Perguntar
Fechar
Dúvidas sobre anticoncepcional
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

A pílula anticoncepcional é um método contraceptivo oral. Trata-se de um medicamento composto pelos hormônios estrógeno e progestágenos, uma forma sintética do hormônio progesterona. Esses hormônios têm a função de inibir a ovulação e impedir, assim, a fecundação, que é a união do espermatozoide com o óvulo.

Não existe período fértil quando se toma anticoncepcional. É para isso que a pílula serve, para a mulher não ter ovulação e portanto não ter período fértil e não engravidar. O anticoncepcional protege a mulher de gravidez o mês inteiro, quando se está tomando a cartela e também durante a pausa dos comprimidos.

Quando tomada corretamente, a pílula anticoncepcional possui altas taxas de eficácia, além de auxiliar a regular os ciclos menstruais, reduzir as cólicas e o fluxo menstrual.

Nesse artigo, iremos abordar as principais dúvidas relativas à pilula anticoncepcional.

1. Quais são os tipos de pílulas anticoncepcionais?

O que diferencia os diversos tipos de pílula anticoncepcional são os tipos de hormônios, a dosagem dos mesmos e a forma de tomar. As pílulas anticoncepcionais combinadas possuem estrógeno e progestágenos. Também existem as pílulas sem estrógeno. Esse anticoncepcional normalmente é indicado para mulheres fumantes, com mais de 35 anos ou durante a amamentação.

2. Como tomar a pílula anticoncepcional?

A pílula anticoncepcional deve ser tomada sempre na mesma hora. As pílulas combinadas devem ser tomadas diariamente, por 21 ou 28 dias, conforme o tipo de anticoncepcional.

Quando tomada por 21 dias, há um intervalo de 7 dias, no qual ocorre a menstruação. Já as pílulas sem estrógeno são de uso contínuo, sem intervalos.

3. Esqueci de tomar a pílula. O que devo fazer?

Caso ainda não tenha passado 12 horas, o anticoncepcional continua eficaz. Nesse caso, tome a pílula que foi esquecida e continue tomando como antes. No caso de já ter passado 12 horas, a eficácia do medicamento pode ter diminuído. Nesses casos, recomenda-se ler a bula do medicamento e seguir as orientações do fabricante ou consultar o médico que receitou a pílula.

4. O que pode cortar o efeito do anticoncepcional?

O uso de alguns medicamentos, como certos antibióticos, anticonvulsivantes, barbitúricos (antiepiléticos, calmantes e sedativos), antirretrovirais e anabolizantes (hormônios), podem cortar o efeito ou diminuir a eficácia da pílula anticoncepcional.

Além disso, vômitos e diarreia que ocorrem em até 2 horas depois de tomar a pílula também podem cortar o efeito do anticoncepcional. Nesses casos, deve-se tomar uma nova pílula para que o medicamento continue eficaz.

5. Tomo o anticoncepcional bem certinho, corro risco de engravidar?

Não. É para isso que ele serve, evitar gravidez, e por isso deve ser tomado todos os dias “mais ou menos” na mesma hora (pequenas variações de horário – minutos não alteram a eficácia do anticoncepcional). Na verdade existe uma pequena chance (inferior a 1%) do anticoncepcional falhar. Depois do primeiro mês tomando os comprimidos não precisa mais ter medo, pode ter relação sem proteção e sem medo de engravidar.

6. Posso engravidar na pausa de uma cartela para outra?

Não. Se começar no dia certo ou antes do dia certo não há risco. Se começar com atraso existe risco sim, que aumenta conforme o número de dias de atraso.

7. Tomei 2 comprimidos de uma vez só, corro risco de engravidar? O que faço?

Não há risco de gravidez, sua cartela vai terminar um dia antes do normal e deve dar a pausa no número normal de dias.

7. Não tomar todos os comprimidos (parar de tomar antes da cartela terminar) tem risco de engravidar?

Sim. Pode tomar sempre a mais, mas nunca menos que uma cartela completa.

8. Vou começar a tomar anticoncepcional, qual é o dia que devo começar?

O melhor dia para começar a primeira cartela é o primeiro dia da menstruação (dia que começa a descer), mas se já estiver menstruando (outros dias da menstruação), também pode começar a tomar.

Caso já tenha acabado a menstruação, em teoria, até poderia começar o anticoncepcional em qualquer dia do mês, porém precisa ter certeza que não está grávida (a menstruação que desceu é uma "garantia" que não está grávida) e ficar ciente de que começar em qualquer dia do mês pode causar alguma irregularidade menstrual nos primeiros meses. Nunca esqueça que na primeira cartela ainda precisa usar camisinha.

Estando amamentando pode começar o anticoncepcional em qualquer dia, independente da menstruação.

9. E na pausa da pílula anticoncepcional, quando a cartela acaba, quando devo começar a próxima cartela?

Existem alguns anticoncepcionais de 28 comprimidos (deve tomar sem pausa) e existem anticoncepcionais com 21 comprimidos (deve dar uma pausa de 7 dias sem tomar entre uma cartela e outra).

Independentemente da sua menstruação, ou seja, caso a menstruação tenha adiantado, atrasado ou não ter vindo, isso não tem importância. Deve voltar a tomar os comprimidos no dia certo de voltar a tomar.

Se iniciar a nova cartela antes do dia certo, não há problema nem risco de gravidez. Porém, não pode começar depois da data certa, pois a cada dia de atraso, existe um risco maior de gravidez.

10. Dei a pausa e a menstruação veio bem pouco, o que faço?

Siga com o planejado e faça a pausa normalmente. Fluxo menstrual diferente ou em menor quantidade não é sinal de gravidez e não significa nada. Pode ficar tranquila, desde que tenha tomado o anticoncepcional da forma certa.

Leia também: A menstruação vai continuar regulada se eu parar de tomar anticoncepcional?

11. Dei a pausa e a menstruação não desceu, o que faço?

Volte a tomar a cartela no dia certo, independentemente da sua menstruação. Se tomou certo, não precisa ter medo, porque não é gravidez. Caso esteja com dúvida, faça o exame de gravidez ou vá ao médico, mas enquanto isso, volte a tomar a próxima cartela no dia certo.

12. Dei a pausa e a menstruação desceu e não parou. Já está na hora de começar a nova cartela, o que faço?

Volte a tomar o seu anticoncepcional normalmente independente de sua menstruação, caso o sangramento não pare procure um ginecologista.

13. Quando começo tomar a pílula já estou protegida no primeiro mês? A partir de quando estarei segura e sem risco de gravidez?

Quando começa a tomar anticoncepcional oral, em teoria já está protegida de gravidez a partir da segunda semana. Porém, durante todo o primeiro mês, ainda pode existir algum risco de gravidez e deve-se fazer uso de outro método anticoncepcional concomitante (camisinha ou abstinência).

A partir do final do primeiro mês já é mais seguro, mas por precaução e para evitar preocupações desnecessárias, melhor é se cuidar durante todo o primeiro mês e ficar tranquila somente a partir do segundo mês de uso do anticoncepcional.

