Perguntar
Fechar

Lábios

Estou com um caroço nos grandes lábios da vagina: o que pode ser e qual o tratamento?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Caroço nos grandes lábios da vagina pode ser característico de vários acometimentos como:

  • Bartolinite;
  • Foliculite;
  • Hematoma;
  • Linfogranuloma venéreo;
  • Cisto sebáceo e outro tipos de cistos;
  • Lipoma, etc.

A causa mais comum de caroço na região da entrada da vagina é a inflamação da glândula de Bartholin. A bartolinite geralmente ocorre em apenas um lado dos grandes lábios e a mulher não apresenta dor nem nenhum outro sintoma além do caroço. Caroço de grande tamanho pode gerar desconforto para andar, sentar ou durante a relação sexual. Em mulheres com menos de 40 anos essa inflamação resolve sozinha, sem necessitar de drenagem ou biópsia.

Caso a inflamação infeccione e transforme em abscesso com dor local, presença de pus, vermelhidão e inchaço, é necessária a drenagem para que o pus saia e alivie a dor, juntamente com uso de antibiótico.  

Se o caroço não regredir em alguns dias e vir acompanhado desses sintomas, a mulher deve procurar o/a ginecologista, clínico/a geral ou médico/a de família para o diagnóstico e tratamento adequado.

Carocinhos nos grandes lábios: o que pode ser?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A presença de caroço nos grandes lábios pode ser indicativo de Bartolinite. A bartolinite é uma inflamação da glândula de Bartholin localizada no introito vaginal.

A bartolinite é uma doença benigna e que tem cura. Leia mais em:

O que é bartolinite? Tem cura?

Algumas doenças transmitidas por via sexual podem se manifestar com caroços na região da vagina. Essas doenças devem ser tratadas para evitar agravamentos ou expansão da lesão.

Na presença de caroço nessa região é importante consultar o/a ginecologista, clínico/a geral ou médico/a de família para um exame detalhado e tratamento apropriado.

Dores no pescoço e ombros, dormência nos olhos e lábios, o que pode ser?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

Dores no pescoço e ombros, dormência nos olhos e lábios podem não estar diretamente relacionados. As dores no pescoço e ombros podem ser causadas por traumatismos, por tensão crônica sobre os músculos dessas regiões ou por má postura. Já a sensação de dormência pode ser um sintoma causado por estados de ansiedade.

A ansiedade é uma reação normal frente à situações de incerteza, estresse ou perigo. Porém quando essa reação tem uma intensidade ou duração anormal e exagerada para determinada situação, pode ser o resultado de um transtorno de ansiedade. Alguns sinais e sintomas do transtorno de ansiedade são: boca seca, inquietação, tremores, sudorese, dormências ou formigamentos, cansaço, tensão muscular, tontura, taquicardia, sensação de sufocamento, distúrbios gastrointestinais.

O clínico geral deve ser consultado para uma avaliação inicial e para encaminhamentos à outros profissionais da saúde, se necessário.

Tenho uma mania de morder a parte interna dos lábios...
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Bom a resposta já está na pergunta, claro que eu como estudei homeopatia vou te sugerir homeopatia porque acho que realmente vai te ajudar, porém qualquer tratamento para seu distúrbio, mesmo que seja alopático.

Estou com os lábios inchados. O que pode ser?

Lábios inchados podem ser um sinal alergia ou ter várias outras causas não alérgicas, como infecções, dermatites, doenças autoimunes e até mesmo câncer.

Quando a boca inchada é o resultado de uma reação alérgica, o inchaço normalmente desaparece depois de algumas horas ou ainda dias. Contudo, as reações mais graves podem evoluir com anafilaxia (choque anafilático) e comprometer as vias aéreas, impedindo a respiração.

Nesses casos, além dos lábios inchados, a pessoa também sente coceira na boca, podendo haver dor e vermelhidão local.

O inchaço nos lábios também pode ser causado por fatores não imunológicos, como dermatites provocadas por agentes irritantes ou traumas, urticárias, radiação, obstrução de veias e linfedema.

A boca inchada também pode ter como causa doença de Crohn, sarcoidose, queilite de Miescher, síndrome de Melkersson-Rosenthal, celulite, erisipela, impetigo, hanseníase Virchowiana, tuberculose, hepatite B, doenças da glândula parótida, tumores, lupus eritematoso discoide, esclerodermia, entre outras.

Como existem muitos fatores que podem deixar os lábios inchados, sendo alguns deles bastante graves, é importante verificar quando a boca começou a inchar, o tempo de duração dos sintomas, se o inchaço vai e volta, se existe dor ou ainda outras manifestações.

