Perguntar
Fechar
Sinto dormência nos pés, o que pode ser?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sentir formigamento ou dormência nos pés é sinal de algum distúrbio neurológico como as neuropatias periféricas, hérnia de disco e má circulação. A dormência é causada pela compressão de algum nervo ou da artéria que irriga esse nervo. A sensação de ter os pés, as mãos ou outra parte do corpo dormente ou formigando é chamada de parestesia.

Neuropatias Periféricas

A dormência nos dedos dos pés ou nos pés é um sintoma frequentemente observado nas neuropatias periféricas, entre elas, a neuropatia diabética. Uma neuropatia é um dano num nervo periférico, que são os canais de transmissão de informação entre o corpo e o cérebro.

O sistema nervoso periférico é formado por vários nervos que recebem e transmitem impulsos nervosos de e para a medula espinhal. Esta, por sua vez, é o canal que liga o cérebro aos nervos e vice-versa.

Além de estimularem os músculos para realizarem tarefas e movimentos, os nervos também transmitem ao cérebro sensações de temperatura (frio, quente), dor, queimação, ardência, tato, pressão, entre outras.

Assim, quando há uma lesão em algum dos nervos que transmitem essas informações dos pés para o cérebro, ocorre uma interferência ou interrupção na transmissão desses impulsos. O resultado é a sensação de formigamento ou dormência nos pés, nos dedos, ou na ponta dos dedos dos pés.

O que posso fazer: O tratamento da neuropatia depende da sua causa e das necessidades do paciente. São indicados anestésicos para aliviar a dor e fisioterapia para reabilitação da região dos pés.

Hérnia de disco

A dormência nos pés também pode ter como causa uma hérnia de disco na coluna lombar. O extravasamento do conteúdo gelatinoso do disco intervertebral, que caracteriza a hérnia, pode comprimir a raiz do nervo ciático e causar formigamento e dormência nas nádegas (glúteos), coxas, pernas e pés.

O que posso fazer: O tratamento da hérnia de disso envolve o uso de analgésicos, relaxantes musculares ou anti-inflamatórios para aliviar a dor e inflamação. A fisioterapia é também um recurso que pode ser utilizado para tratar a hérnia. Nos casos mais graves, pode ser indicado cirurgia.

Má circulação

A má circulação decorrente de doenças vasculares, como as varizes, ou metabólicas como o diabetes só provoca dormência no pé se os vasos sanguíneos deixarem de nutrir o nervo. A parestesia nesse caso seria causada pela lesão ou morte do nervo periférico por falta de irrigação.

O que posso fazer? Controle frequentemente os níveis de glicose no sangue. Adote uma alimentação saudável pobre em açúcar. Faça, pelo menos 30 minutos de atividade física ao dia para melhorar a sua circulação sanguínea.

Procure o clínico geral ou médico de família se você sentir os pés dormentes com frequência, mesmo que a sensação seja passageira e desapareça espontaneamente. Vale lembrar que algumas doenças neurológicas podem causar surtos progressivos de tempos em tempos sem manifestar sintomas nos intervalos.

Saiba mais em:

Dormência nas mãos, quais são as causas?

Dormência na boca: o que pode ser?

Dormência no rosto, o que pode ser?

Estou sentindo dormência nos membros. O que pode ser e qual médico procurar?

Referência

Academia Brasileira de Neurologia

Inchaço nos pés: o que pode ser e o que fazer?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

O inchaço nos pés ocorre devido ao acúmulo de líquido nos tecidos abaixo da pele e isso pode ter muitas causas. As mais comuns incluem: permanecer muito tempo em pé ou sentado, excesso de peso, idade avançada, gravidez, período menstrual. Porém, os pés inchados também podem ser sinal de doenças graves, como insuficiência cardíaca, renal ou hepática.

