Perguntar
Fechar

Tuberculose

Quais são os tipos de tuberculose?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A tuberculose é uma doença que afeta primordialmente os pulmões, mas pode afetar outros órgãos, sendo assim denominada de tuberculose extra-pulmonar.

Esses tipos de tuberculose podem ser:

  • Tuberculose Pleural (na película que reveste os pulmões);
  • Tuberculose Cutânea;
  • Tuberculose Cerebral;
  • Tuberculose Ganglionar (afeta os linfonodos);
  • Tuberculose Óssea;
  • Tuberculose Urinária.

A tuberculose é uma doença causada pela bactéria Mycobacterium tuberculosis também conhecida como bacilo de Koch.

Quando a tuberculose atinge os pulmões, ela pode causar tosse prolongada, febre, suores noturnos e perda de peso. Nos demais locais do corpo, os sintomas podem ser variados e específicos a depender da localização atingida.

Leia também:

O que é tuberculose ganglionar e quais são os sinais e sintomas?

O que é tuberculose miliar? Quais os sintomas?

O que é tuberculose óssea e quais são os sintomas?

O que é tuberculose pleural?

Quais são os sintomas da tuberculose pulmonar e como é o tratamento?

O que é tuberculose ganglionar e quais são os sinais e sintomas?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Tuberculose ganglionar é um tipo de tuberculose que acomete os gânglios linfáticos, também chamados de linfonodos, que são pequenos órgãos de defesa localizados em várias partes do corpo. A tuberculose ganglionar é a forma mais comum de tuberculose extrapulmonar em pessoas infectados pelo vírus HIV.

A tuberculose ganglionar acomete com mais frequência os gânglios do pescoço, da região da clavícula, do tórax, das axilas e virilha. A doença geralmente é um sinal de imunodeficiência relacionada à AIDS, sendo comum nesses casos o acometimento de várias cadeias ganglionares.

Os sintomas da tuberculose ganglionar caracterizam-se por febre, emagrecimento e aumento progressivo dos gânglios linfáticos.

Normalmente observa-se o aparecimento de um nódulo de crescimento lento e indolor em apenas um lado do pescoço. Porém, pacientes HIV positivos podem apresentar acometimento dos linfonodos em ambos os lados do corpo. 

À medida que a doença avança, a pele que recobre o linfonodo pode ficar avermelhada e lustrosa. Também pode ocorrer fistulização do gânglio, com saída de secreção e inflamação da pele adjacente. Pessoas infectadas com o vírus HIV também podem apresentar lesões pulmonares.

O diagnóstico da tuberculose ganglionar é feito através da análise de material ganglionar, coletado por meio de agulha ou biópsia. O tratamento consiste na administração de um conjunto de medicamentos antibióticos tomados por via oral.

Consulte o/a médico/a de família ou clínico/a geral na presença dos sintomas de tuberculose ganglionar.

Também podem lhe interessar:

Tuberculose ganglionar é contagiosa?

Tuberculose ganglionar tem cura? Como é o tratamento?

O que é tuberculose miliar? Quais os sintomas?

Quais são os sintomas da tuberculose pulmonar e como é o tratamento?

Sintomas da Tuberculose
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

tuberculose apresenta sintomas gerais iniciais leves e não específicos para a tuberculose. Os principais sintomas da tuberculose pulmonar crônica, assunto deste post, são sintomas gerais que podem ser confundidos com outras doenças e, como geralmente são insidiosos (eles são leves e de progressão lenta), as pessoas não procuram assistência prontamente. 

Sintomas da tuberculose pulmonar:

  • Febre leve geralmente no final de tarde e início da noite;
  • Sudorese noturna;
  • Emagrecimento progressivo, no início, a perda de peso é pequena e com o passar dos meses esse emagrecimento torna-se intenso causando grande debilidade física;
  • Perda de apetite;
  • Mal-estar geral sentido como uma fraqueza, uma fadiga, um estado de debilidade geral, no início é sentido mais no final do dia junto com a febre e depois pode ocorrer durante todo o dia;
  • Tosse que no início pode ser leve, discreta e seca; com a progressão da tuberculose a tosse vai ficando cada vez mais intensa e torna-se produtiva com raias de sangue, em alguns casos a doença avança a tal ponto que o paciente começa a tossir sangue em grandes quantidades.

