Perguntar
Fechar
O que não pode comer quem tem problemas de fígado?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Pessoas que têm problemas de fígado devem evitar:

  • Alimentos gordurosos,
  • Alimentos fritos,
  • Açúcar,
  • Sal,
  • Bebidas alcoólicas,
  • Molhos, condimentos,
  • Creme de leite, leite, queijo, manteiga, margarina e
  • Embutidos como salsicha, salame, linguiça e mortadela.

A dieta de um paciente com problema no fígado deve contemplar alimentos integrais, com baixo índice glicêmico. O leite e os derivados devem ser desnatados. Também deve-se evitar os doces, os alimentos com alto teor de açúcar e as gorduras de origem animal.

Prefira alimentos integrais

Os carboidratos, como pão, massas e arroz, devem ser preferencialmente integrais, pois contêm mais fibras solúveis, que se unem ao açúcar e às gorduras do bolo alimentar, dificultando a sua absorção.

Diminua o consumo de carboidratos

Alimentos como pães, massas, arroz e batata devem ser consumidos em poucas quantidades. Sempre que possível, consumir a versão integral desses alimentos.

Substitua leites e derivados integrais por desnatados

O leite e os derivados como queijos e iogurtes devem ter sempre o menor teor de gordura possível. Por isso os queijos ricota e cottage são os mais aconselhados. Os demais produtos que consumir, procure sempre pelas opções de desnatados.

Evite alimentos gordurosos

Alimentos gordurosos, como carne vermelha, embutidos, alimentos industrializados e frituras devem ser evitados por pessoas com problemas no fígado. Por ser um dos órgãos que atuam na quebra e eliminação de gordura, quanto mais consumir, mais sobrecarrega o fígado, piorando o problema já existente.

Evite doces e alimentos com muito açúcar

O excesso de glicose (açúcar) aumenta os níveis de triglicerídeos no sangue, agravando os problemas no fígado, da mesma forma que as gorduras.

Aumente o consumo de frutas e vegetais

As frutas, as verduras, os legumes e os vegetais em geral são fontes de fibras, que dificultam a absorção de gorduras e açúcar, auxiliando na digestão e reduzindo a sobrecarga no fígado.

Dê preferência a alimentos com baixo índice glicêmico

Batata doce e frutas como maçã e pera liberam o açúcar mais lentamente. Isso evita picos de glicose no sangue que, em excesso, é transformada em gordura e armazenada no fígado.

Evite bebidas alcoólicas

O álcool é metabolizado pelo fígado. O abuso de bebidas alcoólicas é uma das principais causas de acúmulo de gordura no fígado (esteatose hepática). Além disso, o álcool é bastante calórico, tendo apenas menos calorias que as gorduras, ficando à frente do açúcar e das proteínas no que toca às calorias.

Aposte nos ácidos graxos mono e poli-insaturados

São as chamadas "gorduras boas", pois protegem o coração e os vasos sanguíneos, podendo ainda ajudar a reduzir o colesterol ruim, auxiliando uma das funções hepáticas, que é o controle do colesterol. Castanhas, nozes, amêndoas, azeite, salmão, atum, sardinha, sementes de linhaça e quinoa são alguns dos alimentos que contêm esses ácidos graxos.

A dieta para pacientes com problemas de fígado deve ser elaborada por um especialista, nutricionista ou nutrólogo, de acordo com as recomendações do médico hepatologista.

Leia também: Esteatose hepática tem cura? Qual o tratamento?

Quais os sintomas da hepatite A?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Normalmente a hepatite A não manifesta sintomas, especialmente nas crianças. Nos adultos, ela pode passar despercebida como um resfriado leve.

Quando presentes, os sintomas da hepatite A podem incluir: náuseas, vômitos, febre, tontura, dor abdominal, dor de cabeça, dores musculares e articulares, falta de apetite, cansaço, coceira na pele, diarreia com fezes claras, urina escura e icterícia (pele e olhos amarelados).

A hepatite A é uma doença autolimitada, de caráter benigno, em que a pessoa se recupera em casa sem necessidade de internamento hospitalar. Menos de 1% dos casos pode evoluir para hepatite fulminante, exceto em pessoas idosas, acima de 65 anos, que apresentam mais chances de desenvolver formas mais graves da doença.

Leia também: Tenho a pele amarela desde que nasci. Posso ter hepatite?

Indivíduos que já tiveram hepatite A ficam imunes à doença, mas continuam suscetíveis às outras formas de hepatites.

O que é hepatite A e como ocorre a transmissão?

A hepatite A é uma doença hepática causada pelo vírus Hepatite A. A transmissão da doença ocorre quando uma pessoa não infectada e não vacinada ingere alguma bebida ou comida contaminada pelas fezes de uma pessoa infectada pelo vírus. A doença está relacionada com saneamento básico deficiente, falta de água potável e má higiene pessoal. Outros fatores de risco incluem o uso de drogas injetáveis e relações sexuais com pessoa apresentando infecção aguda pelo vírus da Hepatite A.

