Perguntar
Fechar

Óleo de Rícino: mulheres grávidas ou que estão amamentando podem usar?

Dra. Juliana Guimarães
Dra. Juliana Guimarães
Doutora em Saúde Pública

Mulheres grávidas e lactantes não podem utilizar óleo de rícino, pois pode induzir o parto e provocar intoxicações no bebê. Além disso, não há evidências científicas que comprovem as suas propriedades mais comuns: laxantes e hidratantes para cabelos e pele.

O óleo de rícino é extraído da semente da mamona. É rico em ácido rinoleico – encontrado apenas no óleo de rícino – ácido oleico (um dos componentes do ômega 9), ácido linoleico e ácido linolênico (componentes do ômega 6). Além destas substâncias, também contém ácido pálmico, ácido esteárico, sais minerais e vitamina E. Na semente existe uma toxina bastante poderosa solúvel em água chamada ricina. Como é um óleo, não se mistura à toxina durante a extração.

Óleo de Rícino

Usos populares do óleo de rícino

Aplicação do óleo de rícino nos cabelos

É bastante comum a utilização do óleo do rícino para restaurar, hidratar os fios, e estimular o crescimento dos cabelos. É também utilizado para combater a oleosidade excessiva e a caspa, embora sua propriedade antifúngica não seja comprovada cientificamente em seres humanos.

Para estes efeitos, o óleo de rícino é misturado ao condicionador ou creme de hidratação capilar.

Aplicação do óleo de rícino na pele

Na pele o óleo de rícino é utilizado para tratar acne e oleosidade, hidratar e prevenir o envelhecimento e como um cicatrizante natural.

Para estes casos adiciona-se o óleo de rícino ao creme hidratante. Sua aplicação deve ser feita com a pele limpa, de preferência após banho morno quando os poros estão abertos. Isto assegura uma melhor absorção do creme e do óleo.

Outras aplicações do óleo de rícino

Por vezes, o óleo de rícino é também popularmente usado como protetor hepático, anti-histamínico e anti-inflamatórios. No entanto, estes efeitos foram observados em estudos com ratos realizados em laboratório. Ainda não há comprovação com testes efetuados em seres humanos.

A ação antifúngica do óleo de rícino foi encontrada em poucos estudos e precisa ser melhor esclarecida.

Por que mulheres grávidas não podem utilizar óleo de rícino?

Existem estudos científicos que mostram que o óleo de rícino é capaz de induzir o parto. Isto significa que sua utilização por mulheres grávidas pode resultar em parto prematuro com risco de morte do bebê.

Embora o mecanismo de indução do parto ainda não seja completamente conhecido, mulheres grávidas não podem ingerir e nem aplicar óleo de rícino na pele ou cabelos. No caso do uso tópico, por meio da aplicação nos cabelos ou pele, não se sabe se a quantidade de óleo de rícino absorvida poderá induzir o parto, portanto esta forma de utilização também não é segura.

Por que mulheres que estão amamentando não podem utilizar óleo de rícino?

Todos os produtos que são aplicados na pele e cabelos ou ingeridos por uma mulher que está amamentando são absorvidos e podem alterar a composição do leite materno. A presença do óleo de rícino no leite materno pode desencadear vômitos e intoxicação no bebê, além de outros efeitos ainda desconhecidos. Por estes motivos, lactantes não podem fazer uso do óleo de rícino.

É importante que mulheres grávidas ou lactantes consultem o/a médico/a antes de usar qualquer produto ou efetuar qualquer tratamento nos cabelos ou pele. Isto reduz o risco de complicações para mãe e bebê.