Perguntar
Fechar

Amenorreia

Há 5 ou 6 meses que não fico menstruada, por que será?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A ausência de menstruação durante pelo menos 3 meses consecutivos é chamada de amenorreia, que pode ter diversas causas. A maioria delas não é grave, sendo que a mais comum é a gravidez.

Outras situações que podem fazer com que a mulher fique sem menstruar durante meses seguidos incluem:

  •  Amamentação;
  •  Aproximação da menopausa;
  •  Estresse físico ou emocional;
  •  Rápida perda de peso;
  •  Exercícios físicos muito intensos;
  •  Anticoncepcionais hormonais;
  •  Síndrome do ovário policístico;
  •  Produção anormal de determinados hormônios (testosterona, hormônio da tireoide, cortisona),
  •  Tumores da hipófise;
  •  Quimioterapia.

Para saber a causa da amenorreia, é necessário verificar a dosagem de alguns hormônios, como prolactina, FSH e LH, TSH e T4 Livre.

O tratamento da amenorreia será realizado após a identificação da sua causa específica. Esse tratamento pode incluir desde mudanças no estilo de vida, uso de hormônios ou outras medicações, até psicoterapia ou procedimentos cirúrgicos.

Consulte o/a médico/a ginecologista, médico/a de família ou clínico/a geral para obter um diagnóstico para a sua ausência de menstruação e receber o tratamento adequado.

Saiba mais em:

Menstruação atrasada, o que pode ser?

Qual o tratamento para amenorreia?

Quais os sintomas da menopausa?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Os principais sintomas que antecedem a menopausa incluem ondas de calor, suores noturnos, distúrbios do sono, ciclos menstruais irregulares (mais curtos ou mais longos), secura vaginal, alterações de humor (irritação, tristeza), desinteresse, dificuldade de concentração e depressão.

Esses sintomas, que a maioria das mulheres sentem, anunciam a chegada da menopausa e estão relacionados com o desequilíbrio na produção dos hormônios estrogênio e progesterona pelos ovários. Esses sintomas terminam 2 ou 3 anos após a última menstruação, em torno dos 53 ou 54 anos.

O primeiro sinal da aproximação da menopausa é a alteração dos períodos menstruais, que podem ocorrer com mais ou menos frequência. Os ciclos geralmente ficam irregulares durante 1 a 3 anos antes da menstruação parar de vir completamente.

Após a menopausa, os sintomas estão mais associados aos baixos níveis de estrogênio e podem ser:

  • Atrofia e perda da lubrificação vaginal;
  • Dor na relação sexual;
  • Esquecimento;
  • Dor de cabeça;
  • Diminuição da libido;
  • Atrofia da uretra, que pode levar à incontinência urinária;
  • Diminuição da elasticidade da pele;
  • Maior risco de osteoporose e doenças cardiovasculares;
  • Aumento da cintura e dos braços;
  • Queda e quebra de cabelo;
  • Infecções vaginais;
  • Alterações nos níveis de colesterol;
  • Dores nas articulações;
  • Batimento cardíaco irregular.
Quando surgem os primeiros sintomas da menopausa?

Os primeiros sintomas da menopausa começam a aparecer por volta dos 45 anos de idade, uma vez que a última menstruação da mulher (menopausa) ocorre, em média, aos 50 anos.

Com a aproximação e a chegada da última menstruação, o corpo começa a produzir menos hormônios femininos estrógeno e progesterona. Os níveis mais baixos desses hormônios são as causas dos sintomas da menopausa.

Os sintomas da menopausa variam de mulher para mulher e podem durar 5 anos ou mais. Quando a menopausa ocorre devido à retirada dos ovários, os sintomas tendem a ser mais intensos e começam subitamente.

O que é menopausa?

A menopausa é a última menstruação da vida da mulher. Considera-se que a mulher chegou à menopausa quando fica 1 ano sem menstruar. A partir de então, ela entra na pós-menopausa. Na maioria das vezes, ocorre entre os 45 e os 55 anos de idade. Após a menopausa, a mulher não pode mais engravidar, uma vez que os ovários deixam de liberar óvulos.

À medida que a menopausa se aproxima, os períodos menstruais ocorrem com menos frequência e eventualmente param. Às vezes, isso acontece de repente. Contudo, na maioria dos casos, a menstruação vai parando lentamente ao longo do tempo.

Apesar de ser um processo fisiológico normal, a menstruação também pode ser antecipada em algumas situações, como após a retirada dos ovários durante a idade reprodutiva, quimioterapia ou terapia hormonal para câncer de mama.

Existe algum tratamento para os sintomas da menopausa?

O tratamento para os sintomas da menopausa é feito com terapia de reposição hormonal, medicamentos ou mudanças na dieta e no estilo de vida. O tratamento depende de muitos fatores, como a gravidade dos sintomas, o estado de saúde geral da mulher e as preferência pessoais da paciente.

