Perguntar
Fechar

Hérnia hiatal tem cura? Qual o tratamento?

Hérnia hiatal tem cura. O tratamento da hérnia de hiato é baseado em: mudanças no estilo de vida, uso de medicamentos específicos e cirurgia.

Nos casos mais leves de hérnia hiatal, em que a pessoa apresenta poucos sintomas, podem ser prescritos apenas mudanças nos hábitos de vida e orientações alimentares. Nos casos de hérnias volumosas ou que não respondem ao tratamento inicial pode ser indicado cirurgia.

Mudanças no estilo de vida

  1. Evitar alimentos gordurosos, condimentados ou ácidos e frituras, além de doces e pão branco. Bebidas alcoólicas, cigarro, café, cítricos e bebidas com gás também devem ser evitados.
  2. A dieta deve contemplar alimentos como frutas, verduras, vegetais e fibras.
  3. Evitar líquidos durante as refeições.
  4. Evitar comer em excesso próximo da hora de dormir e fazer a última refeição pelo menos duas horas antes de se deitar.
  5. Realizar refeições menores, mais leves e mais vezes durante o dia.
  6. Praticar exercícios físicos, pelo menos 40 minutos, 5 vezes por semana.
  7. Perder peso é outra medida importante, procurando manter o índice de massa corporal (IMC) igual ou menor que 25.
  8. Para dormir, o travesseiro indicado deve ser alto ou deve-se elevar ligeiramente a cabeceira da cama, cerca de 30º.

Tratamento medicamentoso da hérnia hiatal

Os medicamentos usados para tratar a hérnia hiatal são indicados quando a pessoa não apresenta melhora dos sintomas apenas com as mudanças nos hábitos.

O tratamento nesses casos consiste no uso de antiácidos ou inibidores da bomba de prótons, que reduzem a acidez gástrica. O tempo mínimo de tratamento são oito semanas.

Cirurgia para hérnia hiatal

O tratamento cirúrgico da hérnia de hiato pode ser feito por laparoscopia. A cirurgia é indicada para casos de hérnias de hiato volumosas ou quando não respondem ao tratamento inicial, como as devidas mudanças dos hábitos de vida e tratamento clínico.

A cirurgia pode ser uma opção para pacientes que por outras razões (ordem pessoal, econômica ou intolerância), acham-se impossibilitados de dar continuidade ao tratamento clínico.

Casos de esofagite grave, estenose de esôfago ou esôfago de Barrett (transformação das células do esôfago devido às constantes lesões na mucosa esofágica causadas pelo refluxo) também podem necessitar de cirurgia.

O que é hérnia de hiato?

A hérnia do hiato é a passagem de uma parte do estômago pelo músculo diafragma, levando à formação de uma protuberância na cavidade torácica.

O diafragma separa o abdômen do tórax. Por ele passa o esôfago, antes de se ligar ao estômago, através de uma abertura chamada hiato diafragmático.

Assim, o estômago está localizado abaixo do diafragma, na cavidade abdominal, enquanto o esôfago está acima do diafragma, no tórax.

O posicionamento do tubo digestivo em relação ao diafragma pode variar um pouco, conforme a posição do corpo, a pressão no abdômen e a respiração.

A hérnia hiatal ocorre quando uma parte do estômago extravasa através do orifício por onde passa o esôfago, o hiato diafragmático.

Quais as causas da hérnia de hiato?

A hérnia de hiato pode ser um defeito presente desde o nascimento, com a característica de um diafragma mais fraco, podendo levar à formação de um hiato diafragmático muito largo, assim permitindo a passagem de parte do estômago por ele.

Decorrentes de traumatismos no tórax ou no abdômen. Outros são causados por esôfago mais curto que o normal, ou mesmo pelo aumento da pressão abdominal, como na obesidade ou na gestação por exemplo.

O esforço para vomitar pode levar à formação temporária de uma hérnia de hiato, assim como tosse intensa, espirros prolongados, esforço para evacuar e levantamento de peso. Todas essas situações aumentam a pressão no interior do abdômen, que empurra o estômago para o tórax.

Portanto existem as hérnias de hiato que estão presentes desde o nascimento (congênitas), porém é mais comum em adultos com mais de 60 anos de idade e obesos.

Quais são os sintomas da hérnia de hiato?

A maioria dos casos de hérnia de hiato não existem sintomas ou quando estão presentes, costumam ser pouco relevantes.

Isso acontece porque para que ocorra a regurgitação é necessário que haja também um defeito no funcionamento do músculo localizado no final do esôfago, que desempenha a função de impedir o retorno desse conteúdo, é o esfíncter esofagiano inferior.

Contudo, quando a hérnia é grande ou existe uma deficiência nesse esfíncter, encontramos como sintomas mais comuns a azia, mau hálito, dor no peito, a regurgitação (passagem de conteúdo do estômago para a garganta). Se a hérnia for grande, pode dificultar inclusive a passagem dos alimentos, causando dificuldade em engolir (disfagia).

A dor no peito às vezes é tão intensa que se assemelha a dor de um infarto agudo do miocárdio.

O refluxo do material ácido do estômago para o esôfago pode lesionar a parede do órgão, já que a parede do esôfago não está preparada para aquela acidez.

No entanto, se houver estrangulamento da hérnia, ou seja, se parte do estômago ficar encarcerada ou comprimida pelo diafragma, pode haver uma diminuição da irrigação sanguínea e consequente necrose da parede do órgão, que causa dor abdominal intensa e incapacitante. Trata-se de uma complicação grave, que provoca dor intensa e necessita de intervenção cirúrgica com urgência, podendo levar ao óbito se não tratada a tempo.

Raramente acontece quadros de lesão com hemorragia na parede da hérnia.

Em caso de suspeita de hérnia de hiato, um/a médico/a clínico/a geral, médico/a de família ou um gastroenterologista deverá ser consultado para avaliação, diagnóstico e tratamento correto.

Leia também: Hérnia de hiato pode causar boca amarga?