Perguntar
Fechar
Qual é o tratamento para quem tem lábio leporino?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

O tratamento do lábio leporino é feito através de cirurgia plástica. O objetivo é corrigir a fissura palatina, reconstituir o lábio superior e reposicionar o nariz. A primeira intervenção cirúrgica geralmente acontece nos primeiros 3 meses de vida do bebê. A segunda cirurgia é feita quando a criança tem cerca de 1 ano e meio de idade e tem como objetivo fechar o céu da boca (palato).

A cirurgia assegura a integridade da estrutura óssea, a funcionalidade da musculatura da boca e face, além de evitar a voz anasalada e deficiências na respiração.

Contudo, o número de operações depende do crescimento e da idade do paciente, bem como das estruturas envolvidas, como nariz, lábios e céu da boca.

É importante que a cirurgia de correção do lábio leporino seja realizada o mais breve possível para não afetar o desenvolvimento ósseo, o aleitamento, o desenvolvimento da fala, entre outras complicações.

Todo o processo de tratamento do lábio leporino é longo, levando de 16 a 20 anos para ser concluído. Durante a reabilitação, o crescimento dos ossos do crânio e da face devem ser observados com atenção para que a pessoa não fique com sequelas, como crescimento inadequado dos ossos craniofaciais. 

Apesar das cirurgias serem realizadas nos primeiros meses de vida, a criança com lábio leporino deverá ser acompanhada por diversos profissionais (fonoaudiologia, cirurgia plástica, odontologia, psicologia) ao longo do tratamento.

A atuação da equipe multidisciplinar é importante para estimular o desenvolvimento adequado da estrutura ortodôntica e evitar distúrbios respiratórios, infecções crônicas, má nutrição e problemas na dentição.

O tratamento para o lábio leporino acarreta profundas melhorias na qualidade de vida da criança, além de melhorar o aspecto estético. O processo terapêutico é individualizado, já que a resposta ao tratamento depende de diversos fatores que variam em cada caso.

É importante salientar que, além das cirurgias, os outros tratamentos são fundamentais para se ter bons resultados. Se o tratamento completo não for seguido até o fim, pode haver graves complicações para a pessoa.

Saiba mais em: 

O que é lábio leporino e quais são as causas?

Fenda palatina: Quais as causas e como tratar?

Meu rosto coça e pele do rosto irritada e olhos inchados...
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Não é possível definir um diagnóstico apenas com o relato. Podemos sugerir como causas prováveis, uma reação alérgica ou desidratação da pele. No entanto, para confirmar essas hipóteses é preciso uma avaliação mais detalhada de dados como tempo dos sintomas, qual a medicação foi aplicada e principalmente, avaliar as características da pele, coloração, aspereza, descamação, qual tipo e etc.

A avaliação médica não só visual, mas também tátil, serão fundamentais para definir a causa desse problema.

Nos casos de alergia, o tratamento é baseado no uso de medicamentos antialérgicos. E principalmente por ser em face, deve-se ter atenção a outros sintomas que sinalizam alergia grave, com risco de vida, como: voz rouca, tosse, dificuldade de engolir ou de respirar.

Nessas situações, deve pedir ajuda e procurar emergência imediatamente.

Nos casos de desidratação da pele, o tratamento será baseado na melhora dos sintomas, com o uso de um bom hidratante para o tipo de pele, com rápida absorção, além do tratamento específico para a causa base. Para isso é preciso que a causa seja identificada. Causas comuns são a exposição ao frio, vento e falta de cuidados adequados.

Independente da causa, a sociedade brasileira de dermatologia, recomenda como medidas preventivas de desidratação da pele as seguintes:

  • Limpar todos os dias o rosto seguindo os passos: água micelar, sabonete leve para rosto e secar delicadamente com a toalha, para já aplicar um hidratante de rápida absorção com a pele ainda úmida, o que facilita a sua penetração. Em seguida finalizar com o filtro solar;
  • Borrifar água micelar algumas vezes por dia no rosto;
  • Evitar banhos muito quentes;
  • Evitar sabonetes em barra, que costumam ressecar mais a pele;
  • Aplicar o hidratante para corpo na pele, logo após o banho, com a pele ainda úmida, pelo mesmo motivo, de promover melhor hidratação.

Contudo, além de desidratação e alergia, esses sintomas podem ser resultado de outras doenças como distúrbios hormonais, endócrinos, como o hipotireoidismo, reumatológicos como a síndrome de Sjogren, ou mesmo apenas o pouco cuidado com a hidratação e limpeza da pele.

Sendo assim, recomendamos procurar um médico clínico geral, dermatologista ou seu médico de família, para uma avaliação e orientações adequadas.

Odeio os lábios da minha vagina é grande e desconfortável...
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Procure um ginecologista. Ele irá examinar você e se for o caso será analisado a necessidade da realização de uma cirurgia intima. Nesse tipo de situação, é importante lembrar que as mulheres apresentam diferentes variação da conformação da vulva, com lábios menores ou maiores variando de tamanho e morfologia, ou seja, pode ser perfeitamente normal ter lábios grandes.