Para receber um diagnóstico e tratamento adequado, consulte um médico clínico geral ou médico de família.

Também pode lhe interessar: Tenho a língua inchada: o que pode ser?

Meus lábios e meu queixo ficaram amortecidos...
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Parece alguma coisa relaciona com a inervação da sua face, pode até ser algum tipo de infecção, inflamação ou até alergia, é difícil dizer exatamente o que sem mais dados, se continuar assim ou piorar ou qualquer outra coisa diferente que aconteça, deve ir ao médico.

Fenda palatina: Quais as causas e como tratar?

A fenda palatina é causada por um defeito na união entre os lados direito e esquerdo do lábio e do céu da boca (palato), que ocorre no início do desenvolvimento do embrião. A não-junção das duas partes que formam o lábio e o palato deixa uma abertura entre elas, dando origem à fissura palatina.

É provável que as causas para essa má formação esteja relacionada a fatores genéticos e ambientais. Gestantes que consomem bebidas alcoólicas, fumam ou tomam certos tipos de medicação como corticoides e anticonvulsivantes, têm mais chances de terem filhos com fenda palatina, sobretudo se houver predisposição genética e o consumo for durante os primeiros 3 meses de gravidez.

A fenda palatina ou lábio leporino, como também é conhecida, é a mais comum das malformações de face presentes ao nascimento. A ocorrência é de 1 caso em cada 650 crianças que nascem.

TratamentoCirurgia

A fenda palatina é corrigida através de cirurgia. O tratamento cirúrgico inclui a correção da fissura, a reconstituição do lábio superior e o reposicionamento do nariz.

A primeira cirurgia normalmente é feita nos primeiros 3 meses de vida da criança e a segunda quando o bebê tem cerca de 18 meses. O fechamento do céu da boca (palato) é realizado na segunda intervenção cirúrgica.

Porém, o número de cirurgias pode variar de acordo com a idade, o crescimento e as partes do rosto que precisam ser tratadas (nariz, lábios, céu da boca).

As cirurgias de correção da fenda palatina garantem a integridade dos ossos, as funções dos músculos da boca e da face, além de prevenir a voz anasalada e problemas respiratórios.

Fonoaudiologia e odontologia 

A fonoaudiologia acompanha o desenvolvimento da fala, uma vez que a fissura palatina prejudica a vocalização dos sons. Já o tratamento odontológico irá cuidar de toda a parte dentária, com atuação de dentistas de diferentes especialidades.

O tratamento multidisciplinar da fenda palatina é fundamental para evitar problemas respiratórios, infecções, má nutrição e um desenvolvimento inadequado da estrutura dentária.

Para uma reabilitação completa, é crucial que o tratamento não fique apenas limitado às cirurgias. Os outros tratamentos e atendimentos são essenciais, já que ao longo de todo o tratamento é observado o crescimento dos ossos craniofaciais para evitar deformações.

Lembrando que o tempo total de duração do tratamento da fenda palatina é de 16 a 20 anos. O abandono do tratamento pode trazer graves sequelas. 

A fenda palatina pode ser detectada por exames de imagem a partir da 14ª semana de gestação. No entanto, o diagnóstico definitivo é dado pelo médico pediatra após o nascimento.

Saiba mais em: 

O que é lábio leporino e quais são as causas?

Qual é o tratamento para quem tem lábio leporino?

Lábios ressecados: Quais são as causas e como tratar?

As principais causas de lábios ressecados são o frio, o vento, o clima seco, a desidratação e a exposição ao sol. Os lábios também podem ficar secos em casos de reação alérgica, uso de batons e pastas de dentes, ou ainda ingestão de certos alimentos e bebidas.

Os lábios são cobertos por uma mucosa que não possui glândulas sebáceas, ao contrário de outras partes da pele, como a do rosto, por exemplo. A falta de uma camada protetora de gordura e a espessura fina da mucosa deixam os lábios mais sensíveis aos agentes externos, pelo que podem ficar ressecados e rachados com mais facilidade.

Passar a língua nos lábios pode trazer algum alívio momentâneo, mas não é aconselhável. A saliva possui enzimas digestivas que agridem a mucosa da boca, que, como já foi dito, é muito sensível. Por isso, esse hábito deve ser evitado, pois deixa os lábios ainda mais ressecados.

Portanto, a primeira coisa a fazer para evitar e tratar o ressecamento dos lábios é combater a desidratação labial. Aumentar a ingestão de água é o primeiro passo, principalmente se a secura for causada pelo clima frio e seco ou pela exposição solar prolongada.

Além disso, é muito importante usar hidratantes labiais, como manteiga de cacau e batom de cera de abelha. 

