Perguntar
Fechar

HIV

É possível pegar HIV ao comer um alimento contaminado?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Não é possível pegar HIV ao comer um alimento contaminado.

transmissão do HIV pode ocorrer através de:

  • Relações sexuais desprotegidas com quem tenha o vírus HIV;
  • Transfusão de sangue contaminado com o vírus;
  • De mãe para filha/o durante gestação, parto ou pós parto;
  • Compartilhar agulhas contaminadas;
  • Acidente de trabalho com material cortante contaminado.

HIV é o vírus que afeta o sistema imune das pessoas podendo causar a AIDS, Síndrome da Imunodeficiência Adquirida. Nem toda pessoa que tem o vírus HIV irá desenvolver a AIDS. Isso pode ser manejado com o controle e acompanhamento do tratamento.

As formas de prevenção do HIV consistem em:

  • Uso de preservativo em todas as relações sexuais;
  • Realização do pré-natal;
  • Uso de seringas e agulhas descartáveis;
  • Uso de equipamentos de proteção em ambientes de trabalho.

O vírus HIV NÃO é transmitido através de:

  • Talheres ou pratos;
  • Picadas de inseto;
  • Abraço ou aperto de mão;
  • Vasos sanitários;
  • Piscina;
  • Praia;
  • Doação de sangue;
  • Beijo;
  • Masturbação.

Em caso de dúvidas, procure uma Unidade de Saúde mais próxima de você.

Também pode ser do seu interesse: É possível pegar HIV através de uma mordida de pessoa infetada?

É possível pegar HIV através de uma mordida de pessoa infetada?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Não. O vírus HIV não é transmitido pela saliva, portanto não pode ser transmitido por uma mordida de pessoa infectada.

Apesar de testes recentes serem capazes de identificar anticorpos contra HIV na mucosa da boca e saliva, estudos comprovam que a quantidade desse vírus é baixa e outros fatores como o contato constante com ar, alimentos e presença de enzimas digestivas, impedem a transmissão do HIV.

Entretanto vale ressaltar, que o número de pessoas contaminadas pelo vírus HIV vem aumentando mais uma vez no Brasil. Esse tema está sendo discutido, principalmente para que novas campanhas sejam iniciadas e efetivas, tanto para esclarecimentos e incentivo na prevenção, como para estabilizar mais uma vez os índices de contaminação no país.

As formas de contaminação de HIV são:

  • Relações sexuais desprotegidas;
  • Transfusão de sangue;
  • Transmissão de mãe para filha/o durante gestação, parto, ou aleitamento materno;
  • Compartilhamento de agulhas ou
  • Acidente de trabalho com material perfuro-cortante (agulhas e seringas) contaminado.

Portanto, atualmente está indicado a realização do teste anti-HIV para todas as pessoas, principalmente sexualmente ativas, ou com comportamento de maior risco, por exemplo, quem não usa regularmente preservativos ou usuário de drogas injetáveis.

O teste é oferecido gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Saiba mais em:

Como pode ocorrer a transmissão do HIV?

Como é feito o exame do HIV?

Tive relação sexual sem proteção... queria fazer exames!
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

O vírus HIV pode ser adquirido pelo sexo oral desprotegido.

Quando houve risco de transmissão do vírus, a pessoa pode realizar o exame de sangue para detecção do vírus HIV.

Esse teste é oferecido gratuitamente pelo SUS (Sistema Único de Saúde) e também pode ser feito de forma paga nos laboratórios privados.

Durante uma relação sexual desprotegida, outras doenças podem ser transmitidas como a sífilis, hepatite, gonorreia, etc.

Por isso, é muito importante se prevenir utilizando o preservativo em todas as relações sexuais.

Caso você apresente alguma alteração como corrimento genital, coceira, aparecimento de verrugas, inchaço na virilha ou gânglios, procure o/a médico/a de família ou clínico/a geral para uma avaliação.

Leia também:

Onde posso fazer o exame do HIV?

