Perguntar
Fechar

Cirurgia Vascular

Dor na panturrilha, o que pode ser?

É bastante comum a ocorrência de dores nas panturrilhas ("batatas das pernas") e há algumas causas possíveis.

Se a dor for aguda, iniciada após atividade física, é mais provável que seja resultado de uma distensão do músculo da panturrilha (gastrocnêmio). Em algumas ocasiões será necessário o uso de relaxante muscular e/ou anti-inflamatório, além de repouso, para melhora dos sintomas. Outra causa de dor aguda são as cãibras, quando o músculo fica contraído durante alguns minutos, associadas a bastante dor. Normalmente são auto-limitadas e não necessitam tratamento, exceto se a dor permanecer mesmo após resolução da cãibra. Para evitá-las, é importante realização de alongamento e musculação 3x/semana, além de alimentação e hidratação adequadas durante a prática de atividade física. E, após uma rotina de exercícios, descansar por um dia, pelo menos.

Contudo, há doenças que podem causar dores nas panturrilhas e os pacientes devem estar atentos a elas:

  • insuficiência venosa: especialmente comum nas mulheres, nas pessoas que ficam muitas horas em pé e idosos. Usualmente, a dor nas panturrilhas é uma dor em peso (as pernas ficam "pesadas"), mais comum no final do dia e podem estar presentes inchaço, "vasinhos" (teleangiectasias) e varizes. O tratamento consiste no uso de meias elásticas, prática regular de exercícios físicos e, algumas vezes, será necessária cirurgia para remover as veias que ficaram dilatadas e disfuncionantes. O diagnóstico e seguimento deverá ser feito por médico cirurgião vascular;
  • insuficiência arterial (claudicação intermitente): comum em idosos e especialmente em tabagistas. Usualmente, a dor é forte, em pontada, e ocorre após andar alguns quarteirões ou ao subir uma rua ou escada. É característico que o paciente necessita interromper a caminhada em virtude da dor, e o repouso durante alguns minutos, resolve os sintomas. Contudo, retornando a caminhada, ressurge a dor. A quantidade de metros caminhados para iniciar a dor é variável conforme cada paciente e tende a ser menor conforme a gravidade da obstrução arterial. O tratamento consiste no uso de medicamentos e muitas vezes é necessária uma cirurgia para desobstrução da artéria acometida, e é importante e fundamental interromper o tabagismo. O diagnóstico e seguimento deverá ser feito por médico cirurgião vascular;
  • cisto de Baker: algumas pessoas podem apresentar um cisto na região do joelho e, se o cisto estourar, pode ocorrer dor nas panturrilhas e inchaço no joelho. Em algumas ocasiões pode ser necessária retirada cirúrgica. O diagnóstico e seguimento deverá ser feito por médico ortopedista ou reumatologista.

Se a dor nas panturrilhas for recorrente, é importante procurar avaliação médica especializada.

Saiba mais em:

Distensão muscular: o que é, quais os sintomas e como tratar?

Sinto muita dor nas pernas. O que pode ser?

O que pode ser fraqueza nas pernas?

A fraqueza nas pernas tem várias causas possíveis.

Doenças neurológicas
  • Esclerose amiotrófica lateral;
  • Paralisia cerebral;
  • Síndrome de Guillain-Barré;
  • Esclerose múltipla;
  • Compressão de um nervo (por exemplo, causada por um disco deslocado na espinha vertebral);
  • Derrame (acidente vascular cerebral;
  • Poliomielite;
  • Mielite transversa;
  • Deficiência de vitamina B12;
  • Neuropatia diabética.
Doenças musculares
  • Distrofia muscular de Becker;
  • Distrofia muscular de Duchenne;
  • Distrofia miotônica.
Doenças metabólicas
  • Doença de Addison;
  • Hiperparatireoidismo;
  • Baixos níveis de sódio ou potássio,
  • Tireotoxicose.
Insuficiência venosa

Ocorre mais entre mulheres, pessoas que passam muitas horas em pé e idosos. Normalmente está associada à dor nas panturrilhas, mais prevalente no final do dia. Podem ser verificados sintomas como "vasinhos" (teleangiectasias), varizes e inchaço.

Saiba mais em: Sinto muita dor nas pernas. O que pode ser?

Insuficiência arterial (claudicação intermitente)

Comum em idosos e sobretudo em tabagistas. Regra geral, é associada à dor forte, em pontada, e acontece depois de caminhadas mais longas, subir vários degraus de escada, ou uma rua mais íngreme. É normal que o paciente precisar parar de caminhar por causa da dor. O descanso durante alguns minutos normalmente resolve os sintomas.