Quais as causas de inchaço nos pés?Gravidez

Na gravidez, o inchaço nos pés é comum devido à retenção de líquidos que ocorre nesse período. Contudo, se o inchaço for excessivo e vier acompanhado de pressão alta, após a 20ª semana de gestação, pode ser sinal de pré-eclâmpsia e precisa de um acompanhamento cuidadoso durante o pré-natal.

Problemas renais

Pés inchados acompanhados de diminuição do volume de urina pode ser sinal de problemas renais. Nesse caso, o edema também pode afetar a face e a pessoa também pode apresentar fraqueza, náuseas e perda de peso.

Insuficiência cardíaca

Quando o inchaço nos pés tem como causa insuficiência cardíaca, pode haver falta de ar e palpitações. O edema normalmente começa nos tornozelos e pés e surge no final da tarde, progredindo para pernas e coxas, podendo chegar até à região genital.

Insuficiência venosa

Na insuficiência venosa crônica, o inchaço normalmente acomete de forma assimétrica os pés ou pernas, aumenta durante o dia e melhora com a elevação das pernas. Normalmente há presença de varizes e a pele das pernas pode ficar mais escura.

Trombose venosa profunda

Uma causa grave de pés inchados é a trombose venosa profunda, devido ao risco de embolismo pulmonar que podo levar à morte. Costuma atingir apenas um membro inferior e provocar calor e vermelhidão local, além de inchaço. As panturrilhas também podem ficar endurecidas.

Outras possíveis causas de inchaço nos pés:
  • Hipoproteinemia (redução da concentração de proteínas do sangue): O edema pode ser generalizado;
  • Cirrose hepática: Edema generalizado, com início na região abdominal, passando depois para as pernas;
  • Linfedema: Muitas vezes o edema afeta as duas pernas e sua principal característica é ser endurecido e não melhorar com a elevação dos membros;
  • Alergias: O edema também pode afetar a face;
  • Alterações hormonais (ciclo menstrual): Atinge tornozelos, pernas e mãos;
  • Uso de medicamentos anti-inflamatórios.
O que fazer para diminuir o inchaço nos pés?Elevar as pernas

Uma forma de aliviar o edema nos pés é elevar as pernas, pois ajuda o sangue a voltar para o coração. Para isso, a pessoa deve deitar-se de barriga para cima e deixar as pernas apoiadas sobre uma almofada grande, ou em qualquer outro apoio, de maneira que os pés fiquem acima do nível do coração. As pernas devem ficar elevadas durante 15 a 20 minutos.

Usar meias elásticas

Quem fica em pé por longos períodos pode usar meias elásticas, pois favorecem o retorno do sangue para o coração.

Repouso e menos sal

Fazer repouso e diminuir o consumo de sal também pode ajudar a aliviar o inchaço nos pés.

Movimentar pernas e pés

Durante uma viagem prolongada ou no trabalho, é importante levantar-se pelo menos a cada uma hora e movimentar as pernas e os pés. Esses cuidados ajudam a aliviar os pés inchados e previnem também a formação de coágulos.

Em caso de inchaço nos pés, consulte um médico clínico geral ou um médico de família para que a causa do edema seja devidamente diagnosticada e tratada.

Os pés suam demais, o que pode ser?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

Os pés podem suar demais devido à uma reação normal do corpo ou à hiperidrose. O suor é eliminado pelas glândulas sudoríparas, normalmente, em situações de reação ao estresse e também como forma de controlar a temperatura do corpo, resfriando-o quando o ambiente está muito quente ou quando alguma atividade física é realizada.

Já, a hiperidrose é uma reação exagerada das glândulas sudoríparas que provoca uma transpiração excessiva sem que haja calor ou atividade física, muitas vezes desencadeada por estresse. Pode não ter uma causa definida, provavelmente com origem genética, podendo estar presente em outras pessoas da família. O suor excessivo pode atingir várias partes do corpo além dos pés, como axilas, mãos, tórax , nuca, região da virilha (inguinal), abaixo das mamas, rosto e couro cabeludo.