A pessoa com tosse por três semanas ou mais associada aos sintomas anteriores é considerada caso suspeito de tuberculose e deve ser investigada adequadamente pelo/a médico/a.

Leia também: 

Tuberculose tem cura? Qual o tratamento?

Tuberculose é contagiosa? Como se transmite?

Quais são os tipos de tuberculose?

Tuberculose ganglionar é contagiosa?

Não, a tuberculose ganglionar não é contagiosa. Este é um tipo de tuberculose extrapulmonar, ou seja, que não afeta os pulmões, portanto não é transmitida de pessoa para pessoa através das secreções respiratórias.

A tuberculose ganglionar acomete os gânglios linfáticos (linfonodos), que são pequenos órgãos de defesa localizados em várias partes do corpo.

Pessoas com tuberculose ganglionar não são capazes de transmitir a bactéria Mycobacterium tuberculosis, também conhecida como bacilo de Koch, causadora da doença. Esses indivíduos não precisam ficar em isolamento e podem entrar em contato com outras pessoas pois não existe risco de contágio.

Já a tuberculose pulmonar, que é a forma mais comum da doença, é contagiosa. Quando alguém com tuberculose espirra ou tosse, elimina gotículas de secreção respiratória contaminadas com a bactéria. A transmissão para outras pessoas ocorre pelas vias respiratórias, através da inalação dessas gotículas de secreção suspensas no ar.

Veja também: Tuberculose é contagiosa? Como se transmite?

Por isso, um paciente com tuberculose ganglionar pode transmitir a doença se estiver também com a forma pulmonar da tuberculose, o que geralmente ocorre em pacientes com imunodeficiência relacionada à AIDS.

Também podem lhe interessar:

O que é tuberculose ganglionar e quais são os sinais e sintomas?

Tuberculose ganglionar tem cura? Como é o tratamento?

Quais são os tipos de tuberculose?

Como é feito o exame PPD para tuberculose?

O exame PPD para tuberculose é feito através da aplicação de proteínas da bactéria causadora da tuberculose na pele. A injeção é aplicada na face anterior do antebraço e não é necessário nenhum tipo de curativo depois do teste. Após 48 a 72 horas a pessoa deve retornar ao lugar do exame para que o local da injeção seja analisado e o teste PPD seja finalizado.

Se o local da aplicação no antebraço estiver vermelho, inchado e com um nódulo endurecido, provavelmente a pessoa tem tuberculose (resultado positivo).

Esses sinais indicam que o seu organismo reagiu às proteínas do bacilo porque já tem anticorpos contra a bactéria. Portanto, é muito provável que ela esteja infectada.

Em caso de resultado positivo, outros exames (raio-x de tórax, BAAR, exames imunológicos) são realizados para confirmar o diagnóstico.

Vale lembrar que quem já tomou a vacina BCG pode apresentar resultado positivo no teste PPD, pois já tem defesas contra a tuberculose.

O exame PPD é realizado com uma pequena amostra de derivado proteico purificado (purified protein derivative - PPD) da bactéria Mycobacterium tuberculosis, também conhecida como bacilo de Koch.

O composto é purificado para impedir que a pessoa que faz o teste desenvolva tuberculose, mas é capaz de provocar uma reação em quem tem a doença.

O exame PPD pode ser feito durante a gravidez e amamentação. As reações adversas mais comuns ao teste são: dor, coceira e desconforto no local da injeção.

Em casos mais raros pode ocorrer uma forte reação, com formação de feridas e morte do tecido local. Nesses casos, o médico que solicitou o exame deve ser procurado com urgência.

Também podem ser do seu interesse:

Tuberculose tem cura? Qual o tratamento?

Sintomas da Tuberculose

Tuberculose é contagiosa? Como se transmite?

O que é tuberculose óssea e quais são os sintomas?

