Perguntar
Fechar

Biópsia

O que é colposcopia com biópsia?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

A colposcopia é um procedimento realizado para examinar a vagina, a vulva e o colo do útero.

A biópsia é realizada durante o exame de colposcopia quando são identificadas lesões suspeitas de serem pré-cancerígenas ou cancerígenas. Geralmente, a colposcopia é realizada quando o exame de papanicolau ou citologia oncótica (exames realizados de rotina no preventivo das mulheres), se apresentam com resultado anormal.

Como é feita a colposcopia?

A colposcopia é realizada com um aparelho semelhante a um microscópio, chamado colposcópio. O colposcópio possui lentes de aumento e luzes, sendo específico para examinar a vagina, a vulva e o colo do útero, pois permite uma melhor visualização de lesões nesses locais.

Durante o procedimento, a mulher fica deitada em posição ginecológica e é introduzido na vagina um espéculo vaginal, conhecido como bico de pato, da mesma forma como é realizado o exame de papanicolau.

Veja também: Colposcopia pode ser feita em virgens?

Em seguida, o colposcópio é posicionado para a realização do o exame visual detalhado da vulva, vagina e do colo do útero, com o uso de líquidos (solução salina, lugol e ácido acético) que irão auxiliar na visualização de anormalidades.

Como é feita a biópsia na colposcopia?

A biópsia consiste na retirada de um pequeno fragmento das lesões ou alterações do colo do útero, da vagina ou da vulva, para realização de análise em laboratório das características celulares. O objetivo da biópsia é diagnosticar o tipo de lesão. 

A duração da colposcopia com biópsia é de 10 a 20 minutos e não dói, mas pode causar um ligeiro desconforto e uma sensação de picada e cólica durante a sua realização.

O ginecologista é o especialista responsável pela realização da colposcopia com biópsia.

Estou com um carroço no pescoço, pode ser câncer?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Sim, poder ser câncer sim. Toda lesão nodular, resultante do aumento de um linfonodo do pescoço pode ser câncer (linfoma). Porém está é uma ocorrência rara, geralmente os "caroços" linfonodos do pescoço quando estão aumentados são em decorrência de algum tipo de inflamação, que algumas vezes encontramos as causas fazendo os exames que você fez e em boa parte das vezes não encontramos as causas. Fazer a biópsia realmente encerra o caso no que diz respeito ao diagnóstico, porque vai realmente dizer o que é.

Como é feita a endoscopia digestiva alta com biópsia?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

A endoscopia digestiva alta com biópsia é feita com um tubo flexível de aproximadamente 1 cm de diâmetro, que tem uma microcâmera instalada na sua extremidade. O endoscópio, como é chamado o aparelho, é introduzido pela boca e transmite imagens do tubo digestivo para um monitor. 

A biópsia também é realizada com o auxílio do endoscópio e consiste na coleta de uma amostra de tecido para ser analisada ao microscópio. O material colhido pode ser do esôfago, estômago ou porção inicial do intestino.

O preparo para a endoscopia digestiva alta com biópsia começa com um jejum de no mínimo 8 horas. Pessoas alérgicas ou que tomam medicação de uso contínuo devem sempre informar o médico antes do exame. 

A endoscopia é feita com o paciente deitado sobre o lado esquerdo. Antes de introduzir o endoscópio é administrado um medicamentos sedativo por via endovenosa, geralmente aplica-se também um spray com anestésico na boca. O paciente também recebe um bocal de plástico entre os dentes, por onde passa o endoscópio.

O tempo de duração da endoscopia digestiva alta com biópsia pode variar conforme a complexidade do procedimento. Após o exame, é necessário ficar em observação durante um período mínimo de 10 a 30 minutos.

No local da biópsia pode ocorrer um pequeno sangramento. Contudo, esses sangramentos costumam cessar espontaneamente e não são preocupantes.

Em caso de vômitos, náuseas ou sangramentos, o médico ou o setor de endoscopia do hospital deve ser contactado.

Saiba mais em:

Fazer endoscopia dói?

Posso fazer endoscopia se estiver grávida?

Biópsia da próstata: como é feito o procedimento?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A biópsia da próstata é feita através da retirada de uma pequena amostra de tecido do órgão, que é então avaliada ao microscópio para detectar doenças. A biópsia da próstata normalmente é indicada quando há suspeita de câncer de próstata após uma avaliação clínica e laboratorial.

