Tabagismo

Fumar narguilé faz mal?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim, fumar narguilé faz mal à saúde. A ideia de que o narguilé não faz mal porque inala-se vapor ao invés de fumaça não é verdadeira. Durante uma sessão de uma hora de narguilé, a quantidade de fumaça inalada equivale a fumar entre 100 e 200 cigarros.

Isso porque, ao fumar narguilé, a pessoa fica exposta por muito mais tempo à fumaça do tabaco, uma vez que o tempo de duração de um cigarro é de alguns minutos.

Portanto, assim como o cigarro, o narguilé traz diversos malefícios para a saúde, pois reduz a capacidade respiratória, aumenta o risco de câncer de pulmão, insuficiência respiratória aguda (nos casos mais graves), doenças cardiovasculares (infarto, acidente vascular cerebral), câncer de boca e bexiga, além da dependência química.

Outros males que o uso de narguilé pode trazer para a saúde incluem envelhecimento precoce e falta de fôlego ao realizar esforços físicos.

Ouvi dizer que o narguilé não faz tanto mal à saúde. É verdade?

Uma das justificativas de que o narguilé não faz tanto mal à saúde é de que a água filtra uma parte da nicotina, diminuindo a sua concentração na fumaça. Contudo, com menos nicotina, a pessoa acaba por inalar mais fumaça para que os níveis de nicotina possam ser capazes de saciar a sua dependência.

Dessa forma, fumar narguilé expõe o usuário a níveis mais altos de substâncias cancerígenas e gases tóxicos, como o monóxido de carbono.

O carvão usado para queimar o tabaco elimina substâncias tóxicas como benzeno e alcatrão, o que eleva o grau de toxicidade da "shisha". Portanto, mesmo que a pessoa utilize outras folhas ou ervas ao invés de tabaco, o narguilé continua a ser prejudicial para a saúde, pois não deixará de produzir fumaça e suas substâncias tóxicas.

Narguilé é mais prejudicial que cigarro?

O narguilé possui muitas das substâncias tóxicas do cigarro, como monóxido de carbono, hidrocarbonetos, nicotina, formaldeído, entre outros, o que pode causar bronquite e diminuir a capacidade respiratória após um ano de uso.

Além disso, o tabaco do narguilé possui uma concentração muito maior de nicotina, monóxido de carbono e alcatrão do que o cigarro.

Os malefícios do narguilé podem ser ainda maiores, uma vez que ao fumar narguilé a pessoa inala as toxinas do tabaco e as do carvão, que estão associadas ao desenvolvimento de câncer de pulmão e outras doenças.

Além dos malefícios causados pela fumaça do narguilé, ao compartilhar a "shisha", aumentam as chances de transmissão de doenças como herpes, hepatite, tuberculose, entre outras doenças infectocontagiosas transmitidas através do contato com secreções de uma pessoa infectada.

Fumar narguilé eletrônico faz mal?

Existem raras evidências científicas sobre os malefícios do narguilé eletrônico. Quando não há nicotina, pode haver uma menor possibilidade de causar dependência.

Também não existe a queima do tabaco, que é um dos principais fatores prejudiciais do fumo devido à alta temperatura da fumaça e das substâncias tóxicas que ela contém.

Contudo, é preciso saber ao certo quais as substâncias que estão sendo inaladas no narguilé eletrônico. Muitos estudos recentes têm demonstrado os malefícios dos cigarros eletrônicos, pois além do risco do próprio fumo em si, esses cigarros podem causar outros danos para o corpo.

O que é narguilé?

O narguilé, também conhecido como shisha ou hookah, é um dispositivo usado para fumar tabaco. Nele, o tabaco é queimado, a fumaça produzida é resfriada pela água e depois é inalada pela pessoa através de uma mangueira.

O narguilé pode parecer inofensivo, mas, assim como o cigarro, causa dependência e o seu uso a longo prazo aumenta os riscos de câncer de pulmão, boca e bexiga, além de doenças cardiovasculares e respiratórias.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 6.000.000 de pessoas morrem todos os anos no mundo devido ao tabagismo. No Brasil, 75% das pessoas que fumam iniciam o hábito antes de completar 18 anos de idade.

