podem acontecer se o vírus da dengue provocar uma inflamação no fígado (hepatite).

O próprio paracetamol, usado no controle dos sintomas da dengue, pode favorecer o desenvolvimento de hepatite. Isso porque os medicamentos são processados no fígado, o que aumenta a toxicidade e fragilidade do órgão.

O principal sintoma da hepatite nessa situação é a dor abdominal, mas é muito difícil detectar a inflamação no fígado apenas por esse sintoma, pois a própria dengue provoca dor em todo o corpo, inclusive no abdômen.

Dengue e hepatite

O vírus da dengue pode acometer o fígado, causando inflamação do tecido hepático, levando aos sintomas de dor abdominal, icterícia (pele amarelada), sangramento espontâneo e manchas roxas na pele.

Trata-se de uma urgência médica. Na suspeita de hepatite, procure uma emergência médica.

Dengue e Meningite

Casos de meningite viral e outras doença neurológicas, como encefalite e mielite (inflamação no cérebro ou medula espinhal, são frequentemente observadas em pacientes com dengue.

Cerca de 1% a 5% dos casos de dengue provocados pelos vírus da dengue tipos 2 e 3, evoluem para doenças neurológicas.

No entanto, é importante frisar que a meningite resultante da dengue não se transmite pelo ar como a meningite tradicional. Neste caso, o vírus é transmitido pelo mosquito, e no sangue, pode alcançar as meninges e provocar uma inflamação, a meningite.

Tanto a dengue como a meningite podem apresentar sinais e sintomas semelhantes no início, mas que vão se diferenciar bastante na evolução do quadro. A principal diferença é a rigidez de nuca, evidenciada na meningite. Ou seja, o paciente não consegue fletir o pescoço, e encostar o queixo no peito. Esse sintoma não não acontece na dengue, apesar de forte dor muscular.

A boa notícia é que as doenças neurológicas associadas à dengue geralmente são benignas e raramente deixam sequelas. O tratamento é feito com medicamentos específicos e os sintomas normalmente desaparecem em poucos dias.

Dengue e Pneumonia

Já a pneumonia pode aparecer na fase final do quadro de dengue, fazendo com que a febre se estenda por mais de uma semana. Além da pneumonia, quadros de infecções bacterianas associados à dengue são relativamente comuns, tais como otite e faringite, sendo tratados, na maioria das vezes, com antibióticos.

Quais os sintomas da dengue?

A dengue pode causar febre alta, dor de cabeça, dores no corpo, náuseas ou ainda não apresentar nenhum sintoma.

No entanto, a ocorrência dos seguintes sinais e sintomas podem indicar um caso de dengue hemorrágica, que é grave e precisa de intervenção médica urgente, pois pode levar à morte:

  • Manchas vermelhas na pele;
  • Sangramentos no nariz ou gengivas;
  • Dor abdominal intensa e permanente;
  • Vômitos persistentes.

Em caso de suspeita de dengue, não tome nenhum medicamento com ácido acetilsalicílico, como aspirina, pois pode desencadear uma hemorragia. Tome dipirona e procure atendimento médico o mais rápido possível.

Saiba mais sobre esse assunto nos links:

Pessoa com suspeita de dengue pode tomar benzetacil?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

Não, a pessoa com suspeita dengue não deve tomar Benzetacil. No caso de suspeita de dengue deve-se consultar o médico ou um serviço médico para que seja feito o diagnóstico e orientado o tratamento adequado para a dengue ou para outras infecções e inflamações. O Benzetacil (benzilpenicilina benzatina) é um antibiótico de uso intramuscular de ação prolongada indicado para tratamento de infecções bacterianas tais como infecções de garganta (amigdalites), pneumonias, infecções na pele. A dengue é uma doença provocada por um tipo de vírus e por isso o uso de penicilina não está indicado.

Além disso, o Benzetacil pode causar reações alérgicas como manchas e bolhas na pele, que podem ser confundidas com os sinais de dengue, dificultando o seu diagnóstico.

Que remédios não posso tomar se tenho dengue?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Quem está com Dengue não pode tomar medicações que contenham ácido acetil salicílico, como, por exemplo, o AAS ou Aspirina

Essas medicações, além de alguns anti-inflamatórios, aumentam a chance de provocar hemorragias e, por isso, devem ser evitadas durante a dengue. 

A Dengue pode ser reconhecida quando a pessoa apresenta febre de forma repentina e acompanhada de outros sintomas como dor de cabeça, dores muscular e nas articulações, dor no fundo dos olhos, manchas vermelhas pelo corpo. Outros sintomas também podem acompanhar como: dores abdominais, náusea, vômito e diarreia. 

Esses sintomas podem ser amenizados com medicações para combater a dor e a febre. A pessoa deve manter uma boa hidratação e procurar o serviço de saúde para avaliação e informação apropriadas.  

Não tome medicações sem a devida orientação médica. 

Leia também:

Quem tem dengue pode tomar dipirona e paracetamol?

O que é a Dengue Hemorrágica?
Dr. Gabriel Soledade
Dr. Gabriel Soledade
Médico

A dengue hemorrágica é a forma grave da dengue, que é uma infecção causada por um vírus, o qual é transmitido pela picada do mosquito Aedes aegypti. Ela acontece em 5% dos casos de dengue, e é mais comum nas pessoas que pegam dengue pela segunda vez.

Além dos sintomas da dengue clássica (forma simples da doença), a dengue hemorrágica pode se manifestar com sangramentos espontâneos (pela gengiva, nariz, urina e fezes), dor abdominal intensa (que pode ser sinal de sangramento interno dentro da barriga), perda de líquido da circulação sanguínea e consequente mau funcionamento dos órgãos.