14. Parei de tomar e agora quero voltar a tomar, como é que devo proceder?

Neste caso tudo começa do "zero" é como se fosse a primeira vez. Pode iniciar uma nova cartela no primeiro dia da menstruação, e usar preservativo no primeiro mês. Consulte o seu médico para mais informações.

15. Posso emendar uma cartela na outra para não menstruar?

Sim. Para a maioria das mulheres não há nenhum problema em fazer isso. Algumas mulheres podem desenvolver alguns sintomas como dor de cabeça, ansiedade, nervosismo, seios inchados e sensíveis, dor abdominal, sensação de inchaço na barriga e, eventualmente, pequenos sangramentos de escapes podem acontecer. Tomando certo, todos os dias sem esquecer, está protegida contra uma eventual gravidez.

16. Posso tomar somente alguns comprimidos de outra cartela para atrasar alguns dias a menstruação?

Sim. Mas cuidado para não fazer confusão, faça a pausa normalmente de 7 dias assim que resolver parar os comprimidos a mais e quando reiniciar uma nova cartela terá que começar uma cartela nova e completa.

17. Tomando anticoncepcional continuadamente, sem dar pausa entre uma cartela e outra, estarei protegida de gravidez?

Sim. Não precisa se preocupar, somente deve tomar todos os dias sem esquecer.

18. Na troca de anticoncepcional pode engravidar?

Se tomar bem certo e começar o novo anticoncepcional no mesmo dia que iniciaria o anterior não há risco de gravidez. Mesmo na primeira cartela do novo anticoncepcional já está protegida.

19. Quando se troca de anticoncepcional, quando começar a nova cartela?

Deve começar a cartela do novo anticoncepcional no mesmo dia que iria começar a nova cartela do anticoncepcional anterior.

20. Com que frequência a mulher deve trocar o anticoncepcional?

Não há necessidade de trocar de anticoncepcional, somente se algo acontecer, como sangramentos de escape ou presença de algum efeito adverso, por exemplo.

21. Existe anticoncepcional fraco?

Não. Existem anticoncepcionais com diferentes dosagens de hormônios, porém nenhum é fraco a ponto de engravidar..

22. Anticoncepcional altera o resultado do exame de Beta-HCG?

Não, Anticoncepcional não altera o resultado do exame de Beta-HCG.

23. A pílula do dia seguinte pode cortar o efeitos dos outros anticoncepcionais?

Não. A pílula do dia seguinte também é um anticoncepcional e não interfere no efeito de outros anticoncepcionais.

24. Anticoncepcional pode causar dor e inchaço nas mamas?

Sim. Todas as marcas de anticoncepcionais, algumas mais outras menos. Porém, depende mais da reação individual da mulher a determinado anticoncepcional do que do próprio anticoncepcional em si.

25. A menstruação veio antes de acabar a cartela, corro risco de engravidar?

Não, se tomou certo não vai engravidar.

26. Tenho sangramento há alguns dias mesmo tomando o anticoncepcional, corro risco de engravidar?

Não. Sangramentos são muito comuns e quando se tornam contínuos ou repetitivos, muitas vezes indicam a necessidade do seu ginecologista trocar de anticoncepcional para parar o sangramento. Contudo, isso não significa que ele seja fraco, apenas significa que seu organismo não se adaptou a ele.

Para esclarecimentos de mais dúvidas sobre anticoncepcionais, consulte um médico de família ou um médico ginecologista.

Saiba mais em:

Tomar anticoncepcional durante muito tempo faz mal?

Todas as mulheres podem tomar anticoncepcional?

Atrasei ou esqueci de tomar, posso engravidar? O que fazer?

Quais remédios que cortam e quais os remédios que não cortam o efeito do anticoncepcional?

Dor nos bicos dos seios. O que pode ser?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Dor nos mamilos (bicos dos seios) pode ter várias causas. Normalmente são causas benignas, a dor pode estar associada a um aumento dos hormônios estrogênio e progesterona, portanto relacionada ao ciclo menstrual, ou pode ser decorrente de alterações locais.

Dentre as possíveis causas para a dor no bico dos seios estão: gravidez, período pré e pós-menstrual, pré-menopausa, uso regular de contraceptivos orais, terapia de reposição hormonal, uso de antidepressivos, seios muito grandes, irritação local pelo uso de sabonetes e detergentes, amamentação e infecções, como micoses.

É importante ficar atenta também a outros sintomas no mamilo e na mama, que, se estiverem presentes, podem indicar doenças potencialmente graves. Esses sinais e sintomas incluem:

  • Coceira e inchaço no mamilo;
  • Formação de fissuras;
  • Sangramento;
  • Presença de caroços ou inchaços ao redor da aréola;
  • Saída de secreção pelo mamilo;
  • Saída de leite, sem estar grávida ou amamentando. 
Coceira no bico do seio, o que pode ser?

A coceira no mamilo pode ser causada por um processo inflamatório na pele, conhecido por dermatite, ou por alergia. O tratamento, nesses casos, é feito com pomadas, que melhoram rapidamente os sintomas. 

Contudo, é importante frisar que coceira e vermelhidão no bico do seio também podem ser sintomas de doença de Paget, um tipo raro de câncer de mama.

Se a dor ou a coceira no bico dos seios permanecer por mais de 10 dias, procure um/a médico/a mastologista ou dermatologista para uma avaliação.

Não faça uso de qualquer medicação antes de ser avaliada, pois pode mascarar algum sinal importante para o seu diagnóstico.

Leia também: Mamilos sangrando. O que pode ser e o que fazer?

Resultado do Exame de Gravidez - Beta-HCG
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Testes de gravidez caseiros ou de farmácia podem dar um resultado correto, embora não sejam considerados 100% confiáveis para indicar que a mulher está grávida. Apenas exames de gravidez feitos em laboratório, como o Beta-HCG, são levados em consideração para tomadas de decisões médicas.

O resultado do beta-HCG descreve seu valor quantitativo e após, é considerado como "positivo" ou "negativo".

Tabela de interpretação de valores de Beta-HCG

Os valores de referência do Beta-HCG podem variar de acordo com o laboratório e fatores individuais da pessoa. Contudo, de um modo geral, os resultados seguem os seguintes valores:

Valores entre 0 e 25

Indica resultado negativo. Porém, gestantes na primeira ou segunda semana de gravidez podem apresentar valores ainda inferiores a 25. Por isso, recomenda-se esperar por mais 10 a 15 dias e, se o atraso menstrual persistir, repetir o exame.

Valores entre 25 e 100

Resultados do exame beta-HCG com valores entre 25 e 100 são considerados positivos ou indeterminados, dependendo do laboratório. Mas na maioria das vezes são considerados positivos.

Se ainda assim houver dúvidas quanto à gravidez, deve-se esperar por mais 10 a 15 dias. Se a menstruação continuar atrasada, a mulher deve repetir o exame.

Valores acima de 100

Se os valores estiverem acima de 100, o resultado do exame é positivo e a gravidez é determinada.

1 - Quando devo fazer o exame?