Quanto mais a pessoa começar a fumar narguilé ou cigarro, maiores são as chances de desenvolver câncer e outras doenças crônicas e fatais.

O sabor adocicado e aromatizado do tabaco do narguilé, além do cheiro e gosto adocicado da fumaça, ajuda a explicar por que a "shisha" é tão consumida por jovens e adolescentes. São pessoas que provavelmente não fumam nem fumariam cigarro, mas devido a esses fatores “favoráveis”, acabam por fumar narguilé.

Já se sabe que adolescentes que fumam têm mais chances de se tornarem adultos fumantes. O uso precoce de narguilé pode ser o primeiro passo para iniciar o tabagismo e o consumo de outras drogas. Quanto mais cedo a pessoa começar a fumar, maiores são as chances do aparecimento de câncer e outras doenças crônicas, além de morte prematura.

Para maiores esclarecimentos sobre o uso de narguilé convencional ou eletrônico, fale com o/a seu/sua médico/a de família ou consulte o/a clínico/a geral ou pneumologista.

Também podem lhe interessar;

Fumar pode causar ejaculação precoce?

Como funciona o adesivo de nicotina para parar de fumar?

Fumar corta o efeito de alguns remédios?

Tenho feridas na boca, o que pode ser?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Existem várias doenças e condições que causam ferida na boca.

Algumas são condições agudas, como pequenos traumas, aftas e infecção local, outras são relacionadas a doenças sistêmicas, como doenças autoimunes, reumáticas ou pode ainda representar um problema mais grave, como o câncer de boca.

Causas de ferida na boca
  • Aftas,
  • Herpes labial,
  • Estomatite,
  • Câncer de boca,
  • Doenças sistêmicas,
  • Leucoplasia e
  • Infecções.
Aftas

As aftas são feridas comumente encontradas na gengiva ou mucosa interna da boca. Trata-se de uma lesão de origem inflamatória, superficial, bastante dolorosa, de bordos elevados, coloração avermelhada com a região do centro mais pálida (esbranquiçada) e tamanhos variados.

Pode ser causada por pequenos traumas, mordeduras, consumo de alimentos ácidos, uso de medicamentos, infecções e viroses.

A afta não é contagiosa e costuma desaparecer espontaneamente. Pode surgir devido à falta de nutrientes na alimentação, baixa imunidade, estresse, infecções ou ainda doenças autoimunes.

Veja também: Quais são as principais causas de aftas e o que fazer para evitá-las?

Aftas Herpes labial

O herpes labial, outra doença comum na população, se apresenta inicialmente com coceira e sensação de queimação na região da boca, até que surgem as vesículas (pequenas bolhas), que se rompem no decorrer de poucos dias, dando lugar a uma ferida.

O lábio é a região mais acometida.

O herpes é altamente contagioso, principalmente na fase em que a lesão está liberando a secreção (líquido do interior das bolhas).

Leia também: Como controlar Herpes Labial?

Herpes Labial Estomatite

A estomatite, é uma inflamação ou infecção na boca secundária a traumas, vírus ou fungos. Pode ocorrer em indivíduos de qualquer idade, embora seja mais frequente em crianças, visto que estão mais expostos a essas situações, além disso, possui um sistema imunológico em amadurecimento.

As feridas e irritação na boca, melhoram espontaneamente após a cicatrização ou término do ciclo normal da virose.

Câncer de boca

As feridas na boca causadas pelo câncer de boca, se caracterizam pela dificuldade na cicatrização e normalmente aumentam de tamanho com o tempo. Ao contrário dos outros machucados na boca, o câncer bucal geralmente não provoca dor ou qualquer outro sintoma.

Também pode lhe interessar: Caroço no céu da boca: o que pode ser?

Doenças sistêmicas

Algumas doenças sistêmicas, como doenças reumáticas, hematológicas ou autoimunes, podem apresentar como um dos seus sinais e sintomas, as feridas ou machucados frequentes dentro da boca. Como o pênfigo, o lúpus, a Doença de Behçet, entre outras.

O pênfigo é uma doença autoimune que provoca lesões dolorosas na boca, podendo se manifestar também na pele. No início, surgem pequenas bolhas que rapidamente se rompem, transformando-se em feridas. A deglutição dos alimentos pode inclusive ser prejudicada, conforme o tamanho das lesões.