O procedimento geralmente é realizado pela via transretal (ânus-reto) e pode ser efetuado no próprio consultório médico, com o paciente acordado e com anestesia local.

Para fazer a biópsia da próstata, o paciente deita-se de lado e é introduzida uma sonda de ultrassom no ânus, semelhante àquelas usadas nas ultrassonografias transretais da próstata, porém, com uma agulha de biópsia acoplada.

Quando o exame é feito com anestesia, praticamente não causa dor, embora possa ser um pouco desconfortável para pessoas mais ansiosas.

Com o ultrassom, o médico consegue identificar a próstata e localizar o nódulo suspeito, inserindo a agulha no ponto exato para a coleta do material. Além dos locais suspeitos, o urologista também costuma tirar pelo menos mais seis amostras difusas de tecido prostático para aumentar a probabilidade de se obter uma amostra positiva.

Quanto maior o volume da próstata, mais amostras podem ser retiradas. Normalmente, o procedimento não dura mais do que 10 minutos e o paciente pode ir para casa logo após. O resultado normalmente leva uma semana para ficar pronto.

Pode acontecer do paciente ter um câncer de próstata e este não ser identificado pela biópsia. Caso o tumor não seja muito grande, a agulha pode não alcançá-lo, sendo obtidas apenas amostras de tecido sadio. Se o quadro clínico for muito sugestivo de câncer e a biópsia apontar apenas tecido saudável, o urologista pode decidir repeti-la.

Quando a biópsia é repetida, o médico pode optar pela chamada biópsia de saturação, em que são obtidas entre 12 e 24 amostras da próstata. Assim, a chance de se pegar uma área afetada por células malignas aumenta consideravelmente.

A biópsia da próstata também pode ser feita pela via transuretral (pela uretra, canal do pênis) ou transperineal (pelo períneo, região entre o ânus e a bolsa escrotal). No entanto, ambas as vias geralmente só são usadas em casos especiais.

As principais informações que levam o urologista a indicar uma biópsia são: presença de sintomas preocupantes, um exame de PSA aumentado, um toque retal que indique tumoração ou irregularidades da próstata ou uma ultrassonografia que detecte um nódulo suspeito.

Veja também: Como é feito o exame de próstata?

Que cuidados devo ter antes da biópsia de próstata?

A biópsia da próstata aumenta o risco de infecção urinária, por isso, é comum o urologista solicitar um exame de urina antes da biópsia. Se o paciente apresentar bactérias na urina (urocultura positiva), a biópsia não é realizada e o paciente deve fazer um tratamento com antibióticos durante 5 a 7 dias para esterilizar a urina.

Mesmo com resultado negativo, é recomendado o uso de pelo menos uma dose do antibiótico uma hora antes do procedimento. É comum também a prescrição de antibióticos durante alguns dias após a biópsia.

Alguns urologistas recomendam a lavagem intestinal com um enema, em casa, no dia do procedimento, embora esta conduta não seja essencial e nem todos os médicos a indicam. Também é indicado jejum de pelo menos 4 horas.

A biópsia é um procedimento que sangra, portanto os pacientes não devem estar tomando medicamentos que inibem a coagulação. O paciente deve informar o médico se estiver usando medicações como Clopidogrel, Ticlopidina, Aspirina, anti-inflamatórios ou Varfarina, pois a maioria dos urologistas prefere suspender esses medicamentos dias antes da biópsia.

Que cuidados devo ter depois da biópsia de próstata?

Após a biópsia o paciente pode ir para casa. Deve-se evitar atividades físicas e atividade sexual até o dia seguinte. Como alguns médicos optam por uma sedação leve antes da biópsia, não é indicado dirigir após os procedimentos.

É normal o paciente sentir um pouco de dor na região pélvica e haver um pequeno sangramento pelo ânus. Também é comum haver uma pequena quantidade de sangue na urina e no esperma durante alguns dias. Outro achado não preocupante é uma mudança de cor do esperma por algumas semanas, ficando este geralmente mais claro ou sanguinolento.

Se houver muito sangramento urinário ou retal ou se o mesmo persistir por mais de 3 dias, o médico deve ser consultado. A retenção urinária é outro sinal de complicação. Se depois da biópsia o paciente tiver vontade de urinar, porém não conseguir, deve-se contactar o urologista. Se a dor se agravar com o passar dos dias ou ocorrer febre, podem ser sinais de possíveis complicações.