O exame de gravidez beta-HCG deve ser feito sempre que a menstruação atrasar por mais de 15 dias. Vale lembrar que os métodos contraceptivos podem não ser eficazes para evitar a gravidez se não forem utilizados corretamente.

2 - O exame pode dar resultado errado?

Sim, o exame de gravidez Beta-HCG pode dar resultados errados, embora seja raro. Em geral, o resultado deve sempre ser considerado certo: se der negativo, significa que você não está grávida; se der positivo, significa que está grávida.

Porém, cabe ao médico interpretar o resultado do exame baseado nos seus sintomas. Se for necessário conduzir uma investigação mais apurada, consulte um ginecologista.

3 - Posso fazer exame de gravidez antes mesmo da menstruação atrasar?

Sim. O exame de sangue Beta-HCG já dá positivo logo na 1ª semana após ter ocorrido a gravidez, mesmo que a menstruação ainda não esteja atrasada.

4 - O resultado do Beta-HCG deu positivo. Estou grávida?

Provavelmente sim. Apesar que existem outras situações que podem dar Beta-HCG positivo, além da gravidez. Como, por exemplo tumores ovarianos e gravidez ectópica.

5 - O exame deu negativo, não estou grávida?

Provavelmente não. O exame de gravidez Beta-HCG feito depois de 1 semana após a relação que resultou em uma possível gravidez, já costuma dar positivo, mesmo antes da menstruação atrasar.

Contudo, é importante ressaltar que é preciso esperar pelo menos 7 dias após a relação para fazer qualquer tipo de teste de gravidez, mesmo o exame de sangue Beta-HCG. Exames feitos poucos dias após a relação não apresentam resultados confiáveis.

Saiba mais em: teste de gravidez de farmácia positivo e Beta HGG negativo: estou grávida ou não?

6 - O exame deu negativo e a menstruação ainda não veio. Quando devo repetir o Beta-HCG?

Se fez logo no início pode repetir após 10 ou 15 dias. Se fez após esse período não precisa mais repetir. Se a menstruação não desceu e seu exame é negativo, deve ir ao médico.

7 - Com quantas semanas de gravidez estou pelo valor do Beta-HCG?

O exame de gravidez Beta-HCG não serve para determinar a idade gestacional. O médico faz esse cálculo através da menstruação ou pelo exame de ultrassom.

8 - Fiz o exame, deu negativo, mas a menstruação não veio ainda. O que pode ser?

O atraso da menstruação é considerado o primeiro e mais evidente sinal de gravidez, desde que o atraso seja de pelo menos duas semanas. Atrasos menstruais de até 7 dias são muito frequentes e nem sempre indicam que a mulher está grávida.

A menstruação também pode atrasar devido a estresse, ansiedade, interrupção do uso de pílula anticoncepcional, doenças, infecções, uso de certos medicamentos, ganhos ou perdas de peso muito grandes em pouco tempo, obesidade, magreza extrema, anorexia, excesso de exercícios físicos, alterações na tireoide, ovários policísticos, aproximação da menopausa, entre outras causas.

Uma vez que existem muitas causas para o atraso menstrual, além de gravidez, é necessário consultar um médico ginecologista para, talvez, realizar mais exames.

Veja também: quantos dias de atraso são considerados como atraso menstrual?

9 - Anticoncepcional altera o resultado do exame de Beta-HCG?

Não. O uso de anticoncepcionais e outros medicamentos, como analgésicos e antibióticos, não alteram o resultado do exame Beta-HCG.

10 - Pílula do dia seguinte altera o resultado do exame de gravidez?

Não. Pílula do dia seguinte não interfere no resultado do exame de gravidez. Apesar de conter muitos hormônios, eles não alteram o resultado do exame de Beta-HCG.

11 - Mioma altera o resultado do exame de Beta-HCG?

Não, mioma não altera o resultado do exame Beta-HCG. Portanto, se a mulher tem mioma e apresenta resultado positivo, provavelmente está mesmo grávida; se for negativo (desde que tenha esperado pelo menos 7 dias para fazer o exame), é bem provável que não exista uma gravidez.

Saiba mais em: teste de farmácia de gravidez é confiável?

Relação sexual sem proteção. Posso engravidar?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sim. Toda relação sexual sem o uso de contraceptivo, pode resultar em gravidez.

As chances de engravidar numa relação sexual sem proteção depende principalmente da fase do ciclo menstrual em que a mulher está e da sua idade. Para engravidar, é necessário sobretudo, que esteja no seu período fértil, que é a fase do ciclo menstrual aonde o óvulo é produzido e liberado no sistema reprodutor feminino.

O dia da ovulação ocorre no meio do ciclo menstrual. A duração do ciclo menstrual em mulheres com ciclos regulares é de 28 dias, em média. Assim, uma mulher com um ciclo menstrual de 28 dias estará ovulando no 14º dia. Lembrando que cada ciclo menstrual começa no 1º dia de menstruação e termina no dia anterior à chegada do próximo período.

O período fértil costuma estar compreendido entre os 3 dias antes da ovulação até 3 dias após. Isso porque tanto o espermatozoide como o óvulo podem permanecer vivos por até 72 horas no corpo da mulher.

Dessa forma, o período fértil de uma mulher com um ciclo menstrual de 28 dias vai do 11º ao 17º dia do ciclo, sendo o 14º o seu dia mais fértil (dia da ovulação). Esse é o período do mês em que existe o maior risco de gravidez em caso de relação sem proteção.

Saiba mais em: Como contar o ciclo menstrual?

A idade é outro fator importante para aumentar ou reduzir os riscos de uma gravidez.

Qual o risco de engravidar numa relação sexual sem proteção?

O risco de uma mulher engravidar numa relação sem proteção é de cerca de 20%, contudo, a probabilidade de engravidar diminui à medida que a mulher envelhece. A fertilidade feminina começa a declinar por volta dos 25 anos, sendo mais marcante após os 35 anos de idade.

A chance de uma mulher de 25 anos conseguir engravidar no período fértil, no primeiro mês, é de aproximadamente 25%; e para uma mulher com 40 anos ou mais, não chega a 10%. Assim como a resposta a tratamentos de fertilização, que também variam de acordo com a idade, com melhores resultados antes dos 35 anos.

Tive relação sexual sem proteção durante a menstruação. Posso engravidar?

Na verdade pode, apesar de ser raro. Em teoria esse é um período onde a mulher está menos propensa a engravidar, assim como acontece logo nos primeiros dias após a menstruação e na semana anterior. Entretanto, a medicina não é exata e nem os períodos menstruais, que por vezes, seja por problemas de saúde, como infecção, tumores, ou mesmo emoções fortes, os hormônios são alterados, e com isso os ciclos menstruais. Por isso, apesar do risco ser baixo, pode acontecer.

Outra situação que pode acontecer, são ciclos menstruais muito irregulares e/ou mulheres que fazem uso de medicamentos que reduzem consideravelmente o fluxo, o que pode confundir quanto à menstruação e episódios de escapes ocorridos no meio do ciclo. Por isso, mais uma vez, não está isenta completamente do risco de gravidez.

Leia também: O que pode alterar o ciclo menstrual?

