Perguntar
Fechar

Especialidades Médicas

Dor nos bicos dos seios. O que pode ser?

Dor nos mamilos (bicos dos seios) podem ter várias causas, normalmente associadas a um aumento dos hormônios estrogênio e progesterona circulantes, ou a alterações locais. Abaixo, cita-se algumas dessas causas:

  • gravidez
  • período pré- e pós-menstrual
  • pré-menopausa e menopausa
  • uso regular de contraceptivos orais, drogas terapia de reposição hormonal e alguns tipos de antidepressivos
  • seios muito grandes
  • irritação local pelo uso de sabonetes e detergentes irritantes à pele do mamilo e aréola
  • amamentação, quando ocorrem fissuras nos mamilos
  • infecções, como micoses.

É importante ficar atenta a alguns outros sintomas, que, se associados, podem indicar doença potencialmente grave:

  • Prurido e edema no mamilo
  • Formação de fissuras
  • Hemorragia (sangramento)
  • Aparecimento de caroços ou inchaços ao redor da aréola
  • Descarga de secreção espontaneamente pelo mamilo

Para uma melhor avaliação, é necessário consultar médico ginecologista ou mastologista.

Leia também:

Dor no seio durante a gravidez: o que fazer para aliviar?

O que é doença de Paget? Quais os sintomas?

Tenho bolinhas nos mamilos. O que pode ser e o que fazer?

Mamilos sangrando. O que pode ser e o que fazer?

Tomei a pílula do dia seguinte, posso engravidar?

Sim. A eficácia da pílula do dia seguinte é inferior ao da pílula normalmente usada no dia a dia. Sua eficácia varia entre 0% e 80% dependendo do tempo que leva para tomar. Quanto mais demorar maior é a chance de gravidez.

Importante: a pílula do dia seguinte somente deve ser usada em situações especias como contraceptivo de emergência, jamais deve-se usar repetidamente porque existem sérios riscos à saúde (eventos tromboembólicos: infarto, derrame e trombose).

1 - Quando usar a pílula do dia seguinte?
  • Se teve uma relação sexual sem proteção com penetração do pênis na vagina (não usou camisinha ou anticoncepcional de qualquer tipo);
  • Se a camisinha estourou e não usa anticoncepcional de qualquer tipo;
2 - Quando não usar a pilula do dia seguinte?
  • Se usa anticoncepcional de qualquer tipo a mais de 10 dias;
  • Na pausa do anticoncepcional;
  • Se usou camisinha;
  • Se estiver menstruada;
  • Se estiver nos dias para ficar menstruada;
  • Se não houve penetração na vagina;
  • Se está amamentando.
3 - Tomei a pílula do dia seguinte e senti enjoo, é gravidez?

Provavelmente não. Esse é um efeito colateral frequente da pílula do dia seguinte. Podem ocorrer, também, vômitos, dor de cabeça, tontura, mal estar e sangramento antes do dia normal da menstruação com cólicas ou mesmo atraso menstrual.

4 - Tomei a pílula e depois de uns dias tive sangramento e cólicas, pode ser gravidez?

Esses sintomas são geralmente decorrentes do própria pílula do dia seguinte. Pequenos sangramentos e irregularidade menstrual são comuns após tomar a pílula do dia seguinte. Sempre lembrando que a eficácia da pílula do dia seguinte é limitada e não evita a gravidez em algumas mulheres. O fato de ter tido o sangramento não significa que não está grávida, pode estar  grávida mesmo com esse sangramento, apesar das chances serem pequenas.

A eficácia da pílula do dia seguinte independe da presença ou ausência de sangramento após ter tomado.

5 - Sangramento após tomar a pílula do dia seguinte?

É algo comum e "normal". O sangramento pode assumir várias formas: pode ser como uma menstruação normal ou pode ser diferente (pouco e claro ou pouco e tipo borra de café, ou pode até ter um sangramento forte como uma hemorragia).

A eficácia da pílula do dia seguinte independe da presença ou ausência de sangramento após ter tomado.

6 - Tomei a pílula do dia seguinte e não tive nenhuma reação ou efeito colateral e nem sangramento?

Que coisa boa, nem todas as mulheres vão sentir os efeitos colaterais dos remédios que tomam. A eficácia da pílula do dia seguinte independe da presença ou ausência de sangramento após ter tomado.