O tratamento para aliviar os sintomas da hiperidrose pode ser feito com uso de alguns medicamentos orais, produtos tópicos com cloreto de alumínio usados para passar nas axilas e mãos e injeções de botox, que agem bloqueando o estímulo às glândulas sudoríparas. No tratamento cirúrgico é realizado um bloqueio do sistema nervoso simpático (simpatectomia) no tórax, responsável pelo estímulo do suor, e que esta indicada em alguns casos.

A sudorese excessiva também pode ocorrer devido à outras doenças como a obesidade, o hipertireoidismo, menopausa e distúrbios psiquiátricos. Nessas situações é necessário tratar a patologia de base para solucioná-la.

O clínico geral pode fazer a avaliação inicial e encaminhamentos necessários para o   diagnóstico e tratamento adequados.

Coceira nos pés: o que pode ser e o que fazer?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Coceira nos pés pode ser sintoma de micose ("tinha", "frieira", "pé-de-atleta") ou ainda psoríase. Identificar a causa do comichão nos pés é fundamental para saber o que fazer e como tratar a doença.

Micose

No caso da micose nos pés, os sintomas incluem coceira no meio dos dedos, vermelhidão na pele, descamação, lesão com borda avermelhada, descamação esbranquiçada e fissuras entre os dedos.

Como aliviar a coceira nos pés causada por frieira?

O tratamento da micose é feito com medicamentos antifúngicos e aplicação de pomadas com antifúngicos nos pés. Deve-se ainda polvilhar os calçados com pó antifúngico.

Dentre os remédios usados no tratamento da micose estão: cetoconazol, miconazol, cotrimazol, butenafina, griseofulvina, terbinafina e fluconazol.

Psoríase

Já a psoríase é uma doença crônica da pele provocada por um processo inflamatório. Acredita-se que a doença seja desencadeada pelo ataque de células de defesa (linfócitos T) à pele.

A doença caracteriza-se por lesões avermelhadas e descamativas que aparecem principalmente em joelhos, cotovelos e couro cabeludo, podendo afetar ainda unhas, palmas das mãos, plantas dos pés ou toda a superfície do corpo.

Se a coceira nos pés for causada por psoríase, a pessoa poderá apresentar ainda os seguintes sinais e sintomas:

  • Manchas vermelhas na pele com descamação esbranquiçada ou prateada;
  • Pequenas manchas agrupadas;
  • Pele seca e rachada, que pode sangrar em alguns casos;
  • Coceira;
  • Queimação;
  • Dor;
  • Unhas grossas, com sulcos ou caroços;
  • Inchaço e rigidez articular.
Como aliviar a coceira nos pés causada por psoríase?

O tratamento da psoríase é feito com aplicação de pomadas, géis e cremes, fototerapia e uso de medicamentos orais ou injetáveis. Também é importante ter alguns cuidados como manter a pele bem hidratada, usar água morna para tomar banho, tomar sol diariamente, não fumar e combater e controlar o estresse e a ansiedade.

Todos os medicamentos usados nos tratamentos devem ser usados sob orientação médica. Para que a origem da coceira nos pés seja identifica e receba um tratamento adequado, consulte o/a médico/a de família, clínico/a geral ou dermatologista.

Saiba mais em:

O que é psoríase?

A psoríase tem cura? Qual o tratamento?

Tenho veias muito altas nos pés, pernas, mãos e braços, porquê? Tem solução?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

Ter veias altas nos pés, pernas, mãos e braços é uma característica física individual e normal, possivelmente causada por elas estarem mais próximas da pele (superficiais) ou ainda, devido à pouca gordura do tecido subcutâneo em pessoas mais magras ou musculosas. Porém, veias dilatadas nas pernas podem ser varizes que tendem a piorar ao ficar muito tempo em pé e na gravidez. Os sintomas das varizes podem ser: sensação de desconforto e peso nas pernas e pés, tornozelos inchados, formigamentos, dores nas pernas.

O uso de meias elásticas, fazer caminhadas para melhorar a circulação, evitar ficar em pé parado por muito tempo e deitar ou sentar elevando as pernas acima do nível do coração, sempre que possível, pode reduzir os desconfortos causados pela varizes.

