Perguntar
Fechar

O que pode ser fraqueza nas pernas?

A fraqueza nas pernas tem várias causas possíveis.

Doenças neurológicas

  • Esclerose amiotrófica lateral;
  • Paralisia cerebral;
  • Síndrome de Guillain-Barré;
  • Esclerose múltipla;
  • Compressão de um nervo (por exemplo, causada por um disco deslocado na espinha vertebral);
  • Derrame (acidente vascular cerebral;
  • Poliomielite;
  • Mielite transversa;
  • Deficiência de vitamina B12;
  • Neuropatia diabética.

Doenças musculares

  • Distrofia muscular de Becker;
  • Distrofia muscular de Duchenne;
  • Distrofia miotônica.

Doenças metabólicas

  • Doença de Addison;
  • Hiperparatireoidismo;
  • Baixos níveis de sódio ou potássio,
  • Tireotoxicose.

Insuficiência venosa

Ocorre mais entre mulheres, pessoas que passam muitas horas em pé e idosos. Normalmente está associada à dor nas panturrilhas, mais prevalente no final do dia. Podem ser verificados sintomas como "vasinhos" (teleangiectasias), varizes e inchaço.

Saiba mais em: Sinto muita dor nas pernas. O que pode ser?

Insuficiência arterial (claudicação intermitente)

Comum em idosos e sobretudo em tabagistas. Regra geral, é associada à dor forte, em pontada, e acontece depois de caminhadas mais longas, subir vários degraus de escada, ou uma rua mais íngreme. É normal que o paciente precisar parar de caminhar por causa da dor. O descanso durante alguns minutos normalmente resolve os sintomas.

Problemas psicológicos

  • Depressão;
  • Sintomas imaginários;
  • Histeria (reação de conversão);
  • Fibromialgia;
  • Síndrome da fadiga crônica.

Outras possíveis causas

  • Botulismo;
  • Envenenamento (inseticidas, ostras).

Diagnóstico

O diagnóstico da causa da fraqueza nas pernas depende da história clínica e do exame neurológico completo, para determinar se há diminuição de força muscular, ou se a queixa é subjetiva. Saber se há associação com dor ou alterações na pele das pernas também é fundamental.

Na presença de fraqueza nas pernas, especialmente se houver dificuldade para andar, deve ser procurado um médico neurologista ou clínico geral, para uma melhor avaliação.