Vale lembrar que tão importante quanto evitar uma gestação não planejada, é evitar doenças sexualmente transmissíveis, potencialmente danosas à saúde, como a sífilis e a AIDS, que ainda são prevenidas apenas por contraceptivos de barreira, como a camisinha.

Para maiores informações, consulte seu/sua médico/a clínico/a geral ou médico/a de família.

Também pode lhe interessar:

Quais são os tipos de DST e seus sintomas?

O que é AIDS e quais os seus sintomas?

Com quantos dias aparecem os primeiros sintomas de gravidez?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Os primeiros sintomas de gravidez começam a surgir cerca de 40 dias depois da mulher ter engravidado, ou seja, a partir da ou 6ª semana de gestação. Isso geralmente acontece depois de 7 a 14 dias do dia esperado de vir a menstruação.

Em geral, o primeiro sintoma da gravidez é a ausência de menstruação ou atraso menstrual detectado quando o período não vem na data esperada. Após esse sintoma, outros podem ser percebidos no início da gestação, como náuseas, vômitos, aumento da sensibilidade nas mamas, aumento da frequência urinária e cansaço.

Normalmente, o atraso do período menstrual é notado pela mulher após uma a duas semanas de atraso. As náuseas e os vômitos podem ter início já nos primeiros dias de gravidez. Contudo, esses sintomas são mais frequentes no primeiro ou segundo mês de gestação e nem todas as grávidas os apresentam.

Portanto, os primeiros sintomas de gravidez aparecem a partir da 5ª ou 6ª semana de gestação. Com o avançar da gravidez, outros sinais e sintomas vão aparecendo, como inchaço abdominal, constipação intestinal, azia, desconforto na região pélvica, alteração do humor, falta de ar e tontura.

Sintomas menos comuns no início da gravidez

Algumas mulheres grávidas também podem apresentar outras manifestações menos frequentes no início, como cólicas ou sangramento no momento da implantação do óvulo no útero, o que geralmente acontece na metade do ciclo.

As aréolas ao redor dos mamilos também podem ficar mais escuras e muitas vezes vêm acompanhadas por inchaço e aumento da sensibilidade das mamas.

Outros sintomas iniciais da gravidez podem incluir ainda desejo por determinados alimentos, sonolência, sensação de gosto metálico na boca e alterações no olfato, que muitas vezes fica mais apurado.

Ao detectar uma gravidez, a mulher deve procurar o serviço de saúde para iniciar os cuidados de pré-natal.

Leia também:

Posso estar grávida com 5 dias de atraso da menstruação?

Dor ao urinar pode ser gravidez?

É possível engravidar tomando anticoncepcional?

Gosto amargo na boca pode ser sintoma de quê?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Gosto amargo na boca pode ser sintoma de cáries ou inflamações na própria boca, alterações hormonais na gravidez, doenças ou ainda ser causada pelo uso de medicamentos.

Dentre as possíveis causas de gosto amargo na boca estão:

Língua com placa bacteriana (saburra): Uma das principais causas de gosto amargo na boca é a falta de higiene oral. Nesses casos, a origem do problema muitas vezes está na formação de uma placa branca na língua formada por bactérias (saburra lingual). Por isso a língua também deve ser escovada diariamente.

Cáries: A cárie é constituída por bactérias que se alimentam de restos de alimentos acumulados na boca e nos dentes. Pode deixar a boca amarga, além de causar mau hálito e dor de dente.

Problemas nas gengivas: A gengivite é uma inflamação da gengiva que pode deixar um gosto amargo na boca. A explicação está sobretudo nos sangramentos, que ocorrem sobretudo ao escovar os dentes ou usar o fio dental.

Gravidez: Na gestação, as alterações hormonais podem deixar um gosto amargo na boca. Porém, as alterações no paladar não ocorrem em todas as gestantes.

Doença do refluxo gastroesofágico: A doença do refluxo gastroesofágico pode provocar sintomas de azia e retorno de alimentos no esôfago, além da sensação de boca amarga ou acidez na boca.

Doenças respiratórias e infecções na garganta: As bactérias causadoras de doenças respiratórias (gripe, resfriado, sinusite, rinite) e infecções na garganta podem ser uma causa de gosto amargo na boca.

Fumar ou mascar tabaco: O tabaco ou o cigarro deixam resíduos nos dentes e na língua que podem causar a sensação de gosto amargo na boca.

Uso de medicamentos: Alguns medicamentos podem alterar o paladar, diminuindo a quantidade de saliva ou libertando substâncias que deixam a boca amarga. Dentre as medicações que podem causar essa sensação estão os anti-hipertensivos, antidepressivos, remédios para gota, anti-inflamatórios, antibióticos, antialérgicos, anticonvulsivantes e antiparasitários.

Transtornos de ansiedade e depressão: Transtornos como a ansiedade e a depressão podem causar um gosto amargo na boca por diversas razões, como pelo uso dos medicamentos usados no tratamento dessas doenças ou ainda pela diminuição da produção de saliva.

Outras causas para gosto amargo na boca incluem:

  • Inflamações na boca, como abcessos dentários;
  • Boca seca, devido à diminuição da produção de saliva;

O clínico geral ou médico de família poderá diagnosticar a causa da sensação de gosto amargo na boca e tratá-la ou indicar um outro profissional da saúde para fazê-lo.

Corrimento marrom, o que pode ser?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

O corrimento marrom pode ser causado por diversos motivos, entre eles a infecção vaginal bacteriana (corrimento geralmente amarelado, mas pode ser marrom claro na vaginose bacteriana) pode ser causa de corrimento marrom.

Quando o corrimento vaginal é marrom escuro, geralmente adquire esta cor por ter sangue em sua composição, o que pode indicar feridas sangrantes no colo do útero, nas paredes vaginais, nas tubas uterinas ou ser proveniente da própria parede uterina (alteração menstrual).

Normalmente, o corrimento vaginal adquire a cor marrom devido à presença de sangue coagulado na sua composição. Esses restos de sangue podem ter como causas resquícios do período menstrual, traumatismos, infecções, presença de corpo estranho, câncer, atrofia vaginal, gravidez ectópica (gravidez fora do útero), entre outras.

A menstruação tipo borra de café, verificada no final do período, também pode ter coloração marrom. Trata-se da mudança de cor do sangue, que oxida devido ao tempo que fica retido no útero até ser expelido, o que altera a sua cor.

O corrimento marrom deixa de ser considerado “normal”, ou seja, fisiológico, se persistir por vários dias ou vier acompanhado de mau cheiro.

Leia mais sobre corrimento normal em: Corrimento vaginal é normal?

Corrimento marrom nas infecções, alergias e outras doenças

Nos casos de infecção bacteriana vaginal, normalmente outros sinais e sintomas acompanham o corrimento marrom, como: ardência, cheiro forte e desagradável, inchaço, prurido (coceira) e vermelhidão.

O corrimento vaginal marrom também pode ser decorrente de doença inflamatória pélvica (DIP), muito mais grave e pode necessitar de internação hospitalar para tratamento, câncer do colo do útero, câncer de endométrio, pólipos ou miomas uterinos, endometrite, outras doenças sexualmente transmissíveis como a gonorreia.