O cirurgião vascular é o especialista a ser consultado para o diagnóstico e tratamento dos problemas relacionados com as veias e artérias.

Quais os sintomas e tratamento para micose nos pés?
Dra. Ângela Cassol
Dra. Ângela Cassol
Médico

A micose nos pés, ou pé-de-atleta, é uma doença infecciosa causada por fungos e geralmente cursa com os seguintes sintomas:

  • Lesões avermelhadas, especialmente nas bordas, que ocupam a planta dos pés (em mocassim);
  • Presença de pequenas bolhas que, ao "estourarem", deixam uma descamação delicada, conhecida como "em colarete";
  • Prurido local;
  • Algumas vezes podem apresentar pequenas "bolhas de pus" nas bordas;
  • Crescimento centrífugo;
  • Áreas esbranquiçadas entre os dedos dos pés;
  • Pode acometer apenas um ou ambos os pés.

O tratamento da micose nos pés é simples e consiste na aplicação de antifúngicos tópicos. Quando não há melhora com uso de medicação tópica, é indicado o tratamento sistêmico, com antifúngicos orais.

Saiba mais em: Qual é o tratamento para pé de atleta?

É uma doença que tem cura, porém é comum a ocorrência de recidivas, especialmente se não foram adotadas medidas locais para evitar a proliferação de fungos. Dito isto, cito alguns cuidados que devem ser adotados e as opções de antifúngicos tópicos.

  • Evitar frequentar descalço locais de grande circulação de pessoas, como vestiários, chuveiros e banheiros públicos;
  • Antes de calçar calçados, ou após molhar os pés, certifique-se de que os mesmos estão bem secos, especialmente na região interdigital. Se necessário, pode ser utilizado um secador de cabelos;
  • Tente deixar os pés o maior tempo possível em contato com o ar;
  • Após exercícios ou molhar o calçado, troque as meias e deixe o calçado ao ar livre, por pelo menos 24 horas;
  • Faça higiene local diariamente;
  • Não compartilhe meias e calçados;
  • Use talco para manter os pés secos.

Há diversas opções de antifúngicos tópicos, como cetoconazol, miconazol, clotrimazol, isoconazol, ciclopirox olamina e terbinafina. O tratamento deve ser vendido somente com prescrição médica e mantido por quatro a seis semanas. Duas aplicações diárias são suficientes.

Leia também: Como curar frieiras?

O diagnóstico e a prescrição do tratamento devem ser feitos pelo médico dermatologista.

Qual o tratamento para fungo nas unhas das mãos e pés?
Dra. Ângela Cassol
Dra. Ângela Cassol
Médico

O tratamento da micose das unhas (onicomicose) deverá levar em conta alguns fatores:

  • número de unhas acometidas;
  • porcentagem da unha que está acometida;
  • doenças que o paciente possui e medicações que faz uso.

Após esta avaliação e, considerando que foi realizado idealmente exame que comprove a infecção fúngica, ou se a apresentação clínica for típica, deverá ser optado por realizar tratamento com medicação antifúngica, que pode ser tópica ou sistêmica. Se forem poucas as unhas afetadas e em porcentagem de acometimento inferior a 50% da unha, deve ser tentado tratamento tópico. O esmalte deverá ser aplicado de uma a duas vezes por semana e há diversas opções disponíveis atualmente. Se forem muitas unhas acometidas, é necessário o tratamento com antifúngicos de uso oral, como terbinafina, itraconazol e fluconazol. O tratamento sistêmico pode estar associado ao uso de esmaltes. usualmente a dose é de um comprimido por dia e é necessário seguimento periódico com realização de exames laboratoriais de controle.

O tempo mínimo de tratamento é de seis a 12 meses para as unhas da mãos e seis a 18 meses para as unhas dos pés.

Uma opção relativamente recente é o uso de laser. Contudo, esta tecnologia não tem uma aceitação irrestrita na literatura e serve como método auxiliar, sendo necessário o uso de antifúngicos também.