Tuberculose óssea é um tipo de tuberculose extrapulmonar que afeta ossos e articulações, principalmente as vértebras da coluna (mal de Pott), os ossos longos e as articulações do quadril, joelho e tornozelo. Os seus principais sintomas são a dor óssea e o inchaço da articulação afetada.

A tuberculose óssea é mais comum em crianças e idosos. A infecção dos ossos e das articulações pela bactéria causadora da tuberculose ocorre frequentemente através do sangue. A coluna também pode ser atingida pela via linfática, em casos de tuberculose pleural (membrana que recobre os pulmões).

Os sintomas mais frequentes da tuberculose óssea são a dor e o aumento do volume da articulação. A dor instala-se lentamente e a sua intensidade evolui de forma progressiva. Também pode haver limitação dos movimentos, atrofia muscular e fístulas na pele, além de sintomas gerais como febre, emagrecimento e fraqueza muscular.

coluna torácica é a parte da coluna mais afetada pela tuberculose óssea, sobretudo entre as vértebras T8 e T12. Se a infecção se espalhar pela vértebra, o disco intervertebral também é envolvido, com disseminação para a vértebra adjacente. 

Se não for devidamente tratada, a tuberculose pode causar deformidade na coluna e deixar a pessoa corcunda.

As grandes articulações são as mais acometidas pela tuberculose óssea, principalmente quadril e joelho. Raramento a infecção ocorre em mais de uma articulação ao mesmo tempo. À medida que a infecção evolui e a cartilagem articular é destruída, o espaço da articulação fica mais estreito.

O diagnóstico da tuberculose óssea é feito por meio de exames de imagem como raio-X, tomografia computadorizada e ressonância magnética. O tratamento é realizado com a combinação de medicamentos antibióticos tomados por via oral e tem uma duração superior a 6 meses.

Leia também: 

Tuberculose óssea tem cura? Como é o tratamento?

Quais são os sintomas da tuberculose pulmonar e como é o tratamento?

O médico ortopedista é o responsável pelo diagnóstico e tratamento da tuberculose óssea.

Tuberculose ganglionar tem cura? Como é o tratamento?

Sim, tuberculose ganglionar tem cura. O tratamento geralmente é feito com esquemas de até 4 medicamentos antibióticos, tomados por via oral: rifampicina, isoniazida, pirazinamida e etambutol.

O tratamento da tuberculose ganglionar tem uma duração mínima de 6 meses, podendo ser prolongado por até 12 meses, dependendo do caso.

Pacientes que nunca receberam qualquer tratamento para tuberculose ganglionar ou outra forma de tuberculose, ou que tomaram os remédios por menos de 30 dias, são tratados com o esquema 1, que inclui 3 antibióticos:

⇒ 1ª fase (2 meses): Rifampicina + Isoniazida + Pirazinamida.

⇒ 2ª fase(4 meses): Rifampicina + Isoniazida.

Se a evolução não for favorável, a segunda fase pode ser prolongada por mais 3 meses. Se o tratamento for feito corretamente, sem abandono, a chance de cura da tuberculose com o esquema 1 é de 98%.

Para pacientes que apresentam recidiva da tuberculose ganglionar após a cura com o esquema 1 ou que abandonaram o tratamento anteriormente, é indicado o esquema 1R (reforçado), com 4 antibióticos:

⇒ 1ª fase (2 meses): Rifampicina + Isoniazida + Pirazinamida + Etambutol.

⇒ 2ª fase(4 meses): Rifampicina + Isoniazida + Etambutol.

Quando os esquemas 1 e 1R não resultam, é adotado o esquema 3, que têm uma duração de 12 meses e também inclui 4 medicamentos:

⇒ 1ª fase (3 meses): Estreptomicina + Etionamida + Etambutol + Pirazinamida.

⇒ 2ª fase (9 meses): Etionamida + Etambutol.

A estreptomicina é o único medicamento administrado por injeção ou soro. Todos os outros antibióticos usados para tratar a tuberculose ganglionar são tomados por via oral.

A taxa de cura do esquema 3 varia entre 55% e 65%. Além dos medicamentos serem menos eficazes, os efeitos colaterais e a necessidade de ter que tomar injeções por 3 meses (estreptomicina) aumentam a taxa de abandono desse tratamento.