Alergias e irritação

Grande parte dos corrimentos crônicos são causados por preservativos. O látex das camisinhas pode provocar alergia em algumas mulheres, o que vai desregular o pH vaginal e criar um ambiente propício à proliferação de bactérias que causam a vaginose bacteriana.

Produtos de higiene íntima (duchas vaginais) também são outro agente que provoca irritação. Duchas podem levar à destruição das bactérias benéficas (flora vaginal normal - bacilos de Doderlein) que impedem a proliferação de bactérias causadoras de doenças como as da vaginose. O uso de sabonetes, lubrificantes e cremes vaginais sem indicação do médico é outro fator que pode explicar corrimentos recorrentes.

Corrimento marrom após relações sexuais

O corrimento marrom escuro geralmente indica sangramento em algum local do aparelho reprodutor. O sangramento pode ser oriundo da própria parede vaginal ou do colo do útero, como consequência de relações sexuais intensas ou repetidas.

Corrimento marrom na gravidez

Nas primeiras 12 semanas de gestação, algumas mulheres podem apresentar secreção vaginal marrom. Esse pequeno sangramento pode se originar da implantação do embrião na parede uterina (nidação). Neste caso o sangramento é semelhante à menstruação, mas em pequena quantidade, de coloração mais clara e dura poucos dias.

A vagina também fica mais sensível durante a gravidez, podendo sangrar mais facilmente durante relações sexuais ou exames ginecológicos. Além disso, aumenta a chance de infecções nesse período.

Sempre que ocorrerem corrimentos ou sangramentos durante a gestação, ainda que geralmente comuns, um médico ginecologista deve ser consultado imediatamente. O corrimento também pode significar algo mais grave, como perda sanguínea decorrente de gravidez ectópica com rotura de tuba uterina (acompanhada de fortes dores abdominais em cólica), aborto (ou ameaça de aborto), placenta prévia, descolamento prematuro de placenta, rotura de vasa prévia, entre outras causas.

Para maiores esclarecimentos, consulte um médico ginecologista ou médico de família para receber um diagnóstico e tratamento adequados.

Também pode lhe interessar:

Corrimento vaginal: o que significam as diferentes cores?

Dor na nuca, o que pode ser?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Dor na nuca pode ter várias causas, sendo as mais comuns:

  • Pressão arterial alta,
  • Enxaqueca,
  • Problemas de coluna,
  • Problemas de visão e
  • Estresse ou Tensão muscular.

A dor pode ser dos dois lados ou unilateral (dor à direita ou à esquerda), dependendo da causa.

Dor na nuca e hipertensão arterial

O aumento da pressão é uma das causas mais comuns de dor na nuca, embora algumas pessoas mesmo com a pressão muito elevada, não apresentem nenhum sintoma.

À medida que os níveis de pressão se mantêm elevados, ou subam gradativamente, o organismo tende a se adaptar à situação, sem causar dor ou outras queixas. O que é prejudicial para a pessoa, porque não existe um sinal de algo errado, retardando o devido tratamento.

A dor na nuca associada a hipertensão arterial, pode vir acompanhada de: dor no peito, tontura, náuseas, sonolência, confusão mental, vômitos, palidez, tremores nas mãos, zumbido no ouvido, sangramento pelo nariz, fraqueza, visão turva e alterações visuais.

Qual o tratamento para dor na nuca causada por pressão alta?

O tratamento para essa fase de crise hipertensiva, deve ser procurar um serviço de emergência, para tratar o problema e evitar maiores complicações, como um derrame cerebral, ou infarto agudo do miocárdio.

Após resolvida a crise de hipertensão, o tratamento deve ser direcionado a causa do problema, ou seja, o melhor controle da pressão arterial. A hipertensão arterial não tem cura, mas tem tratamento eficaz, que deve ser feito sem interrupções e durante a vida toda, para evitar complicações cardiovasculares, neurológicas e ou renais, principalmente.

Algumas medidas para o tratamento e controle da hipertensão arterial incluem:

  • Não fumar;
  • Manter uma alimentação saudável com frutas, verduras e fibras, evitando alimentos industrializados, gordurosos e muito calóricos;
  • Manter o peso adequado à altura;
  • Reduzir a ingestão de sal e de bebidas alcoólicas;
  • Praticar atividades físicas regulares, 30 minutos diários, 5 dias por semana, com orientação médica;
  • Tomar os medicamentos para hipertensão sempre, mesmo quando a pressão estiver boa, a não ser que seja alterado pelo médico cardiologista;
  • Procurar reduzir o nível de estresse, mudando hábitos de vida e com o auxílio de atividades ou técnicas para esse fim;
  • Realizar técnica de respiração lenta, com 10 respirações por minuto durante 15 minutos por dia.
Dor na nuca e enxaqueca

A dor na nuca associada ao quadro de enxaqueca, se caracteriza por ser uma dor unilateral, tipo latejante ou em pontadas, acompanhada de náuseas, vômitos, tontura, fotofobia (piora da dor com a luz) e ou fotofobia (piora da dor com o barulho).

Qual o tratamento para dor na nuca causada por enxaqueca?

O tratamento da crise de dor deve ser feito com analgésicos fortes e anti-inflamatórios, além de se manter em repouso e em ambientes escuros.

Contudo, sabendo que a enxaqueca não tem cura, é fundamental a avaliação e o acompanhamento pelo médico neurologista, que poderá indicar o melhor tratamento de manutenção, caso a caso.

Saiba mais em: Que remédios devo tomar para enxaqueca?

Dor na nuca e problemas de coluna

As doenças de coluna como a escoliose, cifose, a hérnia de disco e doenças degenerativas, causam frequentemente uma tensão na musculatura do pescoço, que para compensar o problema existente piora ainda mais a deformidade do local, levando a um quadro de dor.

Nesses casos, a dor piora com o movimento e com a palpação, e melhora com o repouso e medicamentos para dor. Pode ser localizada apenas na nuca, ou irradiar para um dos braços, com uma dor tipo "choque", nos casos de hérnia de disco, devido à compressão de uma raiz nervosa.

Qual o tratamento para dor na nuca causada por problemas de coluna?

O tratamento deve ser conservador inicialmente, com o uso de medicamentos anti-inflamatórios e ou relaxante muscular. E mais raramente, nos casos que não respondem, ou com sinais de maior gravidade e alterações neurológicas, pode ser indicada cirurgia para a correção do problema.

Saiba mais no link: O que é hérnia de disco? Quais as causas, sintomas e tratamento?

Dor na nuca e problemas de visão

Os problemas de visão, como miopia, astigmatismo e outros, devem ser corrigidos com o uso de óculos. Porém é comum o uso irregular dos óculos, causando uma sobrecarga na visão durante todo o dia, e com isso a dor na nuca ao final do dia.

Sendo assim, a dor associada aos problemas de visão, são mais comuns a tarde ou a noite. Especialmente para pessoas que fazem uso de computador durante o dia.

Qual o tratamento para dor na nuca causada por problemas de visão?

O tratamento deve ser manter o uso correto dos óculos e o acompanhamento regular com oftalmologista.

Dor na nuca e tensão muscular

A tensão muscular resulta de vários fatores como má postura, contração muscular por estresse ou esforços físicos. Nesse caso, a dor pode irradiar da nuca para outras partes do corpo como cabeça, ombros e braços.

Qual o tratamento para dor na nuca causada por tensão muscular?

O tratamento da dor na nuca causada por tensão muscular baseia-se na correção da postura, na realização de exercícios físicos adequados ao problema, redução do estresse e uso de analgésicos e relaxantes musculares.

Pode também ser um sintoma de doença neurológica, como a meningite. Nesse caso, geralmente aparece acompanhada de outros sinais e sintomas como rigidez de nuca, enjoos, vômitos e febre. Trata-se de uma doença grave e com risco de morte, por isso na suspeita de meningite, procure imediatamente uma emergência.

O clínico geral ou médico de família pode diagnosticar e orientar o tratamento para a dor na nuca.

Vontade de urinar toda hora, o que pode ser e o que posso fazer?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A vontade de urinar a toda hora pode decorrer de uma série de motivos e nem sempre é sinal de doença. Diversas condições, patológicas ou não, podem provocar um aumento da produção de urina ou irritações na bexiga que deixam a pessoa com uma vontade constante de urinar.

1. Diabetes

Na diabetes, o aumento do açúcar no sangue, leva a um aumento também na absorção de água, resultando na maior produção de urina. A doença desencadeia ainda outros sintomas, como sede excessiva e maior vontade de comer.

Portanto, podemos dizer que os sintomas que sugerem a diabetes são:

  • Poliúria (maior volume de urina),
  • Polidipsia (aumento da sede),
  • Polifagia (aumento do apetite),
  • Emagrecimento (sem causa aparente).

Na suspeita de diabetes, especialmente se houver familiares com esta doença, procure um endocrinologista para confirmar esse diagnóstico e iniciar o devido tratamento.

2. Cistite (infecção urinária)

A cistite, ou uma infecção urinária, é a principal causa de aumento da vontade de fazer xixi na população geral. A infecção leva a uma irritação na parede da bexiga e desenvolve os sintomas:

  • Vontade de urinar várias vezes ao dia,
  • Urgência para urinar,
  • Urinar em pequenas quantidades,
  • Ardência ao urinar,
  • Coceira,
  • Dor no "pé da barriga" (região abaixo do umbigo).

Mais raramente pode haver ainda febre e confusão mental. Esses sintomas são mais comuns em pessoas idosas, diabéticas ou com imunidade baixa e indica maior risco de complicações.

Na suspeita de infecção urinária, procure imediatamente um médico clínico geral, médico da família ou urologista, para iniciar o quanto antes o tratamento com antibióticos.

A infecção urinária não tratada pode evoluir com pielonefrite (infecção renal) e infecção generalizada (sepse urinária).

3. Doenças na próstata

A próstata é uma pequena glândula localizada abaixo da bexiga e junto a uretra. Por isso, quando acontece um aumento dessa glândula, seja por inflamação (prostatite), ou presença de um tumor (hiperplasia ou câncer), ela comprime a uretra impedindo a passagem normal do fluxo de urina. Com isso a bexiga não consegue esvaziar completamente, aumentando a necessidade de urinar e outros sintomas, como:

  • Maior frequência na micção,
  • Urinar em pouca quantidade, em cada micção,
  • Pode haver dor, dependendo da compressão na uretra,
  • Pode haver sangue na urina, nos casos mais avançados.

Na suspeita de problemas de próstata, é preciso procurar o urologista, para confirmar o diagnóstico. Após o diagnóstico, o médico poderá definir o melhor tratamento, na maioria das vezes existe a indicação de ressecção cirúrgica da próstata.

4. Gravidez

Durante a gravidez, o aumento do volume de sangue e aumento das taxas hormonais, modificações naturais desse período de vida da mulher, causam um aumento do volume de urina, sendo preciso urinar mais vezes durante o dia.

Além disso, no terceiro trimestre, com o crescimento do bebê, o espaço se torna menor, e passa a comprimir a bexiga, reduzindo a sua capacidade de armazenamento de urina, aumentando assim, ainda mais, a necessidade de urinar da gestante. Os sintomas são de:

  • Aumento na frequência urinária,
  • Aumento do volume de urina em cada micção,
  • Urgência para urinar.

Neste caso, não é preciso nenhum tratamento ou preocupação, trata-se de uma adaptação natural do organismo da gestante, para permitir o desenvolvimento saudável do bebê.

No entanto, se junto a maior frequência de urina, surgir sintomas de ardência, coceira, sangramento ou febre, é preciso procurar imediatamente atendimento médico. A infecção urinária durante uma gestação pode causas graves problemas.

5. Uso de medicamentos

O uso de medicamentos diuréticos, é outra causa bastante comum de aumento na vontade de urinar. Algumas vezes é preciso correr ou usar um absorvente, para passar mais tempo na rua, em segurança. Os sintomas são de:

  • Urgência para urinar,
  • Maior volume de urina,
  • Sintomas relacionados ao início de um medicamento diurético, ou ajuste de dose.

Neste caso, é preciso conversar com o seu médico de família ou cardiologista, para avaliar os benefícios e qualidade de vida. Se houver comprometimento no seu dia a dia e/ou constrangimentos, pode ser avaliada a troca da medicação, sem prejudicar o seu tratamento.

6. Ansiedade

Na crise de ansiedade, são liberados neurotransmissores, que dentre outras ações, aumentam a contração involuntária da bexiga e a vontade de urinar. Os sintomas que sugerem os diversos tipos de ansiedade são:

  • Preocupação excessiva,
  • Palpitação,
  • Suor frio,
  • Dor no peito,
  • Vontade de fazer urinar várias vezes durante o dia.

Nos casos de ansiedade, o tratamento deve ser multidisciplinar, com medicamentos, psicoterapia e atividade física, um conjunto que permite alcançar a cura dessa doença, na grande maioria das vezes.

7. Síndrome da bexiga hiperativa

A Síndrome da Bexiga Hiperativa afeta tanto homens como mulheres e é mais encontrada em pessoas brancas, portadores de diabetes. Trata-se de uma alteração no funcionamento da bexiga que provoca contrações involuntárias no órgão, causando vontade constante e urgente de urinar. Os sintomas clássicos desta síndrome são:

  • Urgência para urinar,
  • Aumento de frequência de micção,
  • Noctúria (incontinência urinária noturna),
  • Incontinência de urgência.

Pessoas com essa Síndrome têm mais de 8 micções ao longo do dia e da noite, inclusive depois de dormir. A urgência urinária, ou seja, a necessidade de urinar logo que se tenha vontade, é o sintoma característico.

O tratamento deve ser realizado pelo urologista, que inicialmente orienta quanto as medidas comportamentais incluindo o treinamento vesical (estratégias para tentar controlar os músculos dessa região), controle da ingesta hídrica por dia e quando não for suficiente, deverá incluir o uso de medicamentos e procedimentos cirúrgicos.