O tratamento da onicomicose deve ser feito pelo médico dermatologista.

Leia também: Quais são os remédios usados para unha inflamada com pus?

Pés inchados na gravidez é normal? Como diminuir o inchaço?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim. Pés inchados na gravidez é normal.

Durante a gravidez é comum a retenção de líquidos ao longo do corpo. Além disso, pela questão postural da mulher, preferencialmente sentada ou em pé durante o dia, a região das pernas e pés é bastante afetada.

Em geral, o inchaço pode ser maior com o avançar das semanas de gestação.

Para aliviar o inchaço, é recomendado:

  • Uso de meias compressivas durante o dia;
  • Elevação das pernas nos intervalos do trabalho;
  • Uso de sapatos confortáveis;
  • Movimentação corporal e alternância de posições(sentada/em pé);
  • Atividade física regular e orientada;
  • Alimentação equilibrada;
  • Aumento da ingestão de água.

Esse inchaço gradual ao longo da gestação é normal. Caso o inchaço apareça de forma abrupta, é interessante ir à consulta médica para uma avaliação.

O acompanhamento do inchaço é realizado durante as consultas de pré-natal, que são fundamentais para monitoramento da saúde da gestante e do feto.

Saiba mais em: Inchaço nos pés: o que pode ser e o que fazer?

Coceira na palma das mãos ou na sola dos pés, pode ser alguma doença?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

A coceira na palma das mãos ou na sola dos pés é um sintoma frequente, sendo que, em muitos casos, é decorrente do ressecamento da pele. Quando é originada pela secura da pele, melhora com hidratação, ou espontaneamente, com o decorrer do tempo.

No entanto, quando a coceira torna-se muito frequente e intensa ou vem acompanhada de lesões na pele, ou outros sintomas, pode sim indicar alguma doença.

O que pode ser coceira nas mãos e/ou nos pés?

Além da pele seca, outras causas frequentes de prurido na palma das mãos e plantas dos pés são:

Disidrose

É uma doença crônica da pele, que apresenta momentos de piora ou melhora. Ocasiona a presença de pequenas vesículas (pequenas bolhas) localizadas na palma das mãos e/ou planta dos pés, principalmente na região lateral dos dedos.

Essas lesões podem evoluir para bolhas maiores e descamações. Provoca também coceira na região.

Eczema

O eczema é uma condição caracterizada por pele muito seca e pruriginosa, pode ocasionar a presença de bolinhas de água ou formação de crostas. Diferentes doenças podem se manifestar através de eczema.

A dermatite atópica é uma das principais doenças relacionadas ao aparecimento do quadro eczematoso. É também uma doença de pele associada a condições alérgicas, como asma e rinite, pode acometer qualquer região do corpo, inclusive mãos e pés.

Reações alérgicas

O contato com substâncias ou agentes irritantes pode desencadear uma reação alérgica, que pode se manifestar através da dermatite de contato, um tipo de eczema que ocorre no local que entrou em contato com a substância irritativa.

Reações alérgicas também podem se manifestar através da presença de urticárias, bolhas, vermelhidão na pele e outras reações cutâneas, presentes também em mãos e pés.

Psoríase

A psoríase é uma doença de pele crônica, de provável etiologia autoimune, que leva a formação de placas hiperemiadas e descamativas na pele, principalmente em áreas como cotovelo e joelhos.

Pode também acometer mão e pés, sendo que existe uma forma de psoríase que acomete especificamente a palma das mãos e dos pés, a psoríase palmoplantar.

Escabiose

A escabiose ou sarna é uma doença de pele, contagiosa, causado por um parasita o Sarcoptes scabie, que deposita os ovos sobre a pele causando intensa coceira e erupções cutâneas ou crostas.

Pode atingir as palmas das mãos e as plantas dos pés, principalmente em bebês e crianças, mas pode acometer outras regiões do corpo como as axilas, seios, nádegas, genitais e abdômen.