Como pode ocorrer a transmissão do HIV?

Como é feito o exame do HIV?

Qual o tempo de incubação do HIV?

Portador do vírus HIV pode não apresentar sintomas?

Quais os sintomas do HIV?

Ser portador de HIV pode diminuir a libido?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

A pessoa portadora de HIV pode ter uma diminuição da libido. Isso pode ocorrer por  alterações psicológicas causadas pelo fato de saber que é portador do HIV ou devido ao uso de medicamentos que provocam distúrbios endocrinológicos. O diagnóstico da presença do vírus (HIV) causa um enorme impacto psicológico na pessoa podendo levar a vários distúrbios como depressão, estresse, ansiedade e perda ou diminuição da libido.

O HIV provoca uma perda na capacidade de reação do organismo aos agentes causadores das doenças (bactérias, fungos e vírus). Alguns dos medicamentos usados no seu tratamento (terapia antirretroviral) podem causar distúrbios hormonais que afetam a libido e a capacidade de ereção (disfunção erétil). Os medicamentos usados para tratamento da depressão e das alterações dos triglicérides também podem causar a redução do desejo sexual.

A perda da libido é um sintoma comum nas pessoas portadoras do HIV, por isso esse problema deve ser discutido com o médico infectologista e a equipe multidisciplinar, que poderão auxiliar na resolução desse problema.

Onde posso fazer o exame do HIV?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

O exame do HIV pode ser feito gratuitamente nas Unidades de Saúde do Sistema Único de Saúde (SUS), Maternidades, Hospitais e Centros de Testagem e Aconselhamento (CTA).

O exame também pode ser feito nos laboratórios privados, mas nesse caso não é gratuito.

O exame do HIV pode ser feito de forma anônima e o resultado é exclusivamente de acesso pessoal e intransferível. O exame pode ser feito inclusive sem a solicitação médica.

O vírus HIV pode ser transmitido a partir de relações sexuais desprotegidas (não usando preservativo), ao compartilhar agulhas e seringas contaminadas e instrumentos cortantes não esterilizados, em acidentes de trabalho dos profissionais de saúde, de mãe para filho e em transfusão de sangue.

Prevenir-se é a melhor forma de evitar a contaminação com o vírus do HIV.

Leia também:

Como é feito o exame do HIV?

Qual o tratamento do HIV?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

O tratamento do HIV é feito com medicações antirretrovirais em formato de comprimidos que a pessoa faz uso diariamente, também conhecidas como Terapia Antirretroviral.

A quantidade de comprimidos usada pela pessoa será de acordo com os tipos de medicações escolhida.  

O objetivo do tratamento é aumentar a sobrevida dos portadores do vírus HIV impedindo a multiplicação do vírus no organismo e melhorando o sistema imune da pessoa. O HIV/AIDS ainda não tem cura, mas havendo um acompanhamento correto do tratamento, a pessoa pode viver com uma boa qualidade de vida.

HIV é o vírus que afeta o sistema imune das pessoas podendo causar a AIDS, Síndrome da Imunodeficiência Adquirida. Nem toda pessoa que tem o vírus HIV irá desenvolver a AIDS. Isso pode ser manejado com o controle e acompanhamento do tratamento.

Durante o tratamento, a pessoa é acompanhada pela equipe de infectologia e realizará exames frequentes para avaliar a resposta do seu sistema de defesa, bem como monitorar a carga do vírus.

Em alguns casos, a pessoa que está em tratamento pode apresentar algumas complicações, como a elevação do colesterol e da glicemia. Essas complicações serão tratadas de acordo com a necessidade de cada paciente.

Além disso, quando a imunidade está baixa, podem aparecer infecções oportunistas, como a herpes e a toxoplasmose, devendo realizar tratamentos preventivos específicos para cada situação.

Leia também:

Como pode ocorrer a transmissão do HIV?

Quais os sintomas do HIV?