Saiba mais em: Biópsia de próstata: Quais são os riscos e as complicações?

Consulte regularmente seu médico urologista. Ele poderá avaliar detalhadamente, através de anamnese, exame físico e eventuais exames complementares, qual é o seu diagnóstico correto, orientá-lo e prescrever o melhor tratamento, caso a caso.

Também pode lhe interessar:

O que pode causar retenção urinária?

Como é o tratamento para câncer de próstata?

Como prevenir o câncer de próstata?

O que é câncer de próstata?

Biópsia da mama dói? Como é feita?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

limiar da dor é algo muito particular e a tolerância pode ser diferente de pessoa a pessoa. Por isso, a biópsia poderá ser um procedimento doloroso para algumas pessoas e não tanto doloroso para outras.

De qualquer forma, para a realização da biópsia é feita anestesia local justamente para evitar efeitos dolorosos do procedimento.

A biópsia da mama pode ser realizada com agulha fina ou grossa após aplicação de anestesia local. Durante o procedimento, a paciente fica acordada e recebe a anestesia no local onde será retirado o tecido. Após a anestesia, o/a médico/a insere a agulha na mama e retira parte do tecido que será analisado. Esse tecido é enviado ao laboratório para avaliação do/a médico/a patologista. A análise anatomopatológica é feita minuciosamente e, então, é liberado o resultado.

Outra opção é a realização da biópsia da mama pela realização cirúrgica. Nesse procedimento, a paciente é levada ao centro cirúrgico onde fará anestesia geral ou raquidiana. Após a anestesia, iniciará a cirurgia para retirada do tecido mamário a ser analisado em laboratório.

Converse com seu/sua médico/a antes da realização do procedimento para tirar essa e outras dúvidas acerca da biópsia mamária. 

Biópsia de próstata: Quais são os riscos e as complicações?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

As principais complicações resultantes da biópsia de próstata são as infecções e os sangramentos. Os riscos da biópsia prostática incluem ainda dor, febre, desmaio, abscesso, queda de pressão, ardência e retenção urinária.

As complicações imediatas mais comuns da biópsia da próstata são o sangramento retal e a presença de sangue na urina. Dentre as possíveis complicações tardias estão febre, presença de sangue no esperma, dor ou ardência ao urinar, infecção urinária e, raramente, infecção generalizada.

É normal o paciente sentir um pouco de dor na região pélvica e haver um pequeno sangramento pelo ânus. Também é comum haver uma pequena quantidade de sangue na urina e no esperma durante alguns dias.

Outro achado não preocupante é uma mudança de cor do esperma por algumas semanas, ficando este geralmente mais claro ou sanguinolento.

A presença de um ou mais dos seguintes sinais pode indicar uma possível complicação:

Sangramento urinário ou retal abundante ou que persiste por mais de 3 dias;

Retenção urinária: vontade de urinar e não conseguir (Veja também: O que pode causar retenção urinária?);

Agravamento da dor ou febre.

Se algum desses sinais e sintomas for observado, o médico urologista deve ser contactado.

Saiba mais em:

Biópsia da próstata: como é feito o procedimento?

Fiz biópsia de próstata e sei que sai sangue no esperma...
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Continue sua vida normalmente, não há necessidade de forçar a saída de esperma. O repouso é aconselhável após a biópsia.

os primeiros dias após a biópsia da próstata pode haver saída de pequena quantidade de sangue pelo esperma, pela urina ou por via retal. Com o tempo ocorre a cicatrização do local da biópsia e a melhora dos sintomas.

Outros sintomas que podem acontecer após a biópsia prostática são dor na região e eventualmente dificuldade para urinar.

Quando devo procurar um médico após a biópsia de próstata?

É muito importante estar atento a sinais de alarme que quando presentes devem levá-lo a procurar um urologista, estes sinais são a incapacidade de urinar, sangramento prolongado que não melhora com o tempo, febre e dor intensa e persistente.

Estes sinais podem indicar uma possível infecção, por isso, devem ser avaliados por um médico.