Veja também: O que é pênfigo?

Leucoplasia

A leucoplasia é uma ferida encontrada na região interna da boca, acometendo também a língua, de coloração esbranquiçada, associada ao tabagismo, mordeduras na parte interna da boca, ou problemas nas próteses dentárias.

Importante identificar essas feridas, porque uma porcentagem delas pode evoluir para o câncer de boca. Sendo assim, o quanto antes for detectado e tratado, evita uma evolução desfavorável.

As feridas costumam desaparecer quando o hábito de fumar é interrompido, ou a causa resolvida, seja ajuste de próteses ou tratamento das feridas por mordedura.

Infecções

Há ainda o "sapinho", ou candidíase na boca. Uma infecção causada pelo fungo Candida Albicans. Os sintomas são de lesões esbranquiçadas, amareladas ou mesmo avermelhadas, superficiais, na mucosa interna da boca.

As crianças, pessoas imunodeprimidas ou em uso de certos medicamentos, como corticoides e antibióticos, são mais propensos a essa infecção. Por isso devem ter ainda maior cuidado com a higiene bucal durante esse período.

Para detectar as doenças no início, principalmente o câncer bucal, é importante estar atento ao aparecimento de feridas na boca. Lembrando que o câncer geralmente não provoca dor, o que torna esse "autoexame" ainda mais decisivo no diagnóstico precoce da doença.

A presença de qualquer ferida suspeita na boca deve ser avaliada por um médico/a da família ou dentista especialista em estomatologia.

Saiba mais em:

Quais são os sintomas de câncer de boca?

O que é estomatite e quais as causas?

Bolhas na boca, quais as causas?

Deixei de fumar e agora meus intestinos não funcionam...
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Primeiro deve realmente parar de fumar e segundo deve procurar ajuda ou de um médico para te receitar medicamentos ou um psicólogo para fazer psicoterapia e tentar "organizar" essas suas ansiedades. dieta rica em fibras e exercícios físicos regulares vão fazer seu intestino funcionar bem depois que resolver o restante.

Quais os riscos para fumante passivo?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Os riscos para o fumante passivo são:

  • Agravamento dos sintomas de doenças e problemas respiratórios, como asma, rinite e sinusite;
  • Maiores chances de desenvolver doenças cardiovasculares, podendo ser até duas vezes maior em fumantes passivos do que em não-fumantes que não se expõem à fumaça do cigarro;
  • Aumento dos riscos de acidente vascular cerebral (AVC) devido a uma chance maior de formação de coágulos na corrente sanguínea, provocados pelos componentes do cigarro;
  • Maiores riscos de desenvolver câncer de pulmão.

Os fumantes passivos com maiores riscos de serem prejudicados são indivíduos com problemas respiratórios, cardiovasculares, de hipercoagulabilidade do sangue ou com histórico dessas doenças na família. 

No caso das crianças, o risco de infecções como rinite, otite e sinusite é dobrado quando a mãe é fumante, chegando a ser 75% maior quando o pai também fuma. 

Durante a gravidez, o fumo passivo irá afetar o desenvolvimento neurocomportamental do feto, como resultado da exposição à nicotina, uma substância presente no cigarro e que está 3 vezes mais concentrada na fumaça que sai da ponta do cigarro, uma vez que esta não é filtrada.

A nicotina reduz a oxigenação dos tecidos, podendo levar a uma pré-disposição para a criança desenvolver problemas neurológicos, como déficit de atenção, comportamento agressivo e complicações neuromotoras.

Além disso, uma grávida que é fumante passiva pode ter outras complicações, como baixo peso do recém-nascido, partos prematuros, comprometimento da troca de nutrientes e oxigênio entre mãe e feto, além de interrupção da gravidez.

Também pode lhe interessar: 

Quais são os efeitos da nicotina no organismo?

Como funciona o adesivo de nicotina para parar de fumar?

Parei de fumar, ainda tenho riscos de doenças pulmonares?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

O pulmão vai limpar em parte, mas nunca será igual ao pulmão de um não fumante e sempre ficará com um risco maior para doenças pulmonares (incluindo o câncer), claro que quem parou de fumar esse risco será bem menor do que o risco de alguém que continua fumando.