A cirurgia está indicada apenas nos casos em que a alteração vulvar provoque grave incomodo físico e emocional a mulher, de forma a melhorar a sua auto estima e os sintomas de desconforto. Além disso, não há ainda evidência consistente que a realização de cirurgia íntima melhore de fato a qualidade da vida sexual da mulher.

Também é importante destacar que as mulheres podem apresentar mudanças nos genitais no decorrer da vida, como ocorre em momentos de gravidez, parto e menopausa. Portanto, esses são fatores que também deve ser avaliados antes da decisão pela realização da cirurgia.

Dismorfismo corporal

Algumas mulheres que procuram a realização de cirurgia plástica intima ou qualquer outra forma de procedimentos estéticos podem apresentar quadro de dismorfismo corporal, que corresponde a um distúrbio psíquico em que a pessoa preocupa-se demasiadamente com algum defeito mínimo ou mesmo imaginário

O dismorfismo corporal pode causar grande impacto na qualidade de vida e levando a pessoa a muitas vezes buscar procedimentos estéticos desnecessários. Portanto, antes de qualquer cirurgia estética esse tipo de distúrbio ou outros problemas psicológicos devem ser avaliados.

É normal ter pequenos lábios grandes?

Sim, é perfeitamente normal apresentar pequenos lábios grandes, que se sobressaem além dos grandes lábios, dando a impressão de que saem para fora da vagina. Essa é uma variação normal da anatomia genital feminina e não correspondem a nenhuma mal formação, portanto, não deve ser motivo de vergonha para mulher. Há muitas formas de vulvas e é normal algumas mulheres apresentarem os lábios vaginais grandes.

No entanto, algumas mulheres podem queixar-se de algum desconforto na região devido a uma maior sensibilidade dos pequenos lábios principalmente em atividades esportivas como andar de bicicleta ou cavalgar, a atividade sexual também pode ser desconfortável. Nesse tipo de situação a mulher pode conversar com o seu ginecologista e avaliar sobre os possíveis benefícios de uma cirurgia de redução dos pequenos lábios.

Para mais informações consulte o seu médico de família ou ginecologista. Caso seja necessária a realização de uma cirurgia o especialista responsável é o cirurgião plástico ou o ginecologista.

Caroços pequenos nos grandes lábios, o que é?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A presença de caroços ou bolhas nos grandes lábios pode ser desencadeada por diferentes situações, sendo as mais comuns:

  • HPV (papilomavirus humano);
  • Herpes genital;
  • Bartolinite;
  • Alergia;
  • Inflamação (foliculite).

O HPV e a herpes, fazem parte do grupo de infecções sexualmente transmissíveis (IST), antigamente chamada de DST (doença sexualmente transmissível), mais frequentes na população.

O HPV se apresenta como bolinhas ou verrugas na vagina, nos pequenos, grandes lábios ou na vulva, que pode não coçar nem causar qualquer sintoma, além do desconforto da mulher coma aparência íntima.

No herpes, pode haver sintomas como uma gripe, dias antes das vesículas (bolhas), na vagina, períneo ou ânus, que se rompem e formam feridas com crostas posteriormente. Neste caso pode haver dor e ardência no local das feridas.

A bartolinite é a inflamação da glândula de Bartholin. Essa glândula tem a função de lubrificar a vagina. Na presença de uma inflamação, além dos carocinhos, é comum a queixa de dor e vermelhidão local.

A alergia, situações mais comuns em pessoas que tem tendência a reações alérgicas, pode ocorrer por um tecido da roupa íntima que desencadeie essa reação e apresentar diversas bolinhas que coçam e deixam o local mais avermelhado.

A foliculite, inflamação de pelos ou "cabelo encravado", pode causar também a formação de bolinhas, principalmente nos grandes lábios por ser uma região com muito pelo. Situação comum nas mulheres que fazem depilação com cera ou com lâminas, nessa região.

O que fazer no caso de nódulos ou caroços na vagina?

O tratamento deve variar um pouco de acordo com a causa desse problema, porém é importante seguir algumas recomendações:

  • Procure realizar a higiene íntima com sabonete adequado;
  • Faça uso de camisinha ou outro método contraceptivo de barreira, em todas as relações. É a única forma de evitar IST;
  • Faça a sua depilação com profissionais ou com material bem limpo, lâminas novas ou cera morna, para evitar a inflamação dessa região;
  • No caso de alergias frequentes, evite roupa íntima de material quente ou que não permita a transpiração da pele. Prefira roupas de algodão e confortáveis;
  • Durante o período menstrual faça trocas regulares dos absorventes.

Se mesmo com todos esses cuidados as bolinhas não desaparecerem entre 5 a 7 dias, procure um ginecologista para uma avaliação mais criteriosa. No caso de infecção, seja sexualmente transmissível ou não, pode ser preciso iniciar um remédio específico, como os antibióticos.

Quando procurar um médico?

No caso de bolinhas que não desaparecem dentro de poucos dias, que causem muito desconforto ou no caso de febre e ardência ao urinar, procure um médico, pois deve ser preciso iniciar um tratamento mais específico e evitar que o problema evolua ainda mais.

Para maiores esclarecimentos, converse com o seu ginecologista.

Leia também:

Quais são os tipos de DST e seus sintomas?

Estou com caroço nos grandes lábios da vagina, o que pode ser e qual o tratamento?

Referência:

FEBRASGO - Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia.