Perguntar
Fechar
Estou com um caroço nos grandes lábios da vagina: o que pode ser e qual o tratamento?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Caroço nos grandes lábios da vagina pode ser característico de diferentes condições, como:

  • Foliculite;
  • Verrugas genitais causadas por HPV
  • Cisto sebáceo e outro tipos de cistos;
  • Lipoma;
  • Bartolinite.
Foliculite

Nódulos e caroços pequenos na região dos grandes lábios próximo aos pelos pode ser decorrente de uma foliculite, que é a inflamação da base do pelo. A foliculite pode desencadear a formação de pequenos carocinhos, que coçam, são um pouco dolorosos em toda a região da vulva.

A foliculite nessa região é algo comum, devido aos diferentes métodos de depilação que podem provocar irritação e inflamação na pele.

A foliculite pode infectar, levar a proliferação de bactérias e evoluir para a formação de furúnculos, nessa situação pode ser necessário o uso de antibióticos e drenagem do pus que fica acumulado.

Verrugas genitais

A verrugas genitais são causadas pelo vírus do HPV e são transmitidas através do contato sexual pele a pele. Podem aparecer como nódulos únicos ou múltiplos em qualquer área da vulva ou vagina.

O tratamento é a excisão da verruga através da aplicação de ácidos, cauterização, congelação ou retirada cirúrgica.

Cistos ou lipomas

Pequenos cistos também podem aparecer como caroços na região externa dos grandes lábios. Existem diferentes tipos de cistos, um dos mais comuns é o cisto sebáceo, que é um cisto causado pela obstrução das glândulas sebáceas presentes na pele.

Se o cisto inflama é possível haver ainda dor e desconforto, no entanto, é mais comum que os cistos sejam indolores e não causem outros sintomas.

Um outro tipo de nódulos que também podem aparecer na região genital são os lipomas, que são nódulos de gordura.

O tratamento de cistos ou lipomas é feito através de sua retirada por um pequeno procedimento cirúrgico.

Bartolinite

A causa mais comum de caroço de grandes dimensões na região da vulva é a inflamação da glândula de Bartholin, também chamada de bartolinite, que ocorre geralmente após a obstrução desta glândula.

A bartolinite, geralmente, ocorre em apenas um lado dos grandes lábios, pode causar o aparecimento de um pequeno cisto na entrada da vagina, que cresce e aumenta de tamanho com o decorrer do tempo.

Este caroço não se localiza exatamente nos grandes lábios, mas sim na entrada da vagina, no entanto, como costuma crescer rapidamente pode passar a impressão que são caroços dos grandes lábios

A obstrução da glândula de Bartholin causa a formação de um nódulo que é indolor, mas a medida em que cresce gera desconforto para andar, sentar ou durante a relação sexual. Em alguns casos, a bartolinite pode melhorar espontaneamente, sem necessidade de tratamento específico.

Entretanto, caso ocorra a infecção da glândula de Bartholin o nódulo passa a apresentar dor intensa, com presença de pus, vermelhidão e inchaço. Nessas situações, é necessária a drenagem para que o pus saia e alivie a dor, juntamente com o uso de antibiótico.

Se o caroço não regredir em alguns dias e vir acompanhado desses sintomas, a mulher deve procurar o ginecologista, clínico geral ou médico de família para o diagnóstico e tratamento adequados.

Leia também:

Referência bibliográfica

Febrasgo. Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia.

Bartholin gland masses: Diagnosis and management. Uptodate.

Estou com os lábios inchados. O que pode ser?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Lábios inchados podem ser um sinal alergia ou ter várias outras causas não alérgicas, como infecções, dermatites, doenças autoimunes e até mesmo câncer.

Quando a boca inchada é o resultado de uma reação alérgica, o inchaço normalmente desaparece depois de algumas horas ou ainda dias, espontaneamente ou após uso de medicamento anti alérgico. Contudo, as reações mais graves podem evoluir com anafilaxia (choque anafilático) e comprometer as vias aéreas, impedindo a respiração.

Nesses casos, além dos lábios inchados, a pessoa também sente coceira na boca, podendo haver dor e vermelhidão local.

O inchaço nos lábios também pode ser causado por fatores não imunológicos, como dermatites provocadas por agentes irritantes ou traumas, urticárias, radiação, obstrução de veias e linfedema.

Outras causas possíveis são a doença de Crohn, sarcoidose, queilite de Miescher, síndrome de Melkersson-Rosenthal, celulite, impetigo, hanseníase Virchowiana, tuberculose, hepatite B, doenças da glândula parótida, tumores, lúpus eritematoso discoide, esclerodermia, entre outras.

Como existem muitos fatores e causas que podem deixar os lábios inchados, sendo alguns deles bastante graves, é importante verificar quando a boca começou a inchar, o tempo de duração dos sintomas, se o inchaço vai e volta, se existe dor ou ainda outras manifestações.

Para receber um diagnóstico e tratamento adequado, consulte um médico clínico geral ou médico de família.

Também pode lhe interessar: Tenho a língua inchada: o que pode ser?

Carocinhos nos grandes lábios: o que pode ser?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A presença de caroço nos grandes lábios pode ser indicativo de Bartolinite. A bartolinite é uma inflamação da glândula de Bartholin localizada no introito vaginal.

A bartolinite é uma doença benigna e que tem cura. Leia mais em:

O que é bartolinite? Tem cura?

Algumas doenças transmitidas por via sexual podem se manifestar com caroços na região da vagina. Essas doenças devem ser tratadas para evitar agravamentos ou expansão da lesão.

Na presença de caroço nessa região é importante consultar o/a ginecologista, clínico/a geral ou médico/a de família para um exame detalhado e tratamento apropriado.

Leia também:

Estou com caroço nos grandes lábios da vagina, o que pode ser e qual o tratamento?

Dores no pescoço e ombros, dormência nos olhos e lábios, o que pode ser?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

Dores no pescoço e ombros, dormência nos olhos e lábios podem não estar diretamente relacionados. As dores no pescoço e ombros podem ser causadas por traumatismos, por tensão crônica sobre os músculos dessas regiões ou por má postura. Já a sensação de dormência pode ser um sintoma causado por estados de ansiedade.

A ansiedade é uma reação normal frente à situações de incerteza, estresse ou perigo. Porém quando essa reação tem uma intensidade ou duração anormal e exagerada para determinada situação, pode ser o resultado de um transtorno de ansiedade. Alguns sinais e sintomas do transtorno de ansiedade são: boca seca, inquietação, tremores, sudorese, dormências ou formigamentos, cansaço, tensão muscular, tontura, taquicardia, sensação de sufocamento, distúrbios gastrointestinais.

O clínico geral deve ser consultado para uma avaliação inicial e para encaminhamentos à outros profissionais da saúde, se necessário.

O que é lábio leporino e quais são as causas?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Lábio leporino ou fenda palatina é uma abertura existente no lábio ou no palato (céu da boca) presente desde o nascimento. A fenda ou fissura também pode estar presente no lábio e no céu da boca simultaneamente. Trata-se de uma má formação decorrente da não-junção entre as partes esquerda e direita do lábio e do palato durante o desenvolvimento intrauterino.

O lábio leporino é a má formação congênita (presente desde o nascimento) mais comum observado dentre as malformações do rosto, com 1 caso em cada 650 nascimentos. O nome "fenda palatina" significa literalmente "fissura no céu da boca". Em casos mais raros, pode haver duas fissuras: uma no lado direito e outra no lado esquerdo do céu da boca.

Lábio leporino ou fenda palatina

A fenda palatina pode ser identificada a partir da 14ª semana de gravidez através de exames de imagem. Contudo, o diagnóstico definitivo é dado após o nascimento da criança com a avaliação clínica efetuada pelo/a médico/a pediatra.

Quais as causas do lábio leporino?

A causa do lábio leporino é uma má formação que ocorre no embrião logo nos primeiros meses de desenvolvimento dentro do útero, mais especificamente entre a e a 8ª semana de gravidez.

As partes direita e esquerda do lábio e do céu da boca são formadas separadamente durante o estágio embrionário, juntando-se no final do processo de formação do embrião. Quando há uma falha na junção dessas duas estruturas embrionárias que formam os lábios e o céu da boca, surge a fissura palatina.

Acredita-se que o lábio leporino ocorra devido à predisposição genética do feto associada a fatores ambientais durante a gravidez, como

  • Consumo de bebidas alcoólicas;
  • Fumo;
  • Obesidade;
  • Falta de vitaminas;
  • Uso de medicamentos, como corticoides e anticonvulsivantes;
  • Estresse;
  • Exposição a substâncias tóxicas e infecciosas ou à radiação.

O risco do bebê nascer com fenda palatina é maior quando o consumo de álcool, cigarro e medicação ocorre no 1º trimestre de gestação.

Pessoas com com lábio leporino têm atraso mental?

A fissura palatina é uma má formação exclusivamente física e não tem qualquer interferência com o desenvolvimento mental da criança. Como a fenda prejudica a capacidade de comunicação, o lábio leporino é muitas vezes associado a algum tipo de atraso mental.

Todavia, é importante ressaltar que pessoas com lábio leporino têm o desenvolvimento mental absolutamente normal, exceto nos casos em que a fissura está associada a outras síndromes e anomalias genéticas.

Lábio leporino prejudica a alimentação, a fala e os dentes?

O lábio leporino pode trazer dificuldades na alimentação. Em bebês, o problema pode ser resolvido com o uso de bicos e mamadeiras especiais, além de posições específicas para alimentar o bebê.

Quando a fenda surge apenas no lábio, os dentes normalmente não apresentam problemas no crescimento. Contudo, se a fissura chegar à gengiva, a arcada dentária e a mordida sofrem alterações, sendo necessário acompanhamento com profissionais especialistas.

O desenvolvimento da fala também pode ser influenciado pela presença do lábio leporino. Quando a fissura afeta apenas o lábio, provavelmente a criança não terá problemas na fala. Por outro lado, se a fenda ocorrer no céu da boca, a linguagem é prejudicada e é necessário realizar fonoaudiologia.

O lábio leporino também pode prejudicar o crescimento facial e o desenvolvimento da audição.

Qual é o tratamento para lábio leporino e quando deve ser feito?

O tratamento do lábio leporino deve começar o mais cedo possível. Logo no 1º mês de vida o recém-nascido já é avaliado e começa a ser preparado para a cirurgia, que normalmente é feita aos 3 meses.

A fenda no lábio pode ser reparada logo nos primeiros meses de vida do bebê. Já a fissura no palato é feita um pouco mais tarde. O momento para a realização dessas cirurgias depende do desenvolvimento da criança e é determinado pela equipe médica, sempre com avaliação do/a médico/a pediatra.

Fenda palatina reparada após cirurgia

A cirurgia para reparação do lábio geralmente é feita aos 3 meses de vida, enquanto que a operação de reparação do céu da boca normalmente é realizada quando o bebê completa 1 ano de idade.

As cirurgias de correções nasais, funcionais ou estéticas são feitas após a fase de crescimento, entre os 16 e os 18 anos de idade.

O ideal para a criança é iniciar o processo da fala com a cirurgia do palato já realizada. O tratamento com fonoaudiologia pode ser indicado se houver atraso no desenvolvimento da fala ou para corrigir eventuais erros fonéticos. A fonoaudiologia também facilita a alimentação e a reabilitação da audição.

O tratamento do lábio leporino é um processo longo, que requer a intervenção de uma equipe multidisciplinar, principalmente das áreas de cirurgia plástica, odontologia (todas as especialidades) e fonoaudiologia. O apoio de profissionais de outras áreas também é fundamental, como pediatria, otorrinolaringologia, nutrição, psicologia, fisioterapia, enfermagem, entre outras.

Nasceu um caroço no lábio inferior o que pode ser isso?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A presença de um caroço no lábio pode ser um sinal de algumas doenças, sendo as mais comuns:

  • Cisto (mucocele),
  • Lesão cicatricial pós traumática,
  • Aftas,
  • Herpes labial,
  • Lago venoso,
  • Fibroma ou
  • Câncer bucal.
Cistos (mucoceles)

Mucoceles são cistos comuns, sobretudo no lábio inferior, resultantes de pequenas "mordidas" na região. Alguns desaparecem espontaneamente, outros precisam ser removidos cirurgicamente. Não é considerado uma lesão pré-cancerosa.

Lesão cicatricial pós traumática

A lesão pós traumática tem características variadas, que seguem de acordo com o tipo de trauma sofrido, mas em geral são superficiais, dolorosas porém cicatrizam rapidamente.

Aftas

As aftas são feridas inflamatórias, altamente dolorosas e superficiais. Localizadas principalmente nas mucosas da boca, região mais interna, com limites bem definidos, bordos elevados e coloração esbranquiçada no seu interior. Sua melhora também costuma ser espontânea.

Herpes labial

O herpes labial é uma doença crônica, causada pelo herpes simples tipo 1, que se caracteriza pela presença de pequenas vesículas encontradas nos lábios (quando em atividade), que após alguns dias liberam o líquido encontrado no seu interior, dando por fim lugar a uma ferida. A ferida é bastante dolorosa.

O herpes labial é altamente contagioso, principalmente na fase em que a lesão está liberando a secreção e o tratamento é feito com comprimidos e pomadas antivirais (Aciclovir®).

Lago venoso

O lago venoso é uma dilatação venosa no lábio inferior, ou outras regiões da boca. Sua coloração é mais escura e trata-se de uma lesão benigna. Contudo, devido sua semelhança a lesões pré-cancerígenas, deve sempre ser investigada por um especialista (dermatologista).

Fibroma

São lesões nodulares, que se caracterizam pela forma pendular, ou seja, semelhantes a uma verruga, de consistência firme e indolor. São tratados com ressecção cirúrgica.

Câncer bucal

As lesões malignas são feridas localizadas em qualquer região da boca, bastante comum nos lábios porque são regiões muito expostas ao sol e pouco protegidas. Caracterizadas por feridas de difícil cicatrização e indolor. Trata-se de uma doença silenciosa apesar de por vezes muito agressiva. Por isso na presença de lesão escura e indolor nos lábios recomendamos procurar o mais breve possível um médico dermatologista para avaliação.

Leia também: Quais são os sintomas de câncer de boca?

Procure um/a médico/a dermatologista, para avaliar seu caso e dar início a uma investigação diagnóstica o quanto antes. O tratamento deverá ser baseado no diagnóstico definitivo.

Meus lábios incharam de repente o que isso poderia ser?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A causa mais comum de edema no lábio é a reação alérgica. Outras causas possíveis são: infecções, dermatites, doenças autoimunes e até mesmo câncer.

Reação alérgica

O edema no lábio geralmente é originado por uma reação alérgica, que pode ser associada a algum alimento, bebida, picada de insetos, contato com substâncias irritantes e ainda, traumatismo ou exposição ao frio.

A reação alérgica costuma vir acompanhada de coceira local. A grande preocupação é que essa reação alérgica progrida e leve ao edema das estruturas internas da boca, o que poderia dificultar a respiração e causar risco de morte, o Angioedema ou edema de glote.

Por isso, se além do edema labial perceber edema na língua, coceira na garganta, tosse ou alteração no tom da voz, deve procurar imediatamente m serviço de emergência médica.

Entretanto, felizmente, a maioria dos casos de reação alérgica, evolui com melhora espontânea dentro de poucas horas.

Outras causas de edema labial

Nos casos de infecção, é normal que tenha se iniciado por uma ferida, e apresente além do edema sinais como coloração avermelhada, calor local, dor e pontos amarelados ou esbranquiçados (coleção de pus). Nessa situação deve procurar atendimento médico para iniciar tratamento com antibioticoterapia, evitando uma complicação grave de infecção na face, a celulite de face.

As dermatites e doenças autoimunes são situações menos preocupantes, mas que merecem toda atenção para que a causa seja definida e o tratamento possa ser iniciado. E o câncer, uma doença grave, mas lentamente progressiva, não costuma se apresentar de forma abrupta, geralmente uma lesão aparece pequena e vai aumentando gradativamente e não causa dor.

Procure um médico clínico geral, médico de família ou dermatologista para avaliação, diagnóstico e tratamentos adequados para cada caso.

Leia também:

Estou com os lábios inchados. O que pode ser?

Alergia na pele: o que causa, tipos de alergia e como tratar.

Acordei com os lábios inchados pela segunda vez este ano...
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

O inchaço labial (edema labial) pode ter diferentes causas, pode não ter relação com a diabetes, o mais provável é que seja um quadro alérgico ou se relacione a outras condições que podem provocar esse tipo de sintoma como angioedema hereditário, eritema multiforme, doenças granulomatosas, edema ocasionado pela exposição ao clima frio e seco, traumatismos ou queimaduras solares. Nessa situação deve-se ir ao médico para uma avaliação mais detalhada.

Entre as principais causas de edema labial destacam-se:

Reação alérgica

Reações alérgicas podem desencadear inchaço dos lábios e outros sintomas como coceira e eritema na pele, geralmente os sintomas duram de horas a alguns dias, não sendo muito persistentes. Entre os possíveis alérgenos tem-se desde alimentos, bebidas, substâncias cosméticas, produtos de higiene oral, entre outros. Muitas vezes, é muito difícil determinar a causa exata da reação alérgica. O tratamento é feito com medicamentos anti-alérgicos.

Estímulos físicos

Alguns estímulos físicos externos como pressão, calor, frio ou vibração podem levar ao edema labial, que eventualmente também podem vir acompanhadas de urticárias (lesões avermelhadas, pruriginosas em relevo), geralmente esses sintomas são transitórias.

Doenças granulomatosas

Algumas doenças granulomatosas como Doença de Crohn, Sarcoidose, Queilite de Miescher, Síndrome de Melkersson-Rosenthal também podem ocasionar inchaço nos lábios. Essas doenças apresentam outros sintomas além do inchaço labial e exigem avaliação médica e tratamento.

Angioedema hereditário

É uma desordem genética causada pela deficiência de uma proteína relacionada ao sistema imunológico. A pessoa pode apresentar inchaço em diferentes partes do corpo, incluindo lábios, língua, mãos e outras áreas. Pode ainda sentir um pouco de dor nas regiões do corpo acometidas e ter outros sintomas como náuseas e vômitos.

Em caso de inchaço nos lábios consulte um médico de família ou clínico geral para uma avaliação inicial.

Lábios ressecados: Quais são as causas e como tratar?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

As principais causas de lábios ressecados são o frio, o vento, o clima seco, a desidratação e a exposição ao sol. Os lábios também podem ficar secos em casos de reação alérgica, uso de batons e pastas de dentes, ou ainda ingestão de certos alimentos e bebidas. O tratamento consiste basicamente na hidratação diária do lábios.

Os lábios são cobertos por uma mucosa que não possui glândulas sebáceas, ao contrário de outras partes da pele, como a do rosto, por exemplo.

Por isso, a falta de uma camada protetora de gordura e a espessura fina da mucosa deixam os lábios mais sensíveis aos agentes externos, pelo que podem ficar ressecados e rachados com mais facilidade.

Passar a língua nos lábios pode trazer algum alívio momentâneo, mas não é aconselhável. A saliva possui enzimas digestivas que agridem a mucosa da boca, que, como já foi dito, é muito sensível. Por esse motivo, esse hábito deve ser evitado, pois deixa os lábios ainda mais ressecados.

Portanto, a primeira coisa a fazer para evitar e tratar o ressecamento dos lábios é combater a desidratação labial. Aumentar a ingestão de água é o primeiro passo, principalmente se a secura for causada pelo clima frio e seco ou pela exposição solar prolongada.

Além disso, é muito importante usar hidratantes labiais, como os compostos por manteiga de cacau.

Quem tem tendência para ficar com os lábios ressecados e usa batons cosméticos regularmente, deve escolher os batons que têm propriedades hidratantes.

Se os lábios continuarem ressecados e começarem a rachar, consulte um médico dermatologista para receber orientações quanto ao tratamento mais adequado.

Saiba mais em:

Pele ressecada: o que pode ser?

Pele ressecada: o que fazer?

Fenda palatina: Quais as causas e como tratar?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A fenda palatina é causada por um defeito na união entre os lados direito e esquerdo do lábio e do céu da boca (palato), que ocorre no início do desenvolvimento do embrião. A não-junção das duas partes que formam o lábio e o palato deixa uma abertura entre elas, dando origem à fissura palatina.

É provável que as causas para essa má formação esteja relacionada a fatores genéticos e ambientais. Gestantes que consomem bebidas alcoólicas, fumam ou tomam certos tipos de medicação como corticoides e anticonvulsivantes, têm mais chances de terem filhos com fenda palatina, sobretudo se houver predisposição genética e o consumo for durante os primeiros 3 meses de gravidez.

A fenda palatina ou lábio leporino, como também é conhecida, é a mais comum das malformações de face presentes ao nascimento. A ocorrência é de 1 caso em cada 650 crianças que nascem.

Tratamento Cirurgia

A fenda palatina é corrigida através de cirurgia. O tratamento cirúrgico inclui a correção da fissura, a reconstituição do lábio superior e o reposicionamento do nariz.

A primeira cirurgia normalmente é feita nos primeiros 3 meses de vida da criança e a segunda quando o bebê tem cerca de 18 meses. O fechamento do céu da boca (palato) é realizado na segunda intervenção cirúrgica.

Porém, o número de cirurgias pode variar de acordo com a idade, o crescimento e as partes do rosto que precisam ser tratadas (nariz, lábios, céu da boca).

As cirurgias de correção da fenda palatina garantem a integridade dos ossos, as funções dos músculos da boca e da face, além de prevenir a voz anasalada e problemas respiratórios.

Fonoaudiologia e odontologia

A fonoaudiologia acompanha o desenvolvimento da fala, uma vez que a fissura palatina prejudica a vocalização dos sons. Já o tratamento odontológico irá cuidar de toda a parte dentária, com atuação de dentistas de diferentes especialidades.

O tratamento multidisciplinar da fenda palatina é fundamental para evitar problemas respiratórios, infecções, má nutrição e um desenvolvimento inadequado da estrutura dentária.

Para uma reabilitação completa, é crucial que o tratamento não fique apenas limitado às cirurgias. Os outros tratamentos e atendimentos são essenciais, já que ao longo de todo o tratamento é observado o crescimento dos ossos craniofaciais para evitar deformações.

Em média, o tempo total de duração do tratamento da fenda palatina dura até os 16 a 20 anos de idade. O abandono do tratamento pode trazer graves sequelas.

A fenda palatina pode ser detectada por exames de imagem a partir da 14ª semana de gestação. No entanto, o diagnóstico definitivo é dado pelo médico pediatra após o nascimento.

Vale informar que tramita na Câmara dos deputados, um projeto de lei, que incluiria as pessoas com fissura palatina que não tenham passado por cirurgia reparadora, ou com sequelas apesar do tratamento, como portadoras de deficiência e, com objetivo de auxiliar nos custos e tempo disponível para uma reabilitação adequada, além de possibilitar os mesmos direitos e garantias estabelecidos pela legislação vigente. Fique atento e pergunte ao seu médico sobre o assunto.

Saiba mais em:

O que é lábio leporino e quais são as causas?

Qual é o tratamento para quem tem lábio leporino?

Qual é o tratamento para quem tem lábio leporino?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

O tratamento do lábio leporino é feito através de cirurgia plástica. O objetivo é corrigir a fissura palatina, reconstituir o lábio superior e reposicionar o nariz. A primeira intervenção cirúrgica geralmente acontece nos primeiros 3 meses de vida do bebê. A segunda cirurgia é feita quando a criança tem cerca de 1 ano e meio de idade e tem como objetivo fechar o céu da boca (palato).

A cirurgia assegura a integridade da estrutura óssea, a funcionalidade da musculatura da boca e face, além de evitar a voz anasalada e deficiências na respiração.

Contudo, o número de operações depende do crescimento e da idade do paciente, bem como das estruturas envolvidas, como nariz, lábios e céu da boca.

É importante que a cirurgia de correção do lábio leporino seja realizada o mais breve possível para não afetar o desenvolvimento ósseo, o aleitamento, o desenvolvimento da fala, entre outras complicações.

Todo o processo de tratamento do lábio leporino é longo, levando de 16 a 20 anos para ser concluído. Durante a reabilitação, o crescimento dos ossos do crânio e da face devem ser observados com atenção para que a pessoa não fique com sequelas, como crescimento inadequado dos ossos craniofaciais. 

Apesar das cirurgias serem realizadas nos primeiros meses de vida, a criança com lábio leporino deverá ser acompanhada por diversos profissionais (fonoaudiologia, cirurgia plástica, odontologia, psicologia) ao longo do tratamento.

A atuação da equipe multidisciplinar é importante para estimular o desenvolvimento adequado da estrutura ortodôntica e evitar distúrbios respiratórios, infecções crônicas, má nutrição e problemas na dentição.

O tratamento para o lábio leporino acarreta profundas melhorias na qualidade de vida da criança, além de melhorar o aspecto estético. O processo terapêutico é individualizado, já que a resposta ao tratamento depende de diversos fatores que variam em cada caso.

É importante salientar que, além das cirurgias, os outros tratamentos são fundamentais para se ter bons resultados. Se o tratamento completo não for seguido até o fim, pode haver graves complicações para a pessoa.

Saiba mais em: 

O que é lábio leporino e quais são as causas?

Fenda palatina: Quais as causas e como tratar?

Meu rosto coça e pele do rosto irritada e olhos inchados...
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Não é possível definir um diagnóstico apenas com o relato. Podemos sugerir como causas prováveis, uma reação alérgica ou desidratação da pele. No entanto, para confirmar essas hipóteses é preciso uma avaliação mais detalhada de dados como tempo dos sintomas, qual a medicação foi aplicada e principalmente, avaliar as características da pele, coloração, aspereza, descamação, qual tipo e etc.

A avaliação médica não só visual, mas também tátil, serão fundamentais para definir a causa desse problema.

Nos casos de alergia, o tratamento é baseado no uso de medicamentos antialérgicos. E principalmente por ser em face, deve-se ter atenção a outros sintomas que sinalizam alergia grave, com risco de vida, como: voz rouca, tosse, dificuldade de engolir ou de respirar.

Nessas situações, deve pedir ajuda e procurar emergência imediatamente.

Nos casos de desidratação da pele, o tratamento será baseado na melhora dos sintomas, com o uso de um bom hidratante para o tipo de pele, com rápida absorção, além do tratamento específico para a causa base. Para isso é preciso que a causa seja identificada. Causas comuns são a exposição ao frio, vento e falta de cuidados adequados.

Independente da causa, a sociedade brasileira de dermatologia, recomenda como medidas preventivas de desidratação da pele as seguintes:

  • Limpar todos os dias o rosto seguindo os passos: água micelar, sabonete leve para rosto e secar delicadamente com a toalha, para já aplicar um hidratante de rápida absorção com a pele ainda úmida, o que facilita a sua penetração. Em seguida finalizar com o filtro solar;
  • Borrifar água micelar algumas vezes por dia no rosto;
  • Evitar banhos muito quentes;
  • Evitar sabonetes em barra, que costumam ressecar mais a pele;
  • Aplicar o hidratante para corpo na pele, logo após o banho, com a pele ainda úmida, pelo mesmo motivo, de promover melhor hidratação.

Contudo, além de desidratação e alergia, esses sintomas podem ser resultado de outras doenças como distúrbios hormonais, endócrinos, como o hipotireoidismo, reumatológicos como a síndrome de Sjogren, ou mesmo apenas o pouco cuidado com a hidratação e limpeza da pele.

Sendo assim, recomendamos procurar um médico clínico geral, dermatologista ou seu médico de família, para uma avaliação e orientações adequadas.