10 alimentos que vão ajudar a baixar o colesterol

Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Os alimentos que ajudam a baixar o colesterol são aqueles ricos em fibras, pobres em gordura animal e também os que aumentam o colesterol HDL, também conhecido como bom colesterol.

As fibras são importantes para diminuir a absorção de gorduras pelo intestino, podendo reduzir o colesterol em até 15%. As gorduras de origem animal são fontes de colesterol, portanto devem ser evitadas. Já o colesterol HDL (bom colesterol) remove o excesso de colesterol ruim (LDL) do sangue, daí a importância de manter seus níveis mais elevados.

10 alimentos que auxiliam na redução do colesterol ruim

1. Aveia

Contém fibras que ajudam a baixar o LDL (colesterol "ruim"). A aveia pode ser misturada com frutas, iogurte (desnatado) ou utilizada para fazer pães.

2. Frutas

São uma fonte natural de fibras e devem ser consumidas com casca, sempre que possível. Dentre as mais indicadas para baixar o colesterol estão a maçã, laranja, tangerina, goiaba, mamão, pêssego, pera e ameixa.

3. Hortaliças

Verduras e legumes são alimentos que devem ser consumidos todos os dias por quem tem colesterol alto, por serem ricos em fibras.

4. Leguminosas

Feijão, grão-de-bico, lentilha e ervilha são excelentes fontes de fibras, devendo também fazer parte da dieta diária.

5. Sementes de Linhaça

São sementes que possuem ômega 3 e 6, aumentando o HDL (colesterol "bom"). Importante que as sementes sejam trituradas no liquidificador antes de serem consumidas, para sua absorção no intestino.

6. Peixes gordos

Sardinha, atum, salmão, arenque, são chamados peixes "gordos", são ricos em ácidos graxos ômega 3, por isso elevam os níveis sanguíneos do colesterol bom. Devem ser consumidos no máximo 3x por semana. São excelentes fontes para redução de LDL e aumento de HDL.

7. Azeite de oliva

Possui gorduras monoinsaturadas, que aumentam o colesterol bom (HDL). Lembrando que o azeite deve ser utilizado "cru", seja para temperar saladas ou diretamente sobre os alimentos depois de preparados. Frituras, mesmo feitas com azeite de oliva, são prejudiciais, pois elevam mais os níveis de colesterol ruim.

8. Oleaginosas

Castanhas, nozes, amêndoas, avelãs e pistache são fontes de gorduras vegetais insaturadas, ou seja, gorduras saudáveis que elevam o colesterol bom e ajudam a reduzir o ruim. Esses alimentos devem ser consumidos com moderação devido ao seu alto teor calórico.

9. Soja

Contém fitosterol e ácido linolênico, substâncias que podem baixar o colesterol. Uma das melhores formas de consumir soja e usufruir dos seus benefícios é através do consumo da proteína de soja.

10. Abacate

Também é fonte de gordura saudável, portanto aumentando o HDL e reduzindo o LDL. Por ser rico em gorduras, o abacate é bastante calórico e o seu consumo deve ser moderado.

Apesar desses alimentos auxiliarem no tratamento para reduzir o colesterol ruim, eles não substituem de forma alguma os medicamentos, quando prescritos pelo/a médico/a.

Qual é o tratamento para colesterol alto?

O tratamento para baixar o colesterol é baseado em três pontos principais:

  1. Dieta, deve ser pobre em alimentos com gordura animal, mas rica em fibras;
  2. Exercícios físicos, é fundamental para o tratamento, a prática regular de atividade física, com as devidas orientações para cada caso; e
  3. Medicamentos, embora nem sempre sejam necessários.

A dieta para baixar o colesterol tem como objetivo reduzir os níveis de colesterol ruim (LDL) e aumentar as taxas do colesterol bom (HDL).

Alimentos que devem ser evitados no caso de colesterol alto:

  • Frituras, carne de porco, carne vermelha;
  • Salsichas, presunto, bacon, linguiças e embutidos em geral;
  • Fígado e miúdos;
  • Creme de leite, manteiga, queijos amarelos;
  • Leite e derivados integrais.

Em caso de colesterol alto, consulte um/a médico/a clínico/a geral, um/a médico/a de família ou cardiologista, para receber acompanhamento e tratamento adequados.

Saiba mais sobre o assunto em: Colesterol VLDL baixo: O que fazer?