Segurar o xixi faz mal?

Sim. O hábito de prender a urina aumenta o risco de desenvolver doenças como a infecção urinária e a incontinência urinária.

O ato de fazer xixi é uma das defesas do nosso corpo. Na urina são eliminados todos os germes, bactérias e substâncias tóxicas para o organismo, que foram filtradas pelos rins.

Quando seguramos o xixi, mantemos a urina por mais tempo dentro da bexiga, o que expõe o trato urinário a proliferação dessas bactérias e risco de uma infecção urinária.

Além disso, reter a urina por mais tempo do que o necessário, sobrecarrega a bexiga, prejudicando a sua elasticidade e função do esfincter, podendo resultar na perda do controle da urina, a incontinência urinária.

Portanto, para evitar essas complicações, procure ir com frequência ao banheiro, e beber pelo menos 1litro e meio de água por dia, a fim de auxiliar a filtração renal e limpeza do trato urinário.

É normal ter vontade de urinar a noite?

Sim, é normal desde que mantenha o volume considerado normal, e desde que não interfira nos hábitos de sono.

A vontade de urinar durante a noite, alterando a qualidade de sono e/ou com volume e frequência aumentados é chamado noctúria. Pode ter as mesmas causas da poliúria (aumento do volume de urina) e da polaciúria (aumento na frequência de urinar).

A poliúria é definida por um volume de urina maior do que 3 litros por dia, para o adulto e maior de 2litros por metro quadrado, na criança. Polaciúria, número excessivo de micções em 24h, é caracterizado pela frequência acima de 6 vezes por dia para um adulto, e mais de 12 micções por dia para as crianças.

Em caso de vontade de urinar a toda hora, consulte um clínico geral, médico de família, ou um urologista para receber um diagnóstico e tratamento adequados.

Veja também:

Referências:

SBN - Sociedade Brasileira de Nefrologia

SBU - Sociedade Brasileira de Urologia / Portal da Urologia

UpToDate - Daniel G Bichet, et al. Evaluation of patients with polyuria. Sep 27, 2019.

Nível de leucócitos alto pode indicar uma infecção grave?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Nível de leucócitos alto no sangue ou leucocitose pode ser indicativo de infecção, mas não necessariamente. O aumento do nível de leucócitos no sangue pode indicar a presença de um organismo ou substância estranha que precisa ser combatido e eliminado do corpo para não causar complicações.

Esse aumento também pode estar presente em algumas situações temporárias de estresse, como após exercícios físicos intensos, infarto, gangrena, queimaduras, pós-operatório, uso de medicações (lítio, corticoides, epinefrina), tabagismo, gestação, recém-nascido nos primeiros dias após o parto, além de situações crônicas, como alergias, artrite reumatoide, rinite, leucemia, parasitoses intestinais, Doença de Crohn, entre outras.

Os leucócitos atuam na resposta do organismo a agentes causadores de doenças, bem como a situações de estresse ou esforço físico intenso. Quando os níveis de leucócitos estão altos, com valores acima de 11.500 por milímetro cúbico de sangue, é um quadro denominado leucocitose. As causas desse aumento variam conforme as características da leucocitose e o tipo de leucócito que está alto.

Quando o aumento do número de leucócitos ocorre devido a uma situação de estresse para o organismo, como atividade física intensa, gravidez ou uso de anestesia, a leucocitose é fisiológica.

As infecções bacterianas, os processos inflamatórios e a gravidez causam as chamadas leucocitoses reativas. Doenças como leucemia e linfoma provocam um tipo de leucocitose denominada patológica.

O que são leucócitos?

Os leucócitos são células de proteção do nosso organismo contra agentes externos, tanto mico-organismo que podem provocar infecções, quanto substâncias que provocam alergias.

Essas células de proteção são os glóbulos brancos do sangue e são divididos em 5 categorias: eosinófilos, basófilos, neutrófilos, linfócitos e monócitos. Cada um desempenha um papel diferente no sistema imune. O aumento dos leucócitos pode ser acompanhado da predominância de algum desses subtipos.

A avaliação do número de leucócitos é útil para identificar a presença de processos inflamatórios ou infecciosos no organismo, avaliar a necessidade de se fazer uma biópsia de medula óssea ou a resposta ao tratamento com quimioterapia, radioterapia ou outras formas de terapia.

O resultado de um exame sempre deve ser interpretado de acordo com os sintomas e sinais clínicos que a pessoa apresenta. Além de avaliar as características do aumento dos leucócitos, também faz parte do diagnóstico o exame clínico do/a paciente. Por isso, é importante levar o resultado do exame para que o/a médico/a que solicitou faça a correlação adequada e tome as medidas apropriadas em cada caso.

Leia também:

Bastonetes altos no hemograma, o que pode ser?

Mielócitos altos ou baixos no leucograma, o que significa?

Leucograma: Para que serve e quais os valores de referência?

Tomei a pílula do dia seguinte. Posso engravidar?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Depende. Pode ser possível engravidar tomando a pílula do dia seguinte, quando for utilizada de maneira incorreta, por exemplo quando tomar a pílula com mais de 72h após a relação desprotegida.

A eficácia da pílula do dia seguinte é maior quanto antes for tomada, especialmente antes das 48 h. Depois de 48 até as 72 h, a eficácia já é reduzida, aumentando o risco de gravidez.

Atualmente já está disponível no mercado a pílula de até 5 dias, com eficácia comprovada, porém com as mesmas recomendações, quanto antes tomar, maior a segurança e menor o risco de gravidez.

Após os 5 dias, não está mais indicado tomar a pílula do dia seguinte, além de não conferir resposta, pode causar efeitos colaterais.

Vale ressaltar que a pílula deve ser utilizada apenas em situações de emergência, nos casos de falha do método contraceptivo utilizado regularmente ou esquecimento. Não é indicado seu uso de maneira rotineira, porque a quantidade de hormônios nesse medicamento é alta, podendo causar problemas futuros para a saúde da mulher.

Por isso, depois de tomar a pílula do dia seguinte, se não faz uso de um contraceptivo regular, é necessário procurar um ginecologista para conversar sobre o assunto.

Perguntas comuns sobre pílula do dia seguinte: 1) Como funciona a pílula do dia seguinte?

A pílula pode atrasar a ovulação, impedir a união do óvulo com o espermatozoide ou a implantação do óvulo fecundado na parede do útero. A pílula não interrompe a gravidez e não causa malformações no feto.

2) Quanto tempo dura o efeito da pílula do dia seguinte?

A pílula do dia seguinte somente produz efeito sobre a última relação sexual, se for tomada dentro de um tempo máximo de 72 horas. Imediatamente depois de tomar a pílula, a mulher já retorna à sua fertilidade normal e pode engravidar se houver outra relação desprotegida.

3) Pílula do dia seguinte faz mal?

Desde que usada esporadicamente, apenas como método anticoncepcional de emergência, a pílula do dia seguinte é segura para a saúde da mulher. Mesmo quando é necessário tomar mais de uma pílula dentro do mesmo ciclo menstrual, não há evidências de efeitos colaterais graves.