O tratamento da tuberculose é disponibilizado gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Saiba mais em:

Tuberculose tem cura? Qual o tratamento?

Tuberculose ganglionar é contagiosa?

O que é tuberculose ganglionar e quais são os sinais e sintomas?

Tuberculose tem cura? Qual o tratamento?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim. A tuberculose tem cura.

O tratamento da tuberculose consiste no uso de medicações orais tomadas todos os dias por um período de tempo determinado, a depender do tipo da tuberculose.

O tratamento da tuberculose é disponibilizado gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Com o início do tratamento, a pessoa sente-se bem melhor e os sintomas diminuem. Mesmo assim, ela deve continuar o uso das medicações até o final do período programado para evitar recorrência da doença e resistência bacteriana aos antibióticos.

Após o início do tratamento, a pessoa com tuberculose reduz drasticamente a quantidade de bacilos expelidos. Por isso, é muito importante o diagnóstico adequado e o tratamento precoce para que a probabilidade de contágio para outras pessoas diminua e a pessoa adoentada cure logo.

Veja também: Como é feito o exame PPD para tuberculose?

A tuberculose é uma doença causada pela bactéria Mycobacterium tuberculosis também conhecida como bacilo de Koch.

A tuberculose é uma doença altamente contagiosa que pode causar tosse prolongada, febre, suores noturnos e perda de peso.

Saiba mais em:

Tuberculose ganglionar tem cura? Como é o tratamento?

Tuberculose miliar tem cura? Como é o tratamento?

Tuberculose pleural tem cura? Como é o tratamento?

Tuberculose é contagiosa? Como se transmite?

Tuberculose é contagiosa? Como se transmite?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim. Tuberculose é uma doença contagiosa.

A transmissão da tuberculose ocorre de pessoa para a pessoa pelas vias respiratórias.

Quando uma pessoa com tuberculose ativa espirra ou tosse, ela espalha as bactérias da tuberculose nas gotículas de ar. Essas gotículas contaminadas ao serem inaladas podem infectar a outra pessoa.

Nem todas as pessoas que entram em contato com o bacilo da tuberculose desenvolverá a doença. Isso dependerá das defesas imunológicas e da presença de outras doenças associadas.

A tuberculose é uma doença causada pela bactéria Mycobacterium tuberculosis também conhecida como bacilo de Koch.

A tuberculose é uma doença altamente contagiosa que pode causar tosse prolongada, febre, suores noturnos e perda de peso.

Após o início do tratamento, a pessoa com tuberculose reduz drasticamente a quantidade de bacilos expelidos. Por isso, é muito importante o diagnóstico adequado e o tratamento precoce para que a probabilidade de contágio para outras pessoas diminua e a pessoa adoentada cure logo.

Continue a leitura em:

Tuberculose tem cura? Qual o tratamento?

Sintomas da tuberculose

Tuberculose ganglionar é contagiosa?

Tuberculose pleural é contagiosa? Como se transmite?

Não, tuberculose pleural não é contagiosa. Este é um tipo de tuberculose extrapulmonar, ou seja, que não afeta os pulmões, portanto não é transmitida de pessoa para pessoa através das secreções respiratórias.

A tuberculose pleural acomete a pleura, uma membrana delicada que reveste os pulmões. Pacientes com tuberculose pleural e outras formas de tuberculose extrapulmonar não são capazes de transmitir a bactéria conhecida como bacilo de Koch, causadora da doença.

Portanto, essas pessoas não precisam ficar em isolamento e podem entrar em contato com outras pessoas pois não existe risco de contágio.

Já a tuberculose pulmonar, que é a forma mais comum da doença, é contagiosa. Quando alguém com tuberculose espirra ou tosse, espalha grandes quantidades de bactérias que estão presentes na secreção respiratória. A transmissão para outras pessoas ocorre pelas vias respiratórias, através da inalação dessas gotículas de secreção suspensas no ar.

Leia também: Tuberculose é contagiosa? Como se transmite?