Como é feito o diagnóstico do HIV?

HIV tem cura?

HIV e Tuberculose: Quais os riscos?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

O principal risco de uma pessoa com HIV contrair tuberculose é que nos casos de coinfecção (HIV + tuberculose) a tuberculose pode se manifestar de forma menos típica, mais grave e com um diagnóstico mais difícil, o que pode ser potencialmente fatal.

Outra complicação da tuberculose é que ela pode se desenvolver no cérebro (neurotuberculose), sendo a 3ª causa de complicações neurológicas em pacientes HIV positivos. Na maioria dos casos, a doença provoca meningite.

A neurotuberculose é altamente letal e, mesmo com uma boa adesão ao tratamento, cerca de metade das pessoas com HIV que desenvolvem essa forma de tuberculose morre.

Qual a relação entre HIV e tuberculose?

A tuberculose é a principal doença oportunista entre os indivíduos HIV positivos, ou seja, ela se aproveita do sistema imunológico debilitado para se desenvolver.

Além disso, o HIV é o fator de risco mais importante para o desenvolvimento da tuberculose. 

A prevenção e o diagnóstico precoce da tuberculose em pacientes soropositivos/as são fundamentais para evitar mortes e complicações.

A identificação dos casos de coinfecção por tuberculose torna-se mais difícil, uma vez que o exame de escarro em pessoas com HIV pode dar negativo com mais frequência do que naquelas que não têm o vírus.

Como é o tratamento em casos de tuberculose com HIV?

O tratamento da tuberculose em pacientes infectados/as pelo HIV é um desafio devido às interações medicamentosas entre os remédios usados para tratar a tuberculose e o HIV, além dos efeitos colaterais a ambos os tratamentos.

Enquanto que o tratamento do HIV é feito com medicamentos antirretrovirais, o da tuberculose é feito com antibióticos, uma vez que a doença é causada por bactéria (bacilo de Koch).

Em geral, pessoas com o sistema imune muito suprimido pelo HIV podem apresentar melhora dos sintomas da tuberculose ao início do tratamento, seguida de piora dos sintomas.

Isso porque, enquanto o tratamento do HIV melhora a imunidade, o organismo começa a combater a tuberculose. Essa "luta" contra a infecção pode aumentar a inflamação e piorar os sintomas que estavam melhorando. Contudo, trata-se de uma piora transitória, que reflete a melhora da imunidade.

Por isso é fundamental tratar o HIV para manter uma boa imunidade, pois assim o risco de contrair tuberculose diminui. Além disso, a tuberculose tem cura, mesmo em pacientes com HIV.

O tratamento da tuberculose e do HIV são da responsabilidade do médico infectologista.

Leia também:

Qual o tratamento do HIV?

Sintomas da Tuberculose

HIV e AIDS
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

1 - Estou preocupado e gostaria de saber se tenho ou não o vírus, o que fazer?

Deve procurar um médico, e realizar os exames para HIV, deve fazer um exame agora e outro em 6 meses (o exame de HIV pode demorar entre 1 a 4 meses para dar positivo após o contágio).

2 - Quanto tempo depois da relação, posso fazer um exame de HIV e ter certeza que não vai mais positivar?

Qualquer período maior que 6 meses entre o "possível contágio" e o exame é a garantia de que, se o exame for negativo, você realmente não tem HIV.

Anfotericina e Efeitos colaterais em HIV positivos
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Febres e calafrios são sintomas comuns durante e após o tratamento feito com anfotericina B, portanto, é possível que esses sintomas sejam ainda decorrentes do uso dessa medicação.

Outros efeitos colaterais comuns da anfotericina B são:

  • Febre;
  • Calafrios;
  • Dor no local da injeção;
  • Coceira;
  • Reações alérgicas, com aparecimento de manchas ou lesões na pele (rash);
  • Mal-estar;
  • Taquicardia ("batedeira");
  • Respiração ofegante;
  • Aumento da pressão arterial.