7 - Tomei a pílula do dia seguinte e a menstruação atrasou, o que faço?

Pode ser efeito da pílula, mas pode ser gravidez, espere até completar 15 dias de atraso e então faça o exame de gravidez.

8 - Se eu tomar a pílula do dia seguinte e estiver grávida?

Eventualmente está é uma possibilidade que ocorre, geralmente não levando a nenhuma grande consequência à gravidez e ao feto, a pílula do dia seguinte não é abortiva (não causa aborto) se assim fosse seria proibida no Brasil.

9 - A pílula do dia seguinte pode cortar o efeitos dos outros anticoncepcionais?

Não. A pílula do dia seguinte também é um anticoncepcional e portanto reforça o efeito dos outros anticoncepcionais.

10 - Estou amamentando, posso tomar a pílula do dia seguinte?

Não. As chances de gravidez na amamentação são pequenas e a pílula do dia seguinte pode até mesmo fazer você parar de produzir leite.

Corrimento marrom, o que pode ser?

O corrimento marrom pode ser causado por diversos motivos, entre eles infecção vaginal bacteriana (geralmente amarelado, mas pode ser marrom claro na vaginose bacteriana, porém quando é marrom escuro geralmente adquire esta cor por ter sangue em sua composição, o que pode indicar feridas sangrantes no colo do útero, paredes vaginais, tubas uterinas ou ser proveniente da própria parede uterina (alteração menstrual).

Infecções e outras doenças:

Grande parte dos corrimentos crônicos são causados por preservativos. O látex nas camisinhas pode provocar alergia em algumas mulheres, o que vai desregular o pH vaginal e criar um ambiente propício à proliferação de bactérias que causam a vaginose bacteriana. Produtos de higiene íntima (duchas vaginais) também são outro agente que provoca irritação. Duchas podem levar à destruição das bactérias benéficas (flora vaginal normal - bacilos de Doderlein) que impedem a proliferação de bactérias causadoras de doenças como as da vaginose. O uso de sabonetes, lubrificantes e cremes vaginais sem indicação do médico é outro fator que pode explicar corrimentos recorrentes.

Muitas mulheres desenvolvem alergia a uma substância química chamada propileno glicol, que a maioria dos produtos usa na sua composição. O ginecologista é o profissional indicado para prescrever o tratamento médico adequado e ele pode observar eventuais reações.

Mas nos casos de infecção bacteriana vaginal, normalmente outros sintomas acompanham o corrimento, como:

  • ardência;
  • cheiro forte e desagradável;
  • inchaço;
  • prurido (coceira);
  • vermelhidão.

Pode ser decorrente de doença inflamatória pélvica (DIP), muito mais grave e pode necessitar de internação hospitalar para tratamento, ou ainda câncer do colo do útero, câncer de endométrio, pólipos ou miomas uterinos, endometrite, outras doenças sexualmente transmissíveis como a gonorréia.

Relações sexuais:

Como dito inicialmente, o corrimento marrom escuro geralmente indica sangramento em algum local do aparelho reprodutor. O sangramento pode ser oriundo da própria parede vaginal ou do colo do útero, como consequência de relações sexuais intensas ou repetidas.

Gravidez:

Nas primeiras 12 semanas de gestação, algumas mulheres podem apresentar secreção vaginal marrom. Esse pequeno sangramento pode se originar da implantação do embrião na parede uterina (nidação). Neste caso o sangramento é semelhante à menstruação, mas em pequena quantidade, de coloração mais clara e dura poucos dias.

A vagina fica mais sensível durante a gravidez, podendo sangrar mais facilmente durante relações sexuais ou exames ginecológicos. Além disso, aumenta a chance de infecções neste período. Sempre que ocorrerem corrimentos ou sangramentos durante a gestação, ainda que geralmente comuns, um médico ginecologista deve ser consultado imediatamente, pois pode também significar algo mais grave, como por exemplo perda sanguínea decorrente de  gravidez ectópica com rotura de tuba uterina (acompanhada de fortes dores abdominais em cólica), aborto (ou ameaça de aborto), placenta prévia, descolamento prematuro de placenta, rotura de vasa prévia, entre outras causas.