Contudo, é importante lembrar que um paciente com tuberculose pleural pode transmitir a doença se estiver também com a forma pulmonar da tuberculose, o que geralmente ocorre em pacientes com AIDS.

A própria tuberculose pleural pode ser decorrente da tuberculose pulmonar. Nesses casos, o bacilo pode chegar à pleura através do rompimento de algum foco de tuberculose pulmonar na cavidade pleural, podendo ser encontrado no líquido pleural e nas secreções respiratórias.

Saiba mais em:

O que é tuberculose pleural?

Tuberculose pleural tem cura? Como é o tratamento?

O que é tuberculose miliar? Quais os sintomas?

A tuberculose miliar é um tipo de tuberculose em que as bactérias estão disseminadas na corrente sanguínea, provocando lesões em vários tecidos e órgãos do corpo. A tuberculose miliar é uma das formas mais graves da doença e o risco de meningite é elevado.

O termo "miliar" vem da semelhança entre as pequenas lesões arredondadas e pontilhadas causadas pela bactéria e as sementes de miliet, um tipo de gramínea. Essas lesões têm entre 1 e 2 mm e podem estar presentes nos pulmões e em outros órgãos.

A tuberculose miliar afeta sobretudo pessoas com outras doenças de base, como cirrose, câncer, doenças reumatológicas e imunodeficiências. Situações de baixa imunidade também favorecem o desenvolvimento desse tipo de tuberculose, como nos casos de crianças pequenas, idosos e grávidas.

Os sintomas da tuberculose miliar normalmente são inespecíficos, tais como febre, fraqueza e perda de peso. Também podem ocorrer sintomas mais específicos, como dor de cabeça (quando há meningite) e dor abdominal (quando há acometimento do intestino).

O paciente também pode apresentar lesões na pele, gânglios linfáticos (linfonodos) aumentados, sintomas respiratórios e digestivos, aumento do fígado e do baço, entre outros.

O tratamento da tuberculose miliar pode ser iniciado mesmo que ainda não haja um diagnóstico definitivo, uma vez que a taxa de mortalidade é alta sem um tratamento precoce.

Também pode lhe interessar:

Tuberculose miliar tem cura? Como é o tratamento?

Tuberculose miliar é contagiosa? Como se transmite?

O que é tuberculose ganglionar e quais são os sinais e sintomas?

Quais são os tipos de tuberculose?

Quais são os sintomas da tuberculose pulmonar e como é o tratamento?

Tuberculose óssea tem cura? Como é o tratamento?

Sim, tuberculose óssea tem cura. O tratamento geralmente é feito com esquemas de até 4 medicamentos antibióticos, tomados por via oral: rifampicina, isoniazida, pirazinamida e etambutol. O tratamento da tuberculose óssea tem uma duração mínima de 6 meses e pode ser prolongado por mais 6 ou 9 meses.

Pacientes com tuberculose nas vértebras da coluna (mal de Pott) podem necessitar de tratamento cirúrgico se houver deformidades, comprometimento neurológico ou destruição significativa dos ossos. Também pode ser necessário imobilizar a coluna externamente com órteses ou coletes.

As cirurgias nos casos de tuberculose vertebral normalmente são indicadas para drenar grandes abscessos, descomprimir a medula espinhal, corrigir deformidades ósseas e estabilizar a coluna.

O tratamento cirúrgico da tuberculose óssea na coluna é indicado sobretudo quando há destruição óssea progressiva e comprometimento neurológico.

A complicação mais grave da tuberculose na coluna é a perda dos movimentos ou da força das pernas devido à compressão da medula espinhal. 

Contudo, desde que não haja comprometimento neurológico ou deformidades, a resposta da tuberculose óssea ao tratamento conservador com antibióticos geralmente é boa. As cirurgias ficam reservadas apenas aos casos mais avançados.

O médico ortopedista é o especialista responsável pelo diagnóstico e tratamento da tuberculose óssea.

Saiba mais em:

O que é tuberculose óssea e quais são os sintomas?

Tuberculose tem cura? Qual o tratamento?

Quais são os sintomas da tuberculose pulmonar e como é o tratamento?