Desde que ele não haja nenhuma contraindicação, os efeitos adversos como febre e calafrios podem ser controlados com o uso de algum antipirético como a dipirona.

Contudo, como o seu amigo é HIV positivo, esses sintomas também podem ser de uma infecção secundária decorrente do HIV. É importante estar atento a outros sinais e sintomas, e a uma possível piora do estado geral.

Se o estado geral se mantiver bom e os sintomas estiverem mais amenos, pode-se aguardar mais alguns dias para resolução espontânea desses sintomas. Caso ele esteja muito debilitado, o ideal é procurar um serviço de saúde.

Leia também:

Meningite deixa sequelas?

Soropositivo que teve meningite meningocócica pode ficar com sequelas?

Posso usar M-Drol tendo HIV?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

O M-Drol não pode ser usado por quem tem o HIV. A pessoa que é HIV positivo, mesmo que não tenha as complicações da AIDS, têm um maior risco para desenvolver doenças no fígado e por isso não deve tomar o M-DROL ou qualquer tipo de anabolizante esteróide que podem causar problemas nesse órgão. 

Além disso, os anabolizantes podem levar à infertilidade no homem, aumento de pelos e voz grossa na mulher (virilização), crescimento das mamas no homem (ginecomastia), alteração nos níveis de colesterol no sangue, aumento do risco para ataque do coração (infarto), derrame cerebral (AVC) e morte.

M-Drol é um anabolizante cujo uso é proibido no Brasil e nos Estados Unidos da América do Norte. O infectologista pode orientar sobre o uso de produtos para melhorar o desenvolvimento da musculatura em pessoa com HIV positivo.

Poderia tomar o medicamento Gerilon?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

O Gerilon é uma medicação que contém varias vitaminas, minerais e ginseng. 

Ela é contra indicada nos casos de: 

  • Úlcera gastroduodenal (no estômago e parte do intestino); 
  • Dietas com restrição de sal; 
  • Deficiências vitamínicas graves; 
  • Uso de medicamentos que alterem a função cognitiva; 
  • Hipersensibilidade a algum componente do produto. 

Não havendo essas situações, a pessoa pode consumir o Gerilon. 

No caso exemplificado na pergunta (portador do vírus HIV), não há uma contra indicação específica a essa situação, porém, se a pessoa apresentar alguma dessas outras situações acima, ela não deve usar o Gerilon. 

Toda medicação deve ser usada apenas com indicação e receita médica.  

Meu namorado é portador de HIV e teve certos sintomas. O que pode ser?

Os sintomas que o seu namorado portador de HIV apresenta são bastante genéricos. Como ele tem HIV, é importante saber se há febre ou algum outro sinal ou sintoma de infecção, como gânglios linfáticos aumentados (nódulos), o que seria mais preocupante.

Se ele não tiver febre ou outro sinal de infecção, ele pode ter acordado com hipoglicemia, ou seja, com pouco açúcar no sangue, e isso não tem relação com o HIV.

Pode ser que ele tenha dormido muitas horas e tenha comido pouco na última refeição, o que pode tem baixado os níveis de glicose (açúcar) no sangue dele.

A hipoglicemia pode causar os seguintes sinais e sintomas:

  • Indisposição;
  • Irritabilidade;
  • Dor de cabeça;
  • Sonolência;
  • Sudorese;
  • Tremores;
  • Calor;
  • Fome;
  • Batimentos cardíacos acelerados;
  • Dormência nos lábios, braços ou pernas.

Leia mais sobre o assunto em: Quais as causas e sintomas da hipoglicemia?

Se for mesmo hipoglicemia, basta comer um doce, um pão, uma fruta ou beber um suco que tenha açúcar para os níveis de glicose voltarem a subir e ele começar a se sentir melhor.

Caso os sintomas persistam, o melhor é procurar um médico para que a origem desses sintomas sejam investigadas.

Também pode ser do seu interesse: Quais os sintomas do HIV?