Menstruação:

Pode ocorrer eliminação de um corrimento marrom após a menstruação, geralmente decorrentes de restos da menstruação que a mucosa uterina não conseguiu eliminar totalmente (escape menstrual, por alterações hormonais), mesmo depois de dias do término do fluxo. Também costumam ocorrer nas primeiras menstruações da adolescência.

Menopausa:

A menopausa também pode desencadear um corrimento marrom escuro, em raros casos, pois a diminuição dos hormônios característicos da menacme (período fértil da mulher, da primeira à última menstruação) pode ressecar a mucosa e irritar a área genital, inclusive causando coceira. Pode ocorrer também na pré-menopausa.

Em caso de corrimento, de qualquer cor ou tipo, um médico ginecologista deve ser consultado para avaliação e tratamento adequado.

Leucócitos baixos, o que pode ser?

Leucócitos baixos (leucopenia) podem significar uma série de condições, fisiológicas ou não. Trata-se da redução no número de células de defesa do corpo, chamadas leucócitos ou células brancas. Não é uma doença (embora possa ser a manifestação de uma), e sim um resultado de exame laboratorial (exame de sangue). Seu valor de referência (normal) é de 4000 a 10000 leucócitos por milímetro cúbico (mm3) de sangue.

Principais causas:
  • Fisiológicas (algumas pessoas podem ter um número normal abaixo ou acima do valor de referência, sem nenhuma implicação clínica, como na leucopenia crônica idiopática benigna. O valor de referência abrange a maioria da população, mas não toda. Algumas etnias como negros e judeus do Yemen e Sudão têm comumente leucopenia. Gestantes também podem apresentar este achado, ou pessoas em jejum);
  • Infecções (como por exemplo a dengue, infecção viral em que geralmente ocorre leucopenia), com neutropenia (diminuição de neutrófilos), presença de linfócitos  atípicos e trombocitopenia (diminuição de plaquetas), com valores abaixo de 100.000 plaquetas/µL. Também pode ocorrer leucocitose (aumento dos leucócitos), mas precoce, e neutrofilia (aumento dos neutrófilos) com discreto desvio à esquerda. Também pode ocorrer queda de leucócitos na AIDS, febre amarelarubéolasarampo, febre tifoide, tuberculose, brucelose e na malária, entre outras doenças.
  • Doenças da medula óssea (anemia aplástica, leucemias, linfomas, mielofibrose, carcinomatose metastática, síndrome mielodisplásica);
  • Doenças da tireoide ou baço (hiperesplenismo, doença de Gaucher);
  • Doenças hepáticas (Cirrose hepática, hepatites);
  • Doenças autoimunes (Lupus Eritematoso Sistêmico; artrite reumatoide, linfoproliferativas);
  • Doenças genéticas (Agranulocitose congênita de Kostmann, anemia de Fanconi, disgenesia reticular);
  • Deficiência de folato e/ou vitamina B12;
  • Complicações do uso de alguns medicamentos (antitireoidianos, antibióticos, anticonvulsivantes, antiretrovirais);
  • Quimio e radioterapia;
  • Alcoolismo;
  • Desnutrição;
  • Hemodiálise.

Em caso de leucopenia, um médico clínico ou preferencialmente um hematologista deve ser consultado para avaliação. O tratamento (se necessário) vai depender da causa, que deve ser investigada inicialmente pelo médico que solicitou o hemograma, que poderá encaminhá-lo a algum especialista se julgar necessário.

Também pode lhe interessar: Eosinófilos baixo no exame o que significa?

Coceira no corpo, o que pode ser e o que fazer?