Problemas psicológicos
  • Depressão;
  • Sintomas imaginários;
  • Histeria (reação de conversão);
  • Fibromialgia;
  • Síndrome da fadiga crônica.
Outras possíveis causas
  • Botulismo;
  • Envenenamento (inseticidas, ostras).
Diagnóstico

O diagnóstico da causa da fraqueza nas pernas depende da história clínica e do exame neurológico completo, para determinar se há diminuição de força muscular, ou se a queixa é subjetiva. Saber se há associação com dor ou alterações na pele das pernas também é fundamental.

Na presença de fraqueza nas pernas, especialmente se houver dificuldade para andar, deve ser procurado um médico neurologista ou clínico geral, para uma melhor avaliação.

Radiografia dos pulmões identificou ateromatose da aorta. É grave? O que fazer?

Ateromatose da aorta é uma doença caracterizada pelo depósito de gordura, cálcio e outros elementos na parede da artéria aorta, que diminui o seu calibre e como consequência reduz também a chegada de sangue aos tecidos irrigados por ela.

Trata-se de um processo difuso, que acomete simultaneamente várias artérias do corpo, inclusive a aorta.

Apesar do desenvolvimento da ateromatose ser lento e progressivo, a doença pode tornar-se grave se o processo não for interrompido, uma vez que a obstrução da artéria pode provocar a morte dos tecidos alimentados por ela.

Além disso, a ateromatose deixa a superfície interna da artéria irregular, o que facilita a coagulação sanguínea nesse local.

Esse coágulo pode se desprender e provocar uma trombose, levando ao entupimento agudo da artéria, com isquemia (sofrimento) ou necrose (morte) dos tecidos.

Infarto do miocárdio (ataque cardíaco), embolia pulmonar, acidente vascular cerebral ("derrame"), são algumas dessas consequências.

Os fatores de risco para o desenvolvimento da ateromatose são:

  • Idade entre 50 e 70 anos;
  • Sexo masculino;
  • Dislipidemia (níveis elevados de colesterol e triglicerídeos);
  • Tabagismo;
  • Hipertensão arterial;
  • Sedentarismo;
  • História familiar.

É importante lembrar que para que os primeiros sintomas causados pela falta de sangue apareçam, é preciso que cerca de 75% do calibre da artéria seja obstruído. Portanto, quanto antes a ateromatose for diagnosticada, melhor o prognóstico.

O que se deve fazer, uma vez detectado o problema, é deter a doença para impedir as suas manifestações, através do controle dos fatores de risco, ou seja, deixando de fumar, mantendo o peso dentro da normalidade, controlando os níveis de colesterol e triglicerídeos, a hipertensão, o diabetes, entre outros.

O diagnóstico da ateromatose pode ser feito por qualquer médico/a e, normalmente deve ser acompanhado pelo/a médico/a angiologista ou cirurgião/ã vascular.

Veia ou artéria na lateral da testa ficou mais volumosa. O que pode ser?

Provavelmente é uma veia na lateral da testa que ficou mais volumosa, porque as artérias são mais profundas e não são visíveis como as veias mais superficiais, que ficam logo abaixo da pele.

Esse aumento de volume da veia pode ser causado por stress, exercício físico, calor, ou pode ser apenas uma característica da pessoa.

Indivíduos mais magros possuem as veias mais "saltadas" e visíveis, mas isso tem a ver com a pouca quantidade de tecido adiposo (gordura) abaixo da pele, o que deixa as veias mais expostas.

Geralmente pessoas musculosas também têm as veias mais visíveis, mas como na testa há muito pouco músculo, não deve ser esse o caso nessa situação.

Uma consulta com um médico angiologista ou cirurgião vascular pode esclarecer se esse aumento de volume da veia trata-se de algo natural ou patológico.

O que é ateromatose aórtica?

Ateromatose aórtica é uma doença que caracteriza-se pelo depósito de gordura, cálcio e outros elementos na parede da artéria aorta. Com o tempo, esse acúmulo diminui o espaço interior da aorta e começa a obstruir a passagem do sangue, reduzindo assim o aporte sanguíneo aos tecidos irrigados pela artéria. A ateromatose é um processo difuso, acometendo simultaneamente outras artérias além da aorta.