É importante lembrar que a pílula do dia seguinte somente deve ser usada em situações especiais, como contraceptivo de emergência. Tomar a pílula repetidamente pode trazer sérios riscos à saúde, como infarto, derrame cerebral e trombose.

4) Quando tomar a pílula do dia seguinte?

No caso de uma relação sexual sem proteção (não usou camisinha ou anticoncepcional de qualquer tipo), bem como se esquecer de tomar a pílula anticoncepcional.

5) Quando não devo tomar a pílula do dia seguinte?

A mulher não deve tomar a pílula do dia seguinte nas seguintes situações:

  • Se usa anticoncepcional de qualquer tipo há mais de 30 dias;
  • Na pausa do anticoncepcional;
  • Se usou camisinha;
  • Se está amamentando.
6) Tomei a pílula do dia seguinte e senti enjoo. É gravidez?

Provavelmente não. Esse é um efeito colateral frequente da pílula do dia seguinte. Podem ocorrer também: vômitos, dor de cabeça, cansaço, tontura, vômitos, diarreia, mudanças de humor, tontura, mal estar, sangramento antes do dia normal da menstruação, cólicas ou ainda atraso menstrual.

7) Tomei a pílula e depois de uns dias tive sangramento e cólicas. Pode ser gravidez?

Esses sintomas são geralmente decorrentes da própria pílula do dia seguinte. Pequenos sangramentos e irregularidade menstrual são comuns após tomar a pílula.

Lembrando que a eficácia da pílula do dia seguinte é limitada e dependente do tempo que levou para fazer uso. Porém pode não evitar a gravidez em algumas mulheres.

8) Tomei a pílula do dia seguinte e não tive nenhuma reação ou efeito colateral e nem sangramento. É normal?

Sim, nem todas as mulheres vão sentir os efeitos colaterais da pílula do dia seguinte ou apresentar sangramento nos primeiros dias.

9) Tomei a pílula do dia seguinte e a menstruação atrasou, o que faço?

Pode ser efeito da pílula, mas também pode ser gravidez. Espere até completar 15 dias de atraso e então faça o exame de gravidez.

10) E se eu tomar a pílula do dia seguinte e estiver grávida?

Eventualmente, isso pode acontecer. Porém, geralmente não traz grandes consequências à gravidez e ao feto. Vale lembrar que a pílula do dia seguinte não é abortiva (não causa aborto).

11) A pílula do dia seguinte pode cortar o efeitos dos outros anticoncepcionais?

Não. A pílula do dia seguinte também é um anticoncepcional e portanto não altera o efeito dos outros anticoncepcionais. Entretanto, se já estiver em uso de anticoncepcional regular há mais de 30 dias, não há necessidade de fazer uso da pílula do dia seguinte.

12) Estou amamentando, posso tomar a pílula do dia seguinte?

Não. As chances de gravidez na amamentação são pequenas e a pílula do dia seguinte pode fazer mal a você e reduzir a produção do leite.

13) Como saber se a pílula do dia seguinte funcionou?

A única forma de saber efetivamente se a pílula do dia seguinte funcionou ou não é esperar pela próxima menstruação. Se ela atrasar duas semanas, faça um teste de gravidez.

Para maiores esclarecimentos sobre o uso da pílula do dia seguinte, consulte um médico clínico geral, médico de família ou ginecologista.

Leia também: Interação dos Anticoncepcionais com outros Remédios

Leucócitos baixos, o que pode ser?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Leucócitos baixos (leucopenia) podem significar uma série de condições, fisiológicas ou não. Trata-se da redução no número de células de defesa do corpo, chamadas leucócitos ou glóbulos brancos. Não é uma doença, embora possa ser a manifestação de uma, mas sim um resultado de exame laboratorial (exame de sangue). Seu valor de referência normal é de 4000 a 10000 leucócitos por milímetro cúbico (mm3) de sangue.

Quais são as principais causas de leucócitos baixos? Fisiológicas

Algumas pessoas podem ter um número normal abaixo ou acima do valor de referência, sem nenhuma implicação clínica, como na leucopenia crônica idiopática benigna. O valor de referência abrange a maioria da população, mas não toda. Algumas etnias como negros e judeus do Yemen e Sudão têm comumente leucopenia. Gestantes também podem apresentar este achado ou pessoas em jejum.

Infecções

Em doenças como dengue e infecções virais geralmente ocorre leucopenia, com neutropenia (diminuição de neutrófilos), presença de linfócitos atípicos e trombocitopenia (diminuição de plaquetas), com valores abaixo de 100.000 plaquetas/µL.

Também pode ocorrer leucocitose (aumento dos leucócitos), mas precoce, e neutrofilia (aumento dos neutrófilos).

Também pode ocorrer queda de leucócitos na AIDS, febre amarela, rubéola, sarampo, febre tifoide, tuberculose, brucelose, malária, entre outras doenças.

Doenças da medula óssea

Anemia aplástica, leucemias, linfomas, mielofibrose, carcinomatose metastática e síndrome mielodisplásica.

Doenças da tireoide ou baço

Hiperesplenismo e doença de Gaucher.

Doenças hepáticas

Cirrose hepática e hepatites.

Doenças autoimunes

Lupus Eritematoso Sistêmico; artrite reumatoide e linfoproliferativas.

Doenças genéticas

Agranulocitose congênita de Kostmann, anemia de Fanconi e disgenesia reticular.

Outras causas comuns de leucócitos baixos

Deficiência de folato ou vitamina B12, complicações do uso de alguns medicamentos (anti-tireoidianos, antibióticos, anticonvulsivantes, antirretrovirais), quimioterapia e radioterapia, alcoolismo, desnutrição e hemodiálise.

Quais são os sintomas de leucócitos baixos?

Os leucócitos baixos não causam um sintoma específico. Contudo, é preciso ter atenção, pois se o número de leucócitos estiver muito baixo, há um aumento do risco de infecções.

Nesses casos, alguns sinais e sintomas podem estar presentes, como presença de gânglios ou nódulos no corpo, aumento de tamanho do baço, lesões na pele, além de manifestações que indicam doenças do fígado ou outras doenças.

Pessoas com febre e neutrófilos baixos (menos de 1.500 neutrófilos/µL), um tipo de leucócito, devem ser encaminhadas para um serviço de urgência para uma investigação.

Uma vez que existem diversas condições que podem deixar os leucócitos baixos, é preciso fazer um exame clínico em que se avalia a presença de sinais e sintomas e doenças, uso de medicamentos e complicações, nesse caso, infecções.

Em caso de leucopenia, um médico clínico ou um hematologista deve ser consultado para avaliação. O tratamento, quando necessário, vai depender da causa, que deve ser investigada inicialmente pelo médico que solicitou o hemograma, que poderá encaminhá-lo a algum especialista se houver necessidade.

Leia também:

Quais sáo os valores de referência do hemograma?

Leucograma: para que serve e quais os valores de referência?

Nível de leucócitos alto pode indicar uma infecção grave?