Qual é o tratamento para hepatite A?

A hepatite A não possui um tratamento específico. O tratamento da doença baseia-se em cuidados como permanecer em repouso, evitar o consumo de bebidas alcoólicas e não tomar medicamentos que podem interferir no fígado.

Em caso de sintomas de hepatite A, consulte o/a médico/a de família ou clínico/a geral.

É verdade que a hepatite A é combatida à base de doces?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Não. A hepatite A tem como tratamento cuidados e orientações básicas.

Trata-se de uma doença causada pela contaminação do vírus da hepatite A (VHA), através de água ou alimentos contaminados, por isso acomete com maior frequência crianças e adolescentes, além de pessoas que moram em ambientes com saneamento básico precário. Esse vírus se aloja no fígado, aonde gera a intensa reação inflamatória e consequentemente seus sintomas.

O tratamento dessa infecção é praticamente repouso, alimentação balanceada, muito liquido (exceção de bebidas alcoólicas), e evitar medicamentos que sobrecarreguem ainda mais o fígado, como o paracetamol.

Não existe um medicamento específico para o tratamento da hepatite A, mas com certeza não há estudos científicos que sugiram o uso de doces para este tratamento.

Em caso de dúvidas ou mais esclarecimentos o médico clinico geral, medico da família ou gastroenterologista podem ajudar. Agende uma consulta médica.

Saiba mais sobre o assunto em:

Hepatite A tem cura? Se tem, qual o tratamento?

Quais os sintomas da hepatite A?

Tenho a pele amarela desde que nasci. Posso ter hepatite?

Sinto dores abdominais do lado direito abaixo as costelas. Pode ser hepatite?

Hepatite A tem cura? Se tem, qual o tratamento?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Hepatite A tem cura, embora não haja um tratamento específico para a doença. Recomenda-se repouso, abstinência de álcool durante e pelo menos 3 meses após o fim da doença e medicamentos para aliviar dores de cabeça, enjoos e febre, quando necessário. Deve-se evitar medicamentos contendo Paracetamol para não sobrecarregar o fígado.

Normalmente, a pessoa que adquiriu hepatite A cura-se espontaneamente em cerca de 1 a 2 meses, com boa recuperação em casa, não necessitando de internamento hospitalar. Quando há sintomas, estes costumam ser leves. A hepatite A não evolui para doença crônica e raramente torna-se grave ao ponto de necessitar de transplante de fígado. Existe, contudo, vacina para a hepatite A.

transmissão da hepatite A dá-se pela via fecal-oral, ou seja, de uma pessoa infectada para outra saudável ou através de alimentos ou água contaminada. Boas práticas de higiene como lavar as mãos com água e sabão, beber água filtrada, lavar verduras e frutas antes de comer são as formas de prevenir a doença.  

Tenho a pele amarela desde que nasci. Posso ter hepatite?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Pele amarelada (icterícia) é um dos sinais de hepatite, mas é muito pouco provável que você tenha a doença desde o nascimento.

Icterícia (pele amarela)

A icterícia é um sinal, provocado pelo acúmulo de bilirrubina indireta no sangue, que então se deposita na epiderme, parte branca dos olhos e mucosas, deixando a pele e os olhos amarelados.

A bilirrubina é uma substância de cor amarela, resultante do metabolismo da hemoglobina (substância que dá a cor vermelha aos glóbulos vermelhos do sangue). Normalmente a bilirrubina é "conjugada", transformada em bilirrubina direta, no fígado, em seguida é lançada no intestino, para finalmente ser excretada. Quando existe algum defeito nesse circuito, a concentração de bilirrubina "não-conjugada" (indireta) aumenta no sangue, causando a icterícia.

Causas de icterícia

Dentre as condições e doenças que podem deixar a pele amarelada estão:

  • Condição fisiológica pós-parto, ou amamentação (condição bastante comum e benigna, causada pela imaturidade do organismo do bebê),
  • Hepatites;
  • Cirrose hepática;
  • Hemocromatose (doença genética que provoca uma absorção excessiva do ferro presente na alimentação);
  • Síndrome de Gilbert (condição benigna, também genética, que provoca uma elevação nos níveis de bilirrubina);
  • Câncer de fígado;
  • Anemia falciforme;
  • Cálculos ou tumores biliares;
  • Câncer de pâncreas.

Para cada caso existe um tipo de tratamento. Nos casos de icterícia neonatal fisiológica, está indicado exposição solar ou fototerapia. Para a maioria das hepatites, geralmente é indicado hidratação e orientações médicas. Porém em casos de tumores e outros mais graves, podem ser indicados cirurgia ou transplante hepático.

