Para que serve a glutamina? Tem efeitos colaterais?

Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A glutamina é um aminoácido que atua em diferentes sistemas, auxiliando nas funções intestinais, garante um bom funcionamento do sistema imunológico, além de participar no crescimento de massa muscular.

O uso de glutamina na forma de suplemento é indicado em casos de catabolismo, ou seja, quando o organismo utiliza muito os próprios tecidos corporais para obter energia e nutrientes que precisa. Isso pode ocorrer em casos de queimaduras, traumatismos, grandes cirurgias, infecções, entre outras doenças.

A glutamina também é indicada em casos de disfunções intestinais, danos causados por quimioterapia, radiação, cirurgias gastrointestinais, HIV, AIDS e câncer avançado.

Glutamina: O que é, para que serve e efeitos colateraisQuais são as funções e os benefícios da glutamina?

  • Participação na fabricação de RNA e DNA;
  • Manutenção do equilíbrio interno do organismo;
  • Transferência de nitrogênio entre órgãos;
  • Crescimento e diferenciação celular;
  • Desintoxicação da amônia;
  • Regulação na produção e degradação de proteínas corporais;
  • Fornece energia para as células do intestino e do sistema imune;
  • Fornece energia às células produtoras de colágeno, aumentando a sua produção;
  • Melhora da permeabilidade e da integridade intestinal;
  • Aumenta a resistência a infecções.

Como funciona a glutamina?

A glutamina fica armazenada em grandes quantidades nas proteínas que formam os músculos, sendo muito utilizada pelo organismo em casos de infecções, cirurgias, traumas, queimaduras e exercícios prolongados e intensos.

Nessas situações, a glutamina dos músculos é liberada para ser usada pelo corpo como fonte de energia, principalmente para reparar tecidos lesionados (músculos, tendões, ligamentos, pele) e promover crescimento celular.

Como resultado, nessas situações, as reservas de glutamina caem drasticamente e precisam ser repostas através de um fornecimento extra na alimentação, uma vez que rins, fígado, intestino e sistema imunológico precisam de maiores quantidades desse nutriente.

Sem uma reposição adequada de glutamina, atletas que praticam atividades físicas prolongadas e extenuantes, como maratonas e meias maratonas, têm maior risco de adquirirem infecções e a absorção de nutrientes pelo intestino pode ficar prejudicada.

Quais são os efeitos colaterais da glutamina?

O uso de doses elevadas de glutamina (mais de 40 g por dia) pode provocar os seguintes efeitos colaterais:

⇒ Distribuição irregular de outros aminoácidos nos tecidos corporais;

⇒ Alteração na absorção de aminoácidos pelo intestino, o que pode prejudicar a assimilação de aminoácidos essenciais para o corpo;

⇒ Sobrecarga dos rins;

⇒ Prisão de ventre;

⇒ Diminuição da produção de glutamina pelo organismo, que se adapta à maior ingestão de glutamina e deixa de produzir ou reduz a sua própria glutamina.

Porém, o uso de glutamina nas doses corretas não causa efeitos colaterais.

Quais são as contraindicações de uso da Glutamina?

A utilização de glutamina é contraindicada para pacientes com problemas no fígado ou nos rins, pois pode piorar o quadro.

A glutamina também é contraindicada para crianças e pessoas com acidose metabólica, uremia (uréia elevada no sangue) e encefalopatia hepática (alteração no nível de consciência por mal funcionamento do fígado).

Mulheres grávidas só devem tomar glutamina com indicação médica.

A suplementação com glutamina deve ser indicada por um médico nutrólogo ou por um profissional nutricionista, de acordo com as necessidades individuais da pessoa, levando em conta a sua alimentação e a atividade física que pratica.

O uso de glutamina sem indicação pode prejudicar a saúde.