Perguntar
Fechar

Quais os sintomas da Doença de Parkinson?

Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Os sintomas da doença de Parkinson são compostos basicamente por 4 sinais principais:

  1. Tremores, unilateral, geralmente é o primeiro sintoma e o mais conhecido;
  2. Bradicinesia, caracterizado por lentidão nos movimentos voluntários;
  3. Rigidez, principalmente nas articulações e
  4. Instabilidade postural, episódios de desequilíbrio, relato de quedas frequentes.

Além dos quatro sinais principais, o parkinsoniano pode apresentar ainda, alterações na fala, na forma de andar, e sintomas chamados de "não-motores". São sintomas menos correlacionados ao Parkinson, porém são frequentes e tão incapacitantes quanto os sintomas motores, popularmente conhecidos, o tremor e a rigidez.

Em geral, o sinal inicial da doença, é um ligeiro tremor em uma das mãos, mais intenso durante o repouso, semelhante ao "contar de moedas". Normalmente o tremor melhora quando a pessoa movimenta voluntariamente o membro afetado e pode desaparecer durante o sono.

Os sintomas iniciais do Parkinson, são unilaterais, no caso de surgirem nos dois lados de forma simétrica, fala contra esse diagnóstico, embora com a evolução da doença, ambos os lados sejam acometidos.

Sintomas do Mal de Parkinson

A bradicinesia, ou a lentidão em iniciar um movimento, atrapalha bastante o dia a dia da pessoa, pois atitudes simples, como o levantar de uma cadeira, ou iniciar a marcha estão prejudicados. Movimentos que necessitam de maior destreza também, por exemplo, a escrita, o manuseio de talheres ou abotoar a roupa.

A rigidez, sintoma como o nome já diz, torna a pessoa rígida, "endurecida", dificultando diversas atividades práticas do dia a dia, tanto atividades laborais quanto de lazer. Os movimentos se tornam cada vez mais penosos.

A instabilidade postural, prejudica ainda mais a marcha, o caminhar da pessoa com Parkinson. Qualquer movimento mais brusco, ou pisar em falso, que necessite de um controle rápido do corpo, leva a um grande desequilíbrio ou a queda.

Dentre as alterações encontradas na marcha, é comum a presença de passos curtos e pouco balanço dos braços, o que prejudica na estrutura da coluna, levando a uma cifose, perda do centro de gravidade, causando grande insegurança no caminhar e quedas frequentes.

Na fala, com a evolução da doença, os familiares, que são os primeiros a perceber, referem certa dificuldade em ouvir a voz do paciente, pela redução do tom de voz e aos poucos, as palavras parecem mais "emboladas". A fala pode se tornar confusa pela lentificação dos movimentos dos músculos da face e da língua.

A expressão facial do paciente parkinsoniano pode ficar mais "paralisada", pelo mesmo motivo da fala, lentificação dos músculos da face, se tornando pouco expressiva.

Por fim, os sintomas chamados sintomas não-motores, rotineiros na doença de Parkinson, estão presentes desde o início, embora pouco negligenciados pelos próprios pacientes. São sintomas que merecem atenção e tratamento conjunto imediato, pois interferem diretamente na qualidade de vida da pessoa. Podemos citar como sintomas mais comuns:

  • Distúrbio do sono, sonolência diurna intensa e incapacitante;
  • Alterações no trânsito gastrointestinal, constipação e azia são queixas comuns;
  • Sialorreia, salivação excessiva, por vezes causando constrangimento no ambiente social da pessoa;
  • Distúrbio de humor, ansiedade e depressão são sintomas geralmente associados a doença de Parkinson;
  • Fadiga, cansaço a pequenos e médios esforços, sem que outras doenças ou situações justifiquem os sintomas;
  • Sudorese intensa;
  • Disfagia, dificuldade de deglutir, acontece nos estágios avançados da doença;
  • Distúrbios de memória, sintoma comum também nos estágios mais avançados, podendo chegar à demência da doença de Parkinson.

Para que a doença de Parkinson seja diagnosticada, não é necessário que todos os sintomas da estejam presentes. Existem critérios diagnósticos bem definidos para essa doença, os quais devem ser avaliados e aplicados pelo/a médico/a neurologista.

A Doença de Parkinson geralmente se instala de forma lenta e progressiva, em torno dos 60 anos de idade. Contudo, cerca de 10% dos casos ocorre antes dos 40 anos (parkinsonismo de início precoce) e mais raramente em pessoas com menos de 21 anos (parkinsonismo juvenil).

Qual a causa da Doença de Parkinson?

A doença de Parkinson ocorre devido a uma diminuição de dopamina, um neurotransmissor que atua como um mensageiro químico nas áreas cerebrais responsáveis pelos movimentos.

Essa redução dos níveis de dopamina ocorre devido à morte das células cerebrais que produzem a substância. Os sintomas da doença só começam a se manifestar quando ocorre a morte de pelo menos 80% dessas células.

Porém, a razão por que em algumas pessoas essas células morrem e em outras não, ainda não é conhecida. Existem fatores de risco para se desenvolver a doença, como história de Mal de Parkinson na família, exposição a pesticidas ou toxinas industriais e o envelhecimento natural.

Como a dopamina controla a atividade dos músculos, os sintomas do Parkinson estão diretamente relacionados com os movimentos. Há ainda outros sintomas que se manifestam no sono, no sistema nervoso autônomo, na fala e memória dos pacientes.

Doença de Parkinson tem cura? Qual é o tratamento?

A doença de Parkinson não tem cura. Porém, é possível controlar os sintomas através de medicamentos específicos, além de retardar a evolução da doença. O tipo de tratamento depende sobretudo do estágio em que se encontra e dos sintomas mais prevalentes.

Uma das medicações usada para tratar a doença de Parkinson estimula a permanência de dopamina na fenda sináptica, área do cérebro em que ela atua, desde que o cérebro ainda tenha as células produtoras.

Outros tipos de medicamentos procuram reproduzir a ação da dopamina no cérebro, enquanto outros impedem a sua degradação, prolongando a sua ação no cérebro.

Existem ainda opções de tratamentos cirúrgicos aprovados e consolidados, com excelentes resultados quando indicados no tempo ideal para sua realização.

Apesar de não ter cura, com o tratamento adequado é possível controlar a doença de Parkinson, permitindo manter os sintomas sob controle e melhorando a qualidade de vida do paciente.