Perguntar
Fechar

Clamídia na gravidez pode ser perigoso? Qual o tratamento?

Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim, clamídia na gravidez pode ser muito perigoso, pois pode provocar diversas complicações durante e depois da gestação, tais como:

Gravidez ectópica

Trata-se de uma gravidez que ocorre fora do útero, na maioria das vezes em uma das trompas de Falópio (gravidez tubária), podendo também acontecer na cavidade abdominal ou no colo do útero. Uma gravidez ectópica não evolui e deve ser tratada com máxima urgência, sob o risco de trazer graves consequência para a mulher.

Aborto espontâneo

A infecção por clamídia parece estar relacionada com abortamentos tardios, embora não haja ainda um consenso sobre essa relação.

Endometrite e Doença Inflamatória Pélvica

A inflamação da camada interna do útero (endometrite) e a doença inflamatória pélvica (DIP) pós-abortamento ou parto são outras possíveis complicações da clamídia. A forma grave de DIP necessita de internamento e tratamento com antibióticos por via venosa.

Infecção interna do útero e morte do feto (natimorto)

A infecção intrauterina pode disseminar e atingir os pulmões e o fígado do feto, provocando a sua morte.

Rompimento da bolsa e parto precoce

O risco de parto pré-termo (antes das 37 semanas de gravidez) pode ser 4 vezes maior em grávidas com clamídia.

Infecção pós-parto

Se a clamídia for contraída durante a gestação, a infecção pode se desenvolver depois do parto e causar inflamação no útero (endometrite) e nas trompas, podendo provocar infertilidade. A infecção pode atingir ainda a cavidade abdominal e provocar hepatite, peritonite entre outras infecções graves.

Clamídia na gravidez pode ser perigoso para o bebê?

Sim, além de morte fetal, abortamento, baixo peso ao nascer e prematuridade, a clamídia pode ser transmitida da mãe para o bebê e provocar diversas doenças no recém nascido.

Dentre as doenças que a clamídia pode causar no bebê estão conjuntivite e pneumonia neonatal, otite média, síndrome da morte súbita, apneia, asma e doença pulmonar obstrutiva.

Qual é o tratamento para clamídia na gravidez?

O tratamento da clamídia durante a gestação é feito com medicamentos antibióticos. Os remédios usados para tratar grávidas com clamídia são: estearato de eritromicina, amoxacilina e azitromicina.

Os antibióticos devem ser usados por um período de 7 a 10 dias, dependendo das doses.

Já o linfogranuloma venéreo, causado por uma infecção crônica por clamídia, necessita de um tempo de tratamento mais prolongado, durante pelo menos 3 semanas.

Tratar a clamídia na gravidez reduz o risco de transmissão para o bebê, além de diminuir as chances de endometrite e doença inflamatória pélvica depois do parto. O tratamento da clamídia também deve ser feito pelos parceiros, para impedir recidivas e a perpetuação da infecção.

O tratamento, desde que feito corretamente, é eficaz contra a clamídia. Quando iniciado precocemente, as complicações são raras.

Veja também: Qual é o tratamento para clamídia?

No entanto, como 75% dos casos de clamídia não manifestam sintomas, boa parte das grávidas infectadas fica sem tratamento.

Como resultado, elas podem desenvolver doença inflamatória pélvica e sofrer sequelas, como dor pélvica crônica, gravidez ectópica e infertilidade, sem falar nos riscos para a gestação e para o bebê.

O que é clamídia?

A clamídia é uma infeção sexualmente transmissível, causada pela bactéria Chlamydia trachomatis.

Além de trazer complicações durante a gravidez, a clamídia pode causar complicações urológicas e genitais, infertilidade, artrite e aumenta o risco de transmissão do vírus HIV.

Quais são os sintomas de clamídia?

Nos homens, a clamídia geralmente não manifesta sintomas. Quando presentes, os sinais e sintomas incluem dor ou sensação de queimação na região entre o genital e o ânus, dor nos testículos e corrimento pela uretra.

Outros sintomas e complicações de clamídia em homens: ardência ao urinar, epididimite, prostatite, artrite, conjuntivite e uretrite.

Nas mulheres, a clamídia também não costuma manifestar sintomas. Em alguns casos, podem estar presentes algumas manifestações como corrimento, ardência e aumento da frequência urinária.

A clamídia pode causar ainda nas mulheres uretrite, cervicite, doença inflamatória pélvica, infertilidade, gravidez ectópica e obstrução das trompas.

No caso do linfogranuloma venéreo, a lesão surge no local em que houve contato com a bactéria. Após algumas semanas, aparece um gânglio aumentado e inflamado, geralmente em apenas um lado do corpo. Esse gânglio podem crescer e formar uma placa que evolui para ferida e depois cicatrizar, causando inchaço no membro afetado.

O tratamento da clamídia durante a gravidez pode ser realizado pelo/a médico/a de família, clínico/a geral, obstetra ou infectologista.

Saiba mais em: O que é gravidez ectópica e quais os seus sintomas?