O tratamento se baseia principalmente na hidratação com soro fisiológico através da veia e de outras medicações que podem ser necessárias dependendo de quais complicações já estiverem presentes no momento do diagnóstico. Analgésicos e outros sintomáticos também podem ser indicados, para alívio dos sintomas gerais como febre e dores.

Todo esse tratamento será indicado e acompanhado por um médico clínico geral, intensivista ou infectologista.

Veja também: Dengue pode virar hepatite, meningite ou pneumonia?

E é fundamental ressaltar que não devem ser usados medicamentos que contenham ácido acetilsalicílico ou seus derivados, já que eles podem induzir a graves complicações nos quadros de dengue. No Brasil, esses medicamentos são identificados pelos dizeres "ESTE MEDICAMENTO É CONTRAINDICADO NO CASO DE SUSPEITA DE DENGUE".

A pouco tempo estive com dengue e o Gama GT deu alto?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Provavelmente o aumento foi decorrente da Dengue e agora que melhorou, seus níveis de Gama-GT estão normalizando.

O valor normal de Gama GT varia de 0 a 30 U/L, sendo um pouco maior nos homens comparado ao valor nas mulheres. Esse valor de referência da Gama-GT pode variar um pouco de acordo com cada laboratório, ficando, em geral, dentro dos seguintes intervalos:

  • Homem: 07 a 60 U/L;
  • Mulher: 05 a 43 U/L.

Os valores de referência podem variar um pouco entre os laboratórios, métodos de análise e serviços, porém não ultrapassam 73 U/L como valor normal máximo.

A Gama-GT é uma enzima encontrada em diversos órgãos como no pâncreas, rins, baço, coração, cérebro, sobretudo no fígado e vesícula biliar, portanto qualquer alteração nessa enzima, sugere uma desordem em um desses órgãos.

Como por exemplo, casos de alcoolismo, esteatose hepática, cirrose, pancreatite, cálculo biliar ou câncer no fígado, certamente levarão ao aumento da enzima no decorrer da doença.

No seu caso, a dengue pode causar alterações hepáticas (no fígado) que justificam o aumento do Gama-GT. Por isso, com a recuperação da doença, há o restabelecimento dos valores normais.

É importante levar o resultado de exame à/ao médica/o que solicitou para que possa ser dada continuidade no tratamento do seu esposo. Na consulta de retorno, o/a médico/a avaliará o resultado do Gama-GT juntamente com os outros exames e com o quadro clínico do seu esposo. Após isso, o/a profissional de saúde indicará o melhor tratamento nesse caso.

Geralmente o/a médico/a solicita o Gama-GT em conjunto ou no seguimento de outros exames capazes de fornecerem informações adicionais. Leve o resultado dos exames solicitados na consulta de retorno para que o/a profissional possa realizar a avaliação completa do seu caso clínico.

Para mais esclarecimentos, procure o/a médico/a de família, clínico/a geral ou gastroenterologista.

Leia também:

Quais são os valores de referencia do gama-GT?

Quais os sintomas do gama-GT alto?

Pode tomar sulfato ferroso quando se está com suspeita de dengue?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim. O sulfato ferroso pode ser utilizado por pessoas que estejam com dengue ou com suspeita da doença.

O sulfato ferroso é uma medicação utilizada no tratamento e prevenção de anemia por deficiência de ferro. A medicação deve ser utilizada adequadamente seguindo a orientação médica. Na suspeita de dengue, a pessoa pode continuar normalmente seu tratamento com o sulfato ferroso, não havendo necessidade de interrupção.

O sulfato ferroso, ao contrário de outras medicações contendo ácido acetil salicílico, não apresentará prejuízos para a pessoa que está com dengue.

O uso de sulfato ferroso é contraindicado para pessoas alérgicas ao sulfato ferroso e em casos de doenças que provocam acúmulo de ferro no organismo, como inflamações crônicas, insuficiência renal e em certas anemias que não são decorrentes da falta de ferro.

Quais são os sintomas da dengue?

A dengue é caracterizada por sintomas como:

  • Febre;
  • Dor de cabeça;
  • Dores musculares e nas articulações;
  • Presença de manchas vermelhas pelo corpo que podem coçar;
  • Dores abdominais intensas;
  • Vômito;
  • Diarreia.

A pessoa que apresenta esses sintomas deve procurar um serviço de saúde para uma avaliação, diagnóstico e orientação de como proceder, bem como de quais medicações tomar ou evitar.

Para que serve o sulfato ferroso?

O sulfato ferroso serve para tratar anemias causadas por falta de ferro decorrente de alimentação inadequada, perdas crônicas de ferro ou problemas na absorção de ferro pelo organismo.

O ferro, presente no sulfato ferroso, é essencial no tratamento das anemias provocadas por deficiência desse mineral no organismo. Essas anemias podem ser provocadas por sangramentos agudos ou crônicos, má absorção de ferro pelo organismo ou ainda devido à falta de ferro na alimentação.

Os resultados do tratamento com sulfato ferroso podem ser notados depois de dias ou semanas.

Posso tomar sulfato ferroso na gravidez?

O sulfato ferroso também é usado para prevenir e tratar a anemia durante a gravidez, bem como na prevenção da anemia por falta de ferro em recém-nascidos que nasceram abaixo do peso e em bebês que não são amamentados com leite materno.

O sulfato ferroso é ainda utilizado como suplemento alimentar durante a gravidez, amamentação, períodos de rápido crescimento e também em bebês recém-nascidos com baixo peso e naqueles que são amamentados com mamadeiras.

Lembrando que o sulfato ferroso, assim como outros medicamentos, não devem ser usados sem indicação médica.