A ateromatose aórtica pode afetar qualquer porção da artéria aorta, que é a maior artéria do corpo humano, responsável por levar o sangue rico em oxigênio para todo o corpo. Esse vaso sai do coração e atravessa o tórax (aorta torácica) e o abdômen (aorta abdominal), até terminar na altura do osso da bacia, onde se bifurca e dá origem as artérias ilíacas.

O desenvolvimento da ateromatose é lento, porém progressivo. Se o processo não for interrompido, a doença pode tornar-se grave, podendo causar a morte dos tecidos devido à obstrução do fluxo sanguíneo.

A ateromatose também deixa a parede da artéria irregular, favorecendo assim a formação de coágulos, que podem se desprender e causar uma trombose. O trombo pode entupir a artéria e causar infarto, embolia pulmonar, acidente vascular cerebral ("derrame"), entre outras complicações.

Pessoas que apresentam um ou mais desses fatores de risco têm mais propensão para desenvolver ateromatose aórtica: idade entre 50 e 70 anos, sexo masculino, colesterol e triglicerídeos altos, tabagismo, hipertensão arterial, sedentarismo, história familiar de ateromatose.

A ateromatose aórtica é uma doença silenciosa. Os primeiros sintomas só começam a aparecer quando boa parte da artéria já está obstruída. Portanto, quanto mais precoce for o diagnóstico, melhor é o prognóstico.

O tratamento da ateromatose é feito através do controle ou eliminação dos fatores de risco, como deixar de fumar, perder peso, controlar hipertensão, colesterol, triglicerídeos e diabetes, praticar atividade física, ter uma alimentação equilibrada, entre outros.

Saiba mais em: Qual o tratamento para ateromatose aórtica?

O diagnóstico da ateromatose pode ser feito por qualquer médico e deve ser acompanhado preferencialmente pelo médico angiologista ou cirurgião vascular.

Mãos inchadas: o que pode ser e o que fazer?

Mãos inchadas podem ser sinal de doenças cardíacas e alterações hormonais, podendo também ser causadas por menstruação, gravidez, calor, exercício ou uso de medicamentos.

Veja as principais causas de inchaço nas mãos:

  • Uso de medicamentos (antidepressivos, anti-hipertensivos, corticoides, anticoncepcionais, anti-inflamatórios, diuréticos, laxantes);
  • Exercício físico: Atividades físicas intensas provocam retenção de líquido para compensar a desidratação sofrida durante o esforço. O resultado é um inchaço de todo o corpo, que pode facilmente ser observado nas mãos, principalmente ao acordar;
  • Menstruação: O aumento do nível do hormônio estrógeno favorece a retenção de líquidos, deixando as mãos e o corpo inchados;
  • Trombose: Os trombos são causados pela coagulação do sangue dentro de veias profundas do corpo. São mais comuns nas pernas, mas também podem ocorrer nos membros superiores devido à falta de movimentação por tempo prolongado (doentes acamados, uso de gesso), doenças do sangue que interferem na coagulação sanguínea ou alterações nas paredes das veias;
  • Alergias: Alimentos, cremes, perfumes e produtos de higiene podem provocar alergias que causam inchaço durante ou após à exposição ao agente agressor (Saiba mais em: Quais são os sintomas de alergia nas mãos e quais são as causas?);
  • Pancadas: Traumas nas mãos ou em qualquer parte do corpo provocam inchaço, que neste caso é um mecanismo inflamatório de autodefesa do corpo para proteger o local;
  • Calor: Nos dias mais quentes, depois da sauna ou de um banho muito quente, é comum que as mãos fiquem mais inchadas e o anel fique mais preso ao dedo. Isso ocorre porque os vasos sanguíneos dilatam para favorecer a perda de calor e esfriar o corpo;
  • Insuficiência cardíaca: Quando o coração não tem força suficiente para bombear o sangue, ele fica acumulado nas veias e as mãos ficam inchadas;
  • Problemas renais: Qualquer falha no mecanismo de filtragem dos rins pode afetar a eliminação de líquidos do corpo, causando inchaço;
  • Ingestão excessiva de sal: O consumo de sal em excesso provoca retenção de líquidos e pode deixar as mãos inchadas;
  • Gravidez: Mãos inchadas na gravidez são causadas pela maior retenção de líquidos do corpo, comum no final da gestação.
O que fazer em caso de mãos inchadas?

Se a causa do inchaço nas mãos for facilmente identificável, como gravidez, menstruação ou exercício físico, não há nada a fazer. Nesses casos, basta esperar que o corpo volte ao estado habitual.