Coceira no corpo pode ser causada por diversas doenças, que vão desde alergias a tumores no fígado, passando por seborreia e micoses. Regra geral, o que se deve fazer é evitar coçar muito o local para evitar lesões e infecções. Dependendo do local do corpo que a coceira aparece, é possível saber o que pode ser:

  • Cabeça: Caspa;
  • Olhos: Conjuntivite ou blefarite (caspa ocular);
  • Lóbulo a orelha: Alergia ao brinco de bijuteria ou prata;
  • Abaixo da nuca: Alergia à etiqueta da roupa;
  • Axilas: Alergia ao desodorante;
  • Virilha: Micose;
  • Genitais: infecções, doenças sexualmente transmissíveis, alergias;
  • Corpo todo: Urticária ou dermatite atópica;
  • Dentro ou atrás da orelha: Dermatite seborreica;
  • Nariz: Rinite;
  • Pescoço e pálpebra superior: Alergia ao esmalte da unha;
  • Lateral do abdômen: pele seca;
  • Mãos: Alergia ao detergente ou sabão (veja mais em: Coceira nas mãos: o que pode ser e o que fazer?);
  • Pés: micose (leia também: Coceira nos pés: o que pode ser e o que fazer?).

Saiba mais em: Estou com coceira na garganta e sinto que ela está irritada. O que pode ser?

Causas comuns de coceira no corpo:

  • Dermatites: Caracterizam-se pelo aparecimento de manchas avermelhadas que descamam e coçam, podendo ter evolução crônica. Pode ser causada por produtos de limpeza, higiene pessoal e beleza, substâncias químicas, efeito secundário de algum medicamento, entre outros;
  • Escabiose ("sarna"): Geralmente provoca coceira à noite, principalmente no abdômen, parte interna dos braços, área genital e coxas. A doença é causada por um ácaro que pode facilmente ser transmitido através do uso comum de roupas de cama e roupas, embora o contato sexual seja o seu principal meio de disseminação;
  • Urticária: Caracteriza-se pelo aparecimento repentino de placas avermelhadas e elevadas na pele. Pode ter diversas causas, sendo que alguns medicamentos estão entre as principais;
  • Ansiedade e/ou estresse: Coceira generalizada pode ser sinal de ansiedade ou estresse severos, capazes de levar o indivíduo a ideias suicidas;
  • Alimentação: A coceira nestes casos é mais rara, com características semelhantes à urticária. O consumo de camarão está entre suas principais causas;
  • Picada de inseto: A picada de determinados insetos pode levar ao surgimento de bolinhas avermelhadas na pele que geralmente coçam muito;
  • Doenças mais graves: Dengue, catapora, viroses, hepatites B e C e até infecção pelo HIV podem causar erupções na pele que provocam coceira.

Se estiver com coceira no corpo, o que deve fazer é procurar o/a médico/a dermatologista, médico/a de família ou clínico/a geral para que seja feito um diagnóstico das causas, seguido por um tratamento adequado.

Saiba mais em:

Coceira no ouvido: O que pode ser e o que devo fazer?

Coceira na cabeça é sinal de doença no couro cabeludo?

Coceira no pênis, o que pode ser?

A coceira no pênis pode ter várias causas, uma delas pode ser a alergia a algum produto como sabonetes e o látex da camisinha (preservativo), ou uma infecção.

As infecções também podem causar coceira, como a candidíase, que é uma infecção causada por um fungo (Candida albicans) e que pode ser transmitida pela relação sexual. Às vezes só se manifesta em um dos parceiros e pode causar além da coceira, irritação e vermelhidão no local. Nas mulheres é comum o aparecimento de secreção vaginal. Ambos os parceiros devem ser tratados. 

Outras infecções como a herpes genital e a tricomoníase podem causar coceira no pênis que, geralmente, aparece acompanhada de outros sintomas como bolhas no pênis (herpes), ardência e dificuldade para urinar (tricomoníase).

Leia também: Coceira que piora durante a noite: o que pode ser?

É necessário a realização de um exame clínico e/ou laboratorial para o diagnóstico adequado da causa da coceira no pênis. O urologista ou o dermatologista são os profissionais indicados para realizar o diagnóstico e orientar o tratamento. 

Também pode lhe interessar: 

Dor no pênis. O que pode ser?

Tenho feridas no pênis. O que pode ser e o que fazer?

Coceira na cabeça é sinal de doença no couro cabeludo?

Quais remédios posso tomar na gravidez?