Terapia de reposição hormonal

A terapia hormonal pode ajudar em casos de ondas de calor, suores noturnos, problemas de humor ou secura vaginal. Esse tratamento geralmente é feito com estrógeno e, às vezes, com progesterona.

A terapia de reposição hormonal pode ser iniciada em mulheres que chegaram recentemente à menopausa. Contudo, mulheres que estão há muitos anos na pós-menopausa não devem realizar esse tratamento, exceto nos tratamentos com estrógeno vaginal.

Apesar dos riscos serem baixos, a terapia de reposição hormonal pode aumentar as chances de ocorrer derrame cerebral, doenças cardíacas, coágulos sanguíneos ou câncer de mama.

Para reduzir os riscos da terapia com estrógeno, pode ser recomendado:

  • Utilizar uma dose mais baixa de estrógeno ou uma preparação diferente do medicamento (creme vaginal ou adesivo para a pele ao invés de pílulas, por exemplo);
  • Exames físicos frequentes e regulares, incluindo exames de mama e mamografias;
  • Mulheres que ainda têm um útero ou seja, não realizaram uma cirurgia para removê-lo por qualquer motivo, devem tomar estrógeno combinado com progesterona para prevenir o câncer do revestimento interno do útero (câncer de endométrio).
Medicamentos

Existem outros medicamentos que podem ajudar a diminuir as alterações de humor, as ondas de calor e outros sintomas da menopausa, como antidepressivos (paroxetina, venlafaxina, bupropiona e fluoxetina), clonidina (medicamento para pressão arterial) e gabapentina, uma medicação para convulsões que também ajuda a reduzir as ondas de calor.

Mudanças na alimentação e no estilo de vida
  • Evitar cafeína, álcool e alimentos condimentados;
  • Consumir soja (contém hormônios vegetais semelhantes ao estrógeno);
  • Aumentar o consumo de cálcio e vitamina D através de alimentos ou suplementos;
  • Praticar atividade física regularmente;
  • Usar lubrificantes à base de água ou um hidratante vaginal durante as relações.

O/a médico/a ginecologista ou endocrinologista pode esclarecer melhor quais são os sintomas da menopausa e tirar eventuais dúvidas.

Quem tem amenorreia pode engravidar?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sim, quem tem amenorreia pode engravidar, dependendo da causa da ausência de menstruação.

Em algumas situações específicas a mulher pode estar ovulando e não menstruar, como acontece na amenorreia primária causada por hímen imperfurado ou na amenorreia secundária, durante o período pós-parto.

A amenorreia primária é a ausência de menstruação até os 16 anos de idade. Uma de suas causas é o hímen imperfurado, uma membrana fina que recobre a entrada da vagina, obstruindo a passagem do fluxo de sangue. Nesse caso, a menina já está ovulando e a primeira menstruação (menarca) só não foi percebida pela obstrução. Portanto, ela pode sim engravidar. 

Mulheres com amenorreia secundária (ausência de menstruação por pelo menos 3 meses) após o parto também podem ficar grávidas. Nesse período, a mulher fica sem menstruar durante algum tempo devido aos hormônios da amamentação. No entanto, a sua primeira ovulação depois do parto ocorre antes do retorno da menstruação. Dessa forma, ela pode engravidar, mesmo que ainda não tenha ficado menstruada no pós parto.

Contudo, tirando essas duas situações específicas, uma mulher com amenorreia dificilmente irá engravidar. Se ela não está menstruando, significa que existe algum distúrbio na sua ovulação, ciclo menstrual ou mesmo física. Caso contrário, a menstruação teria que acontecer.

Veja também: Uma mulher pode ovular sem menstruar?

A amenorreia ou irregularidades no ciclo menstrual devem ser investigados pelo/a médico/a ginecologista.

Também podem lhe interessar:

É possível engravidar sem ter menstruação?

O que é amenorreia e quais as suas causas?

Qual o tratamento para amenorreia?

O que é amenorreia e quais as suas causas?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Amenorreia significa ausência de menstruação, podendo ser classificada como primária ou secundária. Em mulheres que não estão usando medicamento hormonal, não estão grávidas, nem amamentando, a amenorreia é um sinal de alguma disfunção.

A amenorreia primária é a ausência de menarca (primeira menstruação) até os 16 anos de idade e ocorre mais frequentemente devido a uma puberdade tardia. Suas principais causas são:

  • Alteração genética com consequente alteração nos ovários e na produção de óvulos;
  • Hipogonadismo hipotalâmico, uma disfunção no hipotálamo;
  • Ausência de órgãos reprodutores femininos incluindo útero, vagina e colo do útero;
  • Hímen imperfurado;
  • Disgenesia gonadal (quase metade dos casos);
  • Doença na hipófise.

