Perguntar
Fechar

Menopausa

Qual nível de estradiol e fsh é considerado menopausa?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Menopausa significa "parada da menstruação", que ocorre devido ao declínio dos níveis de hormônios sexuais, ocorre redução de Estradiol e Progesterona e aumento do FSH e LH, Beta-HCG não é utilizado nessa avaliação. O valor em si tem pouco importância, a relação entre os valores somados aos sintomas que motivaram a solicitação dos exames levam o médico a fazer a interpretação do resultado. Se está procurando por valores de referência procure em outro site. Este é um site para tirar dúvidas sobre saúde e doenças. Não forneço valores de referência de exames, até porque eu não guardo esses valores na memória, existem outras coisas mais interessantes para guardar na memória.

Veja também: Qual é a função do estradiol?

Que exames posso fazer para saber se estou na menopausa?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

O exame mais indicado para saber se a mulher entrou na menopausa é o FSH (hormônio folículo estimulante). A elevação desse hormônio indica a diminuição da função ovariana e consequente entrada na menopausa.

Porém, em algumas situações como uso de reposição hormonal, investigação de menopausa precoce ou presença de sangramento vaginal, outros exames são solicitados para complementar a avaliação como: LH, estradiol, prolactina, testosterona, cortisol, beta-hCG.

A história clínica de pelo menos 12 meses sem menstruação é o critério diagnóstico mais preciso para saber se a mulher está na menopausa. O período de transição entre os anos férteis e a entrada na menopausa é chamado climatério. Nesse período, os ciclos menstruais são irregulares e algumas mulheres podem apresentar alguns sintomas como ondas de calor, diminuição na lubrificação vaginal, distúrbios do sono, alterações no humor e dor nas articulações.

A menopausa não é uma doença, ela é mais uma fase do ciclo de vida da mulher e deve ser entendida de forma natural para possibilitar uma vivência saudável.

Caso esteja apresentando sintomas indesejados, procure o/a ginecologista ou o/a médico/a de família para avaliar a necessidade de investigação de algum desses sintomas.

Menstruação abundante pode ser sinal de menopausa?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Sim, menstruação abundante pode ser sinal de que a menopausa (última menstruação) está mais próxima. Um dos sintomas que antecedem a menopausa é a irregularidade menstrual, com ciclos mais longos ou mais curtos e com alteração do fluxo.

A pré-menopausa começa aos 40 anos de idade e caracteriza-se por alterações da menstruação e sintomas como mudanças de humor, distúrbios do sono, falta de interesse sexual, entre outros. No final desse período, mais de 80% das mulheres começam a ter as conhecidas ondas de calor.

Por volta dos 45 anos de idade, tem início a perimenopausa. Essa fase antecede a chegada da menopausa, que em média ocorre entre os 48 e 50 anos, e se estende por até 12 meses depois da última menstruação. É marcada pelos mesmos sintomas da pré-menopausa, porém mais intensos.

Veja também: Quais os sintomas da menopausa?

Um dos principais sinais que indicam o início da perimenopausa é a alteração dos ciclos menstruais, que tornam-se mais irregulares (mais curtos ou mais longos), com variações também no fluxo, que pode ser mais abundante. Há mulheres que chegam inclusive a ter hemorragias.

Todos esses sintomas estão relacionados com o desequilíbrio na produção dos hormônios estrogênio e progesterona que ocorre nos ovários.

A menstruação deixa de existir após a menopausa e os demais sintomas desaparecem 2 ou 3 anos após a última menstruação, por volta dos 52 ou 53 anos de idade.

Informe o seu médico de família ou ginecologista sobre as suas alterações menstruais e esclareça as suas dúvidas sobre os sintomas da menopausa.

Exame FSH deu 75 Uml, significa que já estou na menopausa?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

O FSH com esse valor e sua idade de 51 anos (sem outras causas aparentes) é provavelmente decorrente de menopausa mesmo. Em relação a gravidez em teoria você provavelmente não vai mais engravidar.

Dor nos seios pode estar relacionado com a menopausa?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim. Dor nos seios e aumento da sensibilidade nas mamas são sintomas comuns no período de transição para a menopausa. Esses sintomas normalmente reduzem com o passar do tempo e com a entrada definitiva da mulher na menopausa.

A explicação é devido à flutuação da concentração do hormônio estrogênio na circulação sanguínea que ocorre nesse período de transição.

A sensibilidade mamária aumentada pode estar presente em algumas fases do ciclo menstrual (principalmente antes da menstruação) e ser caracterizada normal e transitória.

Porém, dor nos seios pode ser devido a outros problemas de saúde como cistos, nódulos, inflamação mamária (mastite), tabagismo, uso de anticoncepcionais ou terapia de reposição hormonal, etc.