No entanto, procure o/a médico/a clínico/a geral ou médico/a de família quando as mãos inchadas vierem acompanhadas dos seguintes sinais e sintomas:

  • Dor, calor ou vermelhidão;
  • Cansaço ou falta de ar durante a realização de tarefas cotidianas ou quando estiver em repouso;
  • Inchaço localizado nas articulações ou extremidades dos dedos, sobretudo se estiver associado à dor.
Feridas que não cicatrizam, o que fazer?

Esse tipo de ferida, que geralmente aparece em pessoas com diabetes ou problemas de circulação, ou ainda naqueles que têm mobilidade reduzida e que ficam muitas horas na mesma posição, exige um cuidado especial, já que tem grande potencial de complicações graves como infecção, necrose e necessidade de amputação do membro acometido.

Seu tratamento envolve alguns princípios, como alívio da pressão sobre as lesões com uso de palmilhas ou acolchoamentos apropriados, melhora da qualidade da circulação sanguínea, tratamento de infecções oportunistas, controle da doença de base (por exemplo, o diabetes), avaliação e curativos frequentes das feridas, desbridamento da ferida (remoção de tecidos mortos ou infectados), controle de secreções e constante hidratação do local, realização de curativos com materiais especiais e medicações que estimulem a cicatrização.

Tratamentos mais especializados como fototerapia, laserterapia, terapia hiperbárica e terapia de pressão negativa também podem ser úteis.

Em alguns casos, é necessário internar para realizar curativos e medicações sob supervisão mais direta.

De todo modo, o acompanhamento deve ser feito por uma equipe multiprofissional, composta por médico, enfermeiro e fisioterapeuta, quem tenham experiência no tratamento desse tipo de ferida.

O que é adenite e o que pode causá-las?

Adenite é a inflamação aguda de um gânglio linfático, popularmente conhecida como "íngua". As adenites podem ser causadas por bactérias, vírus, fungos ou protozoários que chegam ao gânglio linfático e geram a infecção. Esses micro-organismos podem alcançar o linfonodo em casos de doenças virais ou bacterianas, como sífilis e tuberculose, ou ainda através de uma infecção na pele, ouvido, nariz ou olhos.

Os gânglios linfáticos ou linfonodos fazem parte do sistema imunológico e atuam como filtros da linfa, um fluido que circula pelo corpo através dos vasos linfáticos. Esses gânglios podem reter, retardar ou até mesmo destruir bactérias, vírus, protozoários e células cancerosas que circulam pelo corpo.

As adenites podem ser classificadas de acordo com a localização dos linfonodos afetados ou com o agente causador:

- Adenite mesentérica: é a inflamação dos linfonodos presentes no mesentério (tecido que liga o intestino à parede abdominal), causada principalmente por infecções intestinais bacterianas. A adenite mesentérica causa febre e dor abdominal muito semelhante à apendicite aguda.

- Adenite inguinal: é a inflamação dos gânglios linfáticos da virilha, causada por uma infecção bacteriana. Os sintomas da adenite inguinal incluem dor, inchaço e vermelhidão local. Leia também: O que pode causar íngua na virilha?

- Adenite cervical: Inflamação dos gânglios linfáticos da região da coluna cervical, ou seja, do pescoço. Saiba mais em: Íngua no pescoço: o que pode ser?

- Adenite bacteriana: Infecção do linfonodo causada por bactérias.

Em geral, a causa da adenite é uma infecção próxima ao local. Quando a origem da infecção não é facilmente identificada, retira-se uma amostra de tecido (biópsia) para identificar o agente responsável pelo processo infeccioso.

A adenite pode afetar vários gânglios linfáticos ou acometer somente os que estão localizados numa determinada área do corpo. Em geral, o gânglio linfático fica inchado, sensível e dolorido, e a pele que o recobre pode ficar quente e avermelhada, podendo haver formação de abcessos (pus). 

Veja aqui a diferença entre adenite e linfoma.

O tratamento da adenite depende do agente que está causando a infecção. No caso das adenites bacterianas, o tratamento é feito com antibióticos, enquanto que os abscessos são drenados através de cirurgia. Em geral, os gânglios linfáticos voltam ao tamanho normal depois de tratada a infecção.

O médico angiologista é o responsável pelo diagnóstico e tratamento das adenites.

Leia também:

Íngua no pescoço: qual o tratamento?

Qual o tratamento para íngua na virilha?

O que são linfonodos?