Perguntar
Fechar

Saliva

Saliva em excesso, o que pode ser?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

Saliva em excesso pode ser causada por distúrbios variados que influenciam tanto no aumento da sua produção, quanto na dificuldade para ser engolida. Principalmente nos primeiros meses de gravidez, pode ocorrer a salivação excessiva, ptialismo ou sialorreia. Esse sintoma está relacionado à presença de náuseas e vômitos que, provavelmente, levam a gestante à dificuldades para engolir a saliva, e que desaparece no decorrer da gestação, com a melhora dos enjoos. A sua causa não está bem esclarecida, podendo ser originada por  motivos psicológicos ou hormonais.

A saliva é produzida para auxiliar a digestão dos alimentos. As glândulas salivares, que estão localizadas próximas à boca, produzem e eliminam a saliva conforme a necessidade para a digestão, porém isso pode ser alterado na presença de: inflamações na boca, estomatites, dentes nascendo ou mal adaptados à boca (próteses, dentaduras), refluxo gastroesofágico, infecção na garganta, uso de medicações como o Clonazepan,  Ketamina, Clozapine e Cloreto de potássio, infecção no pâncreas, distúrbios no fígado e intoxicações.

Algumas causas mais frequentes para a dificuldade para engolir e manter a saliva na boca:

  • sinusites crônicas e agudas,
  • amigdalites e infecções na garganta,
  • alergias,
  • adenoides aumentadas de tamanho,
  • tumores ou outros distúrbios que possam afetar os movimentos dos lábios e da língua,
  • ​distúrbios no sistema nervoso que afetem a capacidade para engolir (deglutição).

A salivação excessiva deve ser tratada segundo sua causa e o clínico geral é o médico indicado para a avaliação inicial  do problema.

Saliva em excesso, o que fazer?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

A saliva em excesso pode ser controlada ou curada por meio do diagnóstico e tratamento da sua causa, que pode estar relacionada à distúrbios que provocam um aumento da sua produção ou que dificultam sua deglutição (capacidade de engolir). 

Nos primeiros meses de gravidez pode ocorrer salivação excessiva, ptialismo ou sialorreia. Esse distúrbio está relacionado à presença de náuseas e vômitos que, provavelmente, levam a gestante a ter dificuldade para engolir a saliva, mas que desaparece no decorrer da gestação. A causa desse sintoma não está bem esclarecida, podendo ser originada por alterações hormonais ou psicológicas.

Algumas medidas que podem ajudar a redução da salivação durante a gravidez:

  • procurar fazer várias refeições durante o dia, com porções pequenas e intervalos regulares,
  • procurar reduzir a ingestão de alimentos com amido na sua composição, como pão, batata, bolo e bolacha,
  • comer menos frutas cítricas e pepino,
  • evitar comer e deitar-se; procurar fazer pequenas caminhadas após alimentar-se.

Outras causas para o aumento da produção de saliva são: inflamações na boca, estomatites, dentes nascendo ou mal adaptados à boca (próteses, dentaduras), refluxo gastroesofágico, infecção na garganta, uso de medicações como o clonazepan,  ketamina, clozapine e cloreto de potássio, infecção no pâncreas, distúrbios no fígado e intoxicações.

Algumas causas que provocam dificuldade para engolir e manter a saliva na boca são: sinusites agudas e crônicas, amigdalites e infecções na garganta, alergias, adenoides aumentadas de tamanho, tumores ou outros distúrbios que possam afetar os movimentos dos lábios e da língua e distúrbios no sistema nervoso que afetem a capacidade para engolir (deglutição).

Através da resolução desses problemas é possível reduzir a salivação intensa. A escovação dos dentes e língua, bem como o uso de enxaguatórios ou anti-sépticos bucais, pode ter um efeito de  redução de produção de saliva para algumas pessoas.

A salivação excessiva deve ser avaliada por um clínico geral, que poderá orientar o tratamento inicial.

Tenho acordado com a boca cheia de saliva. O que pode ser?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Produção excessiva de saliva ao acordar é um distúrbio chamado hipersalivação matinal idiopática. O excesso de saliva pode ter muitas causas, como inflamações e infecções orais, refluxo gastroesofágico, doenças neurológicas (Parkinson, paralisia cerebral), pressão alta e uso de medicamentos.

Outras causas frequentes de hipersalivação incluem gravidez, doenças no fígado, úlceras orais, radioterapia e intoxicação por metais pesados, como mercúrio e chumbo.

A hipersalivação também pode ser causada por fraqueza ou falta de controle dos músculos faciais, da língua, boca ou garganta, o que dificulta a deglutição de saliva, ainda que a produção não seja excessiva. 

Dentre os medicamentos que podem aumentar a produção de saliva estão os tranquilizantes e os anticonvulsivantes.

A hipersalivação em geral pode ser controlada engolindo a saliva. Contudo, quando há algum distúrbio sensorial, o organismo não reconhece o excesso de saliva produzido. Já nos casos em que há perda ou falta de controle da musculatura, a pessoa não consegue deglutir a saliva.

Outras causas menos comuns para a hipersalivação são a macroglossia (língua aumentada) e cirurgias na cabeça e pescoço.

Para diagnosticar a causa da sua hipersalivação matinal e definir o tratamento adequado, é necessário agendar consulta com médico clinico geral, médico da família ou estomatologista.

Leia também:

Saliva em excesso, o que pode ser?

Garganta inflamada o que fazer?

Caseum pode ser transmitido pelo beijo e pela saliva?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Não, caseum não pode ser transmitido pelo beijo e pela saliva, não se transmite de pessoa para pessoa.

Na verdade o caseum é o resultado do acúmulo de restos de alimentos em pequenos orifícios encontrados em alguns tipos de amígdalas. Esses restos de comida e a própria descamação da mucosa que recobre a amígdala entram em decomposição e "apodrecem" nesses espaços.

Assim surgem os cáseos amigdalianos, que são pequenos pontinhos ou bolinhas amareladas ou esbranquiçadas depositas nas amígdalas.

Apesar de ser confundido com pus, o caseum não possui pus na sua composição e não provoca infecção de garganta, na maioria das vezes, mas causa mau hálito excessivo, que pode interferir de forma bastante desagradável na vida pessoal e social de quem o possui.

Para tratar adequadamente os cáseos, consulte um/a médico/a otorrinolaringologista.

Leia também:

O que é caseum e quais os sintomas?

Caseum tem cura? Qual o tratamento?

Estou com bolinhas brancas na garganta. O que pode ser e o que fazer?