Na maioria dos casos pode-se voltar as atividades habituais logo após a biópsia, no entanto, muitos médico recomendam evitar atividade física e esforço físico durante alguns dias

Como é feita a biópsia de próstata?

A biópsia de próstata é um procedimento médico caracterizado pela retirada de pequena quantidade de tecido prostático através de uma agulha guiada por ultrassom. O exame é feito sob anestesia e é indolor, embora possa causar algum desconforto.

Esse exame está indicado na situação de suspeita de câncer de próstata, quando por exemplo é encontrado um nódulo ou observa-se alterações na consistência da próstata. Quando o paciente apresenta exames anteriores alterados como um PSA muito elevado e alterações no ultrassom da próstata, também está indicada a realização da biópsia.

Para mais informações consulte o seu médico urologista.

Fiz uma punção em nódulos no pescoço...
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

O resultado final será dado pelo seu médico, mas fique tranquilo não há sinais de câncer neste exame. Não há no exame descrição de atipia, ou de características que sugiram malignidade.

Quando é indicada a punção de nódulo tireoidiano?

A punção de nódulos tireoidianos costuma estar indicada na presença de nódulos que apresentam características sugestivas de malignidade como:

  • Nódulos sólidos;
  • Nódulos sólidos císticos: maior que 1,5 cm ou maior que 1,0 cm mas com componente sólido hipoecoico e microcalcificações, ou margens irregulares,ou mais alto do que largo na visão transversal;
  • Nódulos espongiformes e maiores que 2 cm;
  • Nódulos menores que 1 cm mas que apresentam características de malignidade ou estão presentes em pessoas que já apresentam maior risco de terem nódulos malignos.

A grande maioria dos nódulos tireoidianos são benignos, muitos apresentam estrutura cística que praticamente descartam potencial de malignidade. Nessa situação não é necessária realização de punção e o nódulo requer apenas acompanhamento clínico.

Como entender o resultado de uma punção de nódulo de tireoide?

O resultado da punção do nódulo tireoidiano é categorizado em um sistema de classificação chamado Bethesda:

Classe I (Insatisfatória ou não diagnóstica): a amostra de tecido colhida é insuficiente ou não permite nenhuma avaliação ou diagnóstico.

Classe II (Benigno): não há células sugestivas de malignidade, portanto, não é necessário novos exames e não está indicado nenhum tratamento.

Classe III (Atipia ou significado indeterminado ou lesão folicular de significado indeterminado): Foram encontradas células com alterações e não é possível descartar malignidade, portanto, a depender do contexto clínico e do resultado do ultrassom realizado previamente o médico pode optar por repetir o exame ou encaminhar para cirurgia.

Classe IV (Neoplasia folicular ou suspeito para neoplasia folicular): Nessa situação também é necessário diferenciar entre lesão maligna ou benigna, mas só a punção não é suficiente, por isso o médico encaminhará para a cirurgia.

Classe V (Suspeito de malignidade): Esse resultado mostra alta suspeita de lesão maligna portanto a conduta tomada é realização de cirurgia com retirada de todo o lobo acometido ou de toda a tireoide (tireoidectomia total).

Classe VI (Maligno): Há a presença clara de neoplasia maligna, na maioria dos casos está indicada a tireoidectomia total.

Lembre-se que todo exame deve ser interpretado pelo médico que o solicitou, que a partir dele conseguirá determinar o melhor diagnóstico possível e a linha de tratamento a seguir. Portanto, para avaliação de nódulos de tireoide e interpretação de exames consulte o seu médico.

Recebi o resultado de uma biopsia: líquen plano...
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Líquen plano é uma doença benigna de característica inflamatória crônica da pele, em raríssimos casos crônicos e ulcerados pode evoluir depois de muitos anos para um câncer de pele.

Fiz colonoscopia e endoscopia e apareceu...
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Meu parecer não é diferente da opinião que você já tem, quando faz um exame precisa estar preparada para todas as possibilidades, o mais importante é que você fez o certo e é uma pessoa preocupada com a saúde e com a prevenção, continue assim.

Pus na biópsia de caroço do pescoço é bom sinal?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Não dá para afirmar se é um bom sinal, pode significar que seja apenas inflamatório (isso seria ótimo), mas só o resultado da anatomia patológica para dizer o que é.

Pode ter relação sexual antes de fazer biópsia de próstata?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

O ideal é não ter relação na véspera do exame.