Portanto o mais importante é diagnosticar o quanto antes para iniciar o tratamento precocemente.

Fototerapia

Também pode lhe interessar o artigo: Olhos amarelados, o que pode ser?

Hepatites

A hepatite é uma inflamação no tecido hepático (fígado), causada por infecções virais, excesso de medicamentos ou substâncias ilícitas, ou ainda secundária a doenças crônicas.

Os sintomas podem variar bastante, existem casos leves, que não chegam a manifestar qualquer sintoma, outros apresentam mal-estar, náuseas, vômitos, febre baixa, dor abdominal e icterícia. Nos casos mais graves, pode chegar a quadro de confusão mental e coma.

Na fase crônica da hepatite B, por exemplo, a maioria das pessoas não manifesta sintomas. Quando estes estão presentes, são causados pela insuficiência e cirrose do fígado, o que leva ao quadro de icterícia, e ainda:

  • Líquido acumulado no abdômen (ascite);
  • Inchaço nos membros inferiores;
  • Baço aumentado;
  • Confusão mental.

A icterícia pode ter diversas causas, para sua correta investigação é preciso realizar exames laboratoriais específicos.

Caso apresente esse sinal, recomendamos agendar uma consulta com médico clínico geral, médico de família ou hepatologista, para avaliação e orientações adequadas.

Pode lhe interessar também:

Bilirrubina alta: o que pode ser?

Para que serve o exame de bilirrubina no sangue?

Quais os sintomas da hepatite A?

Quais são os sintomas da hepatite B?

Quais são os sintomas da hepatite C?

Dor na barriga do lado direito. O que pode ser?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A dor na barriga do lado direito é uma queixa bastante frequente e na maioria das vezes está relacionada a situações simples, como o excesso de gases ou prisão de ventre.

No entanto, algumas vezes pode representar um problema mais grave como uma hepatite, apendicite ou um tumor.

Sendo assim, é importante ter atenção aos sintomas, e se a dor piorar ou vir associada a outros sintomas como febre alta, vômitos ou perda de peso, o ideal é que procure um clínico geral ou gastroenterologista para avaliação médica.

O que causa dor do lado direito da barriga?

As causas mais relacionadas à dor na barriga no lado direito são:

  • Gases: Dor de intensidade variada, do tipo cólicas (dor que vai e vem), ou do tipo pontadas, associada a "barulhos" na barriga e história de má alimentação;
  • Prisão de ventre: Dor tipo cólica, mais localizada, inchaço na barriga, dificuldade de evacuar, com ou sem massa palpável na barriga (fezes endurecidas);
  • Hepatite aguda: Dor forte do lado direito do abdome, próximo das costelas, associado a náuseas, vômitos, febre e icterícia (coloração amarelada da pele e olhos);
Coloração amarelada na pele e nos olhos (Icterícia).
  • Pedras na vesícula (Colecistite ou colelitíase): Dor tipo cólica, de forte intensidade, do lado direito da barriga, associada a náuseas e vômitos, que piora após uma alimentação gordurosa;
  • Apendicite aguda: Dor na barriga, que pode ter início no umbigo e mais leve, que depois se mantém fixa na região mais baixa da barriga, à direita, associada a febre, náuseas e vômitos;
  • Endometriose: Dor na barriga, que pode se localizar em diversas regiões, não só a direita, associada ao ciclo menstrual, quando os hormônios agem para a realização da ovulação;
  • Gravidez ectópica à direita - Mulher em idade reprodutiva como dor intensa no baixo ventre, apenas de um lado (direito ou esquerdo), suor frio, mal-estar, náuseas e vômitos, com história de atraso menstrual, sugere a gravidez nas trompas;
  • Tumor - Dor localizada, febre baixa e perda de peso. Os tumores em geral, são doenças silenciosas, que quando desenvolvem sintomas já estão em estágios avançados, dificultando um tratamento adequado.

Além destas, situações como cólicas menstruais, infecção urinária, pedra nos rins, gastroenterite, obstrução intestinal (fecaloma), vermes ou ansiedade podem causar uma dor localizada à direita.

O mais importante, deve ser compreender os sinais de perigo que indicam a necessidade de procurar um atendimento de urgência. Para outros casos, procure o seu médico de família ou gastroenterologista, que deverá iniciar uma avaliação mais criteriosa.

Quando devo procurar uma emergência?

Os sinais de risco, que indicam a necessidade de procurar uma emergência imediatamente, são:

  • Febre alta (maior que 38,5º),
  • Náuseas e vômitos que não melhoram com a medicação habitual,
  • Piora da diarreia,
  • Sinais de desidratação (muita sede, boca seca, urina pouco),
  • Presença de sangue na urina ou nas fezes,
  • Coloração amarelada na pele ou nos olhos (parte branca) ou
  • Confusão mental ou desorientação.

Referência:

FBG - Federação Brasileira de gastroenterologia.