Infecções fúngicas

Algumas infecções fúngicas podem também atingir as mãos e os pés. A tínea pedis é uma infecção típica do pé, popularmente é conhecida por pé de atleta. Causa intensa coceira principalmente entre os dedos, também pode provocar vermelhidão e descamação nos pés.

Diabetes

O diabetes pode causar uma condição chamada de neuropatia diabética, ocasionando sintomas de formigamento, coceira e dormência, principalmente nos pés, mas também pode atingir as mãos.

A má circulação também provocada pelo diabetes pode piorar ainda mais esses sintomas.

Na presença de coceira em mãos ou pés intenso e frequentes consulte um médico de família, clínico geral ou dermatologista para uma avaliação.

Leia também:

Coceira no corpo, o que pode ser e o que fazer?

Coceira na pele pode ser dermatite atópica? Saiba os sintomas

Frieira e micose são a mesma coisa?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

A frieira, também conhecida como pé de atleta, é uma micose no pé. A micose é uma infecção de pele causada por fungo. No caso da frieira, a infecção é causada pela presença e proliferação de fungo no pé. O seu nome é tinea pedis e é o tipo mais comum de micose.

Portanto, toda frieira é uma micose, mas nem toda micose pode ser chamada de frieira, a menos que ocorra no pé. Nesse sentido, não se pode dizer propriamente que frieira e micose são a mesma coisa.

Frieira (micose no pé)

O pé de atleta surge quando um determinado fungo se prolifera na pele dos pés. Vale ressaltar que o mesmo fungo também pode causar micose em outras partes do corpo. O fungo prospera em locais quentes e úmidos. Por isso, os pés são os mais afetados, especialmente entre os dedos dos pés.

O fatores que aumentam o risco de desenvolver micose no pé incluem:

  • Uso de calçados fechados (principalmente se forem revestidos com plástico);
  • Deixar os pés úmidos por períodos prolongados;
  • Transpiração excessiva;
  • Lesões na pele ou nas unhas.

A frieira se espalha rapidamente. Pode ser transmitida pelo contato direto com a área afetada ou com objetos e locais contaminados pelo fungo, como meias, calçados, chão de banheiros e vestiários, bem como piscinas.

Quais são os sintomas de frieira?

Os sinais mais comuns da frieira são a pele rachada e a descamação da pele, observados principalmente entre os dedos ou nas laterais do pé. O pé de atleta pode causar ainda coceira, vermelhidão, queimação e bolhas que vazam ou formam uma crosta.

Se o fungo se espalhar para as unhas do pé, pode ocorrer descoloração, espessamento e até perda das unhas afetadas.

Qual é o tratamento para frieira?

O tratamento para frieira é feito com remédio antifúngico, sob a forma de pomada e . Os antifúngicos mais usados para tratar pé de atleta incluem miconazol, clotrimazol, terbinafina e tolnaftato.

O pó ou a pomada para frieira devem continuar sendo usados por uma a duas semanas após o desaparecimento da micose. Caso contrário, o pé de atleta pode voltar a aparecer.

Além do uso do remédio, o tratamento da frieira inclui medidas e cuidados, como:

  • Manter os pés limpos e secos, principalmente entre os dedos dos pés;
  • Lavar bem os pés com água e sabão e secar bem e cuidadosamente a área afetada, pelo menos duas vezes por dia;
  • Usar sempre meias de algodão limpas;
  • Trocar as meias ou os calçados quantas vezes for necessário para manter os pés secos;
  • Usar sandálias ou chinelos em piscinas ou chuveiros públicos;
  • Usar pó antifúngico nos calçados para evitar o reaparecimento da frieira, nos casos em que o pé de atleta ocorre frequentemente ou a pessoa frequenta locais onde o fungo é comum, como chuveiros públicos;
  • Usar calçados bem ventilados e feitos de materiais naturais;
  • Alternar o uso dos calçados diariamente, para que eles possam secar completamente entre uma vez e outra;
  • Não usar calçados com forros de plástico.