Por conta própria, não se deve tomar nenhum remédio durante a gravidez. Todo e qualquer medicamento usado durante a gestação deve ser receitado pelo médico. Dentre os remédios permitidos, estão:

  • Dramin B6 ou Plasil: Náuseas e vômitos;
  • Riopan ou Mylanta: Azia;
  • Buscopan: Cólicas;
  • Tylenol ou Dipirona: Dor de cabeça, febre;
  • Flogoral spray, Tylenol, inalação com soro fisiológico: Dor de garganta, tosse;
  • Rinossoro: Nariz entupido;
  • Pasalix ou Passiflora: Ansiedade, nervosismo;
  • Luftal: Gases intestinais;
  • Xyloproct ou Proctoxilodase: Hemorroida;
  • Tamarine ou Metamucil: Prisão de ventre.

Muitos outros remédios podem ser usados na gravidez, desde que a mulher tenha receita médica para poder usá-los. Outros medicamentos permitidos durante a gestação, ou seja, que não são contraindicados na gravidez, são:

  • Amoxicilina;
  • Ampicilina;
  • Buscoduo;
  • Buscopam Plus;
  • Benzetacil;
  • Cefalexina;
  • Cetirizina (levocetirizina);
  • Corticoides;
  • Metoclopramida;
  • Metronidazol (depois dos 3 meses);
  • Paracetamol (Tylenol).

Mesmo sendo permitidos na gravidez, esses remédios podem ter outras contraindicações específicas para a mãe ou para o bebê, por isso em hipótese alguma eles devem ser usados sem prescrição médica.

Quais os remédios proibidos na Gravidez?

Medicamentos completamente contraindicados na gravidez devido ao risco elevado de produzirem malformações fetais:

  • Metotrexato (antineoplásico, usado no tratamento do câncer);
  • Minociclina (antibiótico);
  • Misoprostol (antiulceroso);
  • Atorvastatina;
  • Sinvastatina;
  • Varfarina;
  • Finasterida;
  • Ribavirina (antiviral);
  • Talidomida (hanseniostático/hipnótico);
  • Tetraciclina (antibiótico).

Outros medicamentos contraindicados na gravidez, mas que podem ser indicados pelo médico em casos de doenças graves para as quais não existam outros remédios:

  • Captopril;
  • Cataflan;
  • Ciprofloxacino (nos primeiros 3 meses de gravidez);
  • Diclofenaco;
  • Enalapril;
  • Propranolol;
  • Omeprazol.

Lembrando que uma grávida não deve tomar qualquer medicamento sem o conhecimento do/a seu/sua médico/a ginecologista-obstetra ou médico de família.

Também pode lhe interessar:

Posso tomar colágeno durante a gravidez e durante a amamentação?

Grávida pode fazer acupuntura?

Proteína C reativa: O que é o exame PCR e para que serve?

O exame que mede a dosagem de proteína C reativa (PCR) é feito através da coleta do sangue do doador. A proteína C reativa, produzida no fígado, é o principal marcador de fase aguda de processos inflamatórios e necróticos (morte do tecido) que ocorrem no organismo, principalmente processos inflamatórios associados a infecções bacterianas.

Portanto, o exame PCR serve para investigar o estado inflamatório do indivíduo e avaliar o risco de doença cardiovascular.

Trata-se de um método preciso, rápido, seguro e econômico, mas é também um método inespecífico, ou seja, não é suficiente para diagnosticar qualquer doença.

Isso porque a PCR pode estar elevada no sangue devido a qualquer situação de inflamação no corpo. A condição que levou a esta inflamação (doenças reumatológicas, autoimunes, entre outras) deve ser investigada mais a fundo pelo médico, com outros exames.

Já para avaliar o risco de doença cardiovascular é feito o exame de PCR ultrassensível, que faz uma dosagem mais precisa de proteína C reativa. Muitas doenças cardiovasculares resultam de dois fatores:

  •  Inflamação constante nas paredes dos vasos sanguíneos;
  •  Acúmulo de colesterol nesses vasos.

Pessoas com níveis de PCR persistentemente acima de 0,3 mg/dL (3 mg/L) apresentam maior risco de desenvolver doenças cardiovasculares, tais como infarto e AVC. Com esses valores, a PCR indica que há um processo inflamatório discreto, porém contínuo.

Leia também:

O que é proteína C reativa?

PCR alto: o que pode ser?

PCR baixo: o que pode ser?

A interpretação dos resultados do exame deve ser realizada pelo médico que o solicitou, em conjunto com a história e o exame clínico. Para maiores informações, procure um médico clínico geral.