A mulher que sente dores nos seios frequentes deve procurar um serviço de saúde para avaliação com clínico/a geral, médico/a de família e/ou ginecologista.   

Quais os sintomas da menopausa?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Os primeiros sintomas da menopausa começam a aparecer por volta dos 45 anos de idade, uma vez que a última menstruação da mulher (menopausa) ocorre, em média, aos 50 anos. Os principais sintomas que antecedem a menopausa são: 

  • Ondas de calor;
  • Suores noturnos;
  • Distúrbios do sono;
  • Ciclos menstruais irregulares, mais curtos ou mais longos;
  • Secura vaginal;
  • Alterações de humor (irritação, tristeza), desinteresse, dificuldade de concentração e depressão.

Esses são os sintomas, que a maioria das mulheres sentem, anunciam a chegada da menopausa e estão relacionados com o desequilíbrio na produção dos hormônios estrogênio e progesterona pelos ovários. Esses sintomas terminam 2 ou 3 anos após a última menstruação em torno dos 53 ou 54 anos.

Também pode lhe interessar: Calor na cabeça gostaria de saber o que é?

Após a menopausa, os sintomas estão mais associados aos baixos níveis de estrogênio e podem ser:

  • Atrofia e perda da lubrificação vaginal, dor na relação sexual;
  • Diminuição da libido;
  • Atrofia da uretra, que pode levar à incontinência urinária;
  • Diminuição da elasticidade da pele;
  • Maior risco de osteoporose e doenças cardiovasculares;
  • Aumento da cintura e dos braços;
  • Queda e quebra de cabelo.

O/a médico/a ginecologista ou endocrinologista pode esclarecer melhor quais são os sintomas da menopausa e tirar eventuais dúvidas.

Não consigo emagrecer, o que devo fazer?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Para emagrecer, é necessário primeiro uma consulta médica para realização de exames básicos, que irão descartar doenças ou alterações hormonais, que possam ser a causa desse aumento de peso ou até mesmo da dificuldade em emagrecer. 

Após os resultados e descartando causas secundárias para sua dificuldade, deverá iniciar um plano alimentar indicado por um/uma nutrologista e nutricionista, que deverão prescrever uma dieta de acordo com as suas necessidades calóricas e nutricionais, além de associar a dieta com exercícios físicos orientados.

Outras dicas que pode começar a seguir desde então:

1. Fazer pequenos lanches entre as principais refeições, pois estimula o metabolismo a manter o apetite sob controle. Barras de cereais, iogurtes desnatados e frutas são boas opções de lanches.

2. Distribuir os alimentos ao longo do dia. Evite comer grandes quantidades de carboidratos de uma só vez, para que o excesso não seja armazenado sob a forma de gordura.

3. Investir em alimentos integrais, como massas, arroz, pães e cereais, pois prolongam a sensação de saciedade. Alimentos feitos com farinha branca saciam temporariamente, mas, após um curto período de tempo, a pessoa volta a sentir fome.

4. Não deixar de lado as proteínas, que além de serem essenciais para a manutenção da massa muscular, prolongam a sensação de saciedade. Frango, peixes, carnes, leite, ovos e leguminosas (grão-de-bico, feijão, lentilha) são boas fontes de proteína.

5. Iniciar atividade física, de preferência em grupo e que te traga prazer, para que ajude na assiduidade do exercício. (Lembrando de realizar avaliação médica prévia).

6. Cuidar do seu estado emocional. É fundamental manter o controle emocional, evitando ou procurando ajuda caso apresente ansiedade ou depressão. Pessoas com distúrbios alimentares e sobrepeso costumam apresentar também quadros de ansiedade ou oscilação de humor, que atrapalham na rotina alimentar. Para isso é importante buscar ajuda e tratamento. Os responsáveis para tratar e orientar quanto a esses sintomas são psicólogos e psiquiatras.

Existem grupos bem estruturados para auxiliar no emagrecimento, com propostas sérias e resolutivas, existem medicamentos, quando o aumento do peso passa a causar riscos aos pacientes, indicação de cirurgia, entre outros. Ou seja, existem muitas formas de auxiliar as pessoas a emagrecer, dependendo de cada caso.

O/A médico/a saberá como orientar o seu caso.

Agende uma consulta com médico/a da família, clínico/a geral ou Nutrologista para dar início ao seu plano de tratamento, de forma segura e saudável.

Também podem lhe interessar os artigos:

Remédios para emagrecer

7 Erros que Você não Pode Cometer se Quer Emagrecer

Usar cinta, body ou modelador emagrece?

Quais os sintomas da menopausa precoce?