Se a micose no pé não melhorar com os cuidados pessoais e com o uso da pomada e do pó antifúngicos em duas a quatro semanas ou se a frieira reaparecer com frequência, o tratamento pode incluir outros remédios. Nesses casos, podem ser prescritos medicamentos antifúngicos orais ou ainda antibióticos para tratar infecções bacterianas que ocorrem de tanto coçar o local.

Em geral, as frieiras respondem bem ao tratamento, embora possam voltar a aparecer. Por isso, o uso de medicamentos e a adoção de medidas preventivas a longo prazo podem ser necessários.

O médico dermatologista é o especialista responsável pelo diagnóstico e tratamento de todos os tipos de micose, o que inclui também frieira, mas o tratamento também pode ser realizado por clínicos gerais ou médico de família capacitados.

Frieira (pé de atleta): o que é, quais as causas, sintomas e como tratar?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A frieira, popularmente conhecida como “pé de atleta”, é uma infecção causada por fungos que afeta o pé. Trata-se de uma micose que ocorre quando um determinado fungo se prolifera na pele dos pés, sobretudo entre os dedos. A frieira é o tipo mais comum de micose e se espalha rapidamente.

Frieira ("pé de atleta") O que causa frieira?

O fungo que causa frieira prospera em áreas quentes e úmidas. O risco de contrair pé de atleta aumenta se a pessoa usar calçados fechados (principalmente se forem revestidos com plástico), deixar os pés úmidos por muito tempo, transpirar excessivamente ou tiver alguma lesão na pele dos pés ou nas unhas.

A frieira pode ser transmitida através de calçados ou meias, piscinas e pelo contato direto com o chão de banheiros e vestiários.

Quais os sintomas de frieira?

Os sintomas mais comuns da frieira são as rachaduras e a descamação, que ocorrem principalmente entre os dedos e nas laterais do pé. O pé de atleta também pode causar coceira, vermelhidão na pele, dor em queimação, ardência e bolhas que libertam líquido ou formam uma crosta.

Se o fungo se espalhar para as unhas, pode haver descoloração, espessamento e até perda das unhas afetadas.

Como tratar e curar a frieira?

O tratamento da frieira é feito com remédios antifúngicos, sob a forma de pomada ou . Os medicamentos mais usados para tratar pé de atleta são: miconazol, clotrimazol, terbinafina e tolnaftato.

Além do uso de antifúngicos, é importante ter alguns cuidados para curar a frieira completamente, tais como:

  • Manter os pés limpos e secos, especialmente entre os dedos dos pés;
  • Lavar bem os pés com água e sabão e secar completamente e cuidadosamente as áreas afetadas, pelo menos duas vezes por dia;
  • Usar meias de algodão, sempre limpas;
  • Trocar as meias e o calçado quantas vezes for necessário para manter os pés secos;
  • Usar sandálias ou chinelos em chuveiros ou piscinas públicas;
  • Usar pó antifúngico ou pó específico para manter os pés secos se tiver freiras frequentemente ou frequentar locais onde o fungo que causa o pé de atleta é comum, como piscinas ou chuveiros públicos;
  • Usar calçados bem ventilados e feitos com materiais naturais, como algodão ou couro;
  • Alternar os calçados todos os dias, para que eles possam secar completamente cada vez que forem usados;
  • Não usar sapatos ou calçados com forros de plástico.

Se a frieira não melhorar com o tratamento em até 4 semanas ou voltar a aparecer com frequência, podem ser indicados remédios antifúngicos por via oral, antibióticos para tratar infecções bacterianas causadas pelo ato de coçar e pomadas específicas para matar os fungos.

Em geral, a frieira costuma responder bem ao tratamento. Contudo, o pé de atleta pode voltar a aparecer. Por isso, pode ser necessário tomar medidas preventivas e usar medicamentos a longo prazo.

O médico dermatologista é o especialista responsável pelo diagnóstico e tratamento da frieira.