Outras causas para amenorreia primária incluem perda de peso extrema, craniofaringioma, desnutrição, hipoglicemia, hipertireoidismo, obesidade mórbida, fibrose cística, hipoplasia adrenal congênita, síndrome de Turner, hermafroditismo verdadeiro, doença de Crohn, doença cardíaca congênita, tumores nos ovários, tumores adrenais, hímen imperfurado, síndrome adrenogenital, síndrome de Prader-Willi e síndrome dos ovários policísticos.

A amenorreia secundária ocorre quando a mulher que já teve menstruações anteriores deixa de menstruar durante 3 meses consecutivos ou mais. A amenorreia secundária também pode se manifestar pela ocorrência de menos de 9 menstruações por ano.

Dentre as causas de amenorreia secundária estão:

  • Gravidez (causa mais comum);
  • Amamentação (lactacional);
  • Climatério;
  • Estresse físico ou emocional;
  • Rápida perda de peso;
  • Exercícios extenuantes frequentes;
  • Métodos hormonais contraceptivos;
  • Síndrome do ovário policístico;
  • Menopausa antes dos 40 anos de idade;
  • Histerectomia (remoção cirúrgica do útero);
  • Produção anormal de determinados hormônios (testosterona, hormônio da tireoide, cortisona);
  • Tumores da hipófise;
  • Quimioterapia.
Amenorreia primária

Embora a amenorreia primária seja rara, é muito importante realizar uma avaliação abrangente com um especialista em reprodução humana, uma vez que a amenorreia é um sinal comum de problemas reprodutivos. Se o diagnóstico não for feito precocemente, pode haver prejuízos para a mulher a longo prazo.

Uma menina com síndrome de insensibilidade androgênica, por exemplo, pode necessitar remover as gônadas devido ao risco de câncer. Nos casos de síndrome do ovário policístico e hiperinsulinemia, é importante implementar mudanças nos comportamentos e na alimentação para evitar doenças cardiovasculares.

A amenorreia primária deve ser investigada nos seguintes casos:

  • Quando a primeira menstruação ainda não veio aos 15 anos de idade e a menina apresenta caracteres sexuais secundários;
  • Quando a menstruação ainda não veio nos 5 anos seguintes ao desenvolvimento das mamas (quando isso acontece antes dos 10 anos de idade);
  • Se a menina, aos 13 anos de idade, ainda não apresentar nenhum carácter sexual secundário.

Algumas condições particulares, como o aparecimento dos caracteres sexuais secundários antes dos 15 anos de idade, associada à amenorreia e dores pélvicas cíclicas, devem ser logo investigados, devido ao risco de obstrução do trato genital.

Outra situação que deve ser investigada em caso de amenorreia primária é a presença de alterações nos órgãos genitais ou características sugestivas de alterações genéticas, como a síndrome de Turner.

Qual é o tratamento para amenorreia?

O tratamento da amenorreia será realizado após a identificação da causa específica que lhe está originando. Esse tratamento pode variar desde mudanças no estilo de vida, uso de hormônios ou outras medicações até psicoterapia ou realização de procedimentos cirúrgicos.

O médico ginecologista é o especialista que deve ser consultado em caso de amenorreia.

Qual o tratamento para amenorreia?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O tratamento da amenorreia depende da causa desse problema, ou seja, o que está gerando a ausência de menstruação.

Portanto de acordo com cada caso podem ser indicados:

  • Mudanças no estilo de vida;
  • Uso de hormônios ou outros medicamentos;
  • Psicoterapia e
  • Cirurgias.

No caso da amenorreia primária (ausência da primeira menstruação até os 16 anos de idade), o tratamento pode ser feito através de exercícios e plano alimentar para ganhar peso. Isso porque a falta de gordura no corpo é uma causa comum de amenorreia primária, uma vez que a gordura corporal participa ativamente na produção dos hormônios necessários para haver ovulação e, consequentemente, ciclo menstrual.

Outra causa de amenorreia primária é a presença de hímen imperfurado, e nesse caso o tratamento deverá ser a cirurgia para remoção do mesmo.

Na amenorreia secundária, se for causada por exemplo por obesidade, a terapia inclui exercícios físicos e dieta para emagrecer. No caso de baixo peso, assim como na amenorreia primária, o tratamento será dieta para ganho de peso.

A psicoterapia pode ser indicada quando a amenorreia secundária é causada por estresse emocional.

Os hormônios são usados para equilibrar possíveis deficiências, como na síndrome de ovários policísticos, distúrbios da hipófise, tireoide ou produção anormal de determinados hormônios (testosterona, hormônio da tireoide, cortisona).

A cirurgia pode ser a única solução para a amenorreia se a causa do problema for um tumor no ovário, útero ou ainda na hipófise.

Além dessas, existem outras causas de amenorreia que serão investigadas pelo profissional responsável e determinado seu tratamento.

No caso de amenorreia, o/a médico/a ginecologista deverá ser consultado.

Também podem ser do seu interesse:

Quem tem amenorreia pode engravidar?

O que é amenorreia e quais as suas causas?