Quem tem tendência para ficar com os lábios ressecados e usa batons cosméticos regularmente, deve escolher os batons que têm propriedades hidratantes.

Se os lábios continuarem ressecados e começarem a rachar, consulte um médico dermatologista para receber orientações quanto ao tratamento mais adequado.

Saiba mais em:

Pele ressecada: o que pode ser?

Pele ressecada: o que fazer?

O que é lábio leporino e quais são as causas?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Lábio leporino ou fenda palatina é uma abertura existente no lábio ou no palato (céu da boca), presente desde o nascimento. Trata-se de uma má formação decorrente da não-junção entre a parte esquerda e direita do lábio e palato durante o desenvolvimento intrauterino.

Acredita-se que o lábio leporino ocorra devido à predisposição genética do feto associada a fatores ambientais durante a gravidez, como consumo de bebidas alcoólicas, fumo e uso de medicamentos como corticoides e anticonvulsivantes. O risco é maior quando o consumo de álcool, cigarro e medicação ocorre no 1º trimestre de gestação.

O lábio leporino é o defeito congênito, ou seja, presente desde o nascimento, mais comum observado nas malformações do rosto, com 1 caso em cada 650 nascimentos. O nome "fenda palatina" significa literalmente "fissura no céu da boca".

A causa do lábio leporino é uma má formação que ocorre no embrião logo nos primeiros meses de desenvolvimento dentro do útero. As duas partes do lábio e céu da boca são formadas separadamente durante o estágio embrionário, juntando-se no final do processo de formação embrionária.

Quando há uma falha na junção dessas duas estruturas embrionárias que formam os lábios e o céu da boca, surge a fissura palatina.

A fenda palatina pode ser identificada a partir da 14ª semana de gravidez através de exames de imagem. Contudo, o diagnóstico definitivo é dado após o nascimento da criança com a avaliação clínica efetuada pelo médico pediatra.

Saiba mais em:

Qual é o tratamento para quem tem lábio leporino?

Fenda palatina: Quais as causas e como tratar?

Qual é o tratamento para quem tem lábio leporino?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

O tratamento do lábio leporino é feito através de cirurgia plástica. O objetivo é corrigir a fissura palatina, reconstituir o lábio superior e reposicionar o nariz. A primeira intervenção cirúrgica geralmente acontece nos primeiros 3 meses de vida do bebê. A segunda cirurgia é feita quando a criança tem cerca de 1 ano e meio de idade e tem como objetivo fechar o céu da boca (palato).

A cirurgia assegura a integridade da estrutura óssea, a funcionalidade da musculatura da boca e face, além de evitar a voz anasalada e deficiências na respiração.

Contudo, o número de operações depende do crescimento e da idade do paciente, bem como das estruturas envolvidas, como nariz, lábios e céu da boca.

É importante que a cirurgia de correção do lábio leporino seja realizada o mais breve possível para não afetar o desenvolvimento ósseo, o aleitamento, o desenvolvimento da fala, entre outras complicações.

Todo o processo de tratamento do lábio leporino é longo, levando de 16 a 20 anos para ser concluído. Durante a reabilitação, o crescimento dos ossos do crânio e da face devem ser observados com atenção para que a pessoa não fique com sequelas, como crescimento inadequado dos ossos craniofaciais. 

Apesar das cirurgias serem realizadas nos primeiros meses de vida, a criança com lábio leporino deverá ser acompanhada por diversos profissionais (fonoaudiologia, cirurgia plástica, odontologia, psicologia) ao longo do tratamento.

A atuação da equipe multidisciplinar é importante para estimular o desenvolvimento adequado da estrutura ortodôntica e evitar distúrbios respiratórios, infecções crônicas, má nutrição e problemas na dentição.

O tratamento para o lábio leporino acarreta profundas melhorias na qualidade de vida da criança, além de melhorar o aspecto estético. O processo terapêutico é individualizado, já que a resposta ao tratamento depende de diversos fatores que variam em cada caso.

É importante salientar que, além das cirurgias, os outros tratamentos são fundamentais para se ter bons resultados. Se o tratamento completo não for seguido até o fim, pode haver graves complicações para a pessoa.

Saiba mais em: 

O que é lábio leporino e quais são as causas?

Fenda palatina: Quais as causas e como tratar?

Caroços pequenos nos grandes lábios o que é?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

A maneira como você descreve a lesão é muito limitada, é difícil dizer qualquer coisa a respeito, precisa detalhar melhor o que você quer dizer com caroços pequenos, pode ser muitas coisas, desde infecções de pele até algumas DSTs;

Nasceu um caroço no lábio inferior o que pode ser isso?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

É algum tipo de inflamação ou nódulo inflamatório e a mancha é o resultado da cicatrização.