O primeiro sintoma da menopausa precoce é a menstruação irregular antes dos 40 anos de idade, com ciclos menstruais mais curtos ou mais longos. Depois, os sinais e sintomas podem incluir ondas de calor, transpiração noturna, insônia, alterações de humor e secura vaginal. Há casos em que a mulher perde o interesse pelas coisas e pode até entrar em depressão.

A menopausa precoce, também conhecida como falência ovariana prematura, além de impedir a gravidez, pode aumentar as chances de derrames e infarto, bem como causar osteoporose e envelhecimento precoce.

Essas complicações da menopausa precoce são devidas à diminuição da produção dos hormônios femininos estrógeno e progesterona, que tem ação protetora sobre os ossos e o sistema cardiovascular.

O diagnóstico da menopausa precoce é confirmado por exames de dosagem hormonal realizados durante um período de 60 dias seguidos, além de ultrassom para analisar o tamanho dos ovários, que ficam menores e podem quase nem chegar a ser vistos durante o exame.

Veja também: Quais os sintomas da menopausa?

Causas

A menopausa precoce pode ter as seguintes causas:

  • Hipotireoidismo autoimune;
  • Lúpus eritematoso sistêmico;
  • Insuficiência renal;
  • Endometriose;
  • Fatores genéticos;
  • Radioterapia ou quimioterapia;
  • Tabagismo.

Contudo, há muitos casos em que a falência ovariana prematura não tem uma causa conhecida.

Tratamento

Para evitar os efeitos colaterais e sintomas da baixa produção de hormônios, é indicada a reposição hormonal, desde que a mulher não apresente nenhuma contraindicação ao tratamento.

A reposição hormonal é contraindicada para pacientes sedentárias, com câncer ou que já tiveram a doença, história na família de infartos precoces ou ainda que tenham níveis elevados de colesterol e triglicerídeos.

Nesses casos, o tratamento da menopausa precoce deve ser feito através da prática de atividade física e reposição de cálcio e vitamina D.

É fundamental que a paciente realize o tratamento da menopausa precoce para prevenir todas as possíveis complicações, inclusive a secura vaginal, causada pela falta de estrogênio e progesterona.

Por isso, mulheres com idade inferior a 40 anos e que ficam mais de 4 meses ser ter período menstrual podem estar com os primeiros sintomas da menopausa precoce e devem procurar um médico ginecologista.

Saiba mais em:

Menstruação abundante pode ser sinal de menopausa?

Dor nos seios pode estar relacionado com a menopausa?

Posso estar entrando na menopausa?

Estou entrando na menopausa e sinto muitas dores nas mamas...
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

O que você tem é a chamada mastalgia (dor na mama) que no seu caso pode ser decorrente das alterações hormonais típicas desse período. É importante manter em dias os exames de rotina (mamografia, por exemplo) e deve sim voltar ao mastologista.

Tenho 48 anos e minha menstruação está irregular...
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Provavelmente sim. Em pouco tempo independente do resultado com o tratamento (que provavelmente vai regular sua menstruação), você entrará na menopausa.

Há alguns meses a minha menstruação está irregular...
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Qualquer período entre 25 e 35 dias é considerado normal para um ciclo menstrual, porém normalmente sem oscilações (se é 26, sempre 26; se é 34, sempre 34), talvez o ideal é procurar um ginecologista para ver o que mudou no seu corpo que está causando essas oscilações. Menopausa com 41 anos é muito raro.

Posso estar entrando na menopausa?

Provavelmente não. Os sintomas da menopausa começam a se manifestar entre os 45 e 50 anos e não costumam deixar os seios doloridos, nem causar náuseas e tonturas. Os sintomas mais característicos da chegada da menopausa são ondas de calor, suores noturnos, distúrbios do sono, ciclos menstruais irregulares, secura vaginal e as alterações de humor.

Com a aproximação da menopausa os ciclos menstruais ficam irregulares, tornando-se mais curtos ou mais longos. A quantidade de sangue da menstruação pode ser maior que o normal, mas o período de sangramento pode ser mais curto. A mulher pode inclusive ficar sem menstruar por mais de 2 meses.

As ondas de calor são mais perceptíveis quando a menopausa está mais próxima, sendo esses os sintomas mais comuns dessa fase.

As variações hormonais provocam também variações de humor frequentes, alternando irritação e tristeza, além de desinteresse, dificuldade de concentração e até depressão.

Esses são os sintomas que grande parte das mulheres sentem quando se aproximam da menopausa, que é a última menstruação. Todos eles estão relacionados com o desequilíbrio na produção dos hormônios estrogênio e progesterona pelos ovários.

Consulte um médico clínico geral ou um médico de família para avaliar o seu